Postagem em destaque

Ela mata o marido e esconde o corpo dele no freezer.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Uma mulher foi presa no Brasil pelo assassinato de seu marido. O cor...

sexta-feira, 24 de julho de 2020

“Não teve aquela despedida digna, vestida, de tratarem dela e de nós a vermos.” Como os funerais em tempos de covid-19 perturbam o luto.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A angústia parece prolongar-se no tempo e a sensação é a de que o processo vai ser mais longo e difuso. Os caixões selados, a impossibilidade de ver os corpos e os funerais despidos de pessoas têm efeitos psicológicos em quem fica com a dor de perder alguém. Os especialistas, preocupados, querem mudar a lei dos rituais.


“Na casa onde vivo, tenho vista direta para o cemitério”. Começa assim esta história de duas Anas que são protagonistas sem terem escolhido sê-lo. A primeira, Ana Aguiar, obrigada a trabalhar em casa no período de confinamento, dava por si a reparar nas rotinas do cemitério que calhou ser em frente à casa onde mora. “Comecei a perceber que existiam velórios a serem organizados de forma diferente.”
Ana Cunha experienciou-o de forma direta. “Foi duro. Ainda é duro. A cabeça sabe que já partiu, mas no coração, ela ainda está no lar à minha espera”.
A avó tinha 91 anos e saúde para dar e vender. Apenas apoquentava a família com uns “problemas nos brônquios, tudo controladito”. No lar de Santo António de Gueifães estava segura, acreditava a neta. Mas uma funcionária foi infetada, sem saber, pelo marido, e de seguida infetou uma idosa do lar e várias outras infeções brotaram.

expresso.pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página