Postagem em destaque

Elon Musk pode lançar seu próprio smartphone.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Elon Musk, o homem mais rico do mundo ainda tem um apetite voraz. Ap...

domingo, 2 de janeiro de 2022

63 anos de revolução em Cuba ou o desafio da resistência criativa.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Havana, 1º de janeiro (Prensa Latina) A construção de um novo projeto de sociedade, baseado nos princípios da justiça social, da solidariedade e da emancipação, nasceu em uma época como a de hoje em Cuba e perdura após 63 anos de desafios e resistências criativas.

O primeiro dos desafios consistiu em impor-se ao modelo capitalista vigente em meados do século XX, com a implementação de medidas radicais que colocaram o homem no centro das atenções e deixaram para trás os anos infelizes da ditadura de Fulgencio Batista, que fugiu da ilha caribenha antes da vitória inevitável do Exército Rebelde.

Foi logo no primeiro dia de janeiro de 1959, com o Triunfo da Revolução, quando Fidel Castro, líder da insurreição armada que libertou o país, previu que se iniciava um duro e perigoso empreendimento, dada a coragem de erigir um processo que o tornaria sonhos dos mais desfavorecidos se tornam realidade, naquela época a maioria.

A transformação do sistema de educação e saúde, a industrialização do país, a eliminação do desemprego rural e urbano e a concessão de direitos aos camponeses, são apenas algumas das promessas cumpridas nos primeiros anos da Revolução do histórico Programa Moncada. folha do percurso traçado por Fidel Castro em sua conhecida confissão de legítima defesa La Historia Me Absolverá, após as ações de 26 de julho de 1953.

O intenso pacote de mudanças abrangeu todas as esferas sociais e também a criação de um arcabouço institucional e uma nova forma de gestão governamental, além da projeção internacional, um catálogo de conquistas conquistadas pela primeira vez por uma nação pequena e subdesenvolvida, que se defrontou com rapidez. oposição.

Com inúmeros ataques e agressões de diversos formatos e a aplicação, desde o início de 1962, de um cerco econômico, comercial e financeiro que põe em xeque todas as tentativas de tornar sustentável o desenvolvimento da nação, os vizinhos Estados Unidos repreenderam a ilha do Caribe, antes da pretensão de escrever. seu destino com suas próprias mãos.

Às perdas tangíveis milionárias somam-se os custos humanos, difíceis de calcular: Nemesia ainda guarda a memória do bombardeio de Playa Girón em 1961 que acabou com a vida de sua mãe e Liliam Machin não pôde encontrar seu pai novamente, após pilotar o avião de Barbados que os detratores de Cuba explodiram em pleno voo, com 63 pessoas a bordo em 1976.

No entanto, o país não deixou de se comprometer com o futuro, a construção de escolas e programas educacionais, a elaboração de planos de empoderamento feminino, a conquista de números promissores na saúde, a colaboração além de suas fronteiras … seu sistema social, no enfrentamento ameaças constantes à sua soberania.

Não em vão o escritor uruguaio Eduardo Galeano disse dela que a Revolução “castigou, bloqueou, caluniou, fez muito menos do que queria, mas muito mais do que poderia. E continua cometendo a perigosa loucura de acreditar que o homem não está condenado à humilhação dos poderosos do mundo”.

O país teve que enfrentar mais de uma batalha para trazer seus filhos de volta para casa, como a de devolução da criança que Elián González mantinha sem o consentimento de sua família nos Estados Unidos ou a devolução dos cinco antiterroristas que pagaram com penas injustas na nação do norte, o preço de defender suas terras das agressões.

Também na ordem econômica, deve se reinventar a cada dia, para superar os freios do bloqueio estadunidense e os obstáculos internos muitas vezes reconhecidos, e que em 2021 somaram aos problemas acumulados os efeitos do segundo ano de uma pandemia que cortou sua principal linha econômica, o turismo, o comércio e as exportações.

Entre outras medidas para a recuperação econômica, este ano o país iniciou a Tarefa de Ordenação em busca da unificação monetária; implementou novas medidas destinadas a substituir importações e aumentar a produção e priorizou a aplicação de ciência e tecnologia.

Este foi o ano do ressurgimento da política hostil contra Cuba do governo Joe Biden, que não só não cumpriu sua promessa eleitoral de reiniciar o degelo com a ilha, mas também manteve intactas as 243 medidas ditadas por seu antecessor Donald Trump (2017-janeiro 2021), para sufocar sua economia.

Ao cerco econômico juntaram-se as tentativas de subverter a ordem social e constitucional da nação, com o apoio de operadores políticos estabelecidos nos Estados Unidos, bem como o uso de tecnologias e meios de comunicação para a Guerra Não Convencional contra o país.

Nesse cenário complexo, Cuba conseguiu vacinar mais de 85% de sua população contra a Covid-19 com o desenvolvimento de seus próprios injetáveis ​​e colocar-se na vanguarda da imunização na América Latina, além de continuar a dar solidariedade a mais de 40 países do mundo pelo contingente de médicos Henry Reeve, criado por Fidel Castro em 2005.

Um ano de aulas também concluído em matéria jurídica, com a discussão de um Código da Família que coloca a ilha entre as legislações mais avançadas e a aprovação de quatro regulamentos que reforçam o sistema judicial e os direitos dos cidadãos.

Na qualificação para 2021, o presidente da nação, Miguel Díaz-Canel, garantiu que este tem sido um período de aprendizagem e – mais uma vez – de resistência criativa do povo perante as adversidades.

fonte: granma.cu

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página