Postagem em destaque

Elon Musk pode lançar seu próprio smartphone.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Elon Musk, o homem mais rico do mundo ainda tem um apetite voraz. Ap...

terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

Biden Aide: 'A América não pode combater a corrupção da Libéria'.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Um assessor sênior do presidente dos Estados Unidos Joe Biden citou uma das razões para o atraso da Libéria, sendo que os líderes escolhem seu ganho de curto prazo em relação ao benefício a longo prazo de seu país.

Dana Banks, que trabalha como assistente especial de Biden, e também atuou como diretora sênior para a África no Conselho de Segurança Nacional, disse que, embora os Estados Unidos continuem sendo um parceiro dedicado e amigo da Libéria, observou que muitos dos líderes da Libéria escolheram seu ganho a curto prazo sobre o benefício a longo prazo de seu país.

Isso, segundo ela, é um ato de roubo — roubar aos cidadãos da Libéria acesso a cuidados de saúde, segurança pública e educação.

"Corrupção é um ato de roubo. Isso rouba o ambiente de negócios saudável que todos sabemos que a Libéria poderia ter, o que tiraria inúmeros liberianos da pobreza", alertou Banks, que chefiou a delegação presidencial dos EUA para participar das Celebrações Bicentenárias da Libéria em Monróvia, em 14 de fevereiro. "Subverte a oportunidade econômica, exacerba a desigualdade e corrói a integridade. Ele devora a democracia que você trabalhou tão duro para construir.

Os bancos expressaram a crença de que muitos líderes libaneses se envolveram em corrupção com a expectativa de que os Estados Unidos e o resto da comunidade internacional intervendam para resolver os problemas de longo prazo da Libéria.

Ela advertiu sem rodeios que, do nada, a luta contra a corrupção e a demanda por responsabilidade e transparência agora estão nas mãos dos liberianos se eles vislumbram levar seu país adiante.

Segundo ela, a Libéria tem uma série de instituições anticorrupção e, embora sejam nominalmente e legalmente independentes do Governo da Libéria, a verdade é que o governo não consegue financiá-las adequadamente e exerce sua influência sobre elas.

"Deixe-me ser claro. Os Estados Unidos são um parceiro orgulhoso e dedicado e amigo da Libéria. Mas, em última análise, apenas o Governo liberiano e o povo liberiano podem combater a corrupção, lutar pela responsabilização e transparência e levar este país adiante", disse ela. "Ainda assim, enquanto isso, continuaremos nossa parceria forte e única para assumir todos os tipos de desafios - especialmente em questões que afetam a todos nós, como as mudanças climáticas e a pandemia global COVID-19."

O Bicentenário, que Banks e outros estão aqui para celebrar, é um evento de um ano que marca o retorno dos africanos libertados da escravidão nos Estados Unidos de volta à África e se estabelecendo na Ilha da Providência, levando à criação da atual Libéria.

Em 6 de fevereiro de 1820, o primeiro grupo de pessoas anteriormente escravizadas nos Estados Unidos a se reinstalar na África partiu de Nova York. Uma organização chamada Sociedade Americana de Colonização, com financiamento do Congresso, havia sido criada para devolvê-los à Libéria, na África Ocidental. Sequestro e escravização de pessoas da África foram abolidos nos Estados Unidos em 1808.

A Comemoração Bicentenária está sendo realizada sob o tema" Libéria: A Terra do Retorno – Comemoração dos 200 Anos de Liberdade e Liderança Pan-Africana", enquanto o slogan é" A Estrela Solitária Para Sempre, Mais Forte Juntos".

Significa os importantes marcos históricos alcançados pelo país desde sua fundação em 1822 e os fortes e antigos laços entre a Libéria e os Estados Unidos da América.

Banks, em nome de Biden, disse que é importante que a Libéria celebre o 200º aniversário de homens, mulheres e crianças negras livres dos Estados Unidos que chegam à Ilha da Providência quando deixaram um país que legalizou a escravidão.

"Eles foram patrocinados, em parte, pela Sociedade Americana de Colonização, um projeto racista - apoiado até pelo próprio Grande Emancipador, o presidente Abraham Lincoln - para remover os negros livres da América. Foi uma jornada difícil, e ainda mais difícil para aqueles que chegaram. Mas sabemos por que fizeram a viagem. Como diz sobre seu brasão de armas, 'o amor da liberdade nos trouxe aqui", observou Dana.

fonte: liberianobserver.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página