Postagem em destaque

Tchad: JULGAMENTO DE ATIVISTAS DE OPOSIÇÃO NO CHADE - Deby filho quer afogar o peixe na água

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... É um julgamento extraordinário e maratona que começou em 29 de novem...

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022

Rússia: Bolsonaro vai-se embora pra Pasárgada.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Jair Bolsonaro, apesar de desgastado pelas inúmeras mentiras[2] que, oficialmente, contou à Nação, agora promete que, se Lula vencer no 1º turno, ele vai-se embora do Brasil: “Vou para os Estados Unidos”, garante Bolsonaro, sem qualquer constrangimento por essa declaração que faz de si um elemento acovardado, apátrida, um político pequeno, bem distante do estadista que é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com isso, Bolsonaro, na condição de presidente da república, demonstrou publicamente que não lutaria por um Brasil mais justo, mais progressista, mais culto, mais feliz... Nada disso. Ele se preocupa em buscar sua felicidade pessoal, intransferível, seu bem-estar, garantindo impunidade para si e para os seus. 

Persona non grata 

"O norte-americano Richie Floyd, vereador na cidade de São Petersburgo, na Flórida, Estados Unidos, disse na 5ª feira (13.jan.2022) que o presidente Jair Bolsonaro (PL) não é “bem-vindo” para morar no seu país. Mais cedo, circularam informações de que o chefe do Executivo estuda a hipótese de se mudar para o país, caso o ex-presidente Lula vença as eleições deste ano no 1º turno" - PODER360 13.jan.2022 [3].

Ou Bolsonaro é muito ingênuo ou acredita que o povo brasileiro o é.

Um sujeito como Bolsonaro, político inexpressivo, mas oportunista e, o que é mais grave, inescrupuloso, apologista do crime de tortura, assumidamente misógino, odiento, entreguista, está tendo oportunidade de governar o nosso País. Ele poderia, agora, se livrar da pecha de “inútil”, que “conquistou” durante os sete mandatos de deputado, exercidos entre 1991 e 2018 (27 anos). Para isso, bastaria trabalhar (epa!), mas preferiu entregar os destinos da Nação à sanha dos ianques, transformando o Brasil, definitivamente, num Estado vassalo dos EUA, colonialistas e imperialistas. A performance dele na Rússia, fazendo de conta que foi até lá por conta própria, sem se submeter a determinações da Casa Branca, não convence ninguém.

Os ianques, apesar de aparentemente gostarem do cheiro de "vira-lata", têm certo asco dessa gente entreguista. Perguntemos, por exemplo, para onde foram alguns ditadores latino-americanos, vassalos de Washington, depois de terem sido defenestrados do poder pelos povos de seus países.

Refrescando a memória

Anastasio Somoza Debayle, o “Tachito”, general, ditador nicaraguense, filho de Anastacio Somoza García, o “Tacho” (general iniciador da dinastia Somoza, assassinado em 1956). 

Tachito, ao ser deposto da Presidência, chegou a viajar para Miami, onde pretendia fixar residência, mas os americanos não quiseram aceitá-lo em território estadunidense, mandaram o sujeito para o Paraguai, onde foi entregue “aos cuidados” de outro ditador não menos perverso e igualmente entreguista, o general Alfredo Stroessner, que mandou matá-lo, para se apossar da fortuna que o nicaraguense levou para aquele país, muitas malas, caixas e cofres lotados de dólares e joias. 

Quando a Revolução Sandinista tomou o poder, a família Somoza possuía 342 propriedades, com atividades em áreas de interesses diversos, inclusive tráfico de drogas. À época, sua fortuna foi calculada em 5 bilhões de dólares. 

Um tiro de bazuca, em Assunção, capital do Paraguai, destruiu o carro em que Somoza viajava. Botaram o assassinato do bicho na conta de suposto “terrorista argentino". Tempos depois, a CIA fez circular fake news em que acusava a KGB (agência governamental russa responsável pelos serviços de inteligência da extinta União Soviética) de ter planejado e prestado toda a assistência necessária à execução de Somoza. 

Certa ocasião, em 1936, o presidente dos EUA Franklin Delano Roosevelt, referindo-se ao velho Anastasio “Tacho”, pai de "Tachito" Somoza, disse: "Somoza pode ser um filho da puta, mas é o nosso filho da puta".

O general paraguaio Alfredo Stroessner, por sua vez, depois de 35 anos praticando barbaridades contra seu povo, caiu em 1989. A Casa Branca, atendendo recomendações da Agência de Segurança Nacional (em inglês: National Security Agency - NSA), órgão vinculado ao Departamento de Defesa dos Estados Unidos, contando com o apoio do governo Sarney, arranjou exílio para o déspota no Brasil. Morreu em Brasília, desprezado pelo seu povo.

Fulgencio Batista

Ao término do seu primeiro mandato como presidente de Cuba (1940 a 1944), eleito pelo voto popular, Fulgencio Batista viveu na Flórida, retornando a Cuba em 1952, a fim de concorrer à presidência da república. Derrotado, liderou um grupo de militares que deflagrou golpe de estado e governou de forma absoluta, na condição de ditador, de 1952 a 1959, quando foi derrubado pela Revolução Cubana sob o comando de Fidel Castro, Che Guevara e Raúl Castro.

O jornalista americano Jules Dubois assim descreveu o regime de Batista: 

“Batista voltou ao poder no dia 10 de março de 1952 e começou então a etapa mais sangrenta da história cubana desde a guerra da independência, quase um século antes. As represálias das forças repressivas de Batista custaram a vida a numerosos presos políticos. Para cada bomba que explodia nas ações dos grupos rebeldes, o regime de Batista tirava dois presos da cela e os executava de maneira sumária. Uma noite em Marianao, bairro de Havana, os corpos de 98 presos foram espalhados pelas ruas, crivados de balas”[4].

Batista, que tanto amava os Estados Unidos, morreu em  6 de agosto de 1973, em Marbella, Espanha, à época sob o comando do sanguinário ditador Generalíssimo Franco, responsável pela morte de cerca de 200 mil espanhóis e ídolo de ditadores latino-americanos, como, por exemplo, o ditador chileno Augusto Pinochet (um dos ídolos de Bolsonaro), acusado de ter eliminado milhares de chilenos e muitos refugiados políticos em seu país. 

Pinochet apoiou os ingleses na Guerra das Malvinas, porém, quando já não servia mais aos interesses da Inglaterra, passou 503 dias preso em Londres, para onde foi com o propósito de submeter-se a tratamento de saúde. 

A prisão de Pinochet pela Scotland Yard, em Londres, foi motivada por  mandado de busca e apreensão internacional. O juiz espanhol Baltasar Garzón pediu a extradição do ditador chileno para a Espanha, onde deveria ser julgado por crimes de violação dos Direitos Humanos, acusado de genocídio, terrorismo e tortura. O magistrado espanhol fundamentou-se em denúncias formuladas por familiares de espanhóis desaparecidos no Chile durante a ditadura comandada por uma junta militar presidida pelo cruel general Augusto Pinochet. 

Jean-Bédel Bokassa

Bolsonaro não é melhor do que o centro-africano Jean-Bédel Bokassa. Este era capacho dos franceses e foi o segundo presidente da recém inaugurada República Centro-Africana. O primeiro foi um primo seu, que por ele foi golpeado. 

Onze anos depois de se tornar ditador da República Centro-Africana, Bokassa resolveu proclamar-se imperador, dando início a um tenebroso regime monárquico absolutista. Seu país passou a ser chamado Império Centro-Africano. 

Dizia-se que Bokassa praticava o canibalismo e que, no seu palácio, tinha uma câmara frigorífica em que estocava carne humana. Talvez tenha sido por isso que ele acompanhou, presencialmente, o assassinato de mais de 100 jovens estudantes que se recusaram a comprar uniforme escolar fabricado por uma de suas esposas. Certamente ele acompanhou a matança para indicar aqueles que atenderiam as suas pavorosas escolhas gastronômicas.

Quando caiu, Bokassa evocou o direito à cidadania francesa (ele nasceu na África Equatorial Francesa, uma federação de possessões coloniais francesas na África Central) e acabou exilado em Paris. 

Incomodados com a presença do tirano em seu país, os franceses, naquele momento governados por Valéry Giscard d'Estaing, exigiram a deportação do ex-imperador africano, e acabaram enviando-o de volta para a África Central, onde foi condenado à morte, porém a sentença foi comutada para prisão perpétua.

Tempos atrás Giscard d'Estaing, na condição de ministro das Finanças do governo Georges Pompidou, havia recebido dois valiosos diamantes, presentes de Bokassa. O fato veio à tona e gerou um escândalo que custou a derrota do presidente Giscard d'Estaing quando este tentou a reeleição à presidência.

Bolsonaro, bem sabemos, não é um Valéry Giscard d'Estaing. Sua personalidade é mais assemelhada à de Jean-Bédel Bokassa.

[1] Fernando Soares Campos é escritor, autor de “Saudades do Apocalipse - 8 contos e um esquete”, CBJE, Câmara Brasileira de Jovens Escritores, Rio de Janeiro, 2003; “Fronteiras da Realidade - contos para meditar e rir... ou chorar”, Chiado Editora, Portugal, 2018; e “Adeildo Nepomuceno Marques: um carismático líder sertanejo”, Grafmarques, Maceió, AL, 2022.

 

(2) “'Bolsonaro: 1682 mentiras em um ano': Divulgar informações imprecisas, inverídicas ou exageradas sempre foi muleta para políticos em véspera de eleição. As falsas promessas e as distorções da realidade, no entanto, não costumam ser marcas de um governo. Candidato mentir é normal [é comum]. Quando ele se torna ocupante de cargo público, é crime. No caso de Jair Bolsonaro, as mentiras são uma marca registrada. Em 2020, segundo relatório da ONG internacional Artigo 19, divulgado na quinta-feira (29), o presidente da República mentiu 1682 vezes. O número é assustador quando comparado ao de outros países. As mentiras ameaçam diretamente a democracia e o crescimento da economia” ‒ Istoé Dinheiro.

Leia mais:  https://www.istoedinheiro.com.br/bolsonaro-1682-mentiras-em-um-ano/.

 

[3] Pelo Twitter, Floyd respondeu uma publicação da jornalista Nathália Urban, que comentava a possibilidade. “Bolsonaro prometeu que se Lula vencer as próximas eleições no 1º turno vai deixar o Brasil: “Vou para os Estados Unidos”.  Floyd então afirmou: “Você não é bem-vindo”.
Leia mais: https://www.poder360.com.br/internacional/vereador-da-florida-diz-que-bolsonaro-nao-e-bem-vindo-nos-eua/

 

[4] Conferir em Wikipédia, verbete Fulgencio Batista: 


fonte: pravda.ru

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página