Postagem em destaque

Tchad: JULGAMENTO DE ATIVISTAS DE OPOSIÇÃO NO CHADE - Deby filho quer afogar o peixe na água

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... É um julgamento extraordinário e maratona que começou em 29 de novem...

segunda-feira, 28 de março de 2022

SENEGAL: Mulher de Abdoulaye Baldé fala - "Nunca usei minha relação com Macky Sall".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Aminata Gassama é farmacêutica de profissão. Ela é a esposa de Abdoulaye Baldé, ex-prefeito de Ziguinchor. Ela está em conflito com sua colega Aïcha Ngoundiam Mbodj sobre um quarto localizado na Place de l'Indépendance. A Suprema Corte cancelou o decreto ministerial que lhe permitia instalar sua farmácia no local. O que é uma vitória para o outro lado.

Mas, recentemente, uma decisão do ministro da Saúde veio para dobrar as cartas. Abdoulaye Diouf Sarr retirou de Aïcha Ngoundiam Mbodj a autorização que lhe permitia operar a sua farmácia. A partir de então, a senhora não pôde mais ocupar o local em questão para aí instalar a sua farmácia.

Algumas vozes compararam essa decisão a favor do poder a Aminata Gassama. Este último sendo parente do presidente Macky Sall e apresentado como amigo da primeira-dama, Marième Faye.

Em entrevista publicada no Today's Les Échos, a esposa de Abdoulaye Baldé afirma ter ligações com o casal presidencial. Mas, ela se apressa em refutar qualquer uso dessa proximidade para desfrutar de qualquer favor. “Acho que são censuras falaciosas”, denuncia.

Aminata Gassama lembra: “Eu me formei em 1990 e exerço essa profissão há 31 anos. Quando comprei a farmácia Majmouth Diop, foi em 2003, Macky Sall não era Presidente da República. Sou censurada por meu vínculo de sangue com (ele), este vínculo eu reivindico. Ele é meu irmão, mas nunca usei esse link para nada."

E como prova, a farmacêutica indica primeiro que o edifício onde se encontra a sua farmácia foi vendido e, posteriormente, foi-lhe pedido que cedesse as suas instalações. No entanto, garante-nos, não solicitou a intervenção do chefe de Estado.

“Eu tinha permissão de Diamniadio, mas a Ordem me obrigou a fechar, contrata Aminata Gassama. Lá também, eu poderia procurar uma intervenção, mas não o fiz. Quando me impuseram “200 metros”, poderia ter procurado intervenções, mas não o fiz. Preferia trabalhar e ser julgado pelo fruto do meu trabalho e não pelo favoritismo. Portanto, essas críticas são enganosas.”

fonte: seneweb.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página