Postagem em destaque

Ela mata o marido e esconde o corpo dele no freezer.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Uma mulher foi presa no Brasil pelo assassinato de seu marido. O cor...

quarta-feira, 18 de maio de 2022

SENEGAL: “Touche pas à mon lion”, novo lema nacional (Por Adama NDIAYE).

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


“Algumas pessoas pensam que o futebol é uma questão de vida ou morte. Acho isso chocante. Posso garantir que é muito mais importante do que isso”

Bill Shankly, treinador do Liverpool

Os senegaleses estão praticamente de acordo em nada. Lembre-se, no entanto, que houve controvérsia após a entrada do cëbbu jen nacional no patrimônio imaterial da UNESCO. Neste país onde tudo é fonte de debate e oposição, os “Leões”, pelo menos desde o seu épico glorioso entre Bafoussam e Yaoundé, e a sua classificação de tirar o fôlego para a Copa do Mundo de 2022, são unânimes em torno deles. Assim, o chamado caso Idrissa Gana Gueye - o jogador do PSG supostamente se recusou a jogar o jogo Montpellier-PSG para não participar do Dia contra a Homofobia - conseguiu concordar com Macky Sall, Abdoul Mbaye, Mamadou Lamine Diallo e toda a gama de ativistas do país. Com algumas nuances, todo o espectro político e midiático se juntou ao coro para protestar contra as exigências de sanções contra Gueye de certos políticos e associações de direitos humanos franceses. A hashtag “JesuisIdrissaGanaGueye” é muito divulgada nas redes sociais e uma petição, iniciada pelo Coletivo “Não à heterofobia”, também foi lançada.

 Só faltou um protesto ou uma boa e velha marcha de apoio para que essa formidável “mobilização” fosse completa... Mas chega de ironia.

O que este caso ilustra, além da rejeição maciça da homossexualidade pela sociedade senegalesa, é o amor incondicional e o reconhecimento que o público tem pelos leões. Antes de Idrissa Gueye, Sadio Mané e Édouard Mendy, para casos muito diferentes, se beneficiaram da mesma onda de apoio.

Veja o caso de Sadio Mané. O senegalês grita sua indignação nas redes sociais e nos aparelhos de televisão cada vez que ele fica de fora da disputa por um troféu individual. Aliás, amigáveis, esses protestos podem tomar um rumo lunar quando alguns sugerem seriamente que o jogador do Liveropool é vítima de uma conspiração internacional que mistura racismo, ódio ao Senegal ou discriminação contra a África. Nesse sentido, a última saída do Diretor Técnico Nacional, Mayacine Mar, afirmando que “as pessoas (quem?) /Sport/meilleur-joueur-de-premier-league-le-cou_n_378793.html) me parece emblemático desse clima bem-humorado que às vezes se transforma em chauvinismo delirante.

Ainda assim, não toque no filho de Bambali. Jürgen Klopp recebe um voleio de madeira verde toda vez que tem a audácia de derrubar o herói nacional durante a partida.

Por ter tido a audácia de se comparar a Sadio Mané, o ala do Newcastle Allan Saint-Maximin também teve direito à ira dos senegaleses.

“Algumas pessoas pensam que o futebol é uma questão de vida ou morte. Acho isso chocante. Posso garantir que é muito mais importante do que isso”, disse o lendário técnico do Liverpool, Bill Shankly.

Para ver o amor apaixonado que os senegaleses têm por seus leões, podemos dizer que o treinador escocês estava certo.

fonte: seneweb.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página