Postagem em destaque

Elon Musk pode lançar seu próprio smartphone.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Elon Musk, o homem mais rico do mundo ainda tem um apetite voraz. Ap...

domingo, 10 de julho de 2022

Benin: Nomeação do mediador para a Guiné-Conacri - Estratégia inteligente para afastar o ex-presidente da República do Benin, Boni Yayi.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O ex-presidente da República do Benin Boni Yayi é nomeado mediador da crise guineense. Para além do alívio observado na classe política guineense e das felicitações à diplomacia beninense, alguns observadores vêem nela um desejo sibilino: o de afastar-se e ocupar um "adversário" político. Desde domingo, 3 de julho, Boni Yayi é o mediador da crise guineense. Nomeado pelos atuais presidentes da CEDEAO durante sua 61ª cúpula, Boni Yayi tem a delicada missão de trazer as autoridades da junta militar de volta às propostas razoáveis ​​de transição e trabalhar pelo retorno da paz na Guiné. Para os chefes de Estado, é uma boa operação já que a sua escolha é apelidada pela classe política guineense. Mas é para a diplomacia beninense e seu chefe de Estado Patrice Talon que vai a palma de ouro. O Benin desferiu um verdadeiro golpe diplomático ao conseguir que Boni Yayi fosse nomeado para um cargo de tão alta visibilidade. O ex-chefe de Estado beninense que se adapta tão bem a essas responsabilidades internacionais tem o que é preciso para provar seu talento como homem de paz e negociador que o conhecemos tão bem. No entanto, esta nomeação tem para o Presidente da República uma vantagem política que vai além do mero prestígio que pode derivar da nomeação do seu antecessor. E com razão, a posição de mediador na crise guineense afastará um pouco Boni Yayi das nossas preocupações beninenses e das nossas intrigas políticas internas. Ele será um pouco mais móvel, um pouco mais ocupado. Ele deve não só fazer visitas frequentes a Conacri, mas também a outras capitais da África Ocidental para se reportar aos presidentes e até para trocar com o Secretário-Geral da CEDEAO. Sabendo como é difícil negociar e mudar a mentalidade dos militares no poder, é seguro dizer que essa missão provavelmente durará vários meses. Entre ônibus, reuniões, entrevistas em palácios e hotéis, Boni Yayi não terá mais tempo para se dedicar às preocupações internas de seu país. Enquanto ele continua a restaurar a ordem constitucional na Guiné, o atual calendário eleitoral no Benin seria implementado gradualmente fonte: https://lanouvelletribune.info/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página