Postagem em destaque

Ela mata o marido e esconde o corpo dele no freezer.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Uma mulher foi presa no Brasil pelo assassinato de seu marido. O cor...

domingo, 23 de outubro de 2022

REPRESSÃO SANGRENTA NA MANIFESTAÇÃO NO CHAD: A Fascinação do Regime em Movimento.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Em 20 de outubro de 2022, confrontos violentos em Ndjamena, capital do Chade, opuseram as forças de segurança contra muitos manifestantes contrários à extensão da transição liderada pelo general Mahamat Idriss Déby, filho do falecido presidente. O relatório mostra vários mortos e muitos feridos recebidos em várias unidades de saúde da capital. Na origem deste surto de febre, a convocação para manifestação dos partidos políticos e organizações da sociedade civil para a qual a transição liderada por Deby Junior não tem legitimidade após o termo, em 20 de outubro, do prazo de dezoito meses que ele havia dado a si mesmo a morte de seu pai, para o retorno à ordem constitucional. Uma manifestação proibida e descrita como uma “tentativa de insurreição armada” pelas autoridades de Ndjamena, que não pretendem ver o mandato de dois anos concedido pelo Diálogo Nacional Inclusivo e Soberano ao presidente de transição para acabar com o país do estado de exceção. A partir de então, era de se esperar que o poder da transição tentasse matar o filhote pela raiz, dando a si mesmo os meios de suprimir a manifestação para evitar qualquer possível contágio. Se esse era o objetivo, pergunta-se se essa maneira de tensionar os músculos conseguirá frear de vez o ardor dos crocantes. Pode-se perguntar também se a luta da oposição não é uma luta perdida antecipadamente. A história dirá. Entretanto, é uma repressão sangrenta que mancha a treliça do jovem líder da transição e que suscitou uma onda de condenações em todo o mundo, incluindo a da França que, no entanto, se mostrou conciliadora com o filho do outro e que deveria ter um caso de consciência hoje. De qualquer forma, é um mau sinal para a estabilidade que os chadianos estão pedindo. De fato, após décadas de brasas de Déby pai, Chad está se reconectando com os demônios da violência assassina sob o filho cujo batismo de fogo para o segundo turno da transição foi escrito com letras de sangue nos cadáveres de seus compatriotas. A única falha desses manifestantes é o desejo de ficar em seu caminho, em sua lógica de confisco do poder. Isso significa que, neste caso, é Deby filho o problema do Chade. Não só ele não jogou limpo com os chadianos ao se comprometer com uma transição de 18 meses, cujo prazo, letra e espírito não conseguiu cumprir, mas também trabalhou para voltar ao jogo eleitoral no final do período de transição depois de habilmente manobrado para conseguir um bônus de dois anos. Parece que estamos em um confronto que não é um bom presságio para Chad De qualquer forma, com a violenta repressão da manifestação da última quinta-feira, tudo indica que o famoso Diálogo Nacional, supostamente inclusivo e soberano, foi para Deby filho apenas um truque para conseguir uma legitimidade para manter o chefe de Estado chadiano. Prova disso é a passagem em vigor das conclusões que deixaram vários participantes insatisfeitos, quando este Diálogo não passa por um jogo de tolos em que entidades como a Igreja Católica e a Igreja Protestante acabaram por se dissociar dele. Isto é, se as tensões sócio-políticas que abalam o país desde ontem são um pouco o resgate da duplicidade. Portanto, não cabia apenas a Deby son escolher como primeiro-ministro um adversário histórico que ocupou o seu posto e estabelecer um governo de unidade nacional, quando a substância do debate continua a ser a questão da perpetuação de uma dinastia à frente do o Estado. E é essa questão fundamental que os críticos do presidente chadiano parecem estar se fazendo. É por isso que se pode perguntar se as atuais manifestações da oposição não visam apodrecer o mandato de Déby filho para forçá-lo a abrir outro diálogo. A história dirá. Ainda assim, com grupos rebeldes armados emboscados, incluindo o Front pour l'alternance et la concorde au Tchad (FACT), que não se reconhece neste diálogo nacional, parece que estamos a caminho de um eterno recomeço, neste país onde o poder é conquistado mais sob a mira de uma arma. Isso significa que parece que estamos em um confronto que não é um bom presságio para Chad. Especialmente se as coisas tiverem que ser decididas, como tantas vezes, no equilíbrio de poder no terreno, infelizmente ao custo de vidas humanas inocentes. fonte: https://lepays.bf/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página