Postagem em destaque

Ela mata o marido e esconde o corpo dele no freezer.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Uma mulher foi presa no Brasil pelo assassinato de seu marido. O cor...

domingo, 9 de outubro de 2022

TOUR DO CHEFE DA DIPLOMACIA UCRÂNIA NA ÁFRICA: Dmytro Kouleba trará segurança e pão aos marfinenses?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kouleba, esteve em visita oficial à Costa do Marfim em 5 de outubro para discutir segurança e agricultura. Dmytro Kouleba trará segurança e pão aos marfinenses? Estamos esperando para ver. Mas uma coisa é certa, a Ucrânia tem experiência comprovada na agricultura, em particular na produção do trigo que a Costa do Marfim precisa para reduzir o preço das baguetes que, aliás, quase provocaram tumultos neste país atormentado por ameaças terroristas. Além disso, a Ucrânia deve estar agradecida à Costa do Marfim, pois é um dos raros países africanos que se manifestou a favor dela quando a Rússia a invadiu com seus tanques e outras armas de guerra. E só por isso, a Ucrânia poderia ajudar o país de Houphouët Boigny a lidar melhor com o aumento do custo de vida, devido à guerra, cujo custo está se tornando cada vez mais insuportável para o Ocidente e a África. Recordemos, se necessário, que o Ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano iniciou a sua viagem africana de pouco mais de uma semana (de 4 a 13 de outubro de 2022), que utilizará para defender a causa da Ucrânia. seu país e o continente, no Senegal. Mais claramente, trata-se de “consolidar o apoio político à Ucrânia, aos países do Sul no contexto da agressão russa”, segundo Kyiv. Exceto que, como lembramos, dezessete países do continente, incluindo o Senegal, se abstiveram de votar na resolução da Assembleia Geral da ONU sobre a Ucrânia, que exigia que a Rússia “pare imediatamente de usar a força contra a Ucrânia”. Esses países, portanto, se recusam a tomar partido nesta guerra. Uma forte abstenção que soou em parte como o retorno ao continente africano da política de não alinhamento dos anos 1960. Ao se distanciarem do conflito, esses países têm o cuidado de não se envolver em um conflito que não diz respeito diretamente. Uma postura feliz, que grandes setores da opinião nacional africana consideraram sábia. A África não termina com seus próprios problemas É claro que esse posicionamento não pode ser explicado apenas pelo desejo desses Estados de preservar a neutralidade diante dos dois beligerantes. Traduz também, para certos estados africanos, em sintonia com o Kremlin, o desejo de não ofender seu poderoso parceiro militar russo. Então, qual a chance do diplomata ucraniano influenciar a posição desses países africanos em questão, no final de sua viagem? Além disso, a África não terminou com seus próprios problemas, em particular com a grave crise de segurança que continua a abalá-la, particularmente em sua parte subsaariana. Uma terrível infâmia que continua a tomá-la pela garganta e não é a comunidade internacional, em particular o Ocidente, que terá demonstrado francamente uma solidariedade ativa, longe disso. O que dizer, por exemplo, do famoso G5 Sahel que acabará sendo colocado em um caixão, em grande parte por causa da falta de solidariedade das grandes potências diante do desafio de segurança no Sahel? Por outro lado, em reação à crise ucraniana, podemos medir toda a extensão da imensa cadeia de solidariedade desdobrada em apoio ao povo da Ucrânia, em termos de equipamentos logísticos, armamento, apoio financeiro, etc. Não há dúvida de que os países africanos seriamente atingidos pelo terrorismo teriam hoje desferido um grande golpe, se não o golpe final, na fera imunda do Sahel, se tivessem beneficiado de um quarto do apoio imenso e multifacetado que Ucrânia pelo Ocidente. CBS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página