Postagem em destaque

Tchad: JULGAMENTO DE ATIVISTAS DE OPOSIÇÃO NO CHADE - Deby filho quer afogar o peixe na água

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... É um julgamento extraordinário e maratona que começou em 29 de novem...

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Sanções da CEDEAO: plano de resposta do Mali

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Convocação de instituições bancárias pelo governo, enviando uma delegação à Guiné e Mauritânia, Bamako multiplica iniciativas para contornar as sanções da CEDEAO.

Mali não pretende ficar de braços cruzados. Assimi Goïta havia afirmado isso. "A CEDEAO e a UEMOA assumiram-se, faremos o mesmo", declarou o homem forte da junta numa mensagem à nação no dia seguinte às sanções consideradas ilegais e desumanas. Desde então, o Mali multiplicou as iniciativas.

Internamente, Bamako está tentando controlar a situação financeira. Segundo Jeune Afrique, as autoridades militares indicaram aos estabelecimentos bancários a proibição "formal" de congelar as contas do Estado. Estas instituições bancárias “reunidas no seio da Associação Profissional de Bancos e Instituições Financeiras (APBEF-Mali), foram convocadas a 10 de janeiro pelo Ministro da Economia e Finanças, Alousséni Sanou” para os informar da posição de Bamako.

Externamente, uma delegação composta entre outros pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros e seus homólogos da Economia, Comércio e Transportes deslocou-se segunda-feira à Guiné onde foi recebida pelo Coronel Mamady Doumbouya.

Uma composição que indica claramente que viajar é acima de tudo econômico. Além disso, no final do encontro, Conakry indicou em comunicado de imprensa que “as questões relacionadas, entre outras coisas, à segurança, à circulação de pessoas e mercadorias, bem como ao fortalecimento da parceria estratégica duradoura objeto de intercâmbio. »

Esta mesma delegação seguiu então para a Mauritânia onde deverá ser recebida pelo Presidente Mohamed Ould Ghazouani. Esta será uma oportunidade para trazer Nouakchott, que havia fechado suas fronteiras seguindo os países da CEDEAO, a reconsiderar sua posição.

O Mali procura alternativas ao porto de Dakar (65% das importações do Mali) e ao de Abidjan (20%) para garantir o seu abastecimento. Até agora, o comércio entre o Mali e a Mauritânia tem sido bastante fraco. Esta é, portanto, uma oportunidade para dinamizá-los e diversificar as ofertas do lado do Mali, um país sem litoral mas que faz fronteira com 7 países, dois dos quais não são da CEDEAO (Mauritânia e Argélia) e um Estado (Conacri) suspenso do órgão regional.

Convidado para a Rádio Democracia da África Ocidental (Wadr), o operador económico Cheikh Oumar Sakho recorda que os malianos estavam habituados ao porto de Abidjan. Quando houve a crise na Costa do Marfim, voltaram-se para o porto de Dakar. “Se houver um embargo que nos impeça de ir ao porto do Senegal, vamos recorrer ao porto de Conacri”, promete.

Admite, no entanto, que há uma diferença entre o porto de Dakar e o de Conacri, devido a “muitas montanhas” na estrada na Guiné. "Mas assim que nos acostumarmos com essas montanhas, o problema será resolvido", tempera.

De acordo com Sakho, os operadores malianos que transportaram mercadorias para o porto de Dakar e Abidjan estão a estudar como fretá-las para os portos de Conacri, Nouakchott e Argel. “A partir de agora, todas as encomendas que vamos fazer passarão pelos portos da Guiné, Argélia e Mauritânia”, assegura-nos.

fonte: seneweb.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página