Postagem em destaque

Tchad: JULGAMENTO DE ATIVISTAS DE OPOSIÇÃO NO CHADE - Deby filho quer afogar o peixe na água

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... É um julgamento extraordinário e maratona que começou em 29 de novem...

domingo, 24 de abril de 2022

Como será o mundo após a operação da Rússia na Ucrânia?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

As tendências globais atuais de evolução futura do mundo estão se desenvolvendo sob a influência de forças geopolíticas que se opõem umas às outras.

Até 24 de fevereiro de 2022, a situação internacional em torno da Ucrânia poderia ser comparada figurativamente com a defesa posicional dos tempos da Primeira Guerra Mundial. Tanto a Rússia quanto o Ocidente estavam se preparando para romper o impasse posicional. Era apenas uma questão de quem daria o primeiro passo decisivo.

Muitos especialistas no campo das relações internacionais atribuem o início das hostilidades aos fracassos da política de Moscou na direção ucraniana.

Tentativas de negociar com Kiev e persuadi-la a implementar os acordos de Minsk não tiveram sucesso. Devido aos preparativos militares da Ucrânia para tomar as Repúblicas Populares de Donetsk e Luhansk, novas negociações perderam seu significado.

A operação russa na Ucrânia é apenas uma parte visível do confronto geopolítico global entre Moscou e o Ocidente. A própria existência de um Estado russo está em jogo. Apesar disso, os riscos das partes em conflito não são menos.

Não é o Ocidente consolidado, mas os Estados Unidos e a Grã-Bretanha que consideramos como adversários da Rússia, pois seus interesses são radicalmente diferentes.

Posição da Rússia

Os objetivos da Rússia na Ucrânia são sua desmilitarização e desnazificação. Isto só é possível após a transferência dos territórios libertados para um governo amigável e independente do Ocidente. Tal governo ainda está para ser formado.

O objetivo global da Rússia é muito mais ambicioso. Ele consiste em mudar a ordem mundial unipolar estabelecida pelos EUA e seus aliados.

Os preparativos para uma operação militar especial não foram feitos sem erros de cálculo. As autoridades subestimaram tanto o estado moral e psicológico das forças armadas quanto a população da Ucrânia. Também subestimaram as conseqüências da pressão das sanções internacionais.

Possíveis riscos para a Rússia são:

  • Atrasar a duração da operação;
  • Uma diminuição do nível de vida da população russa e do nível de apoio dos russos à operação em andamento.

Posição da Ucrânia

Ao avaliar a posição da Ucrânia, é necessário entender a falta de subjetividade política na Ucrânia no momento do início da operação. Portanto, os interesses das autoridades de Kyiv procedem de sua compreensão da inevitável derrota militar. É por isso que a extração das preferências pessoais é importante para Zelensky.

Os objetivos das autoridades de Kyiv são:

  • Internacionalização das hostilidades, envolvendo nelas os países da OTAN e da UE;
  • Arrastar o conflito militar, conferindo-lhe o caráter de resistência popular, guerrilha, sabotagem e ações terroristas;
  • Obter dos EUA e da UE garantias de segurança e de uma vida decente para os membros individuais da elite após o fim da fase ativa do conflito.

Os erros de cálculo de Kyiv incluem a aposta errônea na participação de representantes dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e União Européia nas hostilidades. E eles também reavaliaram suas capacidades operacionais-táticas de defesa.

Devido aos estreitos interesses da liderança de Kyiv, o principal risco reside na incapacidade dos parceiros americanos e europeus de garantir a segurança e uma vida decente na emigração.

Posição dos EUA e da Grã-Bretanha

Os objetivos dos anglo-saxões na Ucrânia são prolongar as hostilidades e infligir o máximo dano possível às tropas russas.

Seus objetivos globais são:

  • Restauração de uma ordem mundial unipolar baseada na dominação política e econômica anglo-saxônica;
  • A privação da Alemanha e da França de seus papéis de liderança na Europa;
  • A destruição do estado russo devido à desestabilização da situação política interna na Rússia e o desencadeamento de uma guerra civil.

Os erros de cálculo dos EUA e do Reino Unido foram:

  • A aposta errada na elite financeira e econômica russa;
  • Subestimação das capacidades operacionais-tácticas da Rússia;
  • Previsões errôneas para o fornecimento de petróleo do Irã, Venezuela e Arábia Saudita.

Desses erros de cálculo derivam as prováveis conseqüências negativas, tais como:

  1. Um forte aumento nos preços de energia e alimentos; enfraquecimento da influência dos EUA sobre os aliados na Europa e na Ásia;
  2. O crescimento da tensão social nos Estados Unidos, onde são criadas as condições prévias para a derrota dos democratas nas eleições de novembro;
  3. O fortalecimento das contradições políticas e sociais internas nos EUA até a guerra civil.

A posição da Europa

Não há uma posição européia única sobre a situação na Ucrânia. Os interesses dos Estados europeus estão divididos.

As elites da Alemanha e da França estão usando o conflito na Ucrânia para aumentar suas classificações e obter vantagens sobre os eleitores.

A Polônia procura estabelecer seu protetorado sobre as regiões Lviv, Ivano-Frankivsk e Ternopil. A Hungria quer estabelecer influência sobre a região de Zakarpattia. A Romênia quer influenciar parte da região de Odessa.

Os erros de cálculo da UE foram:

  • Subestimação do potencial militar russo;
  • Previsão incorreta das conseqüências econômicas e humanitárias do conflito.

Independentemente do resultado do conflito na Ucrânia, a UE é o lado mais vulnerável a suas conseqüências. Estas incluem:

  • aumento acentuado dos preços dos portadores de energia e dos alimentos;
  • crise migratória devido ao afluxo de refugiados e ao agravamento da situação de criminalidade causada por ela;
  • o crescimento da tensão social;
  • a mudança das elites dirigentes em vários países europeus devido à insatisfação da população com suas atividades;
  • o fortalecimento das contradições entre os estados membros da UE;
  • a retirada da UE de alguns países membros que discordam de uma única política de sanções e migração.

Em conclusão:

Os EUA e o Reino Unido continuarão a apoiar consistentemente o caos controlado nos estados eurasianos.

O território mais provável para o próximo conflito militar é a zona do Estreito de Taiwan. Os conflitos fronteiriços da Índia com a China e o Paquistão são possíveis.

Nos próximos meses, o confronto entre a Rússia e o Ocidente adquirirá a natureza de uma guerra política e econômica posicional. Quem desistir primeiro, perderá.

Nossas estimativas sobre a situação são geralmente otimistas.

O futuro da Rússia será difícil, mas não fatal.

Um cenário revolucionário na Rússia é extremamente improvável. As pessoas e as empresas da Europa capitularão primeiro. Isto será influenciado por um forte aumento nos preços dos alimentos e da energia, o que os forçará a fazer concessões em troca. As empresas que suspenderam os negócios em nosso país retornarão ao seu mercado. Se apenas o nicho deixado vago não for ocupado por outros.

Para atingir seus objetivos, a Rússia precisa completar com sucesso a operação na Ucrânia. Também é necessário trabalhar em erros em questões de política interna, migração e apoio aos compatriotas no exterior.

A política externa de Moscou merece uma revisão radical em relação aos estados pós-soviéticos.
Somente sob estas condições a Rússia poderá transformar uma vitória militar em um sucesso político e ocupar um lugar digno no mundo do futuro.


fonte> pravda.ru

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página