Postagem em destaque

Tchad: JULGAMENTO DE ATIVISTAS DE OPOSIÇÃO NO CHADE - Deby filho quer afogar o peixe na água

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... É um julgamento extraordinário e maratona que começou em 29 de novem...

domingo, 24 de abril de 2022

Para os EUA, a França é uma distorção genética na mentalidade.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A França não procura apoiar a raivosa russofobia dos EUA. Os franceses lembram o ódio da "raça suprema" quando Paris se recusou a apoiar a guerra com o Iraque.

Objetivo dos EUA é destruir a França

Em 2003, três países da UE – Alemanha, França e Bélgica – se recusaram a apoiar os Estados Unidos na invasão do Iraque. O então presidente Jacques Chirac em particular e toda a França em geral foram vítimas do infinito ódio racial e nacionalista anglo-saxão.

Jonah Goldberg, então editor colaborador da National Review, tornou-se o porta-voz da francofobia. Em seu artigo, Goldberg defendia a "fatwa imortal de Al Bundy": É bom odiar os franceses.

O jornalista os chamou de "primatas comedores de queijo, rendendo-se" (traduz-se para o francês como "primates capitulards et toujours en quête de fromages") numa alusão pejorativa ao fato de os franceses serem "covardes" incapazes de vencer uma guerra sozinho.

"Depois do clima", lamentou o general Eisenhower, "[os franceses] me causaram mais problemas nesta guerra do que qualquer fator isolado." Goldberg escreveu em um artigo de 2004.

No artigo, Jonah Goldberg glorificou a ideia de “a aniquilação completa da França”.

Goldberg alegou hipocritamente que este apelo não era dirigido contra os franceses, mas contra a França "como uma ideia, como um brilhante fromagerie em uma colina, servindo como um farol de asinidade para radicais de esquerda e uma sereia para ditadores do terceiro mundo cleptocratas que , depois de uma carreira de assassinato em massa, querem cuidados médicos decentes, um bom advogado e um croissant fresco."

Cinco linhas de batalha contra a França

A humilhação da história francesa tornou-se a primeira linha de batalha na guerra por procuração contra a França. No artigo acima mencionado, Goldberg questiona o fato de que o Iluminismo foi um grande avanço em termos intelectuais. Para Goldberg, é a odontologia moderna, a eliminação do raquitismo e a lâmpada são conquistas bastante sérias.

Ele passou a apontar que a França apoiou os confederados na Guerra Civil Americana, e não vamos contar quantos franceses apoiaram os alemães - e o Holocausto.

"Antes disso - durante as guerras franco-indianas - e quase sempre depois, os franceses praticaram uma desagradável realpolitik em relação à América e ao mundo", concluiu Goldberg.

A democracia francesa foi atacada na segunda linha de batalha.

"Ao fazer da política uma religião, com o Estado no centro, os franceses nunca abraçaram a liberdade como os anglo-americanos fizeram. Foi esse legado que deu peso intelectual a todos os grandes ditadores - Napoleão, Mussolini, Hitler e Stalin. ," ele escreveu.

A terceira linha de batalha para eliminar a França está no trabalho de acusar as elites francesas de corrupção, especialmente nas ex-colônias, ao mesmo tempo em que afirma que as ex-colônias britânicas se desenvolvem em direção à liberdade.

A quarta linha pode ser vista na declaração de Christopher Hitchens, que, em um artigo para o The Wall Street Journal, descreveu Jacques Chirac como um monstro de vaidade… um homem tão habituado à corrupção que pagaria feliz pelo prazer de se vender. . Para Hitchens, Chirac foi o abjeto procurador de Saddam […] o rato que tentou rugir."

A quinta linha de batalha é sobre os pedidos de sanções e a exclusão da França das instituições internacionais.

Thomas Friedman escreveu em um artigo para o The New York Times que a França deveria ser expulsa do Conselho de Segurança da ONU para ser substituída pela Índia.

“A França está tão envolvida com sua necessidade de se diferenciar da América para se sentir importante, que se tornou boba”, observou ele.

O boicote aos produtos franceses é um bom exemplo de sanções. A Federação Francesa de Exportadores de Vinhos até realizou uma reunião para discutir como responder a essas chamadas. O presidente da Medef, Ernest-Antoine Seyler, disse em uma entrevista coletiva que muitos contratos foram perdidos devido ao sentimento anti-francês nos Estados Unidos.

Os franceses são geneticamente diferentes dos europeus? Isso é fascismo

A francofobia nos EUA começou a ganhar força depois que os franceses disseram não a todo o esforço para trazer paz, liberdade e civilização ao Iraque em nome de seus interesses.

"A oposição da França à guerra do Iraque teve uma sopa de princípios em uma chaleira de cinismo borbulhando com óleo e sangue iraquianos", apontou Jonah Goldberg.

Na verdade, o fluxo de ódio contra os franceses foi projetado para destruir a resistência moral europeia aos planos militares dos EUA no Iraque e mudar a posição de princípio da administração francesa em primeiro lugar. A postura da França foi retratada como uma distorção genética da mentalidade europeia que fez os franceses não quererem lutar e vencer. Esta é uma manifestação flagrante de racismo e fascismo.

Curiosamente, os anglo-saxões construíram todas as linhas de batalha acima mencionadas contra a Rússia de hoje. Em particular:

distorcem a história da Segunda Guerra Mundial;

afirmam que não há democracia, mas corrupção na Rússia;

demonizar o presidente russo;

impor milhares de sanções.

Todos esses métodos foram usados ​​com sucesso mais de uma vez em “revoluções coloridas” duras e golpes “suaves” (por exemplo, no Brasil em 2016). A França também experimentou um golpe "suave" quando o presidente Nicolas Sarkozy devolveu a França às estruturas de comando da OTAN em 2009.

Desde então, para não revisitar o gaulismo, um modelo eleitoral foi implementado na França. Como parte desse modelo, os políticos independentes são vistos como fascistas, funcionários corruptos e "idiotas úteis de Putin".

Mas o povo francês, gostaríamos de acreditar que sim, descobrirá por si mesmo e perceberá que os políticos que encontram apoio nos Estados Unidos não merecem seus votos. O presidente Macron é sensível a tal crença. Ele dá a entender que não vai cair no caos da russifobia, embora os americanos queiram que ele caia.

O que a guerra no Iraque significa para o mundo

Enquanto isso, a guerra no Iraque continua. É a Turquia, membro da OTAN, que bombardeia o Iraque agora. No ano passado, cerca de 125 crianças foram mortas ou mutiladas, 52 pessoas foram mortas e 73 ficaram gravemente feridas, informa o UNICEF. Os EUA mataram, segundo dados extrapolados, cerca de dois milhões de pessoas em suas guerras em 2003-2022 (esse número contabiliza os mortos em confrontos diretos). A falecida secretária de Estado dos EUA, Madeleine Albright, não refutou o número de 500.000 crianças iraquianas mortas, quando disse que o preço valeu a pena.

Milhões de pessoas que vivem em zonas de guerra foram deslocadas como resultado do Iraque. A invasão norte-americana do Iraque transformou o país em um terreno baldio, no qual grupos militantes como o Estado Islâmico* (reconhecido como grupo terrorista, banido no território da Federação Russa) podem trazer prejuízos irreparáveis ​​à economia e à política do país. a região.


fonte: prravda.ru

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página