Postagem em destaque

Ela mata o marido e esconde o corpo dele no freezer.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Uma mulher foi presa no Brasil pelo assassinato de seu marido. O cor...

domingo, 8 de maio de 2022

ANGOLA: QUEM ESTÁ (E ENQUANTO ESTIVER) NO PODER É SEMPRE BOM.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



A vice-secretária de Estado norte-americana, Wendy Sherman, reuniu-se hoje em Luanda com o Presidente angolano, João Lourenço, que se fez acompanhar pelo Presidente do MPLA, João Lourenço, e pelo Titular do Poder Executivo (João Lourenço) tendo discutido o aprofundamento das relações bilaterais, assim como a promoção de reformas económicas e iniciativas anticorrupção.




Em comunicado, o porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Ned Price, informou que também foi abordado o trabalho conjunto entre os dois países para enfrentar a pandemia de Covid-19 e a crise climática, assim como o reforço do investimento privados dos Estados Unidos da América (EUA) em Angola.

“A vice-secretária Sherman e o Presidente Lourenço discutiram o aprofundamento do nosso forte relacionamento bilateral e a importância de reforçar o comércio e o investimento privado dos EUA e promover o progresso nas reformas económicas e iniciativas anticorrupção”, aponta a nota.

Os líderes “abordaram o trabalho em conjunto para enfrentar a pandemia de Covid-19 e enfrentar a crise climática” e “a vice-secretária e o Presidente também discutiram oportunidades de cooperação ampliada em segurança regional e cooperação entre nações do Atlântico em desafios e oportunidades marítimas compartilhadas na bacia do Atlântico”, concluiu Ned Price.

Há pouco mais de dez anos (Março de 2012) o Folha 8 publicou o artigo que a seguir se transcreve, na íntegra e “ipsis verbis”, com o título “E o MPLA vencerá com mais de… 110%”:

«Os Estados Unidos vão garantir a assistência necessária para que todas as vozes do povo angolano sejam ouvidas na preparação das próximas eleições gerais em Angola”.

Quem o escreve, ipsis verbis, é a Lusa. Registamos isso porque a agência oficial do regime português, irmão se sangue do angolano, fala na garantia para que todos sejam ouvidos na preparação das eleições. Se não nos enganamos, preparar é uma coisa, participar é outra.

Diz também a Lusa, uma agência com altíssimos serviços prestados ao regime do MPLA, que a garantia foi dada hoje (5 de Março de2012) em Luanda pela subsecretária de Estado norte-americana para os Assuntos Políticos.

“É muito importante que Angola realize eleições e vou conversar com membros do governo, sociedade civil e partidos políticos para saber o seu ponto de vista sobre as eleições. Os Estados Unidos darão toda a assistência que for necessária para que todas as vozes sejam ouvidas e o povo de Angola tenha eleições onde as suas vozes sejam ouvidas”, disse Wendy Sherman.

Bem vistas as afirmações, o que Wendy Sherman disse não é exactamente o que a Lusa escreve. Mas também é certo que a agência portuguesa está em Angola apenas para reproduzir o que o regime quer.

Mas falemos de eleições em Angola. Se os oitenta e tal por cento conseguidos nas eleições anteriores não chegaram para o MPLA se lembrar dos angolanos, é bom que o povo lhe dê nas deste ano aí uns 110%.

110%? Sim, claro. E ninguém irá protestar. Aliás, muitos dos discursos de felicitações pela vitória do MPLA, paridos nos areópagos da política internacional, já devem estar escritos.

Todos se recordam, embora poucos se atrevam a dizê-lo, que o Presidente angolano, não eleito e há 32 anos no poder, José Eduardo dos Santos, disse no dia 6 de Outubro de… 2008, que o Governo ia aplicar mais de cinco mil milhões de dólares num programa de habitação que incluía a construção de um milhão de casas.

A construção de um milhão de casas para as classes menos favorecidas de Angola e jovens foi, aliás, uma das promessas da então campanha eleitoral mais enfatizadas pelo Presidente da República de Angola e do MPLA, partido que governa o país desde 1975.

José Eduardo dos Santos admitia, modesto como é, que “não seria um exercício fácil”, tendo em conta que o preço médio destas casas, então calculado em cerca de 50 mil dólares. Apesar de tudo, com a legitimidade eleitoral de quem só não passou os 100% de votos porque não quis, assegurou que “já se estava a trabalhar” nesse sentido. Foi em 2008.

“O objectivo dessa estratégia é proporcionar melhor habitação para todos, progressivamente, num ambiente cada vez mais saudável”, disse Eduardo dos Santos. Não sei se ainda alguém se recorda disso… Mas se não se recorda, este ano voltará a ouvir a mesma história.

Por ouvir ficará uma outra face do país. Ou seja: que 68% dos angolanos são afectados pela pobreza, que a taxa de mortalidade infantil é a terceira mais alta do mundo, com 250 mortes por cada 1.000 crianças.

Ou ainda: que apenas 38% da população tem acesso a água potável e somente 44% dispõe de saneamento básico; que apenas um quarto da população angolana tem acesso a serviços de saúde, que, na maior parte dos casos, são de fraca qualidade; que 12% dos hospitais, 11% dos centros de saúde e 85% dos postos de saúde existentes no país apresentam problemas ao nível das instalações, da falta de pessoal e de carência de medicamentos.

Ou também que a taxa de analfabetos é bastante elevada, especialmente entre as mulheres, que 45% das crianças angolanas sofrerem de má nutrição crónica, sendo que uma em cada quatro (25%) morre antes de atingir os cinco anos; que a dependência socioeconómica a favores, privilégios e bens é o método utilizado pelo MPLA para amordaçar os angolanos.»

Margaret Thatcher (primeira-ministra do Reino Unido de 1979 a 1990 ) proibiu em 1979 o seu enviado especial à então Rodésia de se encontrar com Robert Mugabe. O argumento era o de que “não se discute com terroristas antes de serem primeiros-ministros”.

“Não. Por favor, não se reúna com os dirigentes da ‘Frente Patriótica’. Nunca falei com terroristas antes deles se tornarem primeiros-ministros”, escreveu Margaret Thatcher – e sublinhou várias vezes – numa carta do Foreign Office de 25 de Maio de 1979 em que o então ministro dos Negócios Estrangeiros, Lord Peter Carrington, sugeria um tal encontro.

Ou seja, quando se chega a primeiro-ministro, ou presidente da República, deixa-se de ser automaticamente terrorista. Não está mal. É verdade que sempre assim foi e que sempre assim será.

fonte: folha8

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página