Postagem em destaque

Ela mata o marido e esconde o corpo dele no freezer.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Uma mulher foi presa no Brasil pelo assassinato de seu marido. O cor...

segunda-feira, 27 de julho de 2020

Suspeito da morte de Bruno Candé terá tropeçado na cadela do ator três dias antes do crime.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Vítima foi baleada quatro vezes em plena rua em Moscavide. Bruno Candé tinha 39 anos, três filhos e era ator. Família diz que já tinha sido ameaçado depois de suspeito ter tropeçado na cadela do ator.

Resultado de imagem para foto Bruno Candé

Bruno Candé, o ator de 39 anos que morreu este sábado após ter sido “baleado em várias zonas do corpo” na avenida de Moscavide, já tinha sido ameaçado e insultado pelo autor dos disparos, um homem de 80 anos, segundo testemunho da família.

Perante ameaças de morte, alegadamente feitas dias antes do ataque e vários insultos racistas, a família considera que “fica evidente o caráter premeditado e racista deste crime” e exige que “a justiça seja feita de forma célere e rigorosa”. Mas a Polícia de Segurança Pública (PSP) disse que, em seis testemunhas ouvidas sobre a morte de Bruno Candé, “nenhuma falou de racismo”.

Bruno Candé tinha três filhos menores — dois rapazes de cinco e seis anos e uma rapariga que fará três anos em agosto, segundo o jornal Público — e pertencia à companhia de teatro Casa Conveniente desde 2010, tendo participado em telenovelas como a “Única Mulher” e “Rifar o Coração”, revelou a família.

Em comunicado, a família de Bruno Candé descreve-o como uma “pessoa extremamente afável e sociável” e revela que o “assassino já o havia ameaçado três dias antes”. Em declarações ao Correio da Manhã, a família da vítima diz que o autor dos disparos terá afirmado: “Vai mas é para a senzala” (uma expressão associada à escravatura) antes de abrir fogo.

O suspeito é um enfermeiro aposentado de 80 anos. Os disparos foram feitos em plena rua, na avenida de Moscavide à hora de almoço e o atirador foi imobilizado pelos populares até à chegada das forças de segurança. Na altura, Bruno Candé estava com o cão que terá sido um dos motivos para desacatos anteriores entre os dois homens.

Marta Félix, atriz da companhia Casa Conveniente e colega de Bruno Candé, contou ao Público que a morte do ator foi o culminar de “uma discussão na quarta-feira, depois de um homem ter tropeçado na cadela do Bruno”: “O homem terá ameaçado o Bruno de morte e, hoje [sábado], quando ele estava numa esplanada na avenida principal de Moscavide, onde ia assiduamente, o homem avistou-o, terá ido pouco depois a casa buscar uma arma, e disparado quatro tiros”.

O comunicado da família revela ainda que o ator sofreu em tempos um acidente de bicicleta, por atropelamento, e desde então ficou com sequelas em todo o seu lado esquerdo”, ficando com limitações de mobilidade evidentes, mas manteve-se ligado ao teatro. A cadela que o acompanhava, da qual era “inseparável”, “foi importante na sua recuperação”.

SOS Racismo não tem dúvidas: foi um crime “com motivações de ódio racial”

Entretanto a associação SOS Racismo exigiu “justiça” para este caso, considerando tratar-se de “um crime com motivações de ódio racial”.

“Hoje, pelas 14h, Bruno Candé Marques, cidadão português negro, foi assassinado com 4 tiros à queima roupa. O seu assassino já o havia ameaçado de morte três dias antes e reiteradamente proferiu insultos racistas contra a vítima”, garante o SOS Racismo em comunicado.

Para a associação, “o caráter premeditado do assassinato não deixa margem para dúvidas de que se trata de um crime com motivações de ódio racial”. No comunicado, a SOS Racismo pede que o “assassinato do Bruno Candé Marques não seja mais um sem consequências”, exigindo que “justiça seja feita”.

A concelhia do Bloco de Esquerda já veio pedir que se apurem as circunstâncias da morte do ator. Em declarações emitidas este fim de semana, o Bloco disse: “O assassinato de Bruno Candé Marques choca-nos profundamente e obriga-nos a todos, enquanto sociedade, a refletir sobre como foi possível acontecer em plena luz do dia no centro de Moscavide”.

A mensagem contrasta com a mensagem do líder do Chega, que nega haver motivações racistas na origem do caso, apesar de a PSP ainda não saber o motivo do crime: “Acabem lá com essa ladainha habitual do racismo. Não somos um país racista! Nada neste homicídio aponta para crime de ódio racial”, proferiu André Ventura no Twitter.

PSP ainda não tem certezas sobre o motivo do crime

Questionado sobre se o crime foi motivado por racismo, a vítima era de raça negra, Bruno Pires da PSP referiu que “a única coisa que se sabe, e que poderá ser útil para a investigação, é que já existem relatos ao longo desta semana de desacatos”, mas a PSP ainda desconhece o motivo dos mesmos. “Dos relatos que conseguimos, não foi adiantada muita informação”, reforçou.

Nas redes sociais circula agora a informação que uma cadela preta que acompanharia Bruno Candé, de porte médio e alegadamente chamada “Pepa”, terá fugido na sequência dos disparos. Pede-se que quem a vir contacte a PSP de Sacavém.

fonte: observador

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página