Postagem em destaque

Tchad: JULGAMENTO DE ATIVISTAS DE OPOSIÇÃO NO CHADE - Deby filho quer afogar o peixe na água

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... É um julgamento extraordinário e maratona que começou em 29 de novem...

sexta-feira, 25 de março de 2022

África continua esquecida nos Óscares de Hollywood.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Os Óscares são entregues já este domingo. Em quase 75 anos, a estatueta de "Melhor Filme em Língua Estrangeira" só foi atribuída a África três vezes. A Europa, por outro lado, soma pontos nesta categoria em Hollywood.


Cena do filme sul-africano "Tsotsi"

Em 2006, o filme sul-africano "Tsotsi" foi uma excepção: ganhou o Óscar de melhor filme estrangeiro. Em regra, a estatueta, que é atribuída desde 1948 vai para um país europeu. Em quase 75 anos, apenas três países africanos ganharam nesta categoria. Os filmes asiáticos e latino-americanos, assim como os filmes africanos, dificilmente participam no evento.

Dos três filmes africanos vencedores, "Z" e "Noirs et Blancs en couleur" foram co-produções francesas, que beneficiaram da forte influência da indústria cinematográfica francesa em Hollywood. "Totsi" foi o primeiro filme em língua não francesa a ganhar um Óscar.

Steve Ayorinde, um famoso crítico de cinema nigeriano que já participou como júri em festivais internacionais de cinema como Cannes, Berlim e Toronto, lembra que "não se deve esquecer que em cerca de dez filmes sul-africanos internacionalmente conhecidos, cinco ou seis são de sul-africanos brancos". É também o caso de "Tsotsi", cujo realizador é Gavin Hood.

O perito em cinema acredita que o lobby é um fator muito relevante. "Os filmes africanos estão sempre à margem dos grandes festivais de cinema. Então, quem pode promovê-los? Sem cooperação, apoio e investimento de uma grande instituição ou empresa de produção europeia ou americana, é difícil comercializar um filme deste tipo a nível internacional", lembra.

Cineastas americanos ou europeus têm mais facilidades. Por isso, não é surpreendente que 78% dos filmes vencedores na categoria "Melhor Filme Estrangeiro" sejam da Europa. A França e a Itália representam mais de metade das estatuetas e são também muito influentes em Hollywood, enquanto os outros continentes passam despercebidos.

Estatueta de Melhor Filme em Língua Estrangeira só foi atribuída a África três vezes

Estatueta de "Melhor Filme em Língua Estrangeira" só foi atribuída a África três vezes

Bollywood também tem dificuldades em Hollywood

Metade dos filmes vencedores da Ásia são produções japonesas. Bollywood e a sua grande indústria nunca ganharam uma única estatueta.

Namrata Joshi, autora e crítica cinematográfica com experiência em júris de festivais internacionais de cinema como Toronto, Moscovo e Cluj, acredita que "aos cineastas indianos faltam os meios financeiros para comercializar os seus filmes. Os Óscares são um estratagema de marketing".

Além disso, Joshi acredita que o conteúdo dos filmes da Índia é muitas vezes um problema para um público tão global, devido à quantidade de música, dança e melodrama. Steve Ayorinde diz que há vários fatores que impedem as nomeações para os Óscares de filmes africanos.

0 seconds of 0 secondsVolume 90%
 
Assistir ao vídeo03:01

Nollywood de volta às filmagens após confinamento da Covid-19

É difícil sem o financiamento de instituições ocidentais ou cooperação técnica e internacional, mas a língua também desempenha um papel decisivo. "A vantagem dos filmes europeus é que línguas como o alemão, francês, espanhol ou italiano são internacionais. Assim as pessoas responsáveis pela avaliação dos filmes já conhecem a língua", diz o crítico nigeriano.

Na Nigéria, por exemplo, são produzidos cerca de 2.500 filmes por ano, que nunca tiveram sucesso nos Óscares. A Netflix melhorou a qualidade dos filmes, mas isto não aumenta as hipóteses de serem nomeados para um Óscar, porque uma condição de Hollywood é que os filmes nomeados devem ser exibidos nas salas de cinema.

Igualdade de oportunidades?

Joshi e Ayorinde acreditam que a Academia de Hollywood tem vindo a tentar, há já alguns anos, dar um passo em direção à diversidade, mas isso é algo não pode acontecer de um dia para o outro.

Namrata Joshi diz que "é necessária uma certa curiosidade [por parte do júri] e uma vontade de compreender filmes de todo o mundo". Considera ainda que a participação de pessoas da Índia no júri da Academia seria um primeiro passo importante.

fonte: DW Africa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página