Postagem em destaque

Elon Musk pode lançar seu próprio smartphone.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Elon Musk, o homem mais rico do mundo ainda tem um apetite voraz. Ap...

domingo, 25 de setembro de 2022

CIMEIRA EXTRAORDINÁRIA DA CEDEAO SOBRE A GUINÉ E O CASO DOS 46 MILITARES MARFINOS: A organização sub-regional desempenha grande papel.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
À margem da 77ª Assembleia Geral da ONU realizada em Nova York, nos Estados Unidos da América, realizou-se em 22 de setembro de 2022 uma cúpula extraordinária da Comunidade Econômica dos Estados Ocidentais (CEDEAO), por iniciativa de seu atual presidente. , o bissau-guineense Umaro Cissoko Embalo. Na ordem do dia, "a revisão da situação na Guiné e no Mali", dois países empenhados em transições que a organização sub-regional acompanha como leite no fogo, com vista a restabelecer a ordem constitucional o mais rapidamente possível. Em ambos os casos, o prazo estrito é de 24 meses, e já tinha sido cumprido aos dois estudantes “sem escrúpulos”, estando à vista o prazo de abril de 2024 para a organização das eleições no Mali. Quanto à Guiné, o calendário ainda não é claro, mas a organização sub-regional quis ser intransigente durante os 24 meses acordados. Isso significa que, em caso de violação, a Guiné está objetivamente no caminho das sanções da CEDEAO. Mas tudo isso não é realmente novo e não vemos realmente como não poderia ter sido tema de uma cúpula ordinária da instituição sediada em Abuja. No impasse entre ela e os assassinos de Ibrahim Boubacar Kéita, a CEDEAO já foi alvo de fortes críticas. É por isso que se pode perguntar o que era tão urgente para o presidente Embalo convocar tal reunião de cúpula no país do Tio Sam, em plena Assembleia Geral da ONU. Em análise, leva-se a crer que mais do que o cronograma das duas transições, é o dossier em chamas dos quarenta e seis soldados marfinenses ainda detidos em Bamako, o que mais justifica esta extraordinária cimeira em Nova Iorque. Estamos ainda mais inclinados a acreditar nisso porque este dossiê, que parecia estar a caminho de um final feliz sob os auspícios da mediação togolesa, sofreu uma reviravolta inesperada, seguindo o desejo das autoridades de transição de tornar esses soldados marfinenses, moeda de troca contra os exilados políticos do regime deposto de Bamako, que se refugiaram nas margens da lagoa Ebrié. Uma mistura dos géneros de dois casos que obviamente não têm ligação, e que despertaram a ira de Abidjan, que por isso se julga justificado em exigir a libertação dos seus soldados, recusando-se a ceder a qualquer chantagem. Mas ao aproveitar o caso, a CEDEAO está a jogar grande. Porque, sussurra-se que por detrás da iniciativa do chefe de Estado bissau-guineense que preside a instituição, se esconde a vontade do presidente da Costa do Marfim, Alassane Dramane Ouattara (ADO), de levar o caso a instâncias internacionais. No entanto, no impasse entre ela e os assassinos de Ibrahim Boubacar Kéita, a CEDEAO já foi alvo de fortes críticas após suas sanções consideradas arbitrárias e desproporcionais contra o Mali. Se tiver de recolocar a capa numa altura em que as relações se acalmaram um pouco, para um assunto que a priori diz respeito às relações bilaterais, para além do viés de que poderia ser alvo de acusação, não vemos como poderá retirar-se o bastão contra Bamako sem causar outro clamor ou ultrapassar suas prerrogativas se tal decisão não for baseada em fundamentos legais. Isso significa que, neste caso, a CEDEAO está pisando em ovos e mais uma vez jogando com sua credibilidade. Porque, uma coisa é tomar decisões, outra é poder aplicá-las. Ainda seria necessário que o Mali se reconhecesse em tais decisões e aceitasse que elas são obrigatórias. No entanto, sobre a questão, nada é menos certo. Além disso, a influência real ou suposta do Presidente ADO, dentro da instituição sub-regional, também não ajuda, porque poderia pôr em causa a imparcialidade da CEDEAO e minar ainda mais a confiança das autoridades. para ativá-los mais. Porque é um segredo aberto que o inquilino do palácio Cocody não tem uma imprensa particularmente boa nas margens do rio Djoliba, onde se passa por titular da ala dura da CEDEAO contra o Mali. Isso significa que, neste caso, a CEDEAO se beneficiaria em bancar o mediador em vez de tentar culpar uma das partes. E neste caso, porque não considerar o reforço da mediação togolesa que, no entanto, progrediu com a libertação dos três soldados do contingente marfinense? Em todo o caso, se Bamako parece ter prazer na sua política de vitimização que parece estar a ter sucesso, é tempo de a CEDEAO compreender que, à força de implacabilidade, só aumentará o grau de simpatia das autoridades da transição, mesmo além das fronteiras do Mali. fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página