Postagem em destaque

Elon Musk pode lançar seu próprio smartphone.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Elon Musk, o homem mais rico do mundo ainda tem um apetite voraz. Ap...

domingo, 25 de setembro de 2022

SENEGAL: Denise Emilie Ndour: “A educação sexual é imperativa… A idade da primeira relação sexual é 13 anos”.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
As realidades socioculturais e religiosas enraizadas no Senegal constituem, por vezes, obstáculos nos esforços para melhorar a saúde da população. É o caso da saúde reprodutiva, expressão muito utilizada, até mesmo demonizada, por grande parte da população sob a influência de determinados atores da sociedade. Em um esforço para levantar o véu sobre essas noções, a ONG Planned Parenthood Global organizou um seminário de treinamento sobre esclarecimento de valores e transformação de atitudes para profissionais de mídia e atores culturais. Aproveitando a oportunidade, Seneweb conversou com Denise Emilie Ndour, especialista em saúde sexual e reprodutiva e gerente de saúde. Qual é a importância de ser educado sobre saúde reprodutiva? Deve-se notar, em primeiro lugar, que o autoconhecimento é muito importante e se enquadra no âmbito do conhecimento em educação em saúde sexual e reprodutiva. O autoconhecimento envolve o domínio das mudanças no organismo na idade da puberdade. Assim, conhecer seu corpo ajudará a evitar muitos problemas que geralmente estão relacionados às consequências da mortalidade materna e infantil; gravidez indesejada; abortos induzidos ou DSTs. Quais são as principais consequências decorrentes do desconhecimento da saúde sexual e reprodutiva? A falta de educação em saúde sexual e reprodutiva com ênfase no autoconhecimento resulta em gravidez indesejada. E uma das consequências de uma gravidez indesejada é o aborto induzido. E o aborto induzido muitas vezes leva em grande parte a complicações como: mortalidade materna, como infecções e esterilidade... Há também infecções sexualmente transmissíveis (IST). Mas se conscientizarmos, educarmos e levarmos os jovens ao conhecimento de seus corpos, acho que ainda podemos evitar muitas consequências ligadas à ignorância. “Você não deve esperar até que a adolescente comece a menstruar e seja sexualmente ativa para começar a sensibilizá-lo” Quem são os principais alvos dessas campanhas de conscientização sobre saúde sexual e reprodutiva? São adolescentes, mulheres em idade fértil, mas também homens. Também não devemos esquecer que estamos em uma sociedade onde o homem tem o poder de decisão. Então, se não as envolvermos algumas vezes, é difícil conscientizar as mulheres ou obter seu apoio para o planejamento familiar. Na saúde reprodutiva, há temas que são muito importantes: maternidade, planejamento, contracepção, IST... São temas muito importantes que realmente precisamos focar em termos de conscientização, homens, jovens e mulheres em idade fértil. Acho que também precisamos envolver os pais que estão com esses adolescentes o tempo todo. Completamos as mensagens que os pais podem dar em casa, mas se os próprios pais não dominam tudo que gira em torno da saúde reprodutiva, às vezes é difícil. Em que estágio a educação em saúde reprodutiva deveria ser introduzida idealmente? Digo desde muito cedo. Porque, você não deve esperar até que o adolescente comece a menstruar e seja sexualmente ativo para começar a sensibilizá-lo. Antes disso, é preciso prepará-lo para essa nova vida, para que saibam que, ao entrar nessa nova etapa, podem tomar as providências necessárias e que são responsáveis ​​por suas ações e por seus corpos. “Estamos testemunhando muitas gestações indesejadas e a taxa de infecções sexualmente transmissíveis entre os jovens está aumentando constantemente” Há alguns anos, várias vozes se levantaram para denunciar a introdução de módulos sobre educação sexual e saúde reprodutiva. Você acha necessário que isso aconteça? Eu até acho que é uma obrigação. Por quê ? Lembro-me de quando ainda estávamos na escola, fomos apresentados a um programa chamado economia doméstica. Neste programa, há módulos que falam sobre o ciclo menstrual, sexualidade, puberdade... E acho que isso tem ajudado muito a nossa geração a poder dar os passos necessários para não ser vítima de determinadas situações. Há motivos para colocar esse tipo de treinamento de volta nas escolas para que faça parte dos currículos de treinamento. Deve-se reconhecer que os jovens passam mais tempo na escola do que em casa e os professores devem nos ajudar a poder educar esses jovens na escola para prepará-los para uma vida sexual mais responsável. Estamos a pensar organizar actividades de sensibilização. fonte: seneweb.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página