Postagem em destaque

Elon Musk pode lançar seu próprio smartphone.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Elon Musk, o homem mais rico do mundo ainda tem um apetite voraz. Ap...

domingo, 25 de setembro de 2022

Mali: a transferência de poder para as autoridades eleitas ocorrerá em 2024.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
As autoridades malianas estão trabalhando a favor de eleições livres e transparentes e do retorno do país à ordem constitucional em 2024, disse o primeiro-ministro interino do Mali, coronel Abdoulaye Maïga, na 77ª Assembleia Geral das Nações Unidas neste sábado. “Desde agosto de 2020, Mali está em um processo de transição, que terminará em 26 de março de 2024, com a transferência de poder para as autoridades eleitas […] As autoridades de transição se comprometeram, em dois cronogramas acordados com a CEDEAO [Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental], para levar a cabo reformas políticas e institucionais, antes da organização de eleições, cujo objectivo último é reconstruir o Estado maliano", observou. Assinalou que foi promulgada uma lei eleitoral e criada uma estrutura independente para sua organização. "Uma comissão composta por personalidades eminentes de todos os componentes da sociedade maliana [foi] encarregada de redigir a nova constituição", disse ele. Paralelamente aos preparativos para as eleições, o Mali está a concentrar-se na luta contra o terrorismo, continuou Abdoulaye Maïga. “O povo maliano continua grato pelos esforços e sacrifícios feitos pela Minusma [mas] devemos reconhecer que quase dez anos após a sua criação, os objetivos para os quais a Minusma foi implantada no Mali não foram alcançados”, observou. Neste contexto, Abdoulaye Maïga considera necessário “adaptar a Minusma ao ambiente em que está implantada”. Ele também acusou a França de neocolonialismo, desejo de dividir o povo maliano e apoio a grupos terroristas na região do Sahel. Ele lembrou neste contexto a carta enviada pelo Mali em agosto passado ao Conselho de Segurança para solicitar uma reunião de emergência. "O objetivo desta reunião é permitir que o Mali apresente as provas em sua posse [...] Mali poderá provar que a junta francesa forneceu informações e armas a grupos terroristas." Referindo-se às ligações entre Mali e Rússia, Abdoulaye Maïga declarou que os dois países têm "relações de cooperação exemplares e frutíferas". A República do Mali passou por dois golpes militares desde agosto de 2020. O primeiro, em 18 de agosto de 2020, removeu do poder o presidente Ibrahim Boubacar Keïta. Um grupo de soldados liderados pelo coronel Assimi Goïta nomeou Bah N'Daw presidente interino. No entanto, em 26 de maio de 2021, este último foi afastado do cargo pelo mesmo grupo de militares e, por decisão do Tribunal Constitucional do Mali, foi Assimi Goïta quem foi nomeado Chefe de Estado para o período de transição. A liderança militar do Mali propôs a realização de eleições presidenciais e legislativas em dezembro de 2025. fonte: https://lanouvelletribune.info/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página