Postagem em destaque

Tchad: JULGAMENTO DE ATIVISTAS DE OPOSIÇÃO NO CHADE - Deby filho quer afogar o peixe na água

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... É um julgamento extraordinário e maratona que começou em 29 de novem...

sexta-feira, 18 de novembro de 2022

DIVULGAÇÃO DA ONU SOBRE A DETENÇÃO DE LÍDERES SEPARATISTAS DE CAMARÕES: Como água nas penas de um pato?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
É uma postura que deve trazer um pouco de luz atravessando as janelinhas das celas dos separatistas anglófonos do imaginário estado da Ambazônia detidos. Com efeito, como prelúdio do julgamento de recurso de Sisiku Julius Ayuk Tabé, chefe deste autoproclamado Estado e dos seus camaradas, o Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Detenção Arbitrária fez uma saída que não passou despercebida. Segundo a ONU, “a privação de liberdade” dos dirigentes da luta pela independência da Ambazónia, não tem “base jurídica”. Também preocupados estão o opositor Maurice Kamto e seus companheiros do Movimento para o Renascimento de Camarões, que estão presos há vários meses. Ao fazê-lo, o poder de Paul Biya, segundo a ONU, deve proceder à sua libertação imediata. A força-tarefa da ONU acabou de derramar água nas penas de um pato? Em outras palavras, as autoridades de Yaoundé se recusarão a responder favoravelmente ao pedido da ONU? É muito provável. A prova é que o desembargador rejeitou o recurso da condenada. Também vimos as coisas chegando, pois o governo camaronês já havia dado o tom. “Camarões é um país soberano e aqueles que violam nossas leis são julgados pelos tribunais”, reagiu. Tudo isso não era um bom presságio para o futuro. Isso significa que nem Sisiku Julius Ayuk Tabé nem Maurice Kamto, muito menos seus companheiros, tinham ilusões. É provavelmente o mesmo para as Nações Unidas, várias das quais foram ignoradas muitas vezes na África ou em outros lugares. Estaria na moda para o poder de Biya avançar para um compromisso político Ainda assim, se dependesse do poder de Biya, os prisioneiros de língua inglesa cumpririam integralmente suas sentenças. Num contexto de real separação de poderes, os presos poderiam ter esperado um destino melhor. Mas ninguém é enganado. Porque as decisões judiciais parecem ser ditadas dos corredores do Palácio Etoudi. Claramente, a saída da ONU provavelmente não teria um impacto decisivo no destino dos separatistas em apuros. No entanto, o governo camaronês teria muito a ganhar se levasse em consideração as conclusões do grupo de trabalho da ONU. Especialmente porque, de Kidal a Biafra via Casamance ou Tigray, a história ensinou suficientemente que nem o Kalash, nem a tortura ou a prisão podem extinguir para sempre um foco secessionista ou separatista. E a parte de língua inglesa dos Camarões não será exceção. Estaria na moda quando o poder de Biya caminha para um compromisso político colocando corajosamente e sem pretensões na mesa o debate sobre o futuro da Ambazônia. De qualquer forma, uma coisa é certa, as tendências de independência de Sisiku Julius Ayuk Tabé e seus companheiros têm fundamentos. E Biya faria bem em fornecer uma resposta política a essas fundações, alcançando os falantes de inglês. Mais do que ninguém, o homem do "6 de novembro" é diretamente desafiado; aquele que acaba de completar quarenta anos no poder. Sabendo que vai entregar, Paul Biya deve trabalhar para deixar para seus filhos e netos, um Camarões livre de crises sócio-políticas. Este também é o desafio que mais deveria importar para ele, se ele realmente ama Camarões e seu povo. Michel NANA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página