Postagem em destaque

Elon Musk pode lançar seu próprio smartphone.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Elon Musk, o homem mais rico do mundo ainda tem um apetite voraz. Ap...

segunda-feira, 14 de novembro de 2022

FALHA DAS SANÇÕES CONTRA AS AUTORIDADES DO CHADE: Quando a UA presta um serviço às autoridades do Chade.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Mahamat Idriss Déby, o inquilino do Palácio Rosa em N'Djamena, pode esfregar as mãos. De fato, em 11 de novembro, pela grande maioria de seus países membros, o Conselho de Paz e Segurança (PSC) da UA decidiu não pronunciar sanções contra o Chade, conforme exigido por Moussa Faki Mahamat, presidente da Comissão do Corpo Continental. O poder chadiano pode beber isso ainda mais porque existem motivos para sanções. Em primeiro lugar, os militares no poder no Chade não respeitaram o seu compromisso de entregar o poder aos civis no prazo de 18 meses, conforme exigido pela UA. Graças à “inclusiva conferência nacional soberana do Chade”, a transição foi ainda estendida por dois anos com a possibilidade dada ao general Mahamat Idriss Deby, de se candidatar a um mandato eletivo no final do processo. Em segundo lugar, esta possibilidade dada a Déby son de se candidatar às próximas eleições presidenciais, constitui em si um afastamento dos princípios da UA e isso foi observado pelo próprio órgão continental. “No caso chadiano, o PSC lembrou os princípios da UA e tomou a mesma decisão três vezes sobre a inelegibilidade dos soldados e a duração da transição. As autoridades da transição violaram estes princípios e decisões”, sublinha ainda em nota. Entre o general Mahamat Idriss Déby e o povo chadiano, a UA parece ter feito a sua escolha Terceiro, o desrespeito pela duração da transição levou a um massacre histórico de chadianos durante uma manifestação em 20 de outubro. Como lembrete, de acordo com dados oficiais, pelo menos 50 pessoas foram mortas e dezenas ficaram feridas. Mesmo que as autoridades neguem, esse massacre traz a marca do regime do general Déby, cuja responsabilidade aqui não deve ser discutida. Para essas "obras" que violam os direitos humanos e os princípios da UA, seria de esperar que o CPS infligisse ao governo chadiano a punição que merece. Mas, em vez de punições, os membros do CPS consideraram que é necessário continuar a conceder às autoridades de transição, um tratamento derrogatório e que, em desrespeito aos textos da UA em tais circunstâncias. Por que então tal clemência do CPS em relação a Mahamad Idriss Déby? Por que se recusar a punir, por exemplo, as autoridades chadianas? Não dizemos que a sanção tem um valor educativo? Os países membros do PSC que evitaram sanções contra as autoridades chadianas em face de derivativos, têm suas razões. Mas é de temer que essa tolerância a essa dieta seja uma forma de encorajá-la. Porque, consciente ou inconscientemente, o CPS acaba de posar ali, um ato que presta serviço ao poder chadiano. Obviamente, entre o general Mahamat Idriss Déby e o povo chadiano, a UA parece ter feito sua escolha a favor do príncipe reinante. No entanto, um órgão como a UA tem o dever de servir o povo e não os líderes. A partir de agora, e é um eufemismo dizê-lo, o PSC e a UA serão responsabilizados pelos excessos autoritários a que o povo chadiano está exposto. Michel NANA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página