Postagem em destaque

Tchad: JULGAMENTO DE ATIVISTAS DE OPOSIÇÃO NO CHADE - Deby filho quer afogar o peixe na água

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... É um julgamento extraordinário e maratona que começou em 29 de novem...

domingo, 16 de outubro de 2022

Burkina: Ibrahim Traoré no 35º aniversário da morte de Thomas Sankara.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O capitão Ibrahim Traore, que assumiu o poder há duas semanas em um golpe em Burkina Faso, participou de uma cerimônia no sábado que marca o 35º aniversário do assassinato do presidente revolucionário Thomas Sankara, jornalista da AFP. Em uniforme militar e boina vermelha, o capitão Traoré, nomeado sexta-feira presidente da transição por reuniões nacionais, colocou uma coroa de flores aos pés da enorme estátua de Thomas Sankara, erguida em 2019 no local onde foi assassinado em 15 de outubro. 1987 e onde foi criado um memorial. O Sr. Traoré recebeu então, ao lado de outros 11 destinatários, um troféu simbolizando a "passagem da tocha da revolução para a juventude". O capitão Traoré tem, aos 34 anos, a mesma idade do capitão Sankara quando assumiu o poder em 1983, também durante um golpe. “Depois de todos os esforços dedicados à obtenção de justiça, hoje a missão mais importante é transmitir às gerações futuras o ideal, a visão e os valores carregados por Thomas Sankara”, declarou o presidente do memorial, Pierre Ouédraogo. Segundo ele, era “importante” que esta tocha fosse entregue ao Capitão Traoré, “a mais alta personalidade do Estado, para que as ideias, os valores de Thomas Sankara possam inspirá-lo a talvez construir o Sankarismo do século XXI. século". "Aconteça o que acontecer em Burkina", atormentado pela violência jihadista desde 2015, "Sankara é e continua sendo um símbolo, uma referência diante dos desafios, das dificuldades, para seguir em frente", continuou o Sr. Ouédraogo, coronel aposentado. O novo homem forte de Burkina Faso não falou. Chegado ao poder por um golpe em agosto de 1983, Thomas Sankara, ícone pan-africano com ideias progressistas, foi morto em 15 de outubro de 1987 durante outro golpe fomentado por seu número dois, Blaise Compaoré. Este último manterá o poder até sua queda em 2014, após uma revolta popular. Durante os 27 anos de Compaoré no poder, a morte de Thomas Sankara, que queria "descolonizar mentalidades" e perturbar a ordem mundial defendendo os pobres e oprimidos, era um assunto tabu. Blaise Compaoré foi perseguido pelas ruas por querer modificar a constituição e se manter no poder. Desde então, vive exilado na Costa do Marfim. Em abril, o tribunal militar de Ouagadougou o condenou à revelia à prisão perpétua por seu papel no assassinato de Thomas Sankara e 12 de seus companheiros, após um julgamento de seis meses. fonte: seneweb.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página