Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Sobre a África - Hollande fala como um livro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Michel Thierry Atangana
Foto extaído do site RFI: Michel Thierry Atangana
Facebook page/Libérez Michel Atangana.

A prisão do franco-camaronês Michel Atangana, detido em Camarões há 20 anos, é "inadmissível", disse nesta sexta-feira o presidente François Hollande, disse ele ao seu homólogo Paul Biya e se defendendo do não apoio deste aos direitos do Homem em África.

"Já se fez muito tempo, dura 20 anos, e isso é "inadmissível", disse ele em uma entrevista à imprensa France 24, Radio France International e TV5 Monde.

"Em Camarões, eu disse ao presidente Biya que, claro respeitando a independência da justiça camaronesa, tudo deve ser feito para que haja uma solução que se espera", a situação de Michel Atangana , acrescentou ele.

Michel Atangana, nascido em Camarões e naturalizado francês em 1988, após seu casamento com uma francesa, foi condenado a 15 anos de prisão em 1997 por peculato. Mesmo tendo ele cumprido sua primeira pena, ele foi julgado novamente em 2012 e condenado a 20 anos adicionais de prisão.

Direitos humanos
François Hollande também argumentou ter intervido para defender os direitos humanos em outros países, como na República Democrática do Congo (RDC) e no Chade.

"Na República Democrática do Congo, eu fui lá, eu mesmo, eu levei o meu apoio para que o processo", as acusações nos negócios de Floribert Chebeya possam ter lugar. Eu disse como era essencial que esse processo ocorra, e eu vou continuar a minha pressão sobre o presidente (Joseph) Kabila que o julgamento ocorra e que a verdade venha à tona a qualquer custo ", garantiu o presidente francês .

Floribert Chebeya é um ativista pelos direitos humanos assassinado em junho de 2010, em Kinshasa. Em primeira instância, em 2011, o Tribunal Militar de Kinshasa condenou à morte o Coronel Mukalay, o número 2, dos serviços especiais da polícia, assim como três policiais julgados à revelia porque excedeu o prazo. Um outro foi condenado à prisão perpétua e três foram absolvidos.

Todos são tentados desde 19 de junho de 2012 frente ao Supremo Tribunal Militar, mas os processos têm sofrido longas interrupções.

Um dos policiais em geral, em várias entrevistas tem desafiado formalmente o General Numbi, o chefe suspenso das suas funções depois desse negócio, que as partes civis consideram como o "suspeito número um". Mas o Tribunal recusou-se a ouvi-lo.

Zorro
Finalmente, perguntado sobre o Chade, onde deputados e jornalistas estão presos, o presidente francês negou estar em dívida para com o seu homólogo Idriss Deby, cujo exército lutou ao lado dos franceses no Mali.

"Não, esta não é a relação que tenho com a África e Chade. O Chade pagou um preço muito alto para a libertação do Mali, da investida dos terroristas e eu não vou esquecer, porque eu sei o que as forças armadas do Chade são capazes de fazer ", respondeu François Hollande.

"Ao mesmo tempo, tenho princípios e quando um oponente, um ministro está envolvido, incluindo a sua própria liberdade, eu digo. Não há renúncia, indulgência, dependendo do que era ao mesmo tempo a nossa solidariedade em uma luta que era para ser realizada. Os direitos do Homem não são uma Eclipse. Eles são sempre a posição intangível da França e eu disse isso ao presidente Deby ", assegurou o chefe de Estado francês.

AFP

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Quase $US 1.300 bilhões(lê-se hum trilhão e trezentos bilhões de dólares) saíram ilegalmente de África em 30 anos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Paraíso fiscal, empresas de fachada ... Enormes quantidades de dinheiro desaparecem todos os dias em África.
Dollars du Zimbabwe échangé contre des dollars américains au marché noir / REUTERS

1,3 trilhão de dólares em fuga de capitais: essa soma colossal representa cerca de quatro vezes a dívida externa e quase equivalente ao PIB atual da África. Estes são os resultados do relatório conjunto do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e dos EUA Global Financial Integrity (GFI), ONGs, apresentado em 29 de Maio de 2013, por ocasião da fundação da 48a Assembléia Geral Ordinária da instituição financeira panafrina em Marrakech.

Retransmitido pelo semanário Jeune Afrique, o relatório recomenda medidas rigorosas para acabar com este fuga de capitais, que afeta o desenvolvimento da África e parte do Norte de África, a região mais afectada por este fenómeno.

Segundo a Jeune Afrique, o ADB e o GFI recomendam total transparência. Os bancos e os paraísos fiscais devem fornecer regularmente ao Banco International de Compensações (BIS) informação detalhada sobre os depósitos, proporcionando, em particular, ao país de residência dos titulares de contas no exterior. Estas informações bancárias poderiam então ser retransmitidas pelo BIS dos países em causa, diz o artigo.

Para controlar o fenômeno de empresas de fachada, devemos exigir que os dados sobre os proprietários físicos sejam divulgados e disponibilizados para consulta pública, diz Jeune Afrique. Os governos devem cooperar e trocar informações fiscais que possuem. Finalmente, o relatório sugere igualmente uma ação reforçada de cada país sobre a regulamentação de anti-lavagem de dinheiro de cada país, de acordo com o site de notícias senegalês Rewmi.

"[Os Estados africanos devem] exigir relatórios de país a país sobre suas vendas, os lucros, o número de funcionários e impostos pagos por todas as corporações multinacionais."

Lu Young Africa

fonte: slateafrique.com



Abidjan: O Chefe de Estado chegou à Yokohama para tomar parte na 5ª TICAD.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

5e
© Presidência por C I bou T
5º TICAD chegada do casal presidencial ao Japão
Quinta-feira, 30 de maio de 2013. Presidente Alassane Ouattara e sua esposa Dominique veio ao Japão para participar da 5 ª Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento de África.

O Presidente da República, Sua Excelência o Sr. Alassane Ouattara, chegou em Yokohama (Japão), esta quinta-feira, 30 de maio de 2013 às 02h 55 min GMT (11h 55 min, hora local), para participar na Vª Conferência Internacional de Tóquio sobre Desenvolvimento Africano (TICAD V), a ser realizada de 31 de Maio a 03 de junho de 2013.

O Chefe de Estado foi acompanhado pela primeira-dama, Sra. Dominique Ouattara, o Ministro de Estado, Ministro das Relações Exteriores, Charles Koffi Diby e o Ministro, Chefe de Gabinete da Presidência da República, Sr. Marcel AMON -Tanoh, que foi recebido ao descer do avião para o aeroporto internacional de HANEDA por Sr. Nobuyoshi Takabe, o Ministério das Relações Exteriores do Japão e o embaixador da Costa do Marfim no Japão Sr. Jerome Kloh Weya.
Amanhã, sexta-feira, 31 maio de 2013, o Presidente da República irá participar do Painel JICA de Alto Nível  " Inclusivo e Dinâmico Desenvolvimento em África" ​​na Intercontinental Grand Hotel Yokohama.

TICAD 5, denominado, tem como tema "De mãos dadas com uma África mais dinâmica - Transformação para o crescimento de qualidade". 

fonte: abidjan.net

quarta-feira, 29 de maio de 2013

África: Nossas companhias aéreas não são as piores do mundo;

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Apesar de uma classificação pouco inviável, não é através do continente que se vá buscar as empresas a fim de evitar todo o preço.

Service à bord d'un appareil éthiopien / AFP

É um pouco de pânico a bordo, uma vez que a revista especializada Business Insider revelou em 17 de maio, as 20 piores companhias aéreas do mundo. Basicamente, estas são as empresas que você deve considerar gentilmente para evitar viajar, especialmente durante este feriado que se aproxima.

A classificação da Business Insider confirma conselhos e experiência que tinha circulado sobre algumas empresas, mas também coloca o chumbo na asa para outras empresas, especialmente sobre o seu serviço na classe econômica.

Entre os critérios utilizados para classificar estas empresas, tudo com base nos critérios Skytrax incluem o conforto dos bancos, limpeza nas cabines, entretenimento de bordo e qualidade dos alimentos. O resultado cria alta turbulência, principalmente na África, onde as grandes empresas estão sendo apontadas.

Embarques (não) de imediato
Por exemplo, na Air Argélia, que, no entanto, tem uma frota de 45 Airbus e Boeing. Em 2012, ela ainda adquiriu um contrato de arrendamento de um Boeing 747 para atender a demanda enorme para a peregrinação a Meca. Mas, de acordo com a Business Insider, as cabines de aeronaves da Air Argélia estariam um porco real com tripulação e terreno mais execrável.

A acusação é grave. Ainda assim, é um pouco o mesmo que é enviado para a memória RAM (Royal Air Marrocos), a principal empresa marroquina. Ela chegou no vigésimo quarto das piores empresas globais em termos de desempenho em classe económica. Em seguida, vem Angola Airlines.

A empresa também tinha sido proibida por um tempo a usar o espaço aéreo europeu. E mesmo se a proibição é parcialmente levantada hoje, continua a operar algumas letras em cooperação com Sul-Africano Airways.

A segunda pior companhia aérea é Air Sudão é terminantemente proibido de usar o espaço europeu e só serve para destinos dentro do Sudão, na África e no Oriente Médio.

Apertem os cintos!
A classificação da Business Insider não é exaustiva, pelo menos no que diz respeito às empresas africanas. Não é indiscutível, algumas avaliações são baseadas em sentimentos, muitas vezes subjetivas, a viajantes.

Em defesa das empresas africanas, o ranking de Business Insider mostra que isso não é o pior. Assim, é necessário, de acordo com o local, evitar a todo custo uma empresa como a Turkemenistan Airlines, o pior dos piores, ou outros, como empresa de Uzbequistão, Síria, Tajiquistão, cubana ... ou de baixo custo como a Ryanair, que prevê algum tempo de voos para várias cidades de Marrocos.

Em todos os casos, as reações foram bastante vívidas em Marrocos e na Argélia, com a publicação deste ranking. Argélia Foco questionou os critérios utilizados pela Business Insider e destaca todos os esforços feitos pela empresa nacional argelina para a conveniência dos viajantes. Para o site Yabiladi de informações do Marrocos, a desconfortável posição de RAM é um alerta para uma melhoria urgente do serviço.

Verificando as portas
Mas o que preocupa mais é que essas duas grandes empresas podem ser tratadas, pelo menos na mente dos viajantes, cerca de 150 empresas africanas estão listadas em uma lista negra da União Europeia (PDF), publicado em 2012. Esta é uma lista de transportadoras aéreas proibidas de operar no espaço europeu em geral. Devido ao mau estado dos seus equipamentos e da insegurança que eles representam para os viajantes.

Mas, mesmo assim, as empresas africanas não são as mais numerosas ou as mais perigosas. Primeiro, porque não houve muito tempo que eles estavam bem atrás das empresas indonésias e muitos países do Sudeste Asiático.

E, finalmente, de qualquer maneira, para aqueles que não estão permanentemente pregados ao chão, eles não têm recursos suficientes para operar a longa distância, e simplesmente em geral são (muito raros) os vôos domésticos.

R.M.

fonte: slateafrique.com

terça-feira, 28 de maio de 2013

O filme de Nelson Mandela estreia em Novembro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Idris Elba Nelson Mandela


Joanesburgo - Um filme baseado no best-seller da autobiografia de Nelson Mandela, "Long Walk to Freedom" será lançado em novembro, disseram os produtores nesta segunda-feira.

O filme biográfico, intitulado Mandela: Long Walk to Freedom, é estreiado pelo ator britânico Idris Elba como o herói icônico anti-apartheid e vai seguir sua vida, desde a infância até a prisão e presidência em 1994.

"Estamos honrados de ter tido Madiba licenciando-nos os direitos de filmagem de sua história de vida fascinante", disse o produtor Anant Singh em um comunicado, usando o nome popular de  Mandela.

Singh disse que estava satisfeito quando Mandela olhou algumas das imagens de Elba em Madiba com camisa de marca, e comentou: "É comigo?"

"Este reconhecimento e afirmação de Madiba é extremamente gratificante e faz com que nossa viagem valha a pena", disse ele.

Endosamento de Madiba

O livro, uma inspiração para muitos, foi publicado em 1994, e foi traduzido para várias línguas. Singh foi agraciado com os direitos do filme em 1996.

O filme apresenta uma série de atores locais e foi filmado em vários locais, no Cabo Oriental, local de nascimento de Mandela, Joanesburgo e Cidade do Cabo.

Os produtores dizem que é o único filme que tem o aval do Mandela e da Fundação Nelson Mandela, o centro que gerencia o seu legado.

Diversos documentários e filmes inspirados na vida do homem de 94 anos de idade, estadista foram feitas ao longo dos anos.

No início deste ano, foi anunciado que The Weinstein Company adquiriu os direitos de distribuição na América do Norte para este filme.

O Mandela frágil está se recuperando em sua casa em Joanesburgo, na sequência de vários ataques que sofreu no hospital por infecções respiratórias.

- AFP

Ensino Superior: A inserção dos diplomas ao menu da conferência das Universidades Africanas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Libreville (Gabão) - Transformar o ensino superior Africano para a empregabilidade dos diplomados e desenvolvimento sócio-econômico é o tema da 13 ª Conferência da Associação das Universidades Africanas (AUA), que abre hoje , em Libreville, Gabon. A cerimônia de abertura será presidida pelo Chefe de Estado do Gabão, Ali Bongo Ondimba.
Esta conferência de quatro dias, que tem cinco sub-temas (ligação entre o ensino superior e o setor produtivo, a empregabilidade dos graduados, o papel do setor privado formal, ambiente sócio-político e da empregabilidade e questões de financiamento), têm como objetivo a desempenhar no setor o seu verdadeiro papel como uma alavanca de desenvolvimento do continente, permitindo que os jovens entrem no mercado de trabalho ou desenvolvem o auto-emprego. Acesso ao mercado, especialmente porque muitas economias no continente não são capazes de criar empregos suficientes para absorver o crescimento sem precedentes da população em idade de trabalhar.
Consequentemente, uma geração de jovens trabalhadores produtivos enfrentará um futuro incerto se nada for feito para inverter a tendência, observou Patrick Darkwa do Departamento de Estudos de Gestão e Addae Boateng Adu-Gyamfi, do Departamento de População e Saúde, da Universidade de Cape Coast, no Gana.
Ou seja, encontrar uma ligação com o mundo produtivo é uma exigência. Porque, como apontado pelo Prof Abdul Salam Sall que deve fazer uma declaração, a África está confrontada com a "dupla exigência de interiorização do ensino superior, mas também na construção de eficiência, seja interna ou externa ". O ex-reitor da UCAD qualifica o ensino superior na sua forma actual como, "colonização do enxerto", mas ele indicou que, em um mundo caracterizado pela economia do conhecimento, o ensino superior, a concentração de inteligências, não tem nenhum papel para "atender às necessidades da sociedade." Sua direção torna-se "uma questão de toda a sociedade e não apenas acadêmica."

Cerca de duas dezenas de trabalhos serão apresentados durante esta conferência compartilhada de experiências bem-sucedidas.

Do nosso correspondente especial Daouda MANE

fonte: lesoleil.sn

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Macky Sall na reunião de NEPAD: "África deve contar com seus recursos internos".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Sábado, 25 de maio de 2013. Os dirigentes do continente celebraram, em Addis Abeba, o 50 º aniversário da criação da União Africana.O Presidente Macky Sall fez o discurso de abertura da 29 ª Sessão do Comitê Gestor de Chefes de Estado e de Governo da Nova Parceria para o Desenvolvimento de África (NEPAD).
Em conexão com o financiamento de grandes projectos da NEPAD, o Presidente Macky Sall observou os limites da ajuda oficial ao desenvolvimento. Ele pediu a seus colegas para continuarem a explorar outras formas de financiamento, nomeadamente através de recursos internos. "Precisamos fazer a escolha mais inovadora e ousada, dado o enorme potencial humano e natural do nosso continente, de um lado, e as novas oportunidades de financiamento disponíveis para nós, por outro lado", disse o Chefe de Estado.
Presidente Macky Sall prestou homenagem aos pioneiros do Pan-africanismo por sua corajosa luta contra o colonialismo e o apartheid e pela unidade Africana. "A combinação ideal do pan-africanismo com a solidariedade e com o destino de unir nossos povos está mais vivo do que nunca", disse ele. Segundo ele, cabe aos africanos garantir a sustentabilidade para si e para as gerações futuras. "Isso é o que queremos através da combinação de nossos esforços para conectar uns com os outros em espírito de parceria na abertura de mundo", disse Macky Sall. Assim, os programas para o desenvolvimento de infra-estrutura e agricultura fazem parte desta dinâmica. "Em março deste ano, em Durban, após consulta com os nossos colegas aqui, eu passei mensagem a cúpula do  Brics com a nossa visão compartilhada para a parceria com os poderes emergentes. Como tal, eu apresentei o documento que contém a lista indicativa de nossos projectos prioritários de infra-estrutura. (...) Com a Agência da NEPAD, o projecto de documento será complementado com a inclusão de outros projetos ", disse Macky Sall aos chefes de Estado presentes em Addis Ababa. Ele apresentou o relatório de suas atividades desde sua eleição como chefe do Nepad. Na cúpula de Durban em março passado, disse ele, o presidente russo, Vladimir Putin, aceitou a proposta de organizar, em setembro, a Cimeira do G20 de São Petersburgo, uma mesa redonda sobre infra-estrutura de financiamento em África, incluindo através de uma parceria público-privada.
Presidente Macky Sall agradeceu aos seus pares africanos para o seu trabalho incansável em nome da Unidade Africana. Ele declarou o seu compromisso com uma África forte, aliviada, unida e próspera para a felicidade de seu povo. O chefe de Estado também anunciou a abertura de um portal para as actividades de divulgação da NEPAD. A sessão da Comissão de Coordenação dos Chefes de Estado e de Governo da NEPAD foi realizada à margem de comemorações do 50 º aniversário da União Africana.

Por: El H. A. Thiam

fonte: lesolei.sn

Os Afro-americanos sabem eles educar os seus filhos?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Will Smith et son fils Jaden, 27 mai 2013 / REUTERS
Will Smith e seu filho Jaden, em 27 de maio de 2013 / REUTERS

Vá encontrar um Africano que não é fã de Will Smith. Em todo o continente, o ator da série  "The Prince of Bel-Air" é apreciado por seu humor e simplicidade, mas também pelo carisma que ele tem mostrado em produções como da Independence Day ou Homens de Preto.
Will Smith também é admirado porque este Afro-americano é um dos mais bem pagos de Hollywood. Finalmente, ele enfim fascina, porque é um dos poucos que não têm duas crianças jovens para movimentar no showbiz com quase o mesmo sucesso.
E é também este aspecto que o artista explora no último bilhete de Sista Diáspora, um blog sobre a mulher negra. Sista Diáspora discute as recentes declarações de Will Smith na educação das crianças, em particular, a maneira pela qual a escravidão influenciou na educação de seus filhos por Afro-Americanos.
Respondendo a uma pergunta de Haute Living Magazine, Will Smith criticou muitos os Afro-americanos que consideram seus filhos como sua propriedade, uma tendência que, segundo ele, é da escravidão.
"Nós [ele e sua esposa Jada, nota do editor] respeitamos os nossos filhos como nós respeitamos qualquer outra pessoa. Coisas como limpar seu quarto, por exemplo, você nunca tem que dizer a um adulto para limpar seu quarto, de modo que não dizemos aos nossos filhos para limparem os seus quartos ", disse ele.

Um método, que, certamente, não deixa de ser considerado como demasiado permissiva. Mas é do Will Smith, e esta pode ser e é talvez, por isso, que nós os amamos. O ator está em plena promoção de seu último filme "Depois da Terra", onde ele actua ao lado de seu filho, o rapper Jaden Smith.

fonte: slateafrique.com


domingo, 26 de maio de 2013

Brasil: Fim do suspense - Neymar confirma que seu destino é o Barcelona.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Craque usa rede social para anunciar sua decisão de aceitar a proposta do Barça. Neste domingo, ele se despede do Peixe em jogo contra o Fla, no DF( Distrito Federal).


Às 22h05m (horário de Brasília) do dia 25 de maio de 2013, Neymar avisou às mais de 15 milhões de pessoas que o seguem nas redes sociais - Twitter (6,7 milhões), Facebook (9,2 milhões) e Instagram (1,06 milhão) - que seu destino é o Barcelona. O craque que ganhou fama com seu futebol em campo e atingiu o status de popstar muito pela maneira como se comunica com seus fãs não poderia escolher melhor a forma de anunciar a decisão que, até o momento, é a mais importante da sua carreira.
Acabou, assim, uma novela que durava anos, e que havia se intensificado nas últimas semanas, com o assédio de seis clubes (informação fornecida pelo pai dele, Neymar Silva Santos), mas que sempre teve os gigantes espanhóis Barcelona e Real Madrid como protagonistas. Neymar escolheu o primeiro, porque "combina mais com seu estilo", como definiu o pai.
O contrato será assinado na segunda-feira. Na mensagem, Neymar agradeceu aos fãs e torcedores do Santos.
Veja na íntegra a mensagem de Neymar:
Neymar instagram Barcelona (Foto: Reprodução / Instagram)

fonte: g1.globo.com



sábado, 25 de maio de 2013

A África celebrou os 50 anos da Organização da Unidade Africana.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




Os líderes africanos celebraram neste sábado, em Addis Ababa, os 50 anos de esforços para a unidade do continente, com a esperança de que o boom econômico atual na África, finalmente, permitirá realizar os sonhos dos que nascem da descolonização e independência .

"Os pais fundadores (da Unidade Africana) tinham assumido um compromisso para formar a Organização de Unidade Africana, no alvorecer da independência há 50 anos atrás, e é oportuno que nós nos encontremos hoje " hoje, quando a África está se recuperando", disse o primeiro-ministro etíope Hailemariam Desalegn, anfitrião da cimeira.

Enquanto a África está cada vez mais cortejada por seus recursos naturais e seu potencial econômico, as cerimônias em Addis Abeba atrairam muitas celebridades ao redor do mundo.

Presidente do Brasil Dilma Rousseff, o secretário de Estado americano, John Kerry e o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon participaram da cerimônia de abertura. Vice-primeiro-ministro da China, Wang Yang é esperado, como o presidente da França, François Hollande, único chefe de Estado europeu a se apresentar a priori.

Os líderes africanos querem fazer um deslumbrante nascimento do dia 25 de maio de 1963, a Organização de Unidade Africana (OUA), a primeira instituição pan-Africano formado por vários países, criada por 32 chefes de Estado em uma onda de descolonização, e que constitui a atual União Africana (UA), desde 2002, com instituições mais ambiciosas.

Ao homenagear os fundadores do projeto da unidade Africana, o Sr. Desalegn estabeleceu uma nova meta de pan-africanismo "para a construção de um continente sem pobreza e os conflitos em que os nossos cidadãos beneficiarão do estatuto de países de renda média ".

"A auto-suficiência e independência econômica que evocou nossos fundadores ainda estão um pouco fora de alcance, e as desigualdades sociais persistem", reconhecido por sua parte, o presidente da Comissão da UA, a Sul Africana Nkosazana Dlamini- Zuma.

"Se falamos de soluções africanas para os problemas africanos, é porque sabemos que não podemos silenciar as armas para o bem se agirmos em solidariedade e unida", disse ela no pódio da nova sede da UA, construído e financiado pela China.

A China, que está investindo pesadamente na África, durante anos, foi o único país a ser agradecido neste sábado, na galeria da UA. O líder etíope "expressa o seu mais profundo apreço pela China por investir bilhões (...) em infra-estrutura para apoiar os nossos esforços."

Cerca de 10.000 convidados são esperados na capital etíope - sede histórica da OUA e a UA - para estas celebrações.

A organização reservou um orçamento de 1, 27 milhões para a cerimônia, informou o Instituto de Estudos de Segurança (ISS). As comemorações do cinquentenário, que serão distribuídos ao longo do ano, vai custar cerca de $ 3 mil milhões no total, disse à AFP o vice-presidente da Comissão da UA, Erastus Mwencha.


O Sul coreógrafo Africano Somzi Mhlongo organizador da abertura e fechamento da Copa do Mundo em 2010 e do Campeonato Africano das Nações em 2013 na África do Sul assegurou ter organizado cerimônias e ter planejado grandes celebrações "".

Uma centena de bailarinos vão apresentar um programa musical de uma hora. Entre os hóspedes incluem músicos do Mali, Salif Keita, o lendário congolês, Papa Wemba e o reggae britânico Steel Pulse. Telões foram instalados em Addis Abeba para permitir que as pessoas sigam as festividades.

A festa acabou, os Chefes de Estado retornarão, no domingo, sobre questões africanas, durante seus encontros semi-anual de dois dias.

Na pauta, além da prolongada crise política em Madagáscar, a situação da segurança na República Democrática do Congo (RDC) e do Sahel, especialmente após os dois atentados suicidas que provocaram vinte mortes no norte do Níger.

"O terrorismo é agora uma séria ameaça para a África. (...) O que está acontecendo no Níger não é um caso isolado", observou o ministro das Relações Exteriores etíope, Teodros Adhanom em uma entrevista neste sábado, com John Kerry.

Se o número de guerras está realmente em declínio na África, status sócio-econômico, também em andamento continua a ser desiguais. Ao longo dos últimos 50 anos, os indicadores de desenvolvimento em África - saúde, educação, mortalidade infantil, o crescimento econômico, a governança - seriamente melhoraram. Alguns destes países estão experimentando a econômica entre os que mais crescem no mundo, de acordo com o FMI.

Mas de acordo com o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das Nações Unidas, os doze países menos desenvolvidos do mundo estão na África e 26 países na cauda do ranking, não é Africano: é o Afeganistão.

AFP

Bonga no Top da World Music.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A informação foi avançada pelo cantor à reportagem de O PAÍS, em Luanda, momentos antes de ter participado do concerto de C4 Pedro.

O músico realçou que o referido álbum, foi inspirado nas vivências de bairro e já vendeu até ao momento 80 mil cópias, número que segundo ele poderá crescer tendo em conta o nível de vendas em curso.

Considerou, que a sua presença no Top é um reconhecimento internacional. Pela primeira vez na história um músico angolano lidera o Top da World Music. Humorado e num jeito que lhe é peculiar, clarificou que a sua carreira artística vai bem de saúde, sobretudo quando se tem uma casa de discos em França, Lusafrica, a mesma da Cesária Évora e um agente artístico francês, a Troi The Family. 

Realçou que há muito que isso acontece, não propriamente com as mesmas casas de discos, o mesmo produtor e o mesmo agente artístico, mas com outras casas de renome internacional.

Sem esconder a sua satisfação em relação ao Top, referiu que o disco continua a ter temas muito importantes para a sociedade angolana e chegou muitíssimo bem, e que, na sua óptica, os programadores de rádios e televisão deveriam ter muito empenho programá-lo nos seus estúdios. Questionando sobre os motivos que o levaram a atribuir ao álbum o título “Hora kota”, Bonga considerou ser um chamamento a ligação dos mais novos com os mais velhos, apelando aos mais velhos para imporem sem bater e sem prender ninguém. A título de exemplo, referiu-se à educação antiga que teve nos anos idos, ainda que no tempo da colonização. Foi a ela que resistiram e, caso não houvesse tal resistência, hoje não haveria semba. Apelou à sociedade e aos governantes para se pautarem por tal reconhecimento, apoiando os demais kotas que ainda existem.

Dever-se-ia, de facto, apoiar a raiz, por ser esta responsável pelo caule, seguindo-se a própria árvore e, posteriormente, os frutos, que são a própria juventude que muitas vezes é criticada porque ninguém a educou e tão pouco lhe deu escolarização. Argumentou que o aclamado “Hora kota” e outros temas estão muito bem encaminhados, mas infelizmente no Top destacou-se apenas o “Kambwa” devido às suas características normais e pertinentes, tendo apelado à sociedade para que descobre o disco todo, ouvindo com muita calma e atenção o que estas letras querem dizer de facto. 

Preservar para a posteridade 

O músico adiantou igualmente que uma das estratégias usadas para manter presente as mensagens e harmonia nas músicas foi o facto de manter preservadas as tradições culturais do país e não ter nenhum complexo com a coisa do branco, pois se tal assim acontecesse estaria a falar tal qual se fala na televisão apenas para impressionar o inglês e não o angolano. 

Aos 40 anos de actividade artístico-profissional, Bonga tem no mercado igual número de discos gravados, alguns dos quais reeditados em várias capitais na Europa. 

Percursor do semba, leva-o aos palcos internacionais, arrastando multidões, relevando as cores da nossa bandeira e orgulho da pátria. 

Bonga completará, a 5 de Setembro próximo, 70 anos e almeja dar uma grande festa no país, caso os miúdos que cantaram Bonga e outros angolanos com quem fez parceria de grande nível tiverem a coragem de se juntar a ele no dia do seu aniversário para fazerem um banquete de kandandos. Se tal se concretizar, argumentou, será óptimo e assim finalmente dirá que o reconhecimento do valor está de facto ali, assim como alguns responsáveis ao nível do Governo, sobretudo do Ministério da Cultura, que lhe atribuíram o Prémio Nacional de Cultura e Artes ao nível da música. 

“Poderei dizer, não há kijila, não há makas, estamos bem, sobretudo com esta referência tremenda e cada vez a considerar-me um referência de peso, quando sou solicitado a trabalhar com a juventude, principalmente nas músicas que eles compõem hoje”, disse. 

A par disso considerou importante o, o facto ter vindo inúmeras vezes para o país, especialmente para ajudar os miúdos da terra nas suas composições e noutras parcerias. 

Sublinhou que a ausência de tal reconhecimento a este nível implicaria que algumas razões estariam a impedir que isso acontecesse, e assim questionaria: “porque é que andam a apregoar a paz, a concórdia, harmonia, a felicidade do povo angolano? Não podemos mais colocar reticências, senão começo a pensar que há aí coisas do antigamente que ainda não passaram”. 

Estariam assim a contrariar certos dísticos que são programados ou falados por gente responsável. 

“Temos a nossa maneira de falar, como aliás o brasileiro assim o fez com a língua portuguesa”. 

Encorajou igualmente a sociedade angolana a ter a coragem para melhor entender as coisas e a sí própria, incentivando-a a dialogar em línguas nacionais, de modo a que se reconheça a grande família angolana como mais importante que os estrangeiros que os nos vêm visitar. 

Bonga realçou, que continua a fazer a sua cultura no exterior e assim vai continuar.

Recordou ainda que, no exterior do país, poucos estrangeiros dão confiança aos angolanos, sendo ele uma excepção por ter feito desporto em Portugal, levantando bandeiras, crachás, medalhas e agora na música vende muito os seus discos, assinalando que a maior parte do público que vai aos espectáculos é estrangeira. “Enchem as casas de espectáculo, mas não é obcecado no seguimento da sua cultura”. 

O “Kambwa”

Segundo o autor, Kambwa retracta a história pitoresca de dois cães que têm dois proprietários, um dos quais rico e o outro pobre. Até que os dois patrões decidem ir embora por razões várias e os dois cães são abandonados. 

Um dia, os mesmos cães encontram-se na rua e o cão pobre olha e diz para o cão rico: você que estava bem, comia muito bem. “Cada um é livre de tirar as suas ilações”, concluiu. 

fonte: OPAÍS

 

sexta-feira, 24 de maio de 2013

África / Cinquentenário da UA: Várias atividades do programa nos países africanos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

50ème

© Abidjan.net por C I bou T
50 º Aniversário da Organização de Unidade Africana: Presidente Alassane Ouattara, em Adis Abeba, onde vai participar nas festividades.
Quinta-feira, 23 de maio de 2013. Etiópia (Addis Abeba). Alassane Ouattara viajou para Addis Abeba, onde vai participar nas festividades do 50 º aniversário da Organização de Unidade Africana (OUA) e da Cimeira de 21 Chefes de Estado e de Governos da União Africana (AU) sob o tema "Pan-africanismo e renascimento Africano".


Abidjan - As comunidades Africanas celebram neste sábado o 50 º aniversário da existência da União Africana (UA) por meio de atividades que podem se estender, de acordo com a Comissão da UA, até 25 de Maio de 2014.

Depois de analisar os projectos apresentados à Comissão da UA pelos Estados-Membros, a sociedade civil africana e os grupos na diáspora, mobilizarão várias atividades com festividades para o ano inteiro.

Também haverá atividades de sensibilização e mobilização, os suportes promocionais, as atividades comemorativas e promoção da visibilidade, trechos de entrevistas e emissões e produção de filmes, shows e exposições serão organizadas nos Estados-Membros .

Atividades intelectuais e de representação, tais como debates, seminários, mesas redondas, batizados de " sexta-feira da Comissão" figurantes ao menu de manifestações, no qual o objectivo, segundo explicações, são para promover a história Africana e estabelecer ligações com instituições de ensino superior no continente, para preservar e divulgar formas orais, arquivos e outros objetos históricos.

As atividades educativas não são ocultadas durante o período de uso. Estes incluem cinema, música, exposições e outras expressões culturais, dissertações e outras competições em escolas e instituições de ensino superior, o lançamento oficial da Universidade Pan-Africano, o desenvolvimento e a história do programa pan-Africano, etc.

Estão previstas também eventos esportivos para "celebrar a história do esporte na África, as equipes e as celebridades esportivas atuais, bem como o papel do desporto no desenvolvimento da diversidade e celebridades do esporte."

"As categorias e os níveis são evoluídos e não estáticos. Assim, as atividades ligadas a um determinado nível não podem facilmente passar para outro ou serem associados a seus resultados", informou a Comissão da União Africana que convida os Estados-Membros e outros órgãos da instituição Pan-Africano e da Diáspora para organizar eventos em 25 maio de 2013 ", de modo que o dia possa realmente ter uma natureza pan-Africano e global."

kg / mf

fonte: abidjan.net



Lewis LUCKENS, embaixador dos ESTADOS-UNIDOS : « Obama escolheu o Senegal por sua estabilidade e sua democracia ».

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




À margem da inauguração do novo centro americano de formação e pesquisa aplicada em Dakar (Daart), projecto financiado pelo Departamento dos EUA, alojados no Warc, embaixador dos EUA, Lewis Luckens revelou sobre a próxima visita que o presidente Barack Obama irá realizar a África e em particular ao Senegal. Para ele, o Senegal é um parceiro-chave dos Estados Unidos, na África francófona.

O Presidente dos Estados Unidos Barack Obama vai visitar a África em junho. Entre os três países visitará, um figura o Senegal. Por que essa escolha?
"O Senegal é o único país da África Ocidental, que ele vai visitar, mas vai aproveitar a oportunidade para se reunir com membros da sociedade civil da África Ocidental com sede em Dakar. Presidente Obama vai à África para construir laços fortes entre os Estados Unidos e África. Através da visita aos três países que são: o Senegal, África do Sul e Tanzânia, para incentivar o desenvolvimento das relações económicas e comerciais, o fortalecimento da democracia Africana ".

Por que ele escolheu o Senegal?

"O Senegal é um bom exemplo de democracia na África, é um parceiro muito forte e estável para nós. Este é o nosso parceiro mais importante na África francófona. "

Esta visita, ela representa um prêmio para a democracia?

"A tradição da democracia no Senegal e a transferência pacífica de poder são as razões para a escolha deste país."

Presidente Obama desde que ele assumiu o cargo, não chegou a Dakar. Por que adiaram a sua visita depois de sua eleição?
"Não há um presidente que por quatro anos no poder tem suportado muita carga com problemas dos Estados Unidos e da crise econômica global. Ele decidiu vir para o Senegal e estamos muito felizes com sua visita aqui. "

Cooperação entre o Senegal e os Estados Unidos está em um bom patamar, mas o comércio continua a ser baixo. O que os Estados Unidos têm feito para inverter a tendência?
"Certamente, os dois presidentes o dos Estados Unidos e do Senegal irão debater esta questão e como fortalecer os laços comerciais entre os nossos dois países."

Como você encara a nova política do presidente Macky Sall baseada na boa governação?
"Apoiamos o que o Presidente Macky Sall faz para a boa governança, transparência e, possivelmente, os dois presidentes vão discutir tudo isso".

Você pode voltar atrás na sua agenda a Dakar?
"Nós ainda estamos discutindo o programa com as autoridades senegalesas. Nós não temos permanentemente nada fora. "

Por que o governo dos EUA financiou o projeto Daart?
"Nós achamos que é muito importante para apoiar os jovens africanos. Para nós, esses jovens são a próxima geração de líderes na África Ocidental. Em qualquer caso, contamos com eles para ver o surgimento de uma nova geração de outro tipo de líderes na África Ocidental."

fonte: lesoleil.sn

O Continente africano celebra 50º aniversário.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Sede da União Africana
Sede da União Africana


Luanda  - O "continente negro" celebra sábado,  25 de Maio, 50 anos da  criação, em Addis Abeba (Etiópia), da Organização de Unidade Africana (OUA), em carta assinada por 32 estados africanos já independentes na altura.

O acto constituiu-se no maior compromisso político dos líderes africanos, que visou a aceleração do fim da colonização do continente.

No dia 25 de Maio de 1963 reuniram-se 32 Chefes de Estado africanos com ideias contrárias à subordinação a que o continente estava submetido durante séculos (colonialismo, neocolonialismo e "partilha da África").

Dessa reunião, nasceu a OUA (Organização de Unidade Africana). Pela importância daquele momento, o 25 de Maio foi instituído pela ONU (Organização das Nações Unidas), em 1972, Dia da Libertação de África.

O dia representa também um profundo significado da memória colectiva dos povos do continente e a demonstração do objectivo comum de unidade e solidariedade dos africanos na luta para o desenvolvimento económico continental.

A criação da OUA traduziu a vontade dos africanos de converterem-se num corpo único, capaz de responder, de forma organizada e solidária, aos múltiplos desafios com que se defrontam para reunir as condições necessárias à construção do futuro dos filhos de África.

Entretanto, de todos esses pressupostos, é facto reconhecido que a libertação do continente do jugo colonial e o derrube do regime segregacionista do Apartheid, durante anos em vigor na África do Sul, foram eleitas como as tarefas prioritárias da OUA.

Como a OUA mostrou-se incapaz de resolver os conflitos surgidos continuamente em toda a parte do continente, os golpes de estado tornaram-se uma prática.

A construção de uma verdadeira unidade entre os países membros é ainda inexistente, sendo exemplos disto os golpes de estados e as guerras civis no continente.

Economicamente, os indicadores também estavam longe de serem animadores, concorrendo para isso a própria instabilidade militar e as múltiplas epidemias.

Assim, a 12 Julho de 2002, em Durban, o último presidente da OUA, o sul-africano Thabo Mbeki, proclamou solenemente a dissolução da organização e o nascimento da União Africana, como necessidade de se fazer face aos desafios com que o continente se defronta, perante as mudanças sociais, económicas e políticas que se operam no mundo.

Contudo, resolveu manter a comemoração do Dia de África a 25 de Maio, para lembrar o ponto de partida, a trajectória e o que resta para se chegar à meta de “uma África unida e forte”, capaz de concretizar os sonhos de “liberdade, igualdade, justiça e dignidade” dos fundadores.

Outro objectivo principal da UA continuará a ser a unidade e solidariedade entre os países e povos de África, defender a soberania, integridade territorial e independência dos seus Estados membros e acelerar a integração política e socioeconómica do continente, para realizar o sonho dos “pioneiros”, que em 1963 criaram a OUA.

Dos 54 estados africanos, 53 são membros da nova organização: Marrocos se afastou voluntariamente em 1985, em sinal de protesto pela admissão da auto-proclamada República Árabe Saharaui, reconhecida pela OUA em 1982.

Apesar de se registarem actualmente em África alguns conflitos de carácter político, pode-se dizer que a maioria dos países do continente possuem governos democraticamente eleitos.

De uma forma geral, os governos africanos são presidencialistas, com excepção de três monarquias existentes no continente: Leshoto, Marrocos e Swazilândia.

Parcerias são formadas diariamente ao abrigo da NEPAD (Nova Parceria para o Desenvolvimento da África), um instrumento da União Africana que se baseia em relações e acordos bilaterais num ambiente de transparência, responsabilização e boa governação.

A África tem aproximadamente 30,27 milhões de quilómetros quadrados de terra. Ao norte é banhado pelo Mar Mediterrâneo, ao leste pelas águas do oceano Índico e a oeste pelo oceano Atlântico. O sul do continente africano é banhado pelo encontro das águas destes dois oceanos.

É o segundo continente mais populoso do Mundo (depois da Ásia), com aproximadamente 800 milhões de habitantes.

Basicamente agrário, pois cerca de 63 porcento da população habita no meio rural, enquanto somente 37 % mora em cidades. No geral, é um continente que apresentando baixos índices de desenvolvimento económico.

O PIB (Produto Interno Bruto) corresponde a apenas um porcento do produto mundial. Grande parte dos países possui parques industriais poucos desenvolvidos, enquanto outros nem sequer são industrializados, vivendo basicamente da agricultura.

O principal bloco económico é a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), formada por 14 países: Angola, África do Sul, Botswana, República Democrática do Congo, Lesoto, Madagáscar, Malawi, Ilhas Maurícias, Moçambique, Namíbia, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbabwe.

fonte: Angola Press

Programação Dia da África NEAB/UFPE.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


sexta-feira, 17 de maio de 2013

Programação Dia da África NEAB/UFPE


Em homenagem ao dia da África, o Núcleo de Estudos Afrobrasileiros da Universidade Federal de Pernambuco (NEAB/UFPE) preparou uma programação rica em cultura e conhecimento. Confira: 

DIA: 24.05.2013

TEMAUm Olhar Heterogêneo da África na Perspectiva dos Estudantes Africanos
LOCAL: Auditório de Centro de Educação
HORA: 9h00: ABERTURA SOLENE

10h30: DEBATE: África, um continente de projeções: o que fazer para sair dessa posição?
Os Expositores serão os Estudantes:
Lassana Danfá (Psicologia UFPE)
Filomeno Barbosa (Serviço Social UFRN)
Olivio Mila (Direito UFPE)
Olga Nbuyamba (Direito UFPE)
Roclaudelo N’dafa (Letras UFPE)
Debatedor: Ismael Tcham (doutorando em Antropologia)

14h00 PALESTRA: Antigas e Novas Vias Nas Relações Brasil-África: entre a sujeição, cooperação e Identificação.
Professor Dr. Remo Mutzenberg (CFCH)
Professora Drª Eliane Veras (CFCH)
Debatedor: Verônica Manuel (graduando em Rádio e TV)

17h00: Encerramento e atividade cultural
Desfile com roupas africanas
Apresentação dos músicos da Banda Somos de lá.

 Promoção e Apoio:
Universidade Federal da Pernambuco (ufpe)
Núcleo de estudos afrobrasileiros da ufpe
Pró-Reitoria de Extensão

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Eduardo dos Santos garantiu a Obiang entrada da Guiné Equatorial na CPLP.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Obiang tenta há uma década entrar para a CPLP THOMAS MUKOYA/REUTERS

A Guiné Equatorial recebeu do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, a garantia de que entrará formalmente na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) em 2014 – disse o líder do regime, Teodoro Nguema Obiang, depois de um encontro em Luanda.“O Presidente dos Santos assegurou que a Guiné Equatorial vai entrar na próxima reunião”, disse Obiang, segundo a agência Angop, no final de uma visita que fez na quarta-feira a Luanda. O apoio de Angola à adesão da antiga colónia espanhola como membro de pleno direito da comunidade lusófona é conhecido, mas, desta vez, segundo Obiang, foi assegurada a entrada. A citação atribuída a Obiang na edição online do Jornal de Angola tem um tom um pouco diferente:“ O meu irmão assegurou que vai apoiar a entrada da Guiné-Equatorial na próxima cimeira”. “Estamos a sensibilizar neste momento os países membros para que a Guiné possa então aderir à comunidade”, afirmou também, segundo a Angop, o homem que governa o país em ditadura há mais de três décadas. Contactado pelo PÚBLICO, o secretário executivo da CPLP, Murade Murargy, disse não ter conhecimento das conversas mantidas no encontro de Luanda, mas adiantou que “se o Presidente José Eduardo dos Santos garantiu ao Presidente Obiang que vai apoiar a candidatura isso é um bom passo para uma análise favorável da candidatura”. A Guiné Equatorial é observador associado da CPLP desde 2008 e o seu pedido de adesão foi o tema quente das duas últimas cimeiras de chefe de Estado e de Governo, em 2010, em Luanda, e 2012, em Maputo. A possível entrada tem sido contestada pelo facto de legitimar um regime ditatorial, com pena de morte e ausência de direitos civis. Mas, formalmente, Portugal é o único Estado que se tem oposto à entrada. Obiang, que desde 2004 tenta entrar para a CPLP – nesse ano esteve na cimeira realizada em São Tomé e Príncipe –, publicou um decreto que declara o português como terceiro idioma oficial, a seguir ao castelhano e ao francês. Aprovou também a incorporação da língua portuguesa nos currículos escolares e a criação de centros culturais e leitorados nas universidades. Ainda assim, em 2012, os países membros concluíram que não estavam reunidas as condições para a adesão devido à falta de consenso e mantiveram a Guiné Equatorial de fora. Portugal assumiu a discordância, com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, a declarar que os principais obstáculos à entrada da Guiné Equatorial são a pena de morte e a ausência de direitos civis. Já depois disso, a Guiné Equatorial foi autorizada a abrir uma embaixada em LisboaEm Dezembro, Murade Murargy reconheceu que a pena de morte é um “grande entrave” e que a CPLP quer que quando um Estado entra “venha com uma folha limpa": "No sentido de que vai observar os nossos princípios”, esclareceu. Na altura, numa entrevista em que também foi questionado sobre a Guiné-Bissau, anunciou a criação de um “grupo de acompanhamento” para apoiar a Guiné Equatorial, “aconselhando os passos que deve seguir para que possa ser membro efectivo”. E admitiu a possível entrada em 2014. “Estamos esperançados que, se tudo correr bem, possa entrar na próxima cimeira, em Díli. É uma hipótese.” Os membros de pleno direito da CPLP são Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe.

fonte: publico.pt




quarta-feira, 22 de maio de 2013

Costa do Marfim: Retorno '' Simbólico'' de 40 corpos da crise pós-eleitoral às suas famílias.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

L`opération

© Ministérios por DR
A operação de exumação de vítimas da crise pós-eleitoral começou.
A operação de exumação de vítimas da crise pós-eleitoral começou na quinta-feira, 4 de abril de 2013, na presença do Ministro da Justiça e Direitos Humanos, o Sr. Coulibaly Gnenema.


Quarenta corpos da operação de exumação de corpos da crise pós-eleitoral foi lançada pelo governo da Costa do Marfim em 04 de abril, foram ''simbolicamente'' restituídas na quarta-feira para suas famílias durante uma cerimônia oficial, constatou um jornalista de APA em algum lugar na capital econômica da Costa do Marfim.
Apenas 22 dos 40 corpos foram formalmente identificados na cerimónia oficial presidida pelo ministro da Justiça, Ministério da Justiça, Direitos Humanos e das Liberdades Públicas, Mamadou Coulibaly Gnenema.

Cinco caixões envoltos com a bandeira da Costa do Marfim (laranja, branco e verde) foram expostos de forma simbólica no pátio da Ivosep Treichville, a principal empresa de empreendedores do país.

'' Esta cerimônia cheia de emoções e memórias dolorosas da crise pós eleitoral'', declarou o ministro Gnenema Mamadou Coulibaly, apresentando'' sinceras condolências'' do Presidente da República, do primeiro-ministro, do Governo e do povo da Costa do Marfim, aos parentes das vítimas. '' Isso é para que a verdade seja restaurada'', acrescentou.

"Nós denunciamos o descaso do Estado da Costa do Marfim para conosco, pais das vítimas (...)'', disse por sua vez o Sr. Agbohan Sahie, um parente da vítima, observando que ''os cinco caixões apresentados estão vazios. Esta é apenas uma entrega simbólica.''

O Presidente dos familiares das vítimas da crise pós-eleitoral, Siaka Diaby,tem convidado o Governo da Costa do Marfim para acompanhar os parentes das vítimas a dar um '' enterro digno'' aos falecidos.

'' Os parentes das vítimas querem medidas de acompanhamento para permitir que os parentes celebrem o luto'', acrescentou.

A crise pós-eleitoral de 2010-2011 foi o culminar de uma década de conflitos políticos e étnicos durante o qual as forças de segurança pró-Gbagbo e os que apoiam Alassane Ouatatra e milícias aliadas por um lado ou por outro comprometidos regularmente com a impunidade e com os crimes graves contra civis.

As organizações nacionais e internacionais, incluindo as Nações Unidas e a Human Rights Watch documentaram crimes de guerra e possíveis crimes contra a humanidade cometidos pelos pró-Gbagbo e as forças pró-Ouattara na crise pós-eleitoral que pelo menos vitimou 3.000 pessoas a partir de dezembro de 2010 a abril de 2011.

MC / ls / APA

fonte: abidjan.net




Total de visualizações de página