Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Senegal: Dakar abalada por manifestações anti-Wade.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

DAKAR, Senegal - Confrontos entre manifestantes e policiais continuaram por quinto dia consecutivo e hoje domingo no centro de Dakar, onde as manifestações de qualquer tipo são proibidas antes das eleições 26 de fevereiro.
Manifestantes controlam três blocos no centro de Dakar nesta tarde de domingo e derrubaram um sinal de grande campanha do presidente Abdoulaye Wade.
No centro da agitação permanece controversia sobre candidatura de Wade. O presidente de 85 anos de idade, está concorrendo a um terceiro mandato, apesar de um limite constitucional de dois, e isso fez com que haja agitação.
Mas os protestos neste país de maioria muçulmana assumiram um tom religioso desde sexta-feira, quando um policial atirou gás lacrimogêneo em uma mesquita no centro em que alguns manifestantes se refugiaram.
O incidente foi transmitido na televisão local e reconhecido pelo governo, que prometeu uma investigação sobre o assunto.
"Efetivamente, o autor será punido", disse o porta-voz presidencial Serigne Mbacke Ndiaye sobre a rádio local.
Protesto de domingo aconteceu perto da mesquita mesmo e começou como o resultado de uma falha de comunicação, de acordo com os membros da congregação.
O El Hadj Malick Sy Mesquita realizou um encontro para um líder religioso em sua volta de Marrocos. Relatórios falsos apontam que era uma reunião política em resposta a manifestações de sexta-feira que atraiu incidentes, que não pode ter vindo de outra forma e que entraram em confronto com a polícia a 100 metros da mesquita.
No entanto, o conflito foi tingida com sentimento religioso, com os manifestantes gritando "Allahu Akhbar" à medida que avançavam sobre a polícia atrás de escudos improvisados de ​​barracos feitos de vendedores de metal e mesas de madeira para se proteger de gás lacrimogêneo e balas de borracha.
"Abdoulaye Wade não tem o direito de lançar gás lacrimogêneo em nossos lugares sagrados", disse Diop, um manifestante que só deu o seu sobrenome. "É injusto. É um insulto e nunca vou perdoá-lo."
Mais de GlobalPost: protestos no Senegal pequeno, mas determinado
Outros na mesquita respeitada a chamada do imã que se abstenha de violência, mesmo que compreender o sentimento daqueles que não o fezeram.
"Nós não estamos aqui por uma razão política", disse Djibril Dieng, um membro da irmandade Tidjane que possui a mesquita. "Mas, como você pode ver, ele se transformou em outra coisa, porque as forças de segurança passaram a nos atacar."
"Estamos apenas defendendo nossa mesquita", acrescentou.
A multidão parecia mais apaixonada e menos facilmente dispersa do que em protestos anteriores, que têm sido comuns desde que alto tribunal do Senegal aprovou a terceira candidatura de Wade em termo em 27 de janeiro.
A polícia realizou a sua posição por cerca de duas horas e absteve-se de totalmente dispersar os manifestantes depois que a reunião religiosa tinha sido  suspensa. Pelo menos três manifestantes ficaram feridos no conflito, incluindo um jovem que sofreu um ferimento na cabeça, supostamente a partir de uma lata de gás lacrimogêneo.
Apesar do aumento da intensidade, os protestos mantiveram-se relativamente pequena no Senegal - uma democracia estável, onde muitos têm confiança no processo eleitoral que viu dois para duas transições pacíficas de poder.
Embora pequeno os protestos têm perturbado a ordem em Dakar. Wade rejeitou as manifestações como nada mais do que uma "leve brisa que agita as folhas de uma árvore, mas nunca se torna um furacão."
Senegal é amplamente vista como fundamental para a estabilidade da África Ocidental. É o único país na região e um dos poucos em África, que nunca experimentou um golpe militar.
Do Senegal a tradição democrática remonta de1848, quando os cidadãos da então colônia francesa tinha o direito de eleger um deputado ao parlamento francês. Esta é uma história há muito mais tempo com a democracia que a maioria dos países africanos que só começaram a realização de eleições após o domínio colonial terminar em 1960.

fonte: Global Post

Total de visualizações de página