Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

sexta-feira, 25 de maio de 2012

A defesa de Laurent Gbagbo contesta a competência do TPI.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

La
© AFP 
La Haye : Laurent Gbagbo comparaît en direct
Lundi 5 décembre 2011. La Haye (Pays-Bas)



HAIA- A defesa do ex-presidente da Costa do Marfim Laurent Gbagbo, suspeito pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) por crimes contra a humanidade, desafia a jurisdição do TPI por atentar Gbagbo, disse ao tribunal nesta sexta-feira.Os pedidos de defesa do Conselho de Administração para "declarar que o TPI não écompetente para o período e os eventos que se refere o mandado de detenção emitido contra Gbagbo a 23 novembro de 2011", escreveu Emmanuel Altitude,o advogado francês de Gbagbo, em um documento oficial apresentado quinta-feira elançado sexta-feira. Altitude estima que Gbagbo sofreu uma violação dos seus direitos ede "tortura e outros tratamentos desumanos e degradantes" durante seus oitomeses de detenção no norte da Costa do Marfim antes de sua transferência paraHaia, a 30 de novembro.De acordo com o conselho, essas violações", que teve graves consequências para o seuestado físico e mental ", são contrárias ao artigo` 55 do Estatuto de Roma, oTratado fundado por TPI, que afirma os direitos das pessoas sob uma pesquisa de campo.Assim, pediu à câmara de "que estas violações são propensas a fazer a realização de um julgamento justo o que é impossível", segundo a mesmo Fonte.A Costa do Marfim assinou mas não ratificou o Estatuto de Roma, diz o Sr. Altitude em seu documento de 79 páginas. Os documentos em que adverte para o Ministério Público para estabelecer sua jurisdição e mandato parado, incluindo uma carta do presidente Alassane Ouattara, são desprovidos "de qualquer valor legal ", disse o advogado`.A audiência sobre a confirmação da acusação, que deverá permitir a juízes determinar se as provas reunidas pela acusação são suficientemente sólida para a realização de um julgamento  datado para começar em 18 junho. Eventos de apoio são realizadas regularmente antes no centro de detenção do TPI em Scheveningen, um subúrbio de Haia, onde está preso o ex-presidente da Costa do Marfim.Primeiro ex-chefe dos estados entregues ao TPI, Laurent Gbagbo, 66 anos, é suspeitos pelo TPI  de ter "cometido" crimes contra a humanidade e crimes cometidos durante a violência pós-leitoral em 2010-2011.Sua recusa em ceder o poder ao seu rival Alassane presidente e atual Ouattara tinha mergulhou o país em uma crise mortal que teve 3000 mortos. O partido de Alassane Ouattara havia vencido a maioria das cadeiras na legislativas de Dezembro 2011, boicotado pelo Gbagbo.


fonte: abidjan.net

Taís Araújo em excelente forma física após ter sido mãe.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Taís Araújo, 33 anos, mostrou que está em excelente forma física depois de ter sido mãe de João Vicente, há apenas 11 meses.

A actriz brasileira é capa da edição de Junho da revista ‘Nova', e esta foi a primeira produção fotográfica ousada que Taís fez depois de ter dado à luz.

Fonte: Vidas

Angola: William Tonet - "Os crimes nunca prescreverão".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Verwendung weltweit, usage worldwide, No third party sales., Keine Weitergabe an Drittverwerter., Bitte Einschränkungen der Hand

Afrika; Afrikanisch; Alan Gignoux; Angola; Angolan; Anpassung; Auswirkung; Farbe; Fotographie; Gebäude; Gehäuse; ImpactPhotos1; Küste; Land; Luanda; Meer; Palme; Skyline; Strand; Straße; Struktur; Tag; Tor; Wohnung; Wolkenkratzer; cityscape; ernstlich; errichtendes Äußeres; flach; hohe Winkelsicht; horizontal; niemand; photograph; städtisch; skyline; nobody; impact; high; angle; view; building; exterior; Alan; Gignoux; Republic; of; Southern; Africa; urban; sea; coast; capital; beach; street; skyscraper; country; housing; day; port; palm; tree; colour; Af; photographer; landscape; flat; apartment; residence; goal; structure; route; roads; Road_Transport; palm tree; countryside; littoral; coastal; box; apartment building; buildings; color; alignment; African


A DW África falou com advogado e jornalista angolano William Tonet que, em 1977, trabalhava no gabinete de Nito Alves. Hoje é uma das vozes que denunciam as atrocidades cometidas por ordem do presidente Agostinho Neto.
DW África: O que, representa, para si, o 27 de maio?

William Tonet (WT): Nós conhecemos em África, depois de uma independência, uma das maiores chacinas seletivas do ponto de vista ideológico. E essa chacina foi cometida para acabar com a liberdade de pensamento e de expressão.

DW África: Os números das vítimas são divergentes...

WT: Não me repugna falar em mais de 60 mil ou um número próximo dos 80 mil de assassinatos, porque aqueles que dirigiram a chacina nunca estiveram preocupados com a quantidade. Bastava que alguém dissesse que aquele indivíduo talvez... para ser imediatamente preso. Se perguntar a eles: quantas pessoas prenderam, eles não sabem responder, mas sabemos que eles ficavam contentes quando, num dia, matavam mais cem ou mais duzentos. E muitos dos assassinos estão vivos. Eles têm que assumir isso. Veja quantos denominados responsáveis do 27 de maio sobraram?

DW África: Não acha que os crimes prescreveram, 35 anos depois?
William Tonet, em 1977, trabalhava no gabinete de Nito Alves e costumava abrir os comícios dele
William Tonet, em 1977, trabalhava no gabinete de Nito Alves e costumava abrir os comícios dele
WT: São crimes contra a humanidade, não prescreveram. E não prescreveram porque as pessoas responsáveis, que ainda estão vivas, não fazem nenhum esforço por se penitenciarem. Eles só vêem o poder, não vêem as consequências. Esse crime não prescreve. Os crimes da segunda guerra mundial também não prescreveram e não irão prescrever. Há pessoas à beira dos cem anos a serem responsabilizadas civil e criminalmente na Europa, e aqui em Angola também vai haver isso. Infelizmente nós não temos uma cultura de reconciliação. O MPLA tem medo de liderar um processo, como fez a África do Sul. Em África, Angola não está a dar um bom exemplo de uma política de verdadeira reconciliação nacional, ao contrário da África do Sul.

DW África: Porque é que o tema 27 de maio continua a ser um tabú em Angola?

WT: Porque as pessoas não pensam o país, e quando as pessoas - em vez de pensarem o país - pensam o poder, a verdade torna-se tabú. Eu costumo dizer: todos os movimentos de libertação cometeram erros graves, violações graves dos direitos humanos. Mas aqui em Angola só se fala da FNLA e da UNITA, como se os outros fossem um poço de pureza, mas não foram. É preciso que nós tenhamos a coragem de refazer a história e penitenciarmo-nos todos e dizer que foi num dado momento, que as circunstâncias foram estas, mas vamos reencontrar-nos em vez de continuarmos a cavalgar, uns no poder e outros com um sentimento de revolta.
Autor: Manuel Vieira (Luanda)
Edição: António Cascais / António Rocha
fonte: DW

Total de visualizações de página