Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

República Centro Africano: Rebeldes da República Central Africana avançam sobre a capital.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Veja o vídeo:

Click no link


Houve uma profunda ansiedade em Bangui, na capital da República Centro Africano(RCA), ontem, 27 de dezembro de 2012 os rebeldes avançaram para a cidade, um enviado da ONU disse à BBC. Margaret Vogt disse que os moradores estavam com medo do que  poderia acontecer com Bangui se os rebeldes invadissem a cidade.

Rebeldes Séléka avançaram para Bangui na quarta-feira, 26 de dezembro de 2012 tendo passado o último remanescente na cidade controlada pelo governo e importante para o norte, disseram as fontes. Uma fonte militar e um trabalhador humanitário disse que os rebeldes chegaram a Damara, a 75 km de Bangui, no final da tarde, depois de ter evitado Sibut, onde cerca de 150 soldados do Chade já havia sido implantado para bloquear um impulso ao sul pela coalizão de rebelde. Um funcionário do governo disse a agências de notícias que os rebeldes estavam nos arredores da capital.

Como resultado, as Nações Unidas ontem começou a evacuar o seu pessoal não-essencial do país, enquanto os EUA pediram aos seus cidadãos a sair. França ordenou o reforço da segurança em torno de sua embaixada em Bangui depois que foi atacado na quarta-feira, 26 dezembro por manifestantes que querem a França para ajudar a anular a rebelião, acusando a ex-potência colonial de abandoná-los.

Enquanto isso, o presidente francês, François Hollande ontem afirmou que a presença de seu país na República Centro Africano é a de proteger os seus interesses e os cidadãos franceses, e não o governo do presidente François Bozizé. Falando na capital francesa, em Paris, o presidente Hollande disse que não iria intervir no negócio interno na RCA, acrescentando que esses dias acabaram. Hollande ordenou às tropas francesas estacionadas no país nesta quarta-feira para reforçar a segurança na Embaixada da França, depois que os manifestantes atiraram pedras contra o edifício e alguns conseguiram entrar no complexo, antes de serem repelidos.

 Rebeldes Séléka acusam o Presidente François e Bozizé de não cumprirem um acordo de paz de 2007, sob o qual os lutadores que depuseram as armas eram para ser pagos. Eles começaram a sua campanha há um mês atrás no norte e tomaram 10 cidades em seu impulso em direção à capital. Presidente Bozizé, que tomou o poder em um golpe em 2003, tem repetidamente invocada intervenção estrangeira para se defender de rebeliões e do alastramento dos conflitos no vizinho Chade e Sudão.

A República Centro Africano  tem enfrentado numerosas rebeliões  desde a independência da França em 1960. O país rico em minerais, é o lar de cerca de cinco milhões de pessoas e é considerada pela ONU como um dos países menos desenvolvidos do mundo.

fonte: allafrica.com

domingo, 30 de dezembro de 2012

O Celibato Nympho, a webserie que revela a sexualidade da mulher negra.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A série é um sucesso na Web, em abordagem, a questão do desejo sexual entre as mulheres negras.

O vídeo para você assistir e viver ou reviver:

Veja o vídeo

Click no link

O sucesso da webserie Africano-Americano das Crônicas celibato Nympho  é um dos que podem gerar maiores frustrações (e, talvez, uma série de injustiças).

Quando há um pouco mais de um ano, hoje a atriz e diretora jovem negra americana de 33 anos, Martin Tanjareen, saborea o projeto que bate todos os recordes de audiência na Web, está ainda por exprimir um personagem  ras-le-bol explicou ela, em uma recente entrevista ao website "identidade" BlackSnob.

Apesar dela estar de mau com amor e... e sexo (e, portanto, mal interpretada, para não escrever a insatisfação).

Para evitar este tipo de "má sorte" que a empurra na sua cadeia de relações curtas com os homens, no entanto, está se esforçando para atender a todas as expectativas, a jovem tem um desafio de revelar sua vida privada, acredita que ela vai trabalhar no interesse público.

"Eu pensei sobre sexualidade escalonada que só poderia liberar e desenvolver talentos. Eu particularmente pensei que iria ajudar a empresa a estar menos presa. "

Apenas Tanjareen não fala sobre a questão do desejo nas mulheres (apenas) de forma escalonada. Ela cobre o mesmo tema, para que você não possa inundar, "cru", como dizem nos Estados Unidos. As cenas são em si sugestivas e que elas estão embaçadas em lugares ...

Veja o vídeo:


As crônicas de celebaterismo  ninfomaníaca relatadas por este webserie são histórias a priori banais:a vida de uma jovem mulher Africano-Americana que multiplica as aventuras sexuais antes de encontrar o homem perfeito.
A heroína (interpretada pelo diretor da série) adora sexo e é bom para qualquer ocasião para expressar.

Veja o vídeo:

Foi ousada  tal crueza. Porque, se ela se torna um pouco mais fácil de falar de sexo na América que sabemos o suficiente que é puritana falar sobre a sexualidade das mulheres, especialmente as mulheres negras, efeito quase que provocante.

E ainda há esta abertura e honestidade sobre as questões sensíveis que parecem agradáveis.

"Eu decidi apostar nisso, porque sexo vende, diz Martin BlackSnob Tarjaneen, ainda. Sexo vende, e é verdade também. E a verdade é que as mulheres adoram sexo tanto quanto os homens, apenas por diversão. "

Um discurso quase de militante, mesmo que a atriz e diretora nega qualquer envolvimento feminista.

Em qualquer caso, não era o objetivo desde o início, diz ela. Ainda assim, a questão que se coloca através deste webserie é igualmente válido em África.


Veja o vídeo:



A mulher tem o direito de confiar, se o clima a prende em sua sexualidade? A mulher cessa de ser uma mulher, quando ela começa a falar, como bom para ela mesma, isso é algo que todos os seres humanos tremem: o desejo sexual.


No continente, as feministas ainda estão presas em um conformismo social e encargos relacionados com as "tradições" parecem ter resolvido, elas próprias, e a questão da sexualidade das mulheres é expressa em silêncio ... ou secretamente (e Infelizmente, a frustração que isso possa causar, também).

Na Europa, o problema não for resolvido ainda, onde muitos tabus ainda existem. Apesar de algum escritor francês como feminista e diretora, Virginia Despentes conhecida por sua subversão, foi capaz de levantar um chumbo.

As Crônicas Celibato Nympho com seus pequenos episódios tem sido a linguagem da verdade e simplicidade, a chave para o seu sucesso.

Provavelmente não é coincidência que a série já ganhou todos os prêmios em 2011, pouco depois de seu lançamento, o festival webseries em Los Angeles.

Por: Raoul Mbog

fonte: slateafrique

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Indiana comete suicídio após polícia negar registro de queixa por estupro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Protestos contra casos de estupro têm se multiplicado na Índia após uma jovem ser violentada dentro de um ônibus na capital no começo de dezembro Foto: AFP
Protestos contra casos de estupro têm se multiplicado na Índia após uma jovem ser violentada dentro de um ônibus na capital no começo de dezembro. Foto: AFP

Uma indiana de 17 anos que foi vítima de um estupro coletivo se suicidou depois que a polícia a pressionou a abandonar o caso e se casar com um dos agressores. O caso foi confirmado pela própria polícia e por familiares da jovem nesta quinta-feira. Em meio a mobilizações sobre o estupro coletivo de outra estudante em um ônibus em Nova Délhi no começo desse mês, este caso colocou novamente em evidência o modo como a polícia lida com crimes sexuais na Índia.
Um policial foi demitido e outro suspenso pela conduta depois do ataque, ocorrido durante o festival de Diwali, no dia 13 de novembro, na região de Patiala no Punjab. A adolescente foi encontrada morta na quarta-feira à noite, após ingerir veneno. O inspetor-geral Paramjit Singh Gill disse que ela "ficou andando de um lado para o outro para que seu caso fosse registrado", mas os policiais não abriram um inquérito formal. "Um dos policiais tentou convencê-la a retirar a queixa", afirmou Gill, chefe policial da área.
Ninguém foi preso por causa do estupro, apesar de três pessoas terem sido detidas na quinta-feira. Duas delas eram os supostos estupradores e uma terceira era uma mulher suspeita de ser cúmplice. A irmã da vítima contou à rede de televisão indiana NDTV que propuseram à adolescente aceitar uma quantia em dinheiro para esquecer a denúncia ou se casar com um dos agressores. 
A Pess Trust of India também relatou que um policial foi suspenso por supostamente se negar a registrar uma queixa de estupro no estado de Chhattisgar, no norte do país. Números oficiais mostram que 228.650 do recorde de 256.329 crimes violentos no ano passado na Índia foram contra as mulheres. O número real, contudo, pode ser muito mais alto, já que muitas mulheres hesitam em denunciar os ataques à polícia.
Durante um discurso para ministros chefe dos estados da Índia na quinta-feira, o primeiro-minitro Manmohan Singh prometeu novas leis contra os ataques às mulheres.
fonte: terra.com.br


Homem mais velho do mundo bate novo recorde no 'Guinness'.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Kimura tem sete filhos - cinco dos quais ainda vivem -, 14 netos, 25 bisnetos e 13 tataranetos Foto: AFP
Kimura tem sete filhos - cinco dos quais ainda vivem -, 14 netos, 25 bisnetos e 13 tataranetos


O japonês Jiroemon Kimura, reconhecido pelo livro Guinness World Recordscomo a pessoa viva mais velha do mundo, se transformou nesta sexta-feira, ao completar 115 anos e 253 dias, no homem que mais tempo viveu em todos os tempos. O recorde anterior pertencia ao dinamarquês Christian Mortensen, que morreu em 1998 aos 115 anos e 252 dias.
Segundo o Guinness, a pessoa que mais tempo viveu é a francesa Jeanne Louise Calment, que faleceu em 1997 aos 122 anos e 164 dias. No último dia 16 de dezembro, Kimura se transformou na pessoa mais velha do mundo após a morte da americana Dina Manfredini, também de 115 anos.
Kimura, que já era tido como o homem mais velho do mundo desde abril de 2011, nasceu no dia 19 de abril de 1897, na antiga província de Tango (atual província de Kioto) e trabalhou até os 100.
Embora ancião estaja hospitalizado desde o último 15 de dezembro por causa de seu delicado estado de saúde, Kimura evoluiu favoravelmente desde então e segue lúcido. O ancião japonês tem sete filhos, cinco deles ainda vivos, 14 netos, 25 bisnetos e 13 tataranetos, dois deles nascidos neste ano.

fonte: terra.com.br

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Hospital do Quênia 'prende' mulheres que não pagam despesas do parto.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Maimouna Awuor, 44 anos, contou que ficou presa no hospital por 20 dias, até o prefeito de Nairóbi pagar a conta Foto: AP
Maimouna Awuor, 44 anos, contou que ficou presa no hospital por 20 dias, até o prefeito de Nairóbi pagar a conta
Foto: AP

Mulheres quenianas que deram à luz no Hospital Maternidade Pumwani dizem estar sendo impedidas de deixar o local se não pagarem as taxas estabelecidas pela casa hospitalar, localizanda em um bairro pobre de Nairóbi. O diretor da instituição, Lázaro Omondi, admite a prática e afirma que essa é a única maneira de manter o centro médico funcionando. Uma das mulheres ouvidas pela reportagem da Associated Press afirmou que foi agredida por um guarda quando tentou sair do hospital sem pagar.
A instituição cobra taxas de entre US$ 60 e US$ 160 por parto, um valor que a maioria das quenianas não tem condições de pagar. Duas mães que estão “presas” contaram à reportagem que vivem perto dali, em um barraco com paredes de barro e telhado de zinco. Mesmo assim, após receberem seus bebês, foram impedidas de deixar o local.
“O hospital tem que conseguir dinheiro para pagar a conta de luz, a conta de água. Temos que pagar nossos médicos e demais trabalhadores”, afirmou o diretor Lázaro Omondi. “Elas ficam lá até que paguem. Elas devem pagar”, defende. “Se não pagam, o hospital vai entrar em colapso”, justifica. De acordo com Omondi, cerca de 350 mulheres dão à luz no local a cada semana.
O Centro de Direitos Reprodutivos, sediado em Nova York, nos Estados Unidos, entrou com uma ação no Tribunal Superior de Justiça do Quênia para tentar obrigar o hospital a cessar a prática. A entidade afirma que as pacientes da maternidade Pumwani são as mais pobres da capital queniana. Além disso, alega que o hospital é associado ao Conselho de Nairóbi, motivo pelo qual não poderia seguir com a prática de cobrança forçada.
Maimouna Awuor, 44 anos, já tinha quatro filhos quando deu entrada na maternidade para dar à luz em outubro de 2010. Como muitos que vivem nas favelas de Nairóbi, ela não tem trabalho fixo e faz pequenos “bicos” para conseguir dinheiro. Ela é citada na ação judicial contra o hospital e contou que após dar à luz, não tinha dinheiro para pagar a conta de US$ 60, e foi impedida de sair do local, o que acredita que aconteceu com outras 60 mulheres e seus filhos. “Dormíamos três pessoas em uma cama, às vezes quatro”, disse. Ela também afirma que os funcionários do hospital xingam as mães pobres. Ela revelou que viu algumas mulheres tentando fugir, mas foram espancadas pelos guardas.
Enquanto o marido trabalhava em um campo de refugiados, sua filha Awuor, 9 anos, ficou sendo cuidada pelos irmãos. Maimouna diz que foi libertada depois de 20 dias após o prefeito de Nairóbi paga a conta. No Quênia, os políticos costumam realizar esse tipo de favor.
A segunda mãe citada na ação judicial, Margaret Anyoso, diz que foi trancada em Pumwani por seis dias em 2010 porque não podia pagar a conta de US$ 160. "Eu não vi meu filho até o sexto dia após a cirurgia. Os funcionários do hospital estavam mantendo ele longe de mim e só quando eu fiz um escândalo o trouxeram até mim”, disse Margaret, uma vendedora de legumes e mãe solteira que ganha US$ 5 em um bom dia. Ela foi liberada após parentes pagarem a conta.
Outra mulher diz que foi detida por nove meses e só saiu do hospital após fazer greve de fome. O Centro de Direitos Reprodutivos diz que outros hospitais do Quênia também detêm pacientes que não pagam a conta. Judy Okal, diretor da instituição para a África, disse que o grupo entrou com a ação para que todas as mulheres quenianas, independentemente do status socioeconômico, tenham o direito de receber cuidados de saúde, sem medo de serem “presas”. O hospital, o procurador-geral, o Conselho Municipal de Nairóbi e dois ministros do governo são citados na ação.
fonte: terra.com.br

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Humor negro de Tatiana Rojo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Em Campant uma Mama Africana sobre cena, a comediante franco-marfinense presta homenagem à energia de sua própria mãe e para o continente de seus ancestrais.

Tatiana Rojo no seu espetáculo Amou Tati © Todos os direitos reservados


Tatiana Rojo chegou como um furacão no café parisiense que ela escolheu para a entrevista.

Sem sequer ter tempo de pedir seu casaco, pede desculpas pelo atraso. Com um largo sorriso, ela disse que só soube da boa notícia.

Ela desempenhará um papel na Akwaba, um próximo filme co-dirigido por Benoît Poelvoorde e Casamento.

"Eu não fiz nada para as minhas tranças para fundição!" Ela diz com uma risada muito alto enquanto mostra seu novo penteado.

"Eu vou pegar seu namorado. , Ele é um recrutador de futebol que vai para a África. "

A mulher jovem de 33 anos de idade tem uma agenda cheia. Ela também foi recrutada para tocar no Papa Marechal, a nova realização de Fabrice Eboué e Ngijol Thomas:

"Aqui, o filme vai virar Cuba é no mesmo estilo como caso de partida!"

Desde seu sucesso neste verão no festival de Avignon, a palavra sobre obras sai de sua boca. A atriz marcou os espíritos com seu show de uma mulher que só tem direito limpo, Amu Tati.

Em seu show, com lenço na cabeça "boubou" colorido, pano em volta da cintura e descalça, Tatiana se transforma em Michelle, uma mãe africana deliciosamente tagarela, altamente manipuladora com ternura e protetora.

Com um senso de palavrório, ela leva sua tribo com mão de ferro. Mas com a idade, ela se sente como suas quatro filhas para escapar do benefício de seus maridos ", toubabs" (branco) do exterior. Enquanto uma se apaixona por Francis francês, a outra é seduzida pelo quebequenses, Rene.

"Minhas meninas são ingênuas, elas não sabem que para um homem, a mulher é como o café para começar tem que agitar, depois que o deixa nervoso", lamenta a mãe.

Na sala, o riso saiu para fora, mas no palco, o chefe da família está desesperada. As aventuras de suas filhas não fazem sorrir. Ela espera que elas não vão esquecer seus pretendentes para extrair deles algum dinheiro.

"Melhor chorar dentro de um carro do que em cima de uma moto, diz isso antes de adicionar filosoficamente: Dinheiro não tem cheiro, mas quanto mais você tem, mais ele se reflete isso!"

Para criar este personagem como uma personalidade forte, Tatiana Rojo foi diretamente se inspirar em sua própria mãe, vendendo berinjelas e  mandioca nos mercados.

Olhando para trás, a jovem perde seu sorriso por alguns momentos. Três meses depois de sua morte, a dor ainda está crua.

"Eu criei o show antes dela morrer, e agora que ela se foi é realmente uma honra", diz a atriz, com emoção, com lágrimas nos olhos. Pensei em parar performances em setembro, mas eu acho que é para continuar, como é conhecido por ter realmente existido, e depois seu nome foi realmente Michelle ".

Como a "Dama de Ferro" do show, a mãe de Tatiana lutou para criar cinco filhas e um filho:

"Seu único objetivo era assegurar que nos tornássemos alguém e eu acho que é por isso que ela se matou com as tarefas sob o sol."

Entre Costa do Marfim e França

Nascido na França em Le Havre (noroeste da França) que a marfinense de mãe e pai Gabonês, Tatiana passou a viver com a idade de sete anos na Costa do Marfim, após a separação de seus pais.

"A residência de minha mãe está desatualizada e não foi renovada. Ela teve de voltar para o seu país com todos os seus filhos, que não foi fácil ", diz ela.

A menina descobre um país e um continente que são completamente desconhecidos.

"O que realmente mudou seu foco. Ela se arrumou muito cedo. As outras crianças têm batido em mim, elas me diziam: "Você é tão negro como o carvão, mas fala como um branco '", diz ela, imitando os gestos e proferindo gritos pequenos.

Apesar das dificuldades de adaptação, o franco-marfinense é seduzida por esta nova cultura:

"Eu aprendi a falar como uma verdadeira aldeia, eu estava sempre com os pés descalços e eu fiz bonecas com juncos. Eu realmente sai. É verdade que houve momentos difíceis, mas isso me fez mais forte! "

Criada no seio da família, Tatiana logo descobre uma paixão para o show. Depois de 12 anos, ela notou isso na escola primária em salas pequenas:

"Eu sempre quis ser atriz. Minha mãe me dizia que não foi há muito tempo que as mulheres vinham vê-la, dizendo que eu era louca, porque eu estava cantando e dançando na rua! "

No colégio, ela ganhou o primeiro prêmio, em seguida, se juntou a uma companhia profissional. Foi aí que ao mesmo tempo que ela conheceu seu marido, um ator francês que se ofereceu para fazer cursos em Paris.

Na França, ele começa a se transformar em shorts e fazer número. Ela finalmente consegue seu primeiro papel no cinema em 2007, em La Rivale, um filme sobre a comunidade Africana.

Forçar o destino

Mesmo se os começos são para incentivar a jovem artista a continuar a acumular biscates como garçonete, à espera de respostas para oportunidades diferentes. Exausta, ela finalmente decide levar assunto a sério:

"Eu cansei de o telefone não tocar, então eu criei meu show Amu Tati, no todo".

Em 2009, Tatiana se lança em grande estilo participando nas noitadas marfinenses à risada de Antony (subúrbios ao sul de Paris). Pela primeira vez, ela vai sozinha no palco na frente de uma platéia.

"Eu estava tremendo, porque fazer rir os marfinenses eles vão se levantar nos bons momentos, mas as pessoas adoravam", lembra ela, orgulhosa.

Veja o Vídeo: Click no Link 

Tranquilizada por esse batismo de fogo, a nova comediante aperfeiçoou seus esboços. Situações e diálogos que desenha suas raízes diretamente da Costa do Marfim e de sua comitiva:

"Eu acho que as pessoas de onde eu venho são muito engraçadas. Eu nunca ri tanto na vida. Somos muito felizes com coisas pequenas, mas aqui as pessoas reclamam quando eles têm tudo. "

Para dar uma cor verdadeiramente de histórias locais, Tatiana não hesita em expressar-se em Amu Tati Bete, seu dialeto nativo.

"Eu não falo muito bem, mas eu achei que sou tão autêntica em falar a minha língua. Isto dá uma escala para mostrar a verdadeira identidade. As pessoas estão felizes em ouvir o som ", justifica.

É uma aposta, mas ela funciona. Os negros, os brancos, os africanos, os europeus, há algo para todos:

"Não há emoções coloridas. Estamos lidando com uma mãe que ama suas filhas e empurrando-as para sair para o mundo. Ela é universal! "

Tatiana lembra ainda que no início de seu solo de aventura, uma fã, a mãe dela tinha se mostrado a mais cética.

"Ela me disse:" Uma mulher sozinha no palco, mas você vai se cansar, não há mais garota que pode te ajudar. As pessoas vão pagar para ouvi-lo por uma hora, na França, c?? Isso é muito estranho ", ela imita-a antes de se lançar em uma gargalhada.

Michelle pode ter certeza, ninguém fica entediado com o rosto de Amu Tati. Por mais de uma hora, Tatiana transporta-nos com a sua energia e encanta o coração da Costa do Marfim e faz as mais belas homenagens à sua mãe.

Por: Stephanie Trouillard



fonte: slateafrique







terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Angola: Projecto “Comandante Gika”.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


projecto “Comandante Gika” composto por quatro grandes empreendimentos como “Vip Grand Luanda”, “Alvalade Residence”, “Garden Tower” e “Luanda Shopping” tem a inauguração marcada para o próximo ano, disse o director comercial da Luanda Shopping, Feizal Esmail.
O projecto ocupa uma área de 390 mil metros quadrados de construção, que fazem dele o maior projecto imobiliário de Angola e de toda a África, referiu Feizal Esmail, que prestou esta informação à margem do primeiro encontro que manteve com os lojistas do Luanda Shopping, cuja inauguração está prevista para Outubro de 2010.
O encontro com lojistas do Luanda Shopping visou definir os parâmetros e os critérios a seguir na concepção das diversas lojas, para que em conjunto com a Shopping Gest, empresa gestora, se tracem os caminhos para o sucesso do projecto. Aos lojistas foram entregues dossiers que contêm toda a documentação técnica necessária para o “conceito” que se pretende para o shopping.
O encontro visou ainda apresentar a equipa técnica da Shopping Gest aos lojistas, o projecto final do Luanda Shopping e o plano de desenvolvimento, os factores críticos de sucesso e os passos a dar.
Luanda Shopping ocupa uma área comercial de 175 mil metros quadrados em três pisos e 238 lojas, um hipermercado com 12 mil metros quadrados, “Health Club”, restaurantes e oito salas de cinemas com 1.800 lugares e parque de estacionamento com 2.630 lugares.
Feizal Esmail explicou que os critérios de valorização das lojas têm a ver com espaço. Quanto maior for a loja, mais oneroso é o custo mas para já, o preço base por metro quadrado está estimado entre 105 e 110 dólares, susceptível de negociação.
Marcas de peso
O Luanda Shopping pretende, segundo o seu director comercial Feizal Esmail, um conceito de máxima harmonia, onde marcas do mercado global e de assinalável peso, nacionais e internacionais, sejam representadas e comercializadas.
Segundo o director Comercial, 90 por cento das marcas internacionais conceituadas já estão confirmadas.
Marcas como Hard Rock Café, FNAC, Pizza Hul, Zara, Rouge, KFC, Izzi, Jumbo, são para já algumas das confirmadas. Na alimentação e restauração estão confirmadas com marcas como a Bob’s e Pizza Hut.
Relativamente à moda, conhecidas marcas como a Boss, Levis, Visar, Luboia, Levis, Puma, Nike, Timberland, vão preencher os mostruários das lojas, ao passo que nos diversos e lazer, a Sistec, Unitel, Apple e os bancos BAI e Keve, também fazem parte do conjunto de marcas.
Em ocupação, disse Feizal Esmail, o Shopping está esgotado. No sector da restauração, só resta um espaço disponível dos 32 que o compõem. Na área de moda e acessórios, só restam dois ou três espaços das 54 lojas previstas. Na área de diversos, restam ainda oito vagas.
Inaugurações à vista
O próximo ano começam as inaugurações dos diversos empreendimentos que compõem o projecto “Comandante Gika”. Em Julho de 2010, o Garden Tower e o Alvalade Residence vão ser inaugurados. O Luanda Shopping é inaugurado em Outubro e Dezembro é a vez do hotel de cinco estrelas, o VIP Grand Luanda.
Segundo estimativas, o “Comandante Gika” vai servir uma população de cerca de cinco milhões de habitantes. O Garden Tower, um dos empreendimentos com 67.600 metros quadrados de um complexo de escritórios modernos, conta com 20 pisos acima do solo e dois abaixo do solo com infra-estruturas e serviços de apoio e 470 lugares de estacionamento. Alvalade Residence, condomínio fechado, contempla 136 apartamentos, distribuídos pelos 20 pisos acima do solo. Conta ainda com quatro pisos abaixo do solo e com 272 lugares de estacionamento.
Hotel VIP Grand Luanda, de cinco estrelas com 4.500 metros quadrados, conta com um casino e Spa hotel. Com uma área de construção acima do solo de 27.950 metros quadrados e uma área de 12.900 metros quadrados abaixo do solo, o VIP Hotel tem 300 quartos duplos, 70 suites e 240 lugares de estacionamento.
Fonte: negociosangola.blogspot.pt

Nigéria quer devolver a paz Guiné-Bissau “a todo custo”.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A ministra da Defesa e do Estado da Nigéria, Erelu Olusola Obada, que fez hoje uma visita de algumas horas à Guiné-Bissau, disse que o seu país irá fazer tudo “para devolver” a paz à Guiné-Bissau.
“A Nigéria vai trabalhar a todo custo para devolver a paz a este país”, disse a ministra da Defesa, em breves declarações à imprensa, momentos após ter-se reunido com o contingente nigeriano da missão da Ecomib, que se encontra em Bissau.
A Ecomib é uma força de alerta, composta por mais de 600 soldados oriundos de alguns países da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).
A Nigéria tem mais de 300 homens integrados nessa força, entre militares e polícias.
A governante nigeriana, acompanhada do ministro da Defesa do Governo de transição na Guiné-Bissau, Celestino de Carvalho, disse que, além de intervir no processo de pacificação da Guiné-Bissau, a Nigéria irá ajudar na formação de militares guineenses.
A ministra Erelu Olusola Obada, que se deslocou à Bissau num avião presidencial do seu país, passou em revista as instalações onde se encontram os elementos do contingente nigeriano, no antigo quartel general do exército guineense, antes de seguir para a Libéria.
“As instalações e a situação dos nossos homens aqui, de modo geral, são boas, mas, dentro de duas semanas, serão transferidos para um aquartelamento próprio”, afirmou Erelu Obada.
Fonte do exército guineense disse à Lusa que o contingente nigeriano da Ecomib será transferido para os arredores de Bissau, sem, contudo, indicar o local exato.
Mais de 600 soldados e polícias do Burkina Faso, do Togo, da Nigéria e do Senegal, fazem parte da Ecomib, tendo como mandato garantir a segurança das autoridades de transição, instituídas com o golpe de Estado de 12 de abril passado.
A Ecomib substituiu a missão angolana de apoio ao processo de reforma das Forças Armadas da Guiné-Bissau (Missang), que retirou os últimos militares do país, no início do passado mês de junho. (lusa.pt)

fonte: portaldeangola

domingo, 23 de dezembro de 2012

Top models árabes ascendem e começam a mudar estereótipos femininos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Top models árabes estão ganhando destaque na moda internacional e, em consequência, começando a mudar a forma como as mulheres da região são vistas pelo resto do mundo.
Um exemplo é a marroquina Hind Sahli, que, com poucos anos de experiência na profissão, já posou para marcas como Marc Jacobs, Kenzo e Vera Wang.
Hanaa Ben Abdesslem
Hanaa ben Abdesslem é uma das modelos árabes em ascensão
"Na moda, eles gostam do novo. Tudo o que é novo é bom", explica Hind a respeito de seu sucesso.
Mas ela atribui o interesse também à diversidade e à cultura do mundo árabe.
"Estilistas e fotógrafos gostam que não sejamos todas parecidas e que tenhamos uma cultura tão ampla. É tão diferente de outras (modelos) - podemos nos inspirar em tantas coisas."
Vinda de uma cultura conservadora, Hind explica que sua escolha profissional despertou reações diversas.
"A maioria das reações foi positiva. As pessoas acham bom que haja uma modelo marroquina. Muitas jovens me escreveram no Facebook perguntando como eu comecei. Houve algumas reações negativas, mas não me importo - sou feliz com o que faço."

Estereótipos e fé

Além de Hind, outras modelos árabes têm se destacado, como a tunisiana Hanaa ben Abdesslem, que assinou contrato com a empresa de cosméticos Lancôme. Detalhe: na Tunísia, ser modelo não é considerado uma profissão.
Shaista Gohir, diretora de um grupo de mulheres muçulmanas na Grã-Bretanha e ativista pelos direitos femininos, opina que o Ocidente tem uma visão estereotipada e genérica da mulher árabe-muçulmana. Para ela, a ascensão de modelos pode ajudar a mudar isso.
"É uma carreira definitivamente revolucionária e ousada, principalmente porque (no mundo árabe) as pessoas são muito tradicionais", diz Shaista. "Você sempre precisa de uma primeira pessoa quebrando essa barreira, quebrando os estereótipos e inspirando outras meninas."
Para ela, essa visão estereotipada vem da mídia, "que retrata as mulheres muçulmanas sempre cobertas com véu e sem voz".
"Mas a lista anual das mulheres árabes mais poderosas (que inclui representantes dos setores de finanças, cultura e governo, entre outros) evidencia uma imagem muito diferente delas."
Muitas das modelos árabes são de famílias muçulmanas, explica Hind Sahli, que diz praticar a religião.
Ela conta que seus parentes mais distantes podem se incomodar com seu estilo de vida (e com o fato de ela andar sem o véu), mas ressalta que seus pais a apoiam.
"Minha mãe escolheu usar o hijab (véu islâmico), é a opção dela. Todos nós praticamos a fé muçulmana, rezamos."
Hind Sahli, em foto de 2009 (Getty)
A marroquina Hind Sahli combina a carreira de modelo com a prática da fé muçulmana

Sem exotismo

Para Lauretta Roberts, diretora de uma empresa de tendências de moda, o uso de modelos árabes é um marco para a indústria da moda.
"As modelos estão sendo retratadas de uma maneira cotidiana. Não é algo que pareça revolucionário, embora talvez seja, porque não estão fazendo alvoroço a respeito da cultura de onde essas meninas vêm", explica.
"Elas estão sendo fotografadas exatamente da mesma maneira que qualquer modelo da Europa ou dos EUA, e acho isso extremamente positivo. Houve muitas modelos que romperam os padrões nos anos 1970 - por exemplo, (a conhecida modelo somali) Iman -, mas elas eram sempre retratadas de uma maneira levemente exótica."
Segundo Roberts, outra razão para a ascensão de modelos árabes é o interesse em se aproximar e atender o crescente mercado consumidor árabe.
"Estilistas e marcas vão atrás do dinheiro - e, no momento, há muito dinheiro nos países árabes", opina ela. "Antes, a alta-costura queria atrair os americanos ricos. Hoje, os desfiles querem atrair os consumidores árabes, que são os que podem pagar (pelas roupas)."
Simultaneamente ao aumento do interesse por modelos árabes, o Oriente Médio e o norte da África vivem os desdobramentos da Primavera Árabe, que podem abrir espaço para mudanças - positivas ou negativas - para as mulheres.
Para Hind Sahli, "o fato de eu estar trabalhando e me saindo bem vai dar a outras garotas a coragem para seguir esse caminho".

fonte: Zubeida Malik
Today Programme, BBC Radio 4
Clique




quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Jovem estuprada em ônibus(autocarro) ainda corre risco de morrer na Índia.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


20/12/2012 | 10h59min

Uma jovem de 23 anos vítima de um violento estupro coletivo na capital da Índia, Nova Déli, já passou por cirurgias, mas continua internada e corre risco de morrer, informa a equipe do hospital local onde ela recebe tratamento.
Os médicos dizem que a seriedade dos ferimentos decorre do fato de que a estudante de medicina e um amigo que a acompanhava foram atacados e surrados com barras de ferro após a mulher ter sido estuprada.
'Isto foi mais do que um estupro, havia muitos ferimentos. Parece que um objeto muito grosso foi usado repetidamente [pelos responsáveis pelo ataque]', conta um dos médicos, acrescentando que este é um dos casos mais graves de estupro que já viu.
Mas, de acordo com o correspondente da BBC na capital indiana, Soutikl Biswas, há pouca esperança de que o caso motive mudanças concretas na cidade, que vinha contabilizando uma incidência cada vez maior deste tipo de violência.
Somente neste ano, mais de 630 casos de estupro já foram registrados em Nova Déli, conhecida no país como 'capital do estupro'.
De tempos em tempos, casos como este mobilizam a opinião pública e ganham espaço em programas de TV, jornais, revistas, além de virarem tema de protestos e discursos de políticos. Mas pouco depois o nível de atenção é reduzido e o ciclo de violência e impunidade continua, dizem analistas.
E um sistema judiciário ineficiente aliado a uma polícia conivente e negligente não parecem ajudar as vítimas, avalia Biswas.
'A violência e os abusos de mulheres são grandes problemas em Déli e no norte da Índia. Uma mentalidade fortemente patriarcal, uma cultura de impunidade entre o poder, um desdém generalizado pela lei, uma força policial em grande parte insensível e uma crescente população de imigrantes sem raízes e ilegais são alguns dos fatores desde cenário. Mas deve haver muitos outros', diz o correspondente.
'Se você for mulher - a não ser que seja muito rica e privilegiada - há mais chances de enfrentar humilhação e indignidade aqui', acrescenta.
Protestos
O caso de estupro coletivo ocorrido no último domingo causou comoção no país. Cinco pessoas, incluindo o motorista do ônibus no qual ocorreu o ataque, foram presas. A polícia diz estar procurando ainda mais uma pessoa.
Na quarta-feira, um grande protesto em Nova Déli pedindo punições fortes contra os estupradores foi dispersado pela polícia com jatos de água após manifestantes tentarem derrubar barreiras de metal em frente à casa da chefe de governo da capital, Sheila Dikshit.
Em outras partes da cidade, grupos de estudantes universitários montaram barricadas para protestar contra as autoridades.
Em resposta aos protestos, o governo anunciou uma série de medidas para tentar aumentar a segurança para mulheres na cidade.
Pressão
O governo vem sofrendo grande pressão de membros da oposição, de estudantes e de grupos ativistas pelos direitos das mulheres, que acusam as autoridades de não fazer o suficiente para combater os crimes contra as mulheres.
Pressionado pela oposição, o ministro do Interior, Sushil Kumar, fez nesta quarta-feira um pronunciamento sobre o caso pela segunda vez em dois dias.
Shinde disse que haverá mais patrulhas policiais noturnas e que todos os motoristas de ônibus e seus auxiliares serão submetidos a checagens.
Ele também afirmou que ônibus com janelas escurecidas e cortinas - como o veículo onde ocorreu o estupro no domingo - serão confiscados.

fonte: paraiba.com.br

Chade: Novo processo contra Hissène Habré iniciará breve.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Bruxelas - A aprovação pela Assembléia Nacional senegalesa em 19 de dezembro de 2012, das leis que estabelecem câmaras especiais dentro dos existentes na corte senegalesa anuncia estrutura jurisdicional com início de um processo penal contra o ex-presidente do Chade, Hissène Habré.

Foto RFI Hissène Habré


Habré é acusado de milhares de assassinatos políticos e tortura sistemática que teve lugar durante a sua presidência de 1982 a 1990. Ele vivi no exílio no Senegal por 22 anos e ainda tem que enfrentar a justiça.

"A abertura do processo contra Hissène Habré nunca esteve tão perto", disse Reed Brody, advogado da Human Rights Watch. "Em oito meses, o governo de Macky Sall tem feito mais para recompensar a perseverança e a tenacidade de Habré vivida no Senegal que foi ao longo de duas décadas."

Desde a eleição de Sall como presidente do Senegal e da decisão do Tribunal Internacional de Justiça, em 20 de julho de 2012, ordenando o Senegal para julgar Habré "sem demora" ou a extraditá-lo, as negociações recomeçaram entre a União Africana (UA) e Senegal. Isto levou a um plano para criar o  "extraordinário julgamento africano" para conduzir o julgamento dentro do sistema judicial senegalês. O acordo foi formalizado pelas duas partes em 22 de agosto. Ministro da Justiça, Aminata Touré afirmou que o tribunal vai estar operacional em breve, uma vez que os juízes e outros funcionários são nomeados.

Aprovação da Assembleia Nacional das leis também segue os acordos entre a União Africana, Senegal, e os doadores internacionais em matéria de financiamento do tribunal, para que um orçamento de 7,4 milhões de euros, fosse acordado. De acordo com relatos da mídia, os doadores internacionais declararam os valores (cerca de 3 milhões de euros), a União Europeia (2 milhões de euros), a Holanda (1 milhão de euros), a União Africano (EUA $ 1 milhão), os Estados Unidos (EUA $ 1 milhão ), Alemanha (500.000 euros); Bélgica (500.000 euros), a França (300.000 euros) e Luxemburgo (100.000 euros).


"Eu estava esperando para ver a cara de Hissène Habré na justiça   há mais de 22 anos", disse Clément Abaïfouta, presidente da Associação de Vítimas dos Crimes de Regime Hissène Habré (AVCRHH) que, como um prisioneiro político sob o ditador Habré, foi obrigado a cavar massa de sepulturas e enterrar centenas de outros detentos. "Estamos finalmente capazes de ver e enfrentar o nosso carrasco e recuperar a nossa dignidade como seres humanos."

O Estatuto de Câmaras Extraordinárias apela à criação de câmaras para lidar com investigações, julgamentos e apelações. A câmara de julgamento e da câmara de apelações, cada um, dois juízes senegaleses e um juiz não-senegalês de um país membro da UA, que vai presidir o processo.

As Câmaras vão processar "a pessoa ou pessoas mais responsáveis" por crimes internacionais cometidos no Chade entre 07 de junho de 1982, e 01 de dezembro de 1990. É possível que Habré seja a única pessoa a ser julgada pelo tribunal.

O Estatuto de Câmaras Extraordinárias prevê a participação das vítimas em todas as fases do processo como parte civil, representados por um advogado, e diz que as vítimas também podem ser concedidas reparações. O orçamento das câmaras, permite a gravação de todos os processos, bem como o estabelecimento de um programa de grande alcance para que o julgamento possa ter um impacto positivo e educativo no Chade e em outros lugares.

"Julgamento de Habré, se é justo e transparente, pode marcar um ponto de viragem para a justiça na África", disse Brody. "O precedente de Habré pode se tornar uma fonte de inspiração e ajudar a orientar os esforços de justiça em África e no mundo."

fonte: allafrica



terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Por que Kalashnikov é tão popular na África?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A Kalashnikov está em todos os conflitos armados em África. A eficácia deste fuzil de assalto, assassínio é o seu fácil manuseio e baixo custo.


Soldados do exército somali, Maio de 2012. © REUTERS / James Akena


Sua silhueta característica é conhecida em todo o mundo, com curva do carregador conhecido em algumas regiões, como o "chifre gazela."

E foi usado em todas as guerras de descolonização até os dias de hoje. É o fuzil de assalto Kalashnikov, ou AK-47.

O AK-47 e seus derivados são, sem dúvida muitas uma das armas mais populares de todos os tempos.

Na África, o fuzil de assalto de fabrico soviético ou clones chineses e outros continuam a estar presente em todos os conflitos.

A razão para este sucesso é evidente. Este é um fuzil de assalto simples, rústico, mas a eficiência mortal.

Com a sua capacidade de disparar 600 tiros por minuto e 30 carregador de cartuchos, que dá o poder de fogo de usuário raramente superado.

Sua imprecisão relativa tem pouca importância no combate próximo, confrontos de rua e emboscadas, que são situações em que é mais frequentemente utilizado. Além disso, não é necessário seguir a formação avançada para familiarizar-se com a sua utilização.

O AK-47 é a arma ideal do profissional guerrilheiro. Isso não deveria nos surpreender.

Afinal, ele foi desenvolvido por um sargento do Exército Vermelho (O Quinto exército do mundo, com 1,5 milhões de homens), de 1942, e o objetivo no momento era fornecer para as tropas soviéticas rifle de poder igual ou mesmo superável aos seus adversários com equipamentos nazistas.

Mesmo antes da Kalashnikov, o exército soviético tinha dado aos seus homens a arma PPSh-41, metralhadora de grande simplicidade e taxa de incêndio ainda mais impressionante do que o AK-47 (900 tiros por minuto).

O "papacha", como apelidado pelos soldados soviéticos, contribuiu muito para a vitória do Exército Vermelho, e sempre que as forças do Axa tivessem a chance em ocasião de avanço, eles a trocavam para  os seus próprios.

Esta tradição de robustez e eficiência foi mantida e tem desempenhado um papel óbvio no projeto do fuzil de assalto, o Kalashnikov.


Quando foi usado a primeiro Kalashnikov no continente?

A partir de 1947, o AK-47 começou a equipar unidades soviéticas, e que oficialmente entrou em ação pela primeira vez em 1956, durante a insurreição húngara.

Portanto, como temos visto em todas as frentes da Guerra Fria, e África aderiu, naturalmente, sem exceção.

É difícil datar a entrada do primeiro Kalashnikov no continente Africano, mas após a independência, na década de sessenta, a maioria dos países que emergiram da partida dos colonizadores foram equipados a preços baixos, com a União Soviética, em seguida, a China, que não demorou muito para produzir sua própria versão do AK-47, Tipo 56.

De lá para cá, era natural que esses países e seus fornecedores soviéticos e chineses fornecessem armas para as guerrilhas em ação em torno de primeira luta para dirigir os últimos resquícios do colonialismo, como Angola e Moçambique, em seguida, para lutar contra ditadores herdeiros do antigo regime, ou ajudá-los a vencer.

O AK-47 assumiu um papel central na guerra entre o ANC e as forças do apartheid na África do Sul, em combates entre a SWAPO (Organização do Povo do Sudoeste da África) e Os cubanos aos sul-africanos na Namíbia.

Também foi encontrado nas mãos de combatentes ZAPU (União Popular Africana do Zimbábue) e ZANU (Zimbabwe Nacional Africano União) contra o domínio branco na Rodésia (1965-1979), ou no Biafra 1967-1970 tanto no Exército nigeriano como nas unidades de Biafra.


Será que ela realmente está sendo usado em qualquer lugar?

Hoje em dia, as versões mais modernas, como a AKM e AK-74, e suas variações, assim como a Rússia Soviética, China ou países do antigo Pacto de Varsóvia (aliança militar celebrado entre os países do bloco comunista na 1955, durante a Guerra Fria, com o objectivo de contrabalançar Otan) ainda são usados ​​em todas as guerras que abalam a África.

O colapso do coronel líbio Gaddafi poderia piorar a situação, como evidenciado pela situação explosiva no norte do Mali e Chade.

A Kalashnikov é uma arma de uso em qualquer tempo e em todo-terreno. Ela é igualmente usada em casa, nas areias saariana, nas selvas do leste do Congo e / ou as terras altas da região dos Grandes Lagos.

Se se trata de geléia, e não é difícil de canibalizar peças em outros modelos para corrigi-lo. O calibre mais comum, a 7,62 milímetros é onipresente, e fácil de fabricar e improvisados ​​em oficinas.

Em comparação, muitas armas produzidas pelos países ocidentais para equipar seus exércitos e de seus aliados, se eles podem ser mais preciso e sofisticado parecem muito frágeis ou muito complexo para um trabalho, o que requer, necessariamente, um período de maior tempo de treinamento, seja o francês FAMAS M16A2 ou americano.

O que pensava o inventor da Kalashnikov?

Apelidado de "a arma infuente na maior parte do nosso tempo", autor britânico e historiador Max Hastings, a Kalashnikov tem definitivamente que fazer pender a balança em favor das forças revolucionárias em muitos conflitos.

Como se pode ler em um artigo na Wired ", o AK é usado em quase toda parte, e ele é absolutamente perturbador das regras da guerra moderna, dando bandas de combatentes treinados moderadamente e com poucos recursos para enfrentar e superar alguns exércitos mais ricos e mais bem equipados do mundo. [Ele] se tornou e ainda é a arma de do Senhor de todo mundo, um sucesso e flagelo que persistirá ainda até o século XXI. "

Quando você pensa que o seu criador, Mikhail Kalashnikov, agora tem 93 anos de idade, teria preferido a desenhar, de acordo com ele, máquinas agrícolas, só que nós não podemos imaginar que esse gênio podia trazer para a África essas armas, se seu projeto tivesse sido cassado.

Por: Roman Rijka

fonte: slateafrique


segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Bairro Casamento, uma África em miniatura no centro de Berlim.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Um quarterão popular no norte de Berlim: é aqui, em casamento, que vivem as diásporas africanas. Ironicamente, essa área também carrega o peso de colonização alemã.


Um quarterão ao norte no bairro de Ringbahn, o dispositivo ferroviária de Berlim. Ruas retas, imprensadas entre o Rio Spree, o S-Bahn (Berlim RER) e Aeroporto de Tegel.

Você pode ouvir o zumbido de aviões decolando ... ruído que em breve será ultrapassado, o aeroporto lendário deve fechar em 2013.

Você está agora no coração do setor ex-Francês de Berlim, a oeste, uma área ocupada após a Segunda Guerra Mundial.

Além disso, o Centro Francês de Berlim permaneceu aqui, rue Müller ... E é precisamente nesta área que se instalou a diáspora Africana, mas também que fala Inglês.

Cada rua tem o seu próprio restaurante ou loja de África. Aqui, uma discoteca guineense há um bar de Malianos, novamente uma associação da Serra Leoa ou da Libéria. Bem-vindo ao casamento!

Empreendendo uma boa marcha

"A África está em casamento", insiste Assibi, o gerente de origem togolesa tem um restaurante chamado "Relay savana."

Em francês, por favor! Quando os clientes alemães atravessarem a porta, eles voam para Lomé.

Pratos fumegantes, toalhas de mesa e máscaras coloridas na parede, ao lado de um cartaz que mostra Assibi: Associação de amigos Alemã-togolesa, uma associação que foi criada para financiar projetos de saúde no Togo. Aqui é tomada a misturar das culturas.

"Nós nos damos bem com os alemães. Africanos e indígenas vivendo juntos no bairro. "

Os servidores(trabalhadores) também são dois jovens alemães que viviam na África do Sul. Pedidos são colocados na língua de Goethe.

"Scharf scharf Scharf," o que significa Clemente, picante, insiste rindo! O pai veio com a esposa e dois filhos. Originalmente de Togo, que vivem em Munique, mas muitas vezes vem a Berlim para ver seus "compatriotas" e Abastecer-se:

"É bom viver no bairro casamento, produtos africanos são mais baratos aqui, se o trabalhamos bem em Berlim, o negócio se move. Mas a taxa de desemprego é muito alta. "

Assibi concorda. Casamento é de populares imigrantes africanos, turcos e os trabalhadores aposentados que convivem juntos no mesmo bairro. E rendas mantêm-se baixas, mesmo se os preços sobem como em toda parte, em Berlim.

Que seus clientes carinhosamente chamam de "Mama África" ​​sabe de alguma coisa, ela mora aqui há 40 anos.

Ela até esqueceu o seu francês e em alemão lança em um discurso inflamado entre a raiva e a frustração. Certamente, a integração funciona em nível local, certamente, os jovens sofrem menos discriminação hoje do que há 20 anos, isso ainda impede que os africanos ainda sofram com o casamento. A causa dos nomes das ruas.


África em cada canto da rua

Mesmo ao lado da savana de revezamento, não é a rua da colônia. Mas é um pouco mais a oeste, perto do parque Rehberge que a história deixou a sua marca: rua Africana, rua do Togo, Camarões Rua Zanzibar ....

No total, são 20 ruas todas alinhadas lado a lado, perpendiculares umas as outras. Não, elas não querem acolher só os imigrantes africanos! Houve um tempo, elas celebraram o culminar de colonização alemã.

O batismo da primeira rua em 1899. O Império Alemão, então, incluídos Camarões, Togo, África do Sudoeste (hoje Namíbia) e da África Oriental Alemã (atual Tanzânia, Burundi, Ruanda).

Na época, as autoridades queriam construir um bairro colonial, e elas cobraram de um zoólogico Carl Hagenbeck, para estabelecer um parque no qual foram expostos não apenas aves de África, mas também para os homens!

O projeto não viu na realidade o dia, como o da Primeira Guerra Mundial que pôs fim às ambições alemãs. Berlim perdeu suas colônias, mas ainda sonhava em se tornar uma grande potência em África.

Outras ruas são então batizados de (rua Douala, rua do Senegal ...), sob a República de Weimar e o regime nazista. Todos sobreviveram a Guerra Fria e permaneceram.

Entre eles: três heróis célebres da colonização. Em vez Nachtigal (em homenagem a Gustav Nachtigal, o explorador que anexou Camarões e Togo), Lüderitz Street (em homenagem a Adolf Lüderitz, que fundou a primeira cidade comercial chamado Luderitz, na Namíbia, no presente) e calçada Peters (homenagem a Carl Peters, que criou a Sociedade Alemã para a África Oriental).

Três heróis da época, três assassinos aos olhos dos historiadores de hoje. E esta é a gota d'água para Assibi:

"Estas ruas, são vergonhosas! Isso é racismo! As autoridades deveriam pelo menos mudar o nome destas três ruas, seria para nós um reconhecimento do sofrimento dos nossos antepassados. "



Recordando o Passado

Assibi como várias associações de luta contra o racismo, como Berlim Postkolonial, lutando por estas três ruas com nomes de Africanos-resistentes mortos por colonos alemães, como Rudolf Duala Manga  Bell. Mas eles enfrentam a negação de outras pessoas que não querem mudança de endereço.

Moradores que então pertencem à história do passado colonial, evidenciadas pela largura de banda de uns sessenta convencidos de que "em vez Nachtigal em uma homenagem ao canto do rouxinol, o pássaro" (die Nachtigall significa rouxinol em alemão).

Para satisfazer a todos, o prefeito chegou a um compromisso em 1986, agora St. Peters comemora o Carl mais sanguinário, mas o Dr. Hans, uma resistência contra o Nacional Socialismo. Pratica, que ele leve o mesmo nome: Peters.

Uma rotação que dá um sorriso ... mas não satisfaz a vontade das associações. Após vários anos de luta, eles finalmente conseguiram o estabelecimento de um painel de informações em 8 de junho de 2012.

Localizado perto da estação de metro Rehberge, explica a transeuntes estragos da colonização alemã e oferece chaves para a compreensão da história da região. Ele também ensinam uma exceção de rua: a rua de Gana, batizado em 1958, comemora não só a liquidação, mas sim uma homenagem ao primeiro país subsaarianos da África que se tornou independente em março de 1957.

Associações esperam que outros painéis desse tipo sejam criados de acordo com o projeto do casamento da prefeitura que pretende "o fazer o trimestre Africano em um lugar alto da memória e aprendizagem da história colonial alemã".


Intercâmbios culturais

Ironicamente, é precisamente a rua em que está instalado de Camarões, comunidade camaronesa .

Três ou quatro restaurantes, um bar e vários mercados. Entre eles, o mercado de África, a sede de Douala. Eles comem um prato de fufu escutam Manu Dibango. Jean-Didier bebe cerveja, deixando o trabalho. Para ele, ao contrário de Assibi, as ruas não são tão humilhantes:

"É uma sensação ainda mais de estar em casa, nas ruas de Camarões. E então, a colonização não foi negativa, há também lembranças: os alemães deixaram muitos Camaroneses coisas positivas, arquitetura, ferrovias, etc ", e acrescenta, rindo:" Ao contrário dos franceses! "

Jean-Didier viveu por 20 anos em casamento(bairro casamento), e ele ama o seu bairro, o Castelo "Vermelho em Berlim, embora muito maior do que o trimestre Africano em Paris. É menos provável, mas é dispersa ".

Além disso, ele reconhece: as distâncias são tão grandes em Berlim que tendem a ficar em casa, especialmente no inverno.

"Mas as coisas mudam! Durante cinco ou seis anos, os africanos se reúnem, um senso de comunidade se desenvolve. "

Uma comunidade Africana, além das diferenças de nacionalidade. Uma visita às instalações da associação Mandé Rua Tegel, concorda. Um lugar multicultural realizado por Mirko, de Mali, e do seu  amigo Duplex de Camarões.

Uma vez por semana, os moradores, alemães e africanos são iguais, são convidados para um concerto festivo, teatro, etc . "A história da mudança de idéias", diz Mirko.

"Para nós, é como um aeroporto, de culturas e mix de línguas."

Daí, também, a escolha do nome da associação: Mande, Mandingo, em homenagem ao país que abrange uma grande parte da África Ocidental.

"Um país aberto a todos", acrescentou o Mirko que também adora cozinhar para os "brancos" que querem descobrir a África através de especialidades culinárias.

A troca vai nos dois sentidos. Então, para melhor ajudar os imigrantes a integrar o Mandé combinação oferece cursos de alemão para a quantia de 15 euros por mês.

Camarões, Congo, Mali, mesmo turcos se reúnem para aprender a língua local, com professores voluntários alemães.

Após o curso, alguns podem bater na porta do Medien Afrika Zentrum, a dois quarteirões de distância, da rua Torf . Um Centro dirigido por um camaronês, Herve , e 11 funcionários.

"Acompanhamos os africanos nos meandros da administração alemã, que os ajuda em sua busca de trabalho, escrever um currículo, uma carta de motivação."

O centro também contém uma biblioteca com 2.000 livros sobre a África ou escritos por africanos: um centro dirigido por Hervé tem o apoio do governo alemão no projeto, e ele não se arrepende de se estabelecer em casamento:

"Há um sentimento bom, agora, a nossa integração está indo bem aqui."

Casamento é isso: a memória da história em cada esquina, mas também a presença das diásporas orgulhosamente enraizadas no bairro.

Além disso, nós realmente não sabemos por que a área é descrita como Africana: para o título de ruas ou as pessoas que lá vivem?

"Quem se importa", retrucou Hervé. "Enquanto casamento é agradável. E esse é o caso. "

Por: Cécile Leclerc




fonte: slateafrique

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Ana Paula Godinho: ‘A justiça está como o resto do país’.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Como é que está a justiça em Angola?
Eu sou uma operadora da justiça e por isso a minha opinião é sempre suspeita. Mas, apesar disso, dir-lhe-ei que a justiça está como está o resto do país.

Como assim? Está boa ou má?
Esta caminhando. Gostava de lhe dizer que em nenhum país do mundo a justiça funciona de modo eficiente, aliás é comum e recorrente ouvirmos em outros países do mundo que a justiça está sempre a reboque do poder, fala-se muito de que as pessoas com alguma influência na vida pública ou política do país normalmente não vão parar às barras do tribunal. Fala-se a este propósito no chamado crime do colarinho branco. Isto é uma realidade em todos os países do mundo e Angola não foge à regra, embora tenha que lhe dizer que, nos últimos anos, tem sido feito um grande esforço para melhorar. Mas, para isso, é preciso uma série de coisas, desde logo temos de começar por alterar a legislação porque somos um país independente há 37 anos e fomos colónia de Portugal. A nossa legislação era a utilizada pelo país colonizador.

Mas já se fala na aprovação de um novo Código Penal. Como é que está isso?
Exactamente, mas a verdade é que ainda não foi aprovado. Sei que a proposta já foi para discussão em Conselho de Ministros e que este órgão terá feito recomendações no sentido de se introduzir alguns tipos legais. Mas, de qualquer modo, é preciso fazer-se essa alteração legislativa e não é um processo muito fácil ao contrário do que as pessoas possam pensar. Há quem pense que foram 37 anos e já é tempo suficiente para alterar a legislação mas não é assim. Aliás, vou dar-lhe um exemplo concreto: em Portugal decidiu-se, a determinada altura, alterar o Código Civil ainda antes da independência das colónias. O Código Civil que hoje temos em vigor em Angola, que foi aprovado em 1866, demorou 22 anos a ser feito.

Quer com isso dizer que a aprovação do novo Código Penal vai demorar mais tempo?
Não acredito que na fase em que estamos leve mais tempo, mas tenho que lhe dizer que foi de facto um feito heróico dos colegas que trabalharam na revisão do Código Penal fazê-lo num espaço temporário de dois anos. Portanto, isso só é possível com muito empenho e dedicação. E as pessoas fazem-no na maior parte dos casos por amor à camisola, porque de facto nunca há muito dinheiro para a Justiça. Costumo dizer que a educação é um parente pobre dos orçamentos, mas a Justiça também não tem um lugar melhor. Voltando à pergunta que colocou dir-lhe-ia que a primeira questão que temos de atacar para melhorar o sistema de justiça é começar por alterar a legislação. Mas não basta, é preciso dotar os tribunais dos meios humanos e materiais necessários ao desenvolvimento desta função com isenção e imparcialidade.

Quais são as principais diferenças entre o futuro Código Penal e o ainda em vigor?
Tem que haver diferenças. Residem na retirada de alguns tipos legais e na introdução de outros, porque o Código Penal tipifica condutas que, em determinados momentos históricos, constituem crimes e o Código que hoje está em vigor em Angola é de 1888, já sobreviveu a dois séculos. O que quer dizer que hoje temos, até porque as sociedades, os factos sociais e as mentalidades desenvolvem-se de um modo tão rápido, a possibilidade de o Código tal como está feito, não prever situações actuais. O nosso código não prevê uma situação actual que é os crimes sexuais, que são praticados sobre menores. Prevê uma série de crimes sexuais mas todos eles só podem ter uma mulher como vítima, como, por exemplo, os crimes de estupro, violação. Se eu ou alguém violar um homem – e a prática mostra que a grande vítima dos crimes sexuais são os homens, como aconteceu com o Processo Casa Pia, em Portugal – aos olhos do nosso ordenamento jurídico não teríamos normas que enquadrassem o comportamento daquelas pessoas. Aquelas pessoas não podiam ser punidas porque só é crime aquilo que vem previsto na Lei. Na actual Lei esta conduta não vem tipificada como crime. Ora, é preciso criar estes novos tipos legais. Por exemplo, hoje a consciência comum abomina e condena as pessoas que não sustentam os seus filhos, que não auxiliam os parentes e nós, como africanos, ainda mais. Mas, a verdade é que nós não temos esta conduta tipificada quando em muitos países, como o Brasil e Portugal, ela está tipificada e é crime uma pessoa não sustentar os seus filhos, não auxiliar os parentes a que está obrigado. O facto de sermos parente de alguém cria-nos a obrigação de sermos solidários com essa pessoa, quer seja  filho, pai ou irmão e nós não temos este tipo legal. Não tínhamos até há pouco tempo também o crime de violência doméstica, muito pelo contrário, porque o Código Penal que está em vigor, curiosamente, tem uma norma que quase permite que um marido mate a mulher legitimamente se a encontrar em casa com outro homem ou se ela o trair. Na verdade, o código foi feito por homens e para eles a traição é uma coisa muito grave. Se fosse assim para as mulheres não sei o que é que seria, o país já não tinha homens. De qualquer modo, a traição para o homem é uma coisa muito grave e a nossa Lei permite isso. Curiosamente, depois da independência pensávamos nós que esta norma teria sido alterada por força da nova disposição da Constituição que consagrava a igualdade entre homem e mulher mas, em 1977, houve um acórdão do então Tribunal da Relação – que hoje não existe – que considerou válida esta norma. Ora, essa norma produz discriminação. É certo que também confere à mulher o direito de matar o marido, mas ela só o pode fazer se encontrar no leito conjugal o marido com outra. E ele não, basta que saiba que esta sendo traído. Mas falava-lhe desta norma só para lhe dizer que há muitas que já caíram em desuso. Há o crime de adultério previsto no nosso código, é crime, é uma conduta que está tipificada e significa que uma pessoa que é casada e que se envolve num relacionamento extra-conjugal em princípio comete um crime.

Mas a realidade demonstra que há pessoas com mais de uma esposa?
Eles têm uma esposa e várias amantes. Há muitas pessoas que assumem e são factos públicos. Isto é um exemplo de vários tipos legais que caíram em desuso, por esta razão é que é preciso justamente mexer na legislação.

Como é que acha que o Código Penal poderá ultrapassar essa questão do adultério ou da poligamia?
Acho que o novo Código Penal não deve se pronunciar sobre isso. Eu se legislasse tirava em absoluto o crime de adultério, consagrava o crime de bigamia, nos casos em que uma pessoa se casa formalmente com duas pessoas. Porque o que acontece na maior parte destes casos é que o indivíduo é casado com uma senhora e depois tem muitas outras ou a senhora é casado com um e tem muitos outros, mas só que elas fazem-no de modo encoberto. Há casos conhecidos de senhoras que também têm mais de uma relação. Elas fazem-no de modo encoberto porque a sociedade condena uma mulher que tem mais do que uma relação por força dos ditames machistas mas a verdade é que se nós optarmos por consagrar o regime monogâmico no Código da Família devemos manter o crime de bigamia. Mas o adultério não, até porque não se justifica. O nosso Código da Família foi dos poucos que de facto foi alterado e temos de prestar uma homenagem a muitas mulheres angolanas que se bateram para que houvesse alteração legislativa a nível da família e refiro-me concretamente às dras. Maria do Carmo Medina, Teresinha Lopes, Paulette Lopes, pessoas que estiveram empenhadas na produção do novo Código da Família. A verdade é que o novo Código da Família vem permitir o divórcio, o que não acontecia no anterior, porque o casamento era religioso por força de uma Concordata celebrada entre Portugal e a Santa Sé em 1945. E o casamento religioso só se dissolve com a morte de um dos cônjuges, então muitas pessoas não se podiam divorciar e, naturalmente, viviam uma situação de adultério. Pessoas casadas com outras e que têm uma relação com terceiras vivem numa relação adúltera. Hoje, permitindo a nossa lei o divórcio, não faz sentido que haja crime de adultério mas já fará que continue o crime de bigamia se efectivamente optarmos por um regime monogâmico nas relações jurídicas familiares. Esta a primeira questão que considero fundamental para alterar o sistema de justiça, mas depois volto para aquilo que é dotar o sistema de meios materiais e humanos necessários e suficientes ao desempenho desta função com verticalidade e com imparcialidade.

Porque é que a redacção sobre o aborto no novo Código Penal criou grande celeuma apesar de ser um assunto do dia-a-dia no mundo?
É natural que tenha criado porque nós não podemos fugir à realidade de Angola ser um país dominado pela religião. É certo que somos um Estado laico e não há dúvidas quanto a isso, mas a verdade é que hoje de manhã acordei, liguei o televisor e estava a passar uma missa. Ontem acordei, liguei o televisor e também estava a passar uma missa. Eu que sou ateia militante a 200 por cento pergunto-me: porque é que num Estado laico tenho de ouvir missa na televisão quando acordo? Ora, naturalmente, arranjo uma justificação para isso, é que sou ateia, mas sou uma excepção à regra, reconheço que sou uma excepção à regra. Mesmo dentro dos meus amigos, quando digo que sou ateia, eles dizem-me que sou uma herege e muitos tentam convencer-me que Deus existe e devo acreditar nele. Isto significa que me sinta de facto uma excepção porque verifico que a maior parte das pessoas que estão à minha volta – com quem convivo no dia-a-dia, que são muitas porque sou professora e advogada – são religiosas. A religião tem, de facto, um mérito e isso não lhe retiro, que é adoçicar o espírito das pessoas, porque, de facto, as pessoas precisam de acreditar nalguma coisa para atingirem os seus objectivos e é bom que tenham sempre uma determinada meta. E a religião consegue dar-lhes isso, acho óptimo, mas não tenho necessidade de perseguir uma utopia que se chama Deus porque fixei os meus objectivos, considero-me uma pessoa muito segura. Sei aquilo que quero e não tenho essa necessidade, mas reconheço que, na maior parte dos casos, a religião, o professar determinada religião, ir aos cultos, escutar a palavra de Deus através de um homem, faz bem as pessoas.

Mas essa questão do aborto como é que será ultrapassada?
A redacção actual permite o aborto até, salvo erro, às dez semanas de gravidez.

E como está a nova redacção no Código Penal em elaboração?
Desculpe, esta é a que se quer introduzir porque actualmente o aborto constitui crime, em absoluto.  

 É a favor da nova redacção, que despenaliza o aborto?
Sou em absoluto e das vezes que conversei com os colegas com quem tenho a honra de privar, foram todos meus professores, que estiveram na redacção do Código, sempre chamei a atenção para a necessidade da despenalização do aborto. Eu não concordo que o aborto seja um crime e na redacção actual é um crime, só nos casos em que a mulher é violada ou nos casos em que o feto venha com uma má formação congénita é que se permite que ela possa abortar para não ter um filho deficiente. Eu por acaso não concordo muito com esta perspectiva porque conheço o caso de uma amiga que soube que ia ter um filho com síndrome de Dawn e quis tê-lo. E modificou a sua vida para ter esse filho. Acho que quando uma pessoa toma a decisão de ter um filho com responsabilidade tem de aceitar se quer de facto ter esse filho e aceitá-lo como vier. Acredito que o nosso legislador tenha pensado de maneira diferente e tenha permitido que nestes casos concretos a mulher possa abortar. Mas acho que a mulher devia poder abortar sempre, dentro daquele período que os médicos consideram que verdadeiramente ainda não há um ser humano formado e comummente diz-se que são as 10 semanas. Isto por uma razão muito simples: quando uma mulher aborta qual é o bem que está a ser ofendido? O Direito Penal tutela bens essenciais e pune e ofensa destes bens. Qual é o bem que está a ser ofendido quando uma mulher aborta? É a sua integridade física. É a integridade física da própria mulher. E a lei permite que a própria mulher ou o próprio ser humano possa, por via do consentimento, limitar o seu direito à integridade física e só há crime quando há ofensa a um direito. Se a mulher pode pelo consentimento violar ou permitir a violação do seu direito, então não há direito violado porque o consentimento exclui a ilicitude desta conduta. Poder-se-ia dizer que há o feto, mas eu perguntar-lhe-ia: qual é o direito que o feto tem? Ninguém tem o direito a nascer. Esse direito não vem consagrado em nenhuma lei. Não há nada que venha consagrado na lei que diga que as pessoas têm direito a nascer. Nascem por mero acaso, umas vezes porque os pais decidem tê-las conscientemente e muitas outras até são frutos de uma garrafa de whisky num sábado a noite, como costumo dizer na brincadeira.

Outra questão polémica é que se pretende indiciar a questão do feitiço como crime. Como é que isso será possível tendo em conta que é difícil encontrar-se provas nestes casos e colidir com o direito costumeiro?
Não me parece que é poder indiciar o feitiço como um crime, não é isso. É poder indiciar pessoas que cometem crimes motivadas pelo facto de a outra pessoa ter feito feitiço. Nós em Angola vamos ter um problema muito sério. Não sei se não será como o problema dos acidentes de viação que acho que deve ser atacado rapidamente. Tenho motorista, mas vou a conduzir e ele ao lado, justamente porque por causa disso. Detesto ser conduzida e o que vejo na estrada parece um absurdo e só se justifica pelo facto de as pessoas ou não terem cartas de condução e as comprarem ou a Polícia Nacional estar a perder autoridade no âmbito da regulação da actividade rodoviária. Estou muito preocupada com a questão dos acidentes e também já o começo a ficar com a questão dos feitiços porque hoje verifica-se que as pessoas expulsam crianças de casa, matam crianças e velhos porque as apelidam de velhos. Quando comecei a advogar, há duas dezenas de anos, um juiz da secção, Dr. Cícero, nomeou-me defensora oficiosa de duas jovens que tinham sido detidas preventivamente por terem morto o próprio pai. Fui à cadeia conversar com as jovens até para preparar a sua defesa. Foi um caso que me marcou particularmente porque aquelas jovens tinham morto o pai conscientemente. Asseguro que se porventura o pai ressuscitasse, elas voltariam a matá-lo, porque estavam absolutamente convencidas de que tinham feito justiça, que o pai era feiticeiro, tinha encravado a vida delas e que não as deixava ser felizes. E eu acho que acreditar em feitiço é um sinal de subdesenvolvimento. As pessoas têm sempre necessidade de acreditar em alguma coisa e sempre prefiro que acreditem em Deus do que em feitiços, porque, de facto, quando as pessoas começam a buscar justificação para o mal que lhes acontece é muito complicado. A vida não pode ser só feita de coisas boas porque senão não teria sentido, as coisas más que nos acontecem na vida é que nos valorizam pela forma como nós as enfrentamos e saímos delas.

Tivemos o caso Kamutukuleni em que esteve envolvido o ex-governador do Kuando-Kubango, Jorge Biwango, e notou-se que é muito difícil encontrar-se provas nos casos que supostamente envolvem feitiço.  Como fazer?
Sabe porque é que é difícil encontrar-se provas? Porque o feitiço não existe, não acredito minimamente em feitiços. Aliás, na brincadeira, tenho dito aos meus amigos que não acredito em Deus nem no Diabo. E se o Diabo existe deve ser eu. Não vim ao mundo para fazer algo a ninguém, mas também não vim para facilitar a vida às pessoas que me querem fazer mal. Tenho que ser amiga dos meus amigos e implacável com os inimigos. Não posso recorrer às forças ocultas e a factos obscuros que não posso provar para justificar o que me acontece de mal ou bem. Normalmente é só para justificarem o que acontece de mal, porque o bem muitos não procuram justificar. Há pessoas que justificam dizendo que foi Deus. Mas a verdade é que a própria religião educa as pessoas no sentido de que se existe um Deus, ele existe porque há um diabo. Tenho muita pena que não se faça a nível das escolas uma educação séria entre as crianças para que elas não acreditem no feitiço. As pessoas normalmente ficam chocadas quando digo isto, mas custa-me dizer que aquelas que acreditam ou muito em Deus ou muito em feitiço são pessoas infelizes, mal resolvidas e são normalmente pessoas que têm da vida mais do que merecem. Porque há muitas pessoas que têm da vida o que querem mas não merecem, mas há outras que têm da vida o que merecem. A vida tem uma regra e se não acredito em Deus nem no diabo e acreditar no inferno, então direi que o inferno é aqui. Já Jean-Paul Sartre dizia que “o inferno são os outros”. Eu não diria que o inferno são os outros, mas sim que é aqui porque nós normalmente colhemos tudo aquilo que plantamos.  
O que acha da redução da data de inimputabilidade dos 16 para os 14 anos?
Acho que este é um dos aspectos do código que merece ainda um estudo e auscultação das pessoas.

Mas qual é a sua opinião? Concorda ou não?
Penso que se deveria manter os 16 anos, apesar de eu achar que hoje os jovens têm muita informação que lhes chega quase sem qualquer filtragem e que um jovem com 14 anos não é o mesmo que um jovem com 14 da minha geração. A primeira vez que vi um computador eu já era licenciada, mesmo assim não tinha um. Os meus filhos é que me ensinaram a trabalhar com computador e digo isso sem vergonha nenhuma, porque acho que isso também foi uma conquista minha. Para que eles me pudessem ensinar tive que lhes conquistar, tive que investir na formação deles. Eles hoje têm o mundo à distância do teclado e do dedo e no tempo em que tinha 14 anos a televisão tinha acabado de surgir em Angola.

É de opinião que um rapaz ou uma rapariga de 14 anos não sabem exactamente o que faz para ser responsabilizado?
Eu não sei se sabe. Ele pode é ter muita informação, mas essa informação chega-lhe de forma tão deturpada que ele pode achar que aquilo que faz está correcto. Não houve a preocupação de dirigi-lo e indicar-lhe a diferença entre o que está bem ou mal. Na minha geração, e provavelmente nas gerações anteriores, eram os nossos pais que nos conduziam, informavam e hoje não. Hoje os pais demitem-se da educação dos filhos, as mães nesta luta desenfreada pela emancipação postergam a educação dos filhos, o que acho um absurdo. Sou muito feminista, tenho fama disso, mas digo-lhe que não sou só feminista mas também mulherista. Mas há uma coisa que para mim é sagrada, a educação do meu filho e o tratamento da minha casa.

Acha que essa redução da idade de inimputabilidade dos 16 para 14 seja fruto de alguma pressão da sociedade tendo em conta o elevado índice de crimes perpetrados sobretudo por jovens?
Talvez seja isso, mas acho que nós não temos que reprimir determinadas condutas. Temos que saber as causas e combatê-las, não atacar o efeito. Porque é que hoje as crianças com 14 ou 15 anos cometem crimes? Não quer dizer que não o pudessem ter feito em tempos anteriores mas, de facto, hoje observamos que os jovens, alguns adolescentes, têm uma apetência muito grande para a maldade, têm a maldade muito refinada e é preciso saber porquê. É óbvio que haverá explicações, nós vivemos numa sociedade que ainda é muito violenta, saímos de um período de três décadas de guerra.  E é natural que, apesar de termos 10 anos de paz, o espírito das pessoas ainda não esteja pacificado, leva tempo a fazer isso. E essa tarefa deve começar na família. Eu gosto muito de observar as pessoas quando vou à rua, é difícil vermos um pai a conversar com o seu filho. Só uma pessoa que saio muito, gosto muito de festas e observo as pessoas. Mesmo os casais pouco conversam, mesmo no restaurante às vezes não dirigem a palavra um ao outro. Estão com os filhos e não conversam com eles. Pergunto-me: como é possível uma coisa destas? É de facto muito estranho, mas são realidades que podemos mudar e só é possível com educação. É certo que o berço não se adquire, é qualquer coisa que trazemos da família, mas a escola e o meio social podem influenciar decisivamente a conduta de um indivíduo. E se ele trouxer alicerces seguros da sua família é claro que não vai transigir, por isso penso que não vamos resolver a criminalidade dos adolescentes diminuindo a idade da inimputabilidade. Temos que acatar a causa e não o efeito, porque note que hoje a inimputabilidade é aos 16 anos. E a questão que lhe coloco é esta: um jovem de 16 anos comete um crime e então como ele verdadeiramente é inimputável e é menor não pode ficar numa cadeia comum, porque nestas cadeias há criminosos altamente perigosos. E se ele for para lá, sobretudo porque ainda é moldável, não está formado em absoluto e é adolescente, vai tornar-se pior do que eles. Nós tínhamos que ter casas de correcção. Há alguma casa de correcção em Angola? Não há. E essa é uma das condições que devíamos proporcionar à justiça para que ela comece a funcionar. Mas que não funcione só para reprimir, temos que prevenir. E para prevenir o crime temos que investir na sociedade, nas pessoas e, permita-me dizer, – digo isto sempre que posso e com muita pena – aqui onde se investe menos é nas pessoas. Compra-se tudo, fazem-se muitas estradas, pontes, barragens, obras óptimas, como a nova Marginal. Passei lá há duas semanas mas já estava toda suja e falei isso num programa que eu participo na LAC. O que é que adianta eu ter coisas tão bonitas se depois não tenho pessoas que vão dar continuidade à minha obra? Há que investir nas pessoas.

Mas também há que responsabilizá-las?
 Sem dúvida. Aliás, costumo dizer que não faz sentido nós atribuirmos direitos se, simultaneamente, não impusermos responsabilidades.

O novo Código Penal introduzirá a responsabilização colectiva. Como é que vê isso?
Olha, nós somos responsáveis por algumas coisas.

Só algumas coisas?
Há coisas relativamente às quais não tenho poder para alterar. Nem a minha voz é ouvida. Percebe? Sou professora desde os 18 anos, já tenho três décadas de professora e os meus alunos devem estar fartos de mim. Porque vou dar aulas diariamente e eu converso com os meus alunos, falo-lhes da vida, conduta, educação, dos erros ortográficos que não devem dar. Eles até devem pensar que eu é que sou maluca. Não pensam, acredito que não pensam porque tenho tido muita manifestação de carinho de alunos. Aliás, tenho que referir uma gentileza que me fizeram, e emocionou-me bastante, o ano passado os alunos da turma que lecciono da Universidade Agostinho Neto. Tiveram a gentileza de ir ao Facebook retirar uma fotografia que tinha na minha página, mandaram fazê-la em tamanho gigante, encaixilharam, deixaram um espaço à volta todo branco onde cada um dos cerca de 200 alunos que tenho escreveu uma mensagem. E o que retive de todas essas mensagens é que todos eles gostavam da forma como eu dava aulas, porque não dava só a matéria, falava um pouco com eles sobre a vida e a formação. Portanto, esta é a parte que posso fazer. Quando somos cidadãos de um país temos responsabilidades por sermos cidadãos deste país. E temos que procurar com a nossa actuação fazer com que amanhã tenhamos um país melhor. Então tenho que fazer ouvir a minha voz nos momentos em que estou investida de alguma autoridade. Se tenho uma plateia de 200 pessoas e sei que estão atentas a ouvir-me, porque não aproveitar para passar aquilo que considero que é bom ou, se calhar, não é? Mas, pelo menos, tenho que fazer a minha parte. E se cada um de nós fizesse a sua parte lá no seu sítio, exigisse dos outros rigor, se cada um fosse compreensível e solidário com o outro teríamos um mundo muito melhor. O que vemos hoje no mundo é que ninguém quer ser responsabilizado por nada, todos querem ser desculpados por tudo. E a culpa normalmente morre solteira.

Quando se fala em responsabilização normalmente pensamos no cidadão normal, mas também há o próprio Estado. Como é que podemos responsabilizá-lo?
O Estado somos todos nós.

Vamos usar o caso das chuvas. Os problemas são os mesmos e as soluções tardam, mas a população continua a sofrer. Se tiver o meu carro submerso numa avenida que era suposto o Estado ter recuperado há muito, o que é que devo fazer?
Eu, no seu lugar, demandava o Estado. Se um dia isso me acontecer vou demandar o Estado e pedir que me indemnize, porque as pessoas têm que assumir a responsabilidade pelo que acontece. Se bem que o Estado não tem culpa da chuva, poderá ter culpa de eventualmente não ter criado as infraestruturas necessárias para combater isso. Mesmo em Estados em que essas infraestruturas existem por vezes há chuvas anormais, há situações da natureza que estão fora do controlo do homem e nesses momentos eu ainda me questiono se Deus existe ou não. De facto, há muitas coisas que não têm explicação. Por exemplo, há dias você viu um furacão Sandy, aqui o pessoal na brincadeira diz que o nosso é o furacão Mingota. É de facto muita imaginação, ri-me a perder quando vi o nosso furacão Mingota. Mesmo nestes países em que há infraestruturas há coisas que não se podem prever, mas aqui em Angola há muitas coisas e as chuvas é uma coisa que se pode prever. Não vou justificar que houve a guerra, ela já acabou há 10 anos e é preciso atacar isso, porque esse problema de as chuvas inundarem as ruas não é de hoje. Ainda não era eu nascida e a minha mãe contava-me que no ano de 1960 houve uma chuva tão grande em Luanda... Achava graça porque a minha mãe dizia-me que as geleiras e os fogões do Quintas & Irmãos, que na altura era uma loja que vendia electrodomésticos, saíram à rua a boiar. Portanto, o problema das infraestruturas de Luanda já é antigo.
O que há a fazer? Agora que já não temos guerra e que parece haver dinheiro para alguns investimentos, nem que seja pela via das tão famosas Parcerias Público-Privadas (PPP), que se ataque o problema das infraestruturas. E não só na baixa, porque lá, apesar de tudo, ainda tem asfalto. O problema é os bairros periféricos. Vejo, por exemplo, aqui em casa quando chove que os empregados não vêm trabalhar, às vezes questiono que isso é preguiça e eles mostram-me através das fotografias tiradas com telemóveis que efectivamente não podiam sair das suas casas. É preciso investir no saneamento, nas infraestruturas e esta é obrigação do Estado. Deve fazê-lo rapidamente, porque quando o Estado investir nas infraestruturas não está a fazê-lo só em coisas materiais, mas também num bem que nos é muito caro que é a saúde. Porque se não tivermos infraestruturas, saneamento básico, vamos ter doenças e é recorrente vermos que quando chove as ruas ficam alagadas e os miúdos vão tomar banho naqueles charcos. É óbvio que vão ficar doente e isso acaba por ser mais um encargo para o Estado, porque depois vai ter que gastar uma vez que a nossa saúde é gratuita.
O novo Código Penal dá-nos uma maior garantia de respeito dos direitos humanos?
Penso que sim. O Código Penal, tal como todos os outros códigos, são no fundo a concretização do que consagra a nossa Constituição. Se quisermos ser realistas e honestos é uma Constituição moderna que, pelo menos formalmente, garante, respeita e consagra os direitos humanos. Estou-lhe a falar nos direitos humanos na sua generalidade, porque, como sabe, há três gerações de direitos humanos. Quando surgiu a primeira luta pelos direitos humanos foi na perspectiva de defender o cidadão contra as arbitrariedades do Estado. E ai falava-se nos direitos políticos. Depois passou-se a falar nos direitos económicos e hoje, quando falamos em direitos humanos, referimo-nos a realidades mais materiais, como o direito à habitação, saúde, constituir família e, inclusivamente, nesta última década as Nações Unidas até declaram o direito das mulheres e das meninas adolescentes também direitos humanos. Portanto, na verdade, ao longo do tempo e à medida que se vão tomando consciência de algumas arbitrariedades dos Estados, das próprias sociedades e à medida que o pensamento vai evoluindo vão nascendo outras categorias de direitos humanos. Qualquer dia destes serão direitos humanos os direitos dos seropositivos, já são, os direitos dos homossexuais, porque são realidades que surgem e que devem ser, de facto, respeitadas e tuteladas, porque estou a respeitar os direitos humanos quando puder respeitar a diferença. Pelo facto de eu ser heterossexual não posso exigir que meu filho ou meu parceiro também o seja. Tenho que respeitar a diferença, posso não concordar com ela porque é um direito que me assiste. Há pouco disse-lhe que não sou religiosa, costumo dizer que sou ateia a 200 por cento, mas respeito as pessoas que são religiosas, todas as religiões, quaisquer que sejam. Respeito as pessoas que têm vocação e que elegeram como profissão transmitir a palavra de Deus, ainda que não acredite nele. Estão, por essa via, a pacificar os espíritos. Tenho que respeitar estas pessoas, só posso ser compreendida nas minhas opções, exigir respeito, quando também respeitar as opções dos outros.

A Lei das Tecnologias de Informação e Comunicação foi congelada na Assembleia Nacional por conter alguns pontos que atentavam contra a liberdade de imprensa, particularmente a divulgação de imagens e fotografias mesmo que autorizadas, que poderá culminar com prisão até um ano para quem o fizer. O ante-projecto de Código Penal possui aspectos semelhantes. O que acha?
A questão é esta: nós temos a ciência a nosso favor no mundo moderno e, por vezes, a utilização destes meios tecnológicos leva-nos a violar direitos de outras pessoas. E, por vezes, até encontramos alguns direitos em conflito. Encontramos o direito que determinadas pessoas têm de ser informadas sobre uma situação mas encontramos um outro direito que é fundamental e é um direito à personalidade, que é o direito à honra e imagem de uma outra pessoa. Tenho que dizer com alguma mágoa que aqui alguma imprensa tende por vezes a violar direitos das pessoas. É preciso ter muito cuidado com isso, o jornalista tem à sua disposição a pena. E a pena, de facto, costumo  dizer que  é uma arma muito mais poderosa que aquela que dispara balas, mas é preciso usá-la com responsabilidade. Não posso respeitar um jornalista que use a pena para passar um atestado de menoridade à profissão que exerce. Por vezes deixa-se mover por questões pessoais, publica coisas absolutamente absurdas. Vou-lhe dizer que eu própria já fui vítima disso várias vezes e em todas entrei com uma acção judicial contra o jornalista em questão. Acho que nós temos alguns direitos que não podemos deixar que os outros violem sob pena de nos perderem o respeito. A dignidade é como a virgindade, só se perde uma vez, apesar de hoje já existirem muitas técnicas reconstrutivas e eu ter conhecimento que muitas mulheres voltam a ser virgens 20 vezes. Mas na verdade, em rigor, só se perde uma vez e depois numa mais se retoma. É preciso tutelar esse interesse com muita eficácia e lutar sempre que alguém nos ataque nesta vertente. E é óbvio que as tecnologias de informação são o meio privilegiado para se fazer isso, porque as pessoas aproveitam muitas vezes para dizer coisas absolutamente despropositadas e que não fazem nexo nenhum. Sou uma pessoa que procuro andar bem informada e até tenho uma página no Facebook, que criei, na verdade, para poder acompanhar a vida dos meus filhos. Para saber o que eles faziam, com quem andavam, comunicavam e vou criando páginas nas outras redes onde eles criam. Eles gozam comigo porque dizem que os amigos chamam-me ‘capslock’ porque só escrevo com letra maiúscula e a minha filha diz que isso significa que estou a gritar. Digo-lhe que a letra maiúscula só significa a autoridade que tenho e às vezes quando vejo que a minha filha diz uma palavra errada no Facebook, entro e corrigo. Digo-lhe que não foi essa a educação que lhe dei e as pessoas devem achar estranha. Gosto de ler tudo, visito todos aqueles sites que têm notícias sobre Angola, como o Angonotícias, Club-K e outros. Fico muito triste porque vejo notícias que a mim, enquanto cidadã, também me deixam triste. Se calhar se fosse chamada para emitir opinião também iria criticar, mas certamente não o faria como fazem as pessoas que o fazem aí. Fico triste é pelo nível de comentários que as pessoas fazem, isto entristece-me porque efectivamente reparo que estamos a criar uma juventude sem nível nenhum. Para além de escreverem muito mal. Por isso repito sempre que o investimento na educação é preciso. Dizem coisas de uma baixeza de bradar aos céus que eu nem nos momentos de maior fúria era capaz de dizer. E é preciso chamar a atenção das pessoas para isso, porque posso não gostar de alguém mas não há ninguém que tenha só virtudes, assim como não há ninguém que só tenha defeitos. Aquela pessoa de quem não se goste tem com certeza virtudes e é para essas que devo olhar, porque são as virtudes que nos aproximam das pessoas e não os defeitos. Quando visitamos esses sites ou páginas vemos coisas incríveis.  E é preciso fazer-se justiça às pessoas e às coisas. Contesto tudo o que vejo, quem me conhece no dia-a-dia sabe disso, mas procuro contestar de uma forma construtiva porque se o fizer de forma grotesca os outros não vão ouvir. Vão é fazer pior, para além de que a minha critica não construtiva, que se traduz em falta de educação, não me vai valorizar em nada. Vou dar-lhe um exemplo de uma das últimas vezes em que visitei o Club-K: há relativamente pouco tempo o Presidente da República penso que ia viajar e houve um problema com o avião. Não sei muito bem o que se passou, mas penso que terá sido com um pássaro. Estava a trabalhar e recebi uma notificação do Club-K e foi por aí que tive conhecimento da notícia. Como pessoa, quando ouço dizer que caiu um avião ou teve problemas, a primeira coisa que penso é o que terá acontecido com as pessoas, houve feridos ou mortos? O que é natural. Os comentários que vinham a seguir é que devia ter caído. Eu não era capaz como pessoa dizer isso a outra pessoa, por muito que não gostasse da outra. E é natural que eu enquanto pessoa fique ofendida se alguém fizer um comentário daquele tipo a meu respeito.          

Por: Dani Costa
fonte: OPAÍS.NET


Total de visualizações de página