Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

segunda-feira, 3 de março de 2014

Zimbabué: O Presidente Mugabe dá para a filha recém-casada $ 100.000, 55 cabeças de gado.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Bona Mugabe pousa com seus pais orgulhosos depois de uma cerimônia de graduação da universidade em Cingapura em 16 de novembro de 2013. FOTO | Arquivo.


O Presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, deu no sábado para sua filha recém-casada e ao seu marido a importância de $ 100.000 e 55 cabeças de gado como presentes, ele se emergiu.

De 24 anos de idade, Bona e seu marido piloto, Simbarashe Chikore, estiveram nó sábado em uma cerimônia realizada na colorida residência privada de pelúcia da Primeira Família em Harare.

Presidente Sul-Africano Jacob Zuma, seu homólogo zambiano, Michael Sata, da RDC, Joseph Kabila, e Teodoro Obiang Nguema Mbasogo da Guiné Equatorial participaram da cerimônia colorida.

Também estiveram presentes vários ricos empresários locais e estrangeiros que incluía o bilionário Sul Africano Patrice Motsepe.

Jornalistas de fora do Zimbabwe e organizações de mídia privadas locais foram impedidos de participar da cerimônia.

A mídia estatal na segunda-feira disse que o casal "foi regado com presentes avaliadas em centenas de milhares de dólares em dinheiro, gado e todos os tipos de guloseimas de parentes, amigos e chefes de visita de Estado e de Governo, entre outras VVIPs ".

Presentes em abundância

O Presidente Mugabe teria dito aos convidados que ele tinha concordado com sua esposa Graça que não podiam dar aos recém-casados ​​menos de 55 cabeças de gado.

" Financeiramente, nós sabemos que eles ( Simba e Bona ) teriam passado muito em seu casamento ", eles foram citados como referiu o jornal Herald.

" Nós gastamos um monte também, nós temos despesas, mas temos que colocar de lado um pouco de dinheiro por isso estamos dando a eles US $ 100.000. "

Uma empresa de mineração local sem nome também deu ao casal mais US $ 100.000.

Presidente Nguema e sua esposa presentearam com US $ 35.000.

Presidente Sata e sua esposa Dra. Christine Kaseba deu ao casal uma cesta de presente no valor de US $ 4.000.

Um empresário, Ihmad Ahmed, presenteou com 50.000 dólares, enquanto um parente do presidente Mugabe deu-lhes US $ 25.000 e 10 cabeças de gado.

A polícia do Zimbábue presenteou aos recém-casados​, com US $ 10.000 em dinheiro .

Vários outros membros da família e parentes também presentearam o casal com presentes de US $ 1.000 em dinheiro e acima, bem como vacas.

Presidente Mugabe se casou com sua segunda esposa, Grace, em 1996, quando tinha setenta anos. Eles têm três filhos.

Seu único filho com a primeira esposa Sally morreu enquanto ele estava na prisão durante a luta do Zimbabwe para a independência. Nascido no Gana, Sally se tornou a primeira-dama do Zimbábue até sua morte em 1992.

# africareview.com


Após lei antigay, Banco Mundial suspende empréstimo a Uganda.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Dinheiro iria para o sistema de saúde de um dos países mais pobres do mundo, que aprovou nesta semana uma legislação mais severa contra homossexuais.

O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, durante a assinatura da lei que torna mais severas as punições contra gays
O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, durante a assinatura da lei que torna mais severas as punições contra gays(Rebecca Vassie/AP)

O Banco Mundial postergou um empréstimo de 90 milhões de dólares (210 milhões de reais) destinado a Uganda, depois da aprovação de uma lei no país que torna mais duras as penas contra gays. O dinheiro seria destinado ao sistema de saúde local. “Adiamos o projeto para realizar uma revisão mais aprofundada e assegurar que os objetivos de desenvolvimento não serão afetados de forma adversa pela implantação da nova lei”, disse o porta-voz da instituição, David Theis, ao jornal britânico The Guardian.
O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, assinou a lei no início desta semana. O texto impõe pena de prisão perpétua para condenados por praticar sexo homossexual e torna crime não delatar alguém que está fora da lei. A homossexualidade já era considerada ilegal no país.
Normalmente, o Banco Mundial se afasta de questões políticas internas para evitar oposição de algum dos seus 188 países membros. No entanto, o presidente da instituição baseada em Washington, Jim Yong Kim, enviou um comunicado aos funcionários dizendo que o banco é contra discriminação. Acrescentou que a lei de Uganda não é um caso isolado, uma vez que 83 países criminalizam a homossexualidade e em mais de 100 há discriminação contra as mulheres. O comunicado diz que a questão será discutida nos próximos meses dentro da instituição. “Agora é o momento certo para esta conversa”, diz o texto, segundo o Guardian.
O Banco Mundial ainda tem projetos em Uganda que somam 1,5 bilhão de dólares. O país é um dos mais pobres do mundo e o dinheiro iria para programas voltados à saúde materna e de recém-nascidos e ao planejamento familiar.
O adiamento da ajuda ao sistema de saúde ocorre depois de os governos de Noruega, Dinamarca e Holanda anunciarem que estão retendo as doações ao país – o apoio a ONGs, principalmente aquelas que defendem os direitos humanos, será ser mantido. Os Estados Unidos, maior integrante do Banco Mundial, disse estar revendo suas parcerias com a nação africana e ameaçou também suspender a ajuda.
Leia também:
Presidente diz que gays são “nojentos”; jornal publica lista de homossexuais
Presidente manipulou relatório científico para justificar lei antigays
 

Após assinar a lei antigay, presidente de Uganda diz que homossexuais são “nojentos”

Em entrevista à rede CNN, Yoweri Museveni afirmou ainda que conduta “não natural” não é questão de “direitos humanos”; jornal publica lista de pessoas acusadas de serem gays

O presidente de Uganda, Yoweri Museveni
O presidente de Uganda, Yoweri Museveni (Reprodução/CNN)
Um dia após assinar a legislação que endureceu penas contra homossexuais, o presidente de Uganda, Yoweri Museveni, afirmou que os gays “são nojentos”. A declaração foi feita em uma entrevista à rede CNN, em que Museveni defendeu sua decisão e afirmou que “uma conduta não natural não é questão de direitos humanos”.
Na segunda-feira, Museveni assinou a lei que estabelece pena de até catorze anos para gays e prevê ainda prisão perpétua para reincidentes acusados de “homossexualidade agravada”. O texto também prevê punições para cidadãos que não denunciarem pessoas suspeitas de serem gays. 
Na entrevista à CNN, Museveni voltou a repetir algumas das justificativas ultrajantes do projeto, como afirmar que a homossexualidade é um desvio de comportamento, algo que, segundo ele, foi provado por cientistas consultados pelo governo. 
Em um trecho, a repórter Zain Verjee, perguntou a Museveni se “pessoalmente” ele não gostava de homossexuais. “Mas é claro! Eles são nojentos! (...) O que eles fazem é nojento! Eu nunca soube o que eles faziam. Me contaram recentemente que o que eles fazem é terrível, nojento”, respondeu o presidente, elevando a voz.  Logo depois, a repórter perguntou se a legislação não é uma manobra para agradar o eleitorado homofóbico. Museveni negou e pediu para que o Ocidente respeite “as sociedades africanas e seus valores”.
“Deixem que nós vamos cuidar da nossa sociedade. Se estivermos errados, nós descobriremos por nossa conta, da mesma maneira que não interferimos com vocês (o Ocidente)”. 
Trinta e oito dos 54 países da África têm leis contra homossexuais, segundo dados da Associação Internacional de Gays e Lésbicas. 
Lista - Também nesta teça-feira, o jornal ugandense Red Pepper, publicou uma lista do que chamou de "os 200 principais homossexuais” do país. O tabloide publicou os nomes, e algumas imagens, de pessoas que supostamente seriam gays em uma matéria de capa sob a manchete "Expostos!".
A lista inclui ativistas gays como Pepe Julian Onziema, que já havia alertado que a nova lei antigay do país despertaria violência contra homossexuais. Um popular astro de hip hop ugandense e um padre da Igreja Católica também estão na lista.
"A caça às bruxas da mídia está de volta", escreveu em sua conta no Twitter Jacqueline Kasha, conhecida ativista lésbica da Uganda, que está entre os listados na matéria publicada no tabloide.
AFP
Banca de Kampala exibe jornais, entre eles o tabloide Red Pepper, que estampou lista de 200 supostos gays do país


 (Com Estadão Conteúdo)
Leia mais: Ativista de movimento gay é assassinado em Uganda

Ativista de movimento gay é assassinado em Uganda

Ele teve sua foto publicada por um jornal do país sob a manchete 'Enforque-os'

O militante homossexual David Kato
O militante homossexual David Kato (Universidade de Cambridge)
Um militante homossexual de Uganda cuja foto foi publicada por um tabloide regional sob a manchete "Enforque-os" foi morto em sua casa na quarta-feira. O crime ocorreu a 15 quilômetros de Kampala, a capital do país africano. David Kato era um ativista da Associação Minorias Sexuais em Uganda. 
Segundo o advogado da vítima, John Francis Onyango, o crime ocorreu por volta das 13h30. Informações preliminares indicam que um homem invadiu a casa de Kato e o matou a marteladas. O criminoso conseguiu fugir. A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) informou que o ativista morreu durante a transferência para o hospital. 
Em 2010, Kato e outros ativistas do país tiveram suas fotos publicadas pelo jornal RollingStone (sem qualquer relação com a revista americana de mesmo nome) em um texto que fazia críticas aos homossexuais. Uganda é conhecida internacionalmente por seu enorme desrespeito à população gay. A homossexualidade é ilegal no país e seus praticantes podem ser condenados a até 14 anos de prisão.
Em 2009, o parlamentar David Bahati tentou aprovar um projeto de lei que condenava os gays à prisão perpétua. Reincidentes encarariam a pena de morte e testemunhas de atos homossexuais que não denunciassem os infratores em até 24 horas também responderiam a processo. Execrada pela comunidade internacional, a medida ainda está disposta para votação parlamentar no país.
Uma onda de violência contra homossexuais, com casos de espancamentos com barras de ferro, tomou conta de Mukono, onde vivia o ativista, nos últimos dias. Ainda não é claro se a morte de Kato foi provocada pela campanha do Rolling Stone, mas a Associação Minorias Sexuais em Uganda diz que ele vinha recebendo ameaças de morte desde então. 
Frank Mugisha, diretor executivo do grupo, alertou a comunidade gay para que redobre sua cautela. "Estamos recomendando fortemente a cada gays, lésbica, bissexual e transgênero em Uganda que cuide de sua segurança e tome cuidado redobrado", disse ele à rede britânica BBC.
# (Com agência France-Presse)

Costa do Marfim: O retorno do Presidente Alassane Ouattara a Abidjan depois de quatro semanas de ausência.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Alassane Ouattara et Mohammed VI à l’aéroport d’Abidjan, le 2 mars 2014.

O Presidente Alassane Ouattara e o Rei Mohamed VI no Aeroporto de Abidjan, em 2 de março de 2014. AFP 

Depois de uma convalescença na França, onde ele foi operado de uma ciática, o Presidente marfinense Alassane Ouattara, retornou a Abidjan neste domingo. Um retorno saudado pelo fervor popular, na presença do rei Mohammed VI de Marrocos que permanece na capital da Costa do Marfim.
Após quatro semanas de ausência, Alassane Ouattara voltou, em 2 de março, a Costa do Marfim. Cerca de 150 000 pessoas o esperavam de acordo com a polícia, muitos dos quais usavam roupas com cores alaranjadas do RDR ( Representação dos republicanos, o seu partido ) à espera e próximos ao aeroporto de Abidjan e ao longo dos 10 quilômetros que se distanciam da sua residência.
" Como vocês podem constatar, eu estou de volta, em plena forma. Estou bem. Estou em perfeita saúde. E, como muitos já disseram na net, eu vos apresento a cana-de-emergente ", brincou o chefe Estado, em referência à "emergência ", o econômico e social freqüentemente apontado para a Costa do Marfim para 2020.

A verdade sobre a operação de Alassane Ouattara.

O chefe de Estado da Costa do Marfim, de cujo avião cor de laranja, branco e verde, cores da bandeira da República da Costa do Marfim desembarcou às 16 horas, ele está moldado, mancando um pouco e com ajuda de uma bengala.
No início de fevereiro, o presidente da Costa do Marfim foi operado de uma ciática na França. Um qualificado de " benigno" por sua comitiva, sem dar mais detalhes da operação.

Mohammed VI no aeroporto

Três grandes tendas brancas foram instaladas para acomodar centenas de próximos do presidente Alassane Ouattara, cumprimentado em companhia do rei Mohammed VI de Marrocos, que esta semana está na Costa do Marfim, e estava esperando por ele no aeroporto.
"Agora, como vocês podem esperar, com a forma em que me encontro, vamos acelerar a implementação de grandes projetos que nós iniciamos e melhorar a vida dos nossos compatriotas ", anunciou Alassane Ouattara, muito sorridente. Nos portões do aeroporto, os seus apoiantes gritavam, cantavam, pulavam, gritando " ADO (para Alassane Dramane Ouattara ), ADO, ADO, ADO ... " .
Muitos deles usava uma t -shirt " Akwaba " [ que significa " bem-vindo "] , "presidente" ou " Nós sentimos a sua falta. "

# Jeuneafrique em colaboração ( Com AFP)

Total de visualizações de página