Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

GUINÉ-CONACRY: VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER - O FECPA lança uma campanha de ativismo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Por ocasião do dia internacional de luta contra a violência contra as mulheres, comemorado nesta quarta-feira, 25 de novembro de 2015, no centro FECPA, realizou-se em Conakry o lançamento oficial de uma campanha de ativismo por 16 dias: (de 25 de Novembro a 10 de Dezembro) contra a violência baseado sobre o sexo chamado de campanha de laranja. Os pesquisadores Painelistas como o Dr. Alpha Amadou Banoh Barry, sociólogo e Reitor da Universidade Oprah Winfrey e Raymond Augustin Noumassou da Universidade Católica de Conakry, eles, entre outros, animaram os debates sobre a reflexão a propósito dos conceitos da problemática do gênero.



Para ocasião dessa jornada de abertura, o painel foi essencialmente centrado em torno de questões como o respeito à quota de mulheres para uma democracia real, a importância de envolver os pesquisadores guineenses nas próximas soluções sobre as crises de ordens nacionais, por exemplo, a luta contra a epidemia de Ebola cujo surto ocorreu na Guiné, o que exigiu abordagem indispensavelmente sócio antropológica. Também foi abordada a questão da igualdade entre homens e mulheres, o abandono escolar por parte das meninas e a proporção entre meninos e meninas nas escolas. Questões que têm sido amplamente discutidas pelos dois pesquisadores painelistas.

A igualdade de género
Raymond Augustine da Universidade Católica de Conakry fez um desenvolvimento sobre o conceito de igualdade: "Precisamos desenvolver a igualdade em termos da lei, que as pessoas que têm os mesmos direitos, eles também têm as mesmas obrigações. A partir desse momento, podemos dizer que todas as pessoas são iguais. Se nós nos retemos sobre as diferenças biológicas, então como podemos falar de igualdade entre um homem de dois metros e um homem que mede um metro e vinte e cinco? Nós diríamos que a diferença biológica é grande entre eles, em termos de dimensão, peso corporal; então, um não seria igual ao outro. A igualdade não deve, portanto, incidir sobre estas diferenças, mas em questões de direitos, a igualdade de acesso aos recursos da comunidade, etc. "Ele assim explicou.

Abandono escolar e as relações entre meninas e meninos
Quanto ao Dr. Banoh Barry, pesquisador e reitor da Universidade de Oprah, ele extensivamente entendeu a questão do abandono de meninas às escolas. "Um estudo muito antigo foi levado a cabo sobre esta questão e que data de 1998, eu tinha voltado justamente do Canadá. A pergunta que tinha surgido e que aparece na maioria dos discursos ambientais, é que por que nós temos praticamente uma igualdade quase perfeita entre o número de meninas e o número de meninos na escola primária e nos ciclos aumentou a proporção de meninas para baixo? Na época, esse número era cerca de 70-77 por cento contra 82 para os meninos nos níveis primário, especialmente em Conakry. E, em seguida, para as meninas na universidade esse número representou entre 10 e 12 por cento! Nós perguntamos sobre essa evasão escolar? Como explicar a vantagem de meninas que abandonam a escola mais do que os meninos? O estudo que fizemos mostra claramente que há duas razões para o abandono das meninas.

A primeira é a ordem social, a sociedade em que vivemos é uma sociedade que não dá tempo para as meninas; isso significa que, quando uma garota está na escola primária, ela vai para a escola primária na mesma idade que o menino, mas se, por uma razão ou outra, ela está adiantada numa classe ou ela desenvolveu-se cedo, na sua família dizem que agora, temos de encontrar um marido para ela, caso contrário ela vai cair na gravidez! Porque a sociedade guineense considera que a escola é um desperdício de tempo para as meninas, especialmente porque atrasam ao casamento por causa de insucesso escolar. Enquanto do lado dos meninos, eles podem intensificar os estudos que as vezes não há problema! Eles não deixam a escola. Eles vão para a Universidade independentemente da sua idade.

Um estudo longitudinal mostra também que a média de idade dos meninos ao longo de cinco anos foi maior do que a de meninas com mais de dois anos. Isso quer dizer que o filho mais novo é mais velho que a filha mais nova em dois anos "
A segunda razão do abandono de escolas pelas meninas na Guiné, é o sistema educacional guineense. É um sistema de promoção anual, ou seja, ele calcula todas as notas, e uma média é determinada para permitir a passagem para próxima série. "A série  que você terminou, você é obrigado a repeti-lo se você no final do ano não conseguir a média, o risco de fracasso. É um sistema que favorece os meninos porque um menino, ele pode repetir muitas vezes, enquanto uma menina se ela repetir duas vezes, ela é forçada a deixar a escola e arrumar um marido. Assim, o abandono vem da dimensão social, a concepção de que menina em nossa sociedade, muitas vezes é rotulada com a tarefa de ter filhos. " Doutor Barry Banoh explicou.

A Sra Michèle Koundouno de FECPA , por sua vez retornou a questão, do lançamento da campanha de Laranja: "Esta campanha é para interpelar os jovens, mas também as famílias sobre a questão da educação de crianças, jovens rapazes, mas também meninas. É também uma oportunidade para interpelar as autoridades a adotarem o código civil regular para julgar violações dos nossos direitos. "
As atividades vão, portanto, continuar durante dezesseis dias através de várias sessões de sensibilização e de divulgação.

De Aliou Mamadou Diallo para GCI
2015-GuineeConakry.Info

As 5 questões 'espinhosas' que esperam o papa em sua visita à África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

AFP
A favela de Kangemi, no Quênia, será um dos locais que o papa visitará na África
O papa Francisco começou nesta quarta-feira sua primeira visita à África, cuja programação inclui três países (Quênia, Uganda e República Central Africana), 19 discursos e uma visita a uma mesquita.
Apesar do entusiasmo que a passagem do pontífice tende a despertar nos cerca de 180 milhões de católicos do continente (o que corresponde a um em cada seis fiéis no mundo), ele terá também de lidar com cinco pontos "espinhosos".
Confira:

1. Paz entre cristãos e muçulmanos

Espera-se que o papa vá enfatizar a tolerância religiosa e a convivência pacífica em um momento de instabilidade política e extremismo crescentes na África.
O Quênia, primeira parada de Francisco, foi alvo de dois atentados realizados por extremistas islâmicos: em 2013, 67 pessoas morreram em um ataque a um shopping da capital, Nairóbi. Em abril deste ano, 148 estudantes universitários foram massacrados em Garissa.
Uganda foi alvo de um atentado a bomba durante a Copa do Mundo de 2010, sediada pela África do Sul.
Francisco já pediu algumas vezes aos católicos que não relacionem o Islã à violência.
Para muitos, a República Central Africana é o país mais arriscado no caminho do papa. Em Bagui, a capital, já houve muitas mortes causadas por confrontos entre milícias muçulmanas e cristãs. Ao mesmo tempo, pode tratar-se do local mais propício para uma atuação do pontífice como pacificador.
Curtiu? Siga a BBC Brasil no Twitter e no Facebook

Image captionA África tem cerca de 180 milhões de católicos

2. Pobreza

Francisco tem sido celebrado como o papa que lidera a luta da Igreja Católica contra a pobreza.
Sua ênfase no mundo em desenvolvimento e o estilo de vida austera que vem defendendo desde o início de seu pontificado, em março de 2013, serão bem-vindos em países em que a corrupção é um problema.
No Quênia, por exemplo, 75% da riqueza nacional está nas mãos de 1% da população. O papa deverá fazer críticas à desigualdade social e à corrupção quando visitar a favela multiétnica de Kangemi, onde vivem mais de 100 mil pessoas.
A iniciativa do argentino de olhar para além da Europa também deverá ser recebida de forma positiva.

3. Meio ambiente

Às vésperas do início da COP 21, em Paris, muito estão interessados no que o papa tem a dizer em seu pronunciamento ligado ao programa ambiental da ONU.
Sua encíclica papal sobre o tema, Laudato si, publicada no início do ano, provocou polêmica por causa de um alerta de tom apocalíptico – o texto falava em como "a humanidade corre o risco de transformar a terra em uma pilha de sujeira".

Image captionEspera-se que o papa peça que populações pobres sejam consideradas em questões climáticas

O discurso no Quênia deverá enfatizar a necessidade de os países industrializados levarem mais em consideração os interesses dos pobres, população que papa vê como verdadeira vítima das mudanças climáticas.

4. Homossexualidade

Ativistas LGBT, especialmente em Uganda, gostariam de ver o papa encorajando mais tolerância e criticando abertamente a proibição da homossexualidade em muitos países africanos. No passado, quando questionado sobre os gays, Francisco disse: "Quem sou eu para julgar?".
Embora o mais recente Sínodo da Família, em Roma, não tenha trazido grandes mudanças no posicionamento da Igreja em relação a essa população, um posicionamento do papa defendendo mais tolerância poderia ser de extrema valia para o continente.
Há desafios até mesmo dentro da própria Igreja: o cardeal da Guiné Robert Sarah, por exemplo, classifica o homossexualismo e o radicalismo islâmico como "demônios" que os católicos enfrentam no século 21.

Image captionA homossexualidade ainda é ilegal em muitos países africanos

5. Contracepção

O papa já disse que "católicos não devem se multiplicar feito coelhos", embora o Vaticano depois tenha clarificado que o pontífice não estava criticando grandes famílias.
No entanto, muitas agências internacionais e governos do Ocidente gostariam de ver a Igreja abandonando sua condenação ao uso de contraceptivos, em especial a proibição da camisinha – algo que consideram fundamental, sobretudo em um continente flagelado pela epidemia da Aids.
Francisco deverá se reunir com soropositivos durante a visita à África, mas é pouco provável que faça concessões em relação à contracepção.
Famílias grandes são importantes para o catolicismo em um continente dividido em termos religiosos, e o Sínodo reiterou a hostilidade do Vaticano em relação a programas sociais que tentam ligar ajuda financeira ao uso de contraceptivos.

#bbc.com/portuguese/noticias


Papa Francisco embarca para a África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Francisco irá ao Quênia, Uganda e República Centro-Africana.
Dez mil agentes vão garantir a segurança do pontífice no Quênia.

Papa Francisco embarca para a África (Foto: Andreas Solaro / AFP Photo)
Papa Francisco embarca para a África
(Foto: Andreas Solaro / AFP Photo)

O papa Francisco embarcou nesta quarta-feira (25) para sua primeira visita à África. Ele desembarcará em Nairóbi, no Quênia. Na sequência, vai a Uganda e República Centro-Africana. Francisco é o quarto papa na história a visitar a África.
Um grande esquema de segurança foi montado para a chegada do pontífice. Dez mil agentes foram deslocados para isso. Há o temor de um ataque terrorista do grupo al-Shabab.
Quênia, Uganda e República Centro-Africana são países marcados pela falta de respeito aos direitos humanos e a violência armada. Francisco pretende deixar uma mensagem de justiça, paz e tolerância.
Quênia
O pontífice aterrissará à tarde em Nairóbi, onde encontrará o presidente do país, Uhuru Kenyatta, que até o final do ano passado era acusado pelo Tribunal Penal Internacional como responsável pela onda de violência ocorrida no Quênia após as eleições de 2007.
Há cinco anos, o país dos safáris estava em permanente estado de alerta pela ameaça do grupo jihadista somali al-Shabab, que em setembro de 2013 se tornou conhecido internacionalmente ao matar 67 pessoas durante um ataque de quatro dias ao shopping mais movimentado de Nairóbi.
Em abril deste ano, a organização terrorista realizou outro massacre na Universidade de Garissa, no norte do país, onde homens armados com fuzis e granadas assassinaram 143 pessoas, a maioria estudante. Os líderes de al-Shabab reforçam periodicamente que continuarão atacando enquanto o governo de Kenyatta mantiver suas tropas na Somália.
Neste contexto, a visita do papa adquire a condição de máximo risco e requer um dispositivo extraordinário de segurança que irá mudar o dia a dia da capital. Ao todo, 10 mil agentes vigiarão uma cidade que, durante a maior parte da quinta (26) e da sexta (27), terá todas as principais avenidas fechadas para o trânsito.
Além disso, o governo declarou o dia 26 como feriado nacional. A justificativa oficial é permitir que todos possam aproveitar a visita papal, mas o motivo real, em um país de maioria protestante e sem grandes expectativas quanto a visita, é que milhares de pessoas nem sequer poderão chegar ao trabalho.
Uganda
O cenário não é muito diferente em Uganda. Ainda que em menor medida, o papa também desafiará à ameaça jihadista nesse país, onde os Estados Unidos e o Reino Unido lançaram neste ano pelo menos dois alertas por possíveis atentados.
Desde 2007, Uganda mantém mais de 6 mil soldados na Somália. Como resposta, a al-Shabab matou 79 pessoas ao colocar uma bomba em um restaurante de Campala durante a final da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul.
Porém, a maior ameaça que o pontífice conhecerá neste país será a que diariamente sofrem os homossexuais, perseguidos pela sociedade, pela igreja, pelo governo e pela Justiça, com duras condenações. O movimento LGBT espera que o papa interceda a Igreja local e o governo para aliviar sua situação, que pode ser agravada por uma lei que pretende determinar a prisão perpétua para os que cometerem os "delitos de homossexualismo".
República Centro-Africana
A etapa mais perigosa desta viagem será, no entanto, a última, na República Centro-Africana (RC): um país em estado de guerra pelo conflito étnico-religioso entre cristãos e muçulmanos.
"Estou preparado para sustentar o diálogo inter-religioso e para incentivar a convivência pacífica. Sei que é possível, porque todos somos irmãos", disse Francisco em uma mensagem em vídeo aos cidadãos do país.
O Vaticano pensou em suspender este parada por conta da intensificação da violência vivida nas últimas semanas em Bangui, mas, por fim, o pontífice confirmou que viajaria como símbolo de mediação no conflito.
Durante sua estadia na capital, ele visitará a Grande Mesquita, e os muçulmanos, que quase foram expulsos do país pelas milícias cristãs, se mostraram favoráveis a este gesto. Em declarações divulgadas na semana passada, a Coalizão-Séléka, integrada majoritariamente por muçulmanos, admitiu que a visita papal é "uma oportunidade para movimentar o povo rumo à paz, a coesão social, o amor e o perdão".
No entanto, no mês passado, o arcebispo de Bangui, Dieudonné Nzapalainga, sofreu uma tentativa de sequestro durante um encontro com líderes muçulmanos para falar sobre a visita do papa, segundo fontes do governo centro-africano.
Agora, aproximadamente, 3 mil boinas azuis da Minusca - a missão da Organização das Nações Unidas (ONU) neste país -, reforçados por soldados internacionais e 500 policiais, farão de tudo para garantir que a viagem de Francisco transcorrerá, da mesma forma que seu pontificado, pacificamente.
#http://g1.globo.com/

Total de visualizações de página