Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Casos de Ebola atingem o maior nível em uma semana na Guiné-Conacry e Serra Leoa.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




O vírus, segundo os últimos números, infectou um total de 26.933 pessoas e deixou 11.120 mortos, principalmente nos países da África Ocidental, mas também na vizinha Libéria, declarada livre da epidemia no último 9 de maio.

Genebra - Guiné e Serra Leoa experimentaram um forte aumento dos casos de Ebola na semana passada, informou nesta quarta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS), minando as esperanças de uma regressão da epidemia mortal.

A semana que terminou no domingo "teve o maior total semanal de casos confirmados de Ebola no período de um mês", afirmou a agência da ONU em seu último relatório. Trinta e cinco novos casos foram reportados durante a semana na Guiné e em Serra Leoa, contra apenas nove ao longo na semana precedente. 

O vírus, segundo os últimos números, infectou um total de 26.933 pessoas e deixou 11.120 mortos, principalmente na Guiné e em Serra Leoa, mas também na Libéria vizinha, declarada livre da epidemia no último 9 de maio. 

A Guiné, onde a epidemia começou no final de 2013, foi o país mais afetado na semana passada, com 27 casos registrados, contra sete na semana anterior. Serra Leoa, que parece se orientar na mesma direção que a Libéria, também viu o número de casos novamente passar de dez para oito. 

A progressão no país colocou fim a três semanas consecutivas de diminuição do número de novos casos registrados, segundo a OMS. Pela primeira vez em cinco semanas um profissional da saúde, que trabalhava num centro de tratamento de Ebola perto de Freetown, foi testado positivo para o vírus da febre hemorrágica, informou a agência. 

Desde o início da epidemia 869 profissionais da área de saúde foram atingidos pelo vírus, e 507 entre eles morreram, segundo dados oficiais.
#correiobraziliense.com.br

África do Sul pede desculpa a Moçambique pela violência xenófoba.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

"É importante para nós apresentar desculpas em nome da minoria que se comportou mal", declarou Jacob Zuma, dirigindo-se a Filipe Nyusi, após uma reunião entre os dois estadistas, em Maputo.
Presidente da África do Sul, Jacob Zuma

O Presidente sul-africano, Jacob Zuma, pediu esta quarta-feira (20.05) desculpas aos moçambicanos pela recente onda de xenofobia no seu pais. "É muito importante para nós pedirmos desculpas.

Zuma falava no início de conversações oficiais entre delegações dos dois paises no primeiro dia da sua visita de Estado a Moçambique.

O Presidente da África do Sul Jacob Zuma afirmou que os recentes actos de xenofobia não se justificam tendo em conta os laços de irmandade que ligam os moçambicanos e sul-africanos.
Imagem do assassinato de Emmanuel Sithole capturada em Alexandra pelo fotógrafo James Oatway da Sunday Times
O estadista sul-africano disse que "a onda de violência contra os estrangeiros foi perpetrada por uma minoria que não representa a vontade da maioria dos sul- africanos". Acrescentou que os dois países "vão trabalhar em conjunto de modo a evitar que situações do género se repitam no futuro".

Dados oficiais divulgados pelas autoridades de Maputo indicam que sete moçambicanos morreram e cerca de três mil tiveram de regressaer à casa devido à onda de xenofobia.

Mais recentemente, há menos de uma semana, a África do Sul deteve cerca de mil imigrantes ilegais moçambicanos, metade dos quais já foi repatriada compulsivamente.

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Moçambique Oldemiro Baloi disse que durante as conversações as duas partes concordaram que "no caso das deportações a necessidade de uma maior comunicação entre os dois países de modo que estes processos decorrarm sem grandes perturbações".

Nas conversações as duas delegações concluíram que devem ser melhorados os mecanismos de coordenação na implementação dos acordos já celebrados.

África do Sul a braços com grande crise energética
A barragem de Cahora Bassa situa-se no Rio Zambeze, na província moçambicana de Tete
Essas conversações foram antecedidas de um encontro a sós entre os presidentes moçambicano Filipe Nyusi e sul-africano Jacob Zuma.

Um dos pontos que Zuma levou na bagagem para Maputo está relacionado com a energia, numa altura em que o seu pais regista aquela que é considerada a maior crise de que há memoria no sector.

A África do Sul, maior consumidor de energia da hidroeléctrica de Cahora Bassa em Moçambique, está a procura de fontes alternativas fora do pais para ultrapassar a crise que tem provocado cortes constantes no fornecimento de electricidade à economia nacional.
O ministro moçambicano dos Recursos Naturais e Energia, Pedro Couto disse que o seu país pode ser uma alternativa. "Moçambique tem um grande potencial energético. A produção é para o consumo interno e naturalmente para os países vizinhos nomeadamente a África do Sul que é um mercado incontornável".

A África do Sul é um importante parceiro comercial de Moçambique e o maior importador da energia da Hidroelétrica de Cahora Bassa (HCB). Por outro lado, acolhe a maior comunidade de moçambicanos na diáspora.
#dw.de

O Presidente do Burundi adverte a mídia para estar contra o incitamento.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente do Burundi Pierre Nkurunziza. ARQUIVO | NATION MEDIA GROUP

O Presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza, insistiu nesta quarta-feira que "reina segurança" no país, após um golpe fracassado e semanas de protestos violentos contra sua candidatura a um terceiro mandato.

"Paz e segurança reina em mais de 99,9 por cento no território do Burundi e a população está exercendo normalmente suas atividades", disse o Presidente Nkurunziza em uma transmissão pela rádio estatal.

Uma semana depois de um golpe liderado por um general de topo que foi esmagado - com soldados lutando entre si nas ruas - as forças de segurança na quarta-feira dispararam armas de fogo e gás lacrimogêneo para protestos que foram furiosos em partes da capital desde o final de abril.

Mas o Presidente Nkurunziza disse que a grande maioria do país estava em paz, e que as eleições parlamentares agora adiadas para 05 de junho - após um adiamento de 10 dias -, bem como as eleições presidenciais subsequentes, terão lugar calmamente.

"Reinados de segurança no Burundi, as eleições terão lugar em paz e tranquilidade", o presidente Nkurunziza referiu, mas também alertou a mídia que arriscou a "encorajador insurreição" da maneira que relataram.

"Nós também aproveitamos esta oportunidade para advertir a media burundinês e estrangeira que tentam divulgar informações susceptíveis de semear o ódio e a divisão entre os burundineses, ou para desacreditar o Burundi, ou encorajar a insurgência", disse ele.

Cristão nascido de novo

"O Burundi iria querer voltar a viver as tensões das divisões étnicas."

Grupos de oposição e de direitos humanos dizem que a proposta da Presidente Nkurunziza para um terceiro mandato de cinco anos no poder viola a Constituição e os termos do acordo de paz que pôs fim a uma guerra civil de 13 anos no país em 2006.

Mas o presidente Nkurunziza, um ex-líder rebelde e cristão nascido de novo e que acredita que ele tem o apoio divino para liderar o país, argumenta que seu primeiro mandato não conta porque ele foi eleito pelo parlamento, e não diretamente pelo povo.

Mais de 100.000 pessoas fugiram para países vizinhos para escapar da violência política, de acordo com as Nações Unidas.

A cólera eclodiu em campos de refugiados miseráveis ​​na Tanzânia, e o Presidente Nkurunziza exortou as pessoas a voltar.

"Na sequência da tentativa de golpe alguns burundineses fugiram para países vizinhos ... nós pedimos-lhes para voltarem para casa porque a paz e a segurança prevalecem no Burundi", disse ele.

#africareview.com


GUINÉ-CONACRY: SEKHOUTOUREYAH - Por que Cellou Dalein Diallo não irá ao encontro de Alpha Condé em nome da oposição?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!..

Reportado agora,o reencontro entre o Presidente Alpha Condé e o líder da oposição, Cellou Dalein Daillo, vai finalmente ter lugar nesta quarta-feira, 20 de maio de 2015. Para a honra dos guineenses, em sua maioria, que baseiam sua esperança nesta evento, descrito em alguns círculos políticos históricos, para uma saída da crise no país, um dos mais pobres do globo, mas com enorme recursos materiais e humanos! Mas tão ruim quanto parece, como na anterior, essa outra reunião pode não produzir todos os resultados esperados. Devido ao clima de desconfiança que caracteriza o universo político nacional.



Alguns membros da oposição, militantes no seio da aliança retiraram a sua confiança em Cellou Dalein, porque eles contestam o título de líder. Na linha da frente deste desafio, a União das Forças Republicanas, UFR, de Sydia Touré, de acordo com o porta-voz desta formação política, Cellou Dalein Diallo, não podia envolver com a UFDG, durante o seu reencontro com o chefe de Estado. Sem negar abertamente o título de '' líder da oposição '' atribuído ao líder da oposição, com o maior número de deputados no parlamento, o partido de Sydia Touré é que tal iniciativa é adaptável a 'países anglo-saxonicos acostumados a bipartidarismo. E isso é apenas uma "invenção do Presidente Alpha Condé '' para dividir oposição em relação a ele.

Cellou Dalein Daillo que, por sua parte, não se fez vangloriar de ilusões, já disse em voz alta, por ocasião da última assembleia geral anual de seu partido: "Eu vou para Sékhoutouréah em vosso nome para dizer toda a verdade ao Presidente Alpha Conde ", e se endereçando aos militantes da UFDG. Os sinais de divisão, hipotecam perigosamente a luta da oposição, que não se decepcionará.

Cellou Dalein que não é mais a última chuva em política, sentiu bem o hálito de uma possível contestação em unanimidade, que a mídia e numerosos observadores faziam do autor de sua pessoa e da audiência em vista. Não querendo se submeter a novas frustrações, o líder da UFDG corta a grama debaixo dos pés de quem maliciosamente queria diluir a sua autoridade em uma espécie de protesto secreto.
Na realidade, o jogo da UFR, tem a mesma lógica. No entanto, ele gagueja sobre uma única candidatura, não querer sair de novo antes; No entanto, a UFR considera que Cellou poderia falar em seu nome, muito embora é '' líder da oposição ''.
Este é o início de contradições que vão acentuar-se no ritmo da aproximação das eleições presidenciais.

Por: Kertfalla KOUROUMA para GCI 2015-GuineeConakry.Info

Total de visualizações de página