Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Senegal: de visita de trabalho a Bruxelas - Macky Sall estende a mão para o setor privado nacional e estrangeiro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Resultado de imagem para presidente do senegal macky imagem
Presidente Macky Sall

Considerar o sector privado um parceiro estratégico no financiamento do Plano Senegal emergente (PSE), é a ambição do chefe de Estado, Macky Sall, que aproveitou a sua visita a Bruxelas para pedir à União Europeia para acompanhar a nova dinâmica de desenvolvimento desencadeada pelo Senegal.

O chefe de Estado, Macky Sall, gostaria de ver o setor privado a desempenhar um papel chave no financiamento da emergente do Plano Senegal (PSE). Ele disse ontem, em Bruxelas, por ocasião das "Jornadas Europeias do Desenvolvimento 2017" para o qual foi convidado, com o seu homólogo guineense Alpha Conde. "Queremos sector privado nacional e estrangeiro como um parceiro estratégico do financiamento Plano Senegal emergentes", disse o chefe de Estado e não ao contrário das instituições robustas e estáveis ​​e o clima de negócios oferecendo padrão de segurança confiável rentabilidade dos investimentos disponíveis para o Senegal.

Nesta nova dinâmica que pretende dar ao PSE, Macky Sall também lembrou a mobilização em 16 de maio, ao Eurobond de um bilhão e cem milhões de dólares (660 mil milhões de francos CFA), em uma oferta disponível de 9 , 3 bilhões, com uma taxa de 6,25% para um prazo de 16 anos. "Tenho o prazer de mencionar, aqui, essa confiança do mercado financeiro internacional atribuiu ao Senegal, porque a União Europeia é, para nós, um parceiro fiel para apoiar os seus compromissos para com os nossos esforços de desenvolvimento" disse o presidente da República.

Ao agradecer ao Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Junker pelo amável convite e recepção calorosa, Macky Sall apelou à UE para acompanhar a "nova dinâmica" empreendido pelo Senegal. Para o chefe de Estado senegalês, esta nova abordagem é baseada principalmente na mobilização do esforço nacional. A nova estratégia de desenvolvimento lançado em fevereiro de 2014 para fazer do Senegal uma economia emergente no horizonte 2035. "A nossa ambição é conseguir isto por uma taxa de crescimento anual de pelo menos 7% ao longo do período "disse Macky Sall recordando que o crescimento em 2016 foi de 6,7%, com uma projeção de 6,8% para o ano corrente. Graças às performances de PSE, o déficit orçamentário de 6,7% em 2011 caiu para 4,2% em 2016. Da mesma forma, o rácio da dívida é inferior a 60%, quando o nível da comunidade União Económica e Monetária da África Ocidental é de 70%.

Apoiar as zonas rurais
Sobre um outro registro, o chefe de Estado elogiou o Plano de Investimento Estrangeiro para o bairro e África Jean-Claude Juncker. "Com o Programa Indicativo Nacional no 11º FED 2014-2020, estamos buscando uma cooperação focada nas prioridades essenciais para Senegal. Esta é a governação democrática, agricultura sustentável, eletrificação rural, água e saneamento ", disse o chefe de Estado. Para Macky Sall, as prioridades da União Europeia também são aquelas incluídas no Plano de Emergência para o Desenvolvimento da Comunidade (Pudc), lançado em julho de 2014. O objetivo é apoiar as zonas rurais mais vulneráveis ​​em quatro áreas ou seja, eletricidade, hidráulica, construção de estradas de acesso. Com a distribuição de equipamentos para aliviar as dificuldades do trabalho das mulheres em áreas rurais. "Com a Pudc, programas de agricultura familiar e da comunidade Quintas, Senegal está seriamente comprometido com o estabelecimento de uma atividade econômica rural de geração e renda, especialmente para os jovens", disse o chefe Estado Macky Sall.

Maguette NDONG

UEMOA: A taxa de crescimento de 6,9% é esperado em 2017.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A UEMOA espera que um crescimento de 6, 9% em 2017, depois de 6, 7% em 2016. O regulador do BCEAO, Tiémoko Meyliet Kone acredita que esta taxa é "muito satisfatória". Ele estava falando ontem no final da segunda reunião ordinária do ano do Comitê de Política Monetária.

Na União Económica e Monetária (UEMOA) Oeste Africano , espera-se uma taxa de crescimento de 6,9% este ano, contra 6, 7% em 2016 e 6,6% em 2015. O Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO) divulgou ontem que a projeção no final da segunda reunião ordinária de 2017, o Comitê de política monetária (CMP), presidido pelo governador Tiémoko Meyliet Koné. O comitê analisou as principais mudanças nas condições econômicas, os fatores de risco que podem pesar sobre os preços e o crescimento económico da União. Na UEMOA, nota-se a consolidação do dinamismo da atividade econômica no primeiro trimestre de 2017, a declaração lida pelo diretor de análises económicas e monetárias, Antonin Dossou Sourou. A taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da União, face ao ano anterior foi de 6,6% contra 6,5% no trimestre anterior. Para o governador do BCEAO, Tiémoko Meyliet Koné, esta taxa de crescimento é "muito satisfatório". "Os itens disponíveis para o financiamento parece apropriado para a situação", elogiou.

As taxas de juros inalteradas
O défice orçamental para o ano de 2017, numa base de compromisso, incluindo subsídios, permaneceria em 4,4% do PIB, em 2016. O comitê instou os Estados a exercer mais esforços na mobilização de receitas fiscais e simplificar ainda mais gastos públicos.

Globalmente, o Comité observa uma boa dinâmica da atividade econômica no primeiro trimestre 2017, principalmente como resultado do bom desempenho do crescimento em países desenvolvidos e melhoria contínua das condições econômicas no países emergentes. "Os preços das principais commodities exportadas pelos países da UE aumentaram, com excepção dos de cacau, óleo de palma e de ouro", disse ele. Os aumentos trimestrais mais significativos foram verificados no petróleo, borracha, castanhas de caju, algodão e café.

Tendo em conta estes desenvolvimentos, a Comissão decidiu manter inalterada a taxa de juro mínima de submissão às operações de liquidez de injeção de chamadas e oferece a taxa de juros da janela de cedência de liquidez, respectivamente, em 2.50 % e 4,50%. O governador do BCEAO salienta que o lance mínimo de taxa de juros em 2016 foi o mais baixo em África. "Com esta taxa, o banco central queria apoiar os esforços de crescimento registadas nos Estados-Membros, nomeadamente, pela menor tarifa possível", disse Tiémoko Meyliet Koné. Ele argumentou que esta taxa deve ser um ponto de referência para todas as operações do sistema bancário e de crédito que são feitas na economia. Em relação à taxa de juros da janela de cedência de liquidez, o governador disse que "esta é a taxa final, maior do que o banco central pode fazer tanto quanto ele depende da situação dos bancos, os da natureza da concorrência e procurou abordar o financiamento da economia. " "É por isso que é preciso manter essas taxas inalteradas. Nada na actual situação económica, nada em relação à inflação (aumento dos preços) não permite-nos mudar ", disse ele. Finalmente, sobre o rácio de reservas obrigatórias para os bancos da União, permanece em 3,0%.

Souleymane Diam SY

ANGOLA: EUA PREMEIAM RAFAEL MARQUES.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

rafael-eua

Rafael Marques, que recebe hoje um prémio em Washington pela luta contra a corrupção em Angola, considera a distinção como um sinal de que “os EUA estão a prestar atenção ao que se está a passar” no país.

“Ofacto de receber este prémio e de entrar no Congresso pela porta grande é um testemunho de que os EUA estão a prestar atenção ao que se está a passar. Este prémio é a forma como tentam apoiar, de forma simbólica, o que se está a passar”, disse à agência Lusa o jornalista e activista.
Rafael Marques é homenageado, em Washington, recebendo o “Prémio Democracia” do National Endowment for Democracy, numa cerimónia em que discursa o presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Paul Ryan, e a líder dos democratas no mesmo órgão, Nancy Pelosi.
“O primeiro significado deste prémio tem a ver com a situação actual de Angola, que é uma cleptocracia, e vem dizer que a integridade tem valor. É um valor que compartilho com os meus compatriotas para mostrar que podemos ser dignos e valorizados, não por termos dinheiro, mas por fazermos algo de bom”, salientou.
“Durante todos estes anos, o regime levou-nos a crer que quem é digno é quem faz parte da elite predadora. Esta é uma prova em contrário, um incentivo e uma inspiração positiva para ter um comportamento mais digno. Recebo este prémio para partilhar com todos os que, a cada dia, se vão juntando ao coro daqueles que querem uma sociedade mais transparente e com melhor governação”, acrescentou.
Além de receber o prémio e de participar numa conferência que antecede a cerimónia, Rafael Marques tem encontros com alguns dos políticos e meios de comunicação mais influentes dos EUA.
Em Washington, Rafael Marques encontra-se com os senadores Chris Murphy e Eliot Engel, com o presidente do Comité de Relações Internacionais da Câmara dos Representantes, Ed Royce, com o congressista e antigo presidente da Câmara dos Representantes, Steny Hoyer, e com o subsecretário de Estado para Assuntos Políticos, Thomas A. Shannon.
Ainda na capital dos EUA, participa num encontro com representantes de todos os membros dos comités de segurança nacional e relações internacionais e com a direcção editorial do jornal The Washington Post.
Em Nova Iorque, na segunda-feira, o jornalista e activista angolano encontra-se com a direcção editorial do The New York Times e do The Wall Street Journal e termina a visita aos EUA com um encontro com a embaixadora adjunta dos EUA junto da ONU, Michele Sison.
Rafael Marques diz que o objectivo de todos estes encontros “é que os EUA prestem maior atenção à luta contra a corrupção, que é um fenómeno global,” e mostrar que “no caso de Angola, a cleptocracia é hoje mais apoiada por forças externas do que interiores.”
“Os EUA precisam de ter uma atitude mais severa em relação à forma como os cidadãos são vitimas de abusos, é preciso mais apoio internacional para as forças que procuram combater o saque de Angola”, defende.
Rafael Marques acredita que “há um grande custo para os cidadãos de Angola por causa da corrupção” e oferece um exemplo de como isso se relaciona com a comunidade internacional.
“O Estado vai gastar 78 milhões de dólares em viaturas novas para os deputados e nos hospitais, neste momento, não temos seringas e medicamentos para a malária, num momento em que os EUA continuam a financiar um grande programa de combate à malária no país. Se não houvesse corrupção, os EUA não teriam este custo”, explica.
O National Endowment for Democracy, que foi criado há 34 anos com financiamento do Estado americano e está hoje presente em 90 países, tem o objectivo de promover instituições democráticas em todo o mundo.
Juntamente com Rafael Marques, são homenageados Khalil Parsa, do Afeganistão, Claudia Escobar, Guatemala, Cynthia Gabriel, da Malásia, e Denys Bihus, da Ucrânia.
Lusa

Brasil: Assaltantes de bancos são presos no Recife por policiais de Sergipe. "Isso é só para você acompanhar o esquema da bandidagem, não importa a data de publicação!"

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Publicado em: 13/03/2017 17:00 Atualizado em: 13/03/2017 17:38

Suspeitos são acusados de roubar bancos em todo o Brasil. Fotos: SSP Sergipe/Divulgação  (Suspeitos são acusados de roubar bancos em todo o Brasil. Fotos: SSP Sergipe/Divulgação )
Suspeitos são acusados de roubar bancos em todo o Brasil. Fotos: SSP Sergipe/Divulgação


Assaltantes de bancos de vários estados brasileiros estão escolhendo Pernambuco para cometer crimes. Já não bastassem as quadrilhas locais que têm dado bastante trabalho à polícia com constantes explosões a caixas eletrônicos e agências bancárias, criminosos de fora têm sido presos no Recife com frequência. Na última sexta-feira, agentes do Complexo de Operações Policiais Especiais da Polícia Civil (Cope), da Secretaria de Segurança Pública de Sergipe (SSP/SE), prenderam cinco integrantes de uma associação criminosa especializada em furtos de agências bancárias no Brasil. O grupo estava em um apartamento no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, e segundo a polícia, se preparava para assaltar um banco na capital pernambucana.

De acordo com a polícia sergipana, o grupo é acusado de furtar uma agência do banco Santander no dia 29 de janeiro deste ano. Na ocasião, os criminosos teria levado cerca de R$ 300 mil quatro terminais eletrônicos sem a utilização de explosivos e desativando o sistema de segurança e monitoramento do banco. As cinco pessoas presas são da cidade de Joinville, Santa Catarina, e foram detidas na operação denominada “Caça-fantasma”. Os presos foram identificados como Antônio Ricardo Linhares Pinto, 41 anos; Fabiano Bastos, 45; Jean Carlos Borges, 38; Rodrigo Della Giustina, 33, e Paulo Roberto Ponath, mais conhecido como “Rei dos Caixeiros”, 44.

Ainda segundo a polícia, Paulo é o líder e articulador do grupo, além de ser conhecido nacionalmente por sua especialidade em arrombamentos a caixas eletrônicos, agindo desde os anos 1990. Nos últimos anos, Paulo já havia sido preso no Maranhão, Piauí, Paraíba, Rio de Janeiro, Minas Gerais e no Paraná. Em 2009, no Recife, ele foi preso por furtar R$ 2 milhões quatro agências do Banco do Brasil utilizando a mesma técnica. Durante a prisão do grupo foram apreendidos três veículos, rádios amadores e várias ferramentas que seriam utilizadas para a prática do crime.

De acordo com o delegado de Sergipe Dernival Eloi as investigações tiveram início após os primeiros levantamentos do furto à agência do banco Santander, na Avenida Francisco Porto, em Aracaju. “A partir da investigação, que contou com a análise de câmeras de segurança e com o apoio das equipes da Divisão de Inteligência da Polícia Civil, nossas equipes conseguiram identificar os cinco suspeitos e dar início ao trabalho de localização do grupo. Eles atuavam juntos há três anos e estavam se preparando para agir no Recife e depois em outros estados do Nordeste. Todos integrantes do grupo têm passagem pela polícia em vários estados do país, em sua maioria pelo crime de furto a agências bancárias”, ressaltou o delegado.

Quadrilha de assaltantes de Sergipe foi presa no Recife. Foto: SSP Sergipe/Divulgação (Quadrilha de assaltantes de Sergipe foi presa no Recife. Foto: SSP Sergipe/Divulgação)
Quadrilha de assaltantes de Sergipe foi presa no Recife. Foto: SSP Sergipe/Divulgação

A polícia investiga ainda a participação da quadrilha em um furto a uma agência bancária do banco Santander, no Recife, no dia 21 de janeiro deste ano, poucos dias antes do furto à agência em Aracaju/SE. Na ocasião, os criminosos levaram cerca de R$ 500 mil. Os cinco suspeitos já foram levados para Sergipe, onde está à disposição do Poder Judiciário. No início deste mês, cinco homens morreram e outros cinco foram presos após uma investida criminosa contra duas agências bancárias no Cabo de Santo Agostinho. Grande parte dos suspeitos veio do estado do Rio Grande do Norte.

Já no dia 7 de fevereiro, no bairro de Boa Viagem, foi preso um dos assaltantes de bancos mais procurados do país. Paulo Donizetti Siqueirra Souza, 52, foi preso quando estava em um lava-jato na companhia de mais dois suspeitos de assaltos a instituições financeiras. Natural do Paraná, Paulo estava morando em um flat na Avenida Boa Viagem há cerca de seis meses. O trio foi descoberto por agentes do Núcleo de Operações Especiais da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que notaram uma movimentação suspeita no lava-jato. Ao consultar as placas dos veículos Corolla e Hillux, que estavam de posse dos criminosos, os agentes constataram irregularidades. Depois de acionar a força-tarefa de combate a assaltos a bancos da Polícia Civil, uma equipe conjunta abordou os suspeitos que foram rendidos e presos.

Angola: Ativistas libertados em Luanda após 45 dias na cadeia.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Os jovens saíram quinta-feira (08.06) das prisões de Calomboloca, de Caquila e da Comarca de Viana, nos arredores da capital angolana. Tinham sido condenados por participar numa manifestação antigovernamental em abril.
default
"Foram 53 dias de muita tortura psicológica de muito sofrimento, de muita humilhação e distante da família. Mas nem com estas prisões arbitrárias nós vamos recuar. Vamos continuar com a nossa convicções e não vamos parar", disse ao início da noite passada à agência Lusa o músico Adão Bunga "MC Life", um dos sete ativistas libertados.
Foram ainda libertados David Saley, Paulo Mabiala "DMX", António Mabiala, Mário André, Nzunzi Zacarias Mabiala "Luston" e Valdemar Aguinaldo "27 de maio", todos com idades entre os 25 e os 35 anos.
Alguns "contraíram doenças várias" durante o encarceramento, lembra o secretário-geral do Conselho Nacional dos Ativistas de Angola, António Kissanda.
"Não somos criminosos para fugir"
Os sete foram condenados a 19 de abril, pelo tribunal de Cacuaco, a penas de 45 dias de prisão efetiva, por resistência às autoridades, dois dias antes, contra alegadas irregularidades no processo de registo eleitoral, que antecede as eleições gerais de 23 de agosto, mas também para alertar para as dificuldades dos jovens daquele município da capital, nomeadamente a falta de emprego.
"Resistimos à força que a polícia nos apresentou, porque é um direito na nossa Constituição. Não somos criminosos para fugir, esperávamos que a polícia estivesse lá para nos proteger", disse na altura António Kissanda.
Os jovens foram detidos na manifestação realizada a 17 de abril e três dias depois começaram a cumprir pena, na cadeia de Comarca de Viana. Foram ainda condenados a pagar, cada um, multas de 65.000 kwanzas (365 euros).
Foram condenados à revelia e, por não terem assistência jurídica, a condenação não foi alvo de recurso, indicaram os ativistas. 

Brasil: Ministros fazem acordo e resultado de julgamento da chapa Dilma-Temer sai amanhã.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Dilma e Temer
A expectativa era que o julgamento se estendesse até o fim de semana. Ontem, Gilmar Mendes convocou sessões extras para análise do caso, inclusive para o sábado.

Publicado em: 08/06/2017 20:25 

O resultado do julgamento da ação que pede a cassação da chapa Dilma Temer da eleição de 2014 será conhecido amanhã (9). Hoje (8), após intervalo da sessão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Luiz Fux disse que houve um acordo para que o relator, ministro Herman Benjamin, termine a apresentação de seu voto esta noite, e amanhã os demais integrantes da Corte votem.

“Estabelecemos um calendário em nível bem flexível que o ministro Herman tomará toda a sessão até as 21h para concluir o voto dele e nós disporemos de 20 minutos cada um para expor os pontos de vista e os senhores [advogados] terão o veredicto amanhã”, disse Fux enquanto presidia momentaneamente a sessão na ausência do presidente do tribunal, ministro Gilmar Mendes.

A expectativa era que o julgamento se estendesse até o fim de semana. Ontem, Gilmar Mendes convocou sessões extras para análise do caso, inclusive para o sábado (10). Com o acordo entre os ministros, o julgamento deve ser finalizado nesta sexta-feira.

Após o voto do relator, deverão votar os ministros Napoleão Nunes Maia, Admar Gonzaga, Tarcisio Vieira, Rosa Weber, Luiz Fux, e o presidente do tribunal, Gilmar Mendes.

Esta tarde, em seu voto, o relator disse que há provas de que a chapa Dilma-Temer praticou abuso de pode político e econômico na eleição presidencial de 2014. Benjamin, no entanto, ponderou que os crimes atribuídos à chapa vencedora também foram praticados por outros partidos. “Não se pense por um segundo que isso que tratamos aqui foi criação desses partidos alvos da ação [PT e PMDB] ou se tratou de anomalia deles, mas permitiu-lhes desequilibrar a balança. Talvez não em relação aos autores [PSDB], sabemos agora, mas a outros candidatos que concorriam em completa desigualdade.”

Rússia: Oito coisas que se deve saber sobre o mês de Ramadã.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

08.06.2017 | Fonte de informações: 

Pravda.ru

 
Oito coisas que se deve saber sobre o mês de Ramadã. 26715.jpeg

Oito coisas que se deve saber sobre o mês de Ramadã

O mês sagrado do Ramadã prevê que 1,6 bilhão de muçulmanos em todo o mundo se unam em jejum.
Nós vamos sem comida e água de nascer ao por do sol, e refletimos sobre o que Deus nos concedeu e o que temos feito por ele e pelo mundo.

Ramadã é um tempo para adoração, família e reflexão.
É um momento em que desintoxicamos os nossos maus hábitos na esperança de se tornar menos dependente deles, após o mês sagrado.
As mesquitas são geralmente zumbindo com energia e muçulmanos são mais propensos a sorrir um ao outro e cumprimentar uns aos outros com a paz (como salam-u-alaikum), como todos nós embarcam nesta viagem de um mês com o senso de comunidade que estamos supostos. Para sentir ao longo do ano.
É uma luta e uma bênção e é um momento que gostamos, mas também de temor.
Aqui estão oito coisas que você precisa saber sobre o Ramadã.

1. Nós amamos comer comunal, uma vez que o sol se põe.
Uma das belezas do Ramadã é que todos nós vimos juntos. Famílias que podem não ter o hábito de comer ao mesmo tempo geralmente se reúnem sobre a mesa de jantar. Os muçulmanos também hospedam em "Iftars" (hora de quebrar o jejum) da comunidade que geralmente acontecem em mesquitas, parques ou centros comunitários. Um dos maiores (e mais absurdos) mitos é que Iftars são estritamente para os muçulmanos, ou que é rude para comer com pessoas que têm jejuado durante todo o dia. Eles dão boas-vindas a mais povos e amam-no quando os não-muçulmanos compartilham da experiência de comer conosco, assim que venha de longe!

2. Cada cultura tem sua própria maneira de fazê-lo
Iftars são geralmente descritos com uma configuração Árabe-Centrica em mente. A primeira coisa que vem à mente para iftars são arroz-pesados, pratos à base de carne. Muitas vezes, quando as pessoas pensam sobre sobremesas, eles se lembram de muito doce, com a celebração palestina de açúcar, que tem merecidamente se tornar um grampo Ramadã em todo o Médio Oriente. Mas cada cultura faz Iftar diferente.
No Irã, geralmente as pessoas quebram o jejum com agua morne, tâmaras e chá com uma parta de verduras; nas cidades neste momento se encontra muitos lugares que se vendem sopas e comidas típicas deste mês. Ao invés de quebrar seus jejuns com leite, na Indonésia, o país com a maior população muçulmana do mundo, os jejuns são geralmente quebrados com água de coco. Um prato culinária malaia é bubur lambok, que é um arroz e mingau de frango. Na Somália, shurbad, uma sopa de aveia grossa e cremosa é frequentemente servida durante Iftars.
Às vezes, os iftars transcendem a cultura. É uma época em que muçulmanos vegetarianos e veganos (sim, nós existem) tendem a se tornar ainda mais criativo com receitas.

3. Tâmaras são tradições.
O profeta Mohammad (P.E.C.E) quebrava o seu jejum com tâmaras, tornando-se isto como um sunnah (tradição). Os muçulmanos em todo o mundo continuam esta tradição.

4. Ramadã e Shows da TV.
Tanto quanto desejar de pensar e gastar o nosso tempo fazendo nada além de adorar, TV é muito popular durante o Ramadã. No Médio Oriente, séries especiais de TV do Ramadã são frequentemente lançadas, ajudando os muçulmanos a passarem as horas de jejum. Depois de iftar, alguns muçulmanos, dependendo de qual escola de pensamento seguem, levam às mesquitas para orar orações relacionadas à este mês, que são orações opcionais que continuam através da oração.

6. Não nos forçamos quando estamos doentes.
O jejum não é supostamente ser uma forma de tortura, nem é uma maneira de chantagear emocionalmente usando o medo de ir para o inferno. Um dos principais propósitos do Ramadã é usar o tempo para sustentar um estilo de vida mais saudável - e se o jejum prejudicar o corpo de um indivíduo, eles estão isentos de fazê-lo. Isso inclui os doentes, os idosos, as mulheres grávidas, a amamentar, as pessoas que estão em medicação e mulheres menstruadas.

7. Nem todo mundo quebra seu jejum
Quebrar o seu jejum depende de quando o sol nasce e se põe em seu país - o que significa algumas pessoas jejua seis horas por dia, enquanto outros jejuam por 20 horas.
O tempo de quebrar seu jejum também difere por seita. Os sunitas tendem a quebrar seu jejum quando o sol começa a se pôr, enquanto os xiitas muitas vezes esperam até que o sol se tenha posto completamente antes de quebrar seu jejum.

8. Você pode (e provavelmente irá) ganhar peso.
O Islã promove viver com uma vida com um senso de moderação e sustentando um estilo de vida saudável. E enquanto o Ramadã também é conhecido como um mês para desintoxicação e para manter alimentos saudáveis, devido aos tipos de alimentos que são geralmente cozidos no Ramadã, e a quantidade de doces disponíveis, ganhar o peso é quase inevitável. Além disso, tanto quanto deveríamos, e até mesmo planejamos fazê-lo, quem realmente exercita durante o Ramadã?

ONU: Banco Mundial prevê crescimento de 2,7% da economia global em 2017.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Relatório Perspectivas Econômicas Globais cita aumento do comércio e no setor manufatureiro, alta da confirança e estabilização do preço das commodities; economia do Brasil deve crescer 0,3% depois de dois anos de retração.
Foto: Banco Mundial/Dominic Sansoni
Edgard Júnior, da ONU News em Nova Iorque.
Um relatório do Banco Mundial lançado esta segunda-feira em Washington, nos Estados Unidos, prevê um crescimento de 2,7% da economia global neste ano.
O documento, cujo título é: "Perspectivas Econômicas Globais 2017" diz que o avanço foi impulsionado pelo aumento do comércio e no setor manufatureiro, pela alta da confiança no mercado e estabilização dos preços das commodities.
Brasil
Segundo a instituição financeira, as economias avançadas devem registrar um crescimento médio de 1,9% neste ano enquando os países emergentes e em desenvolvimento devem crescer, em média, 4,1%.
O Banco Mundial prevê que a economia do Brasil deve ter um leve crescimento em 2017, de 0,3%. O país registrou uma retração econômica de mais de 3% nos dois últimos anos.
Para 2018 e 2019, a previsão é mais favorável. Segundo o relatório, o Brasil deve crescer 1,8 e 2,1%, respectivamente. Mesmo assim, ficará atrás de Argentina e do México, que devem ver suas economias crescerem até 3,2%, no caso do país vizinho e de 2,5% da economia mexicana durante o mesmo período.
Lusófonos
Entre os países lusófonos, Moçambique tem a maior previsão com crescimento de 4,8% neste ano e de mais de 6% para 2018 e 2019. Guiné-Bissau, Timor-Leste, Cabo-Verde e Angola seguem logo atrás. Os dados de Portugal e São Tomé e Príncipe não constam deste relatório.
A economia dos Estados Unidos deve registrar uma alta de apenas 2,1% neste ano, meio ponto percentual a mais do que em 2016. Já para os dois próximos anos o nível deve permanecer quase igual aos de 2017.
Os países da área do Euro devem ter um crescimento de 1,7% neste ano de de 1,5% em 2018 e 2019.
Entre os emergentes, Índia e China lideram as previsões de crescimento com um avanço de mais de 7% e 6% respectivamente. A Rússia deve crescer pouco mais de 1% pelos próximos três anos.
Os especialistas do Banco Mundial preveem que as atividades de recuperação econômica nos países emergentes devem ultrapassar a média de longo prazo em 2018 e terão um impacto positivo no crescimento global.
Ao mesmo tempo, o Banco Mundial adverte que "riscos significativos" podem mudar essas previsões. Os especialistas explicam que novas restrições podem prejudicar a recuperação do comércio global.
fonte: Rádio ONU

ONU: Para especialista, violência doméstica é um tipo de execução arbitrária

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Agnes Callamard é relatora de direitos humanos e pede que governos reconheçam ataques a mulheres como violação de direitos; ela afirma que há indícios contundentes de que mulheres têm mais risco de sofrer violência.
Foto: ONU/Martine Perret
Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.
Uma especialista da ONU em direitos humanos defendeu, esta quarta-feira, que os governos "façam mais para combater as taxas desproporcionalmente altas de violência sofrida por mulheres".
Agnes Callamard é relatora especial* sobre execuções arbitrárias e apresentou seu relatório ao Conselho de Direitos Humanos.
Crimes Domésticos
Ela quer que as autoridades reconheçam assassinatos domésticos ou causados por parceiros, assassinatos de honra e de pessoas Lgbtqi como uma forma de execução arbitrária.
Callamard ressaltou que "o gênero tem papel central na habilidade das pessoas em desfrutar de seus direitos humanos, em especial o direito à vida", lembrando que "a misoginia persiste em todos os níveis da sociedade".
Vítimas
Para a relatora da ONU, "existem indícios inconfundíveis de que as mulheres enfrentam um risco desproporcional de sofrer maus-tratos e violência". Estatísticas globais mostram que metade das mulheres vítimas de homicídio foi morta por familiares ou parceiros íntimos. No caso dos homens, a taxa é de 5%.
Agnes Callmard falou também sobre outros fatores de risco, como raça, etnia, religião, classe social, deficiências ou orientação sexual. O relatório dela detalha altas taxas de violações ao direito à vida contra mulheres e meninas com deficiência, indígenas e pessoas transgêneras.
O estudo da relatora destaca ainda que assassinatos baseados em gênero podem ter causas intencionais e também acontece pela falta de condições básicas, como acesso à água, à comida, à habitação e a serviços de saúde.
Callamard declarou que "o direito à vida é uma questão de acesso a direitos políticos, civis, econômicos, sociais e culturais".
*Os relatores especiais especiais fazem parte do Conselho de Direitos Humanos da ONU e trabalham de forma voluntária, sem receber salário. Eles não são funcionários das Nações Unidas e trabalham de forma independente de qualquer governo ou organização.
fonte:Rádio ONU

ONU: Guterres elogia processo de entrega de armas das Farc-EP na Colômbia.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Secretário-geral da ONU disse que está encorajado com o progresso na implementação do acordo de paz; a Missão da ONU no país sul-americano completou o recebimento da primeira fase, com a entrega de 30% dos armamentos utilizados pelo grupo.
Secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré (arquivo)
Edgard Júnior, da ONU News em Nova Iorque.*
O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou esta quinta-feira que está "encorajado com o progresso na implementação do acordo de paz na Colômbia".
Em Nova Iorque, o porta-voz de Guterres, Stephane Dujarric, disse a jornalistas na sede das Nações Unidas que o secretário-geral citou em particular a finalização da entrega das armas que pertenciam ao grupo Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia-Exército do Povo, Farc-EP.
Fase 1
Os armamentos estão agora com a Missão da ONU no país sul-americano, que explica que a primeira fase do processo de entrega, de 30% das armas, foi completada na quarta-feira.
António Guterres incentiva as duas partes, Farc-EP e governo, a avançarem com a implementação do acordo de paz cumprindo com os compromissos adotados no documento.
Destruição
O secretário-geral reiterou a prontidão da ONU em continuar apoiando o processo de paz na Colômbia.
Segundo a Missão das Nações Unidas no país, 44 containers estão prontos para receber um total de 7 mil armas das Farc-EP, incluindo também munição, minas e explosivos.
A ONU já enviou à Colômbia 450 observadores internacionais para acompanhar o processo. Quando a entrega dos armamentos for finalizada, os containers serão transportados para centros de armazenamento. A meta é tirar todas as armas das zonas de guerra e destruí-las até 1 de setembro.
*Apresentação: Leda Letra.
Notícias relacionadas:

Total de visualizações de página