Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Empurrados para a morte. Sobreviventes relatam massacre de imigrantes no Mediterrâneo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Dezenas de imigrantes desaparecidos em naufrágio na costa da Líbia
Foto: diariodigital.sapo.pt

Entre 650 e 850 pessoas terão morrido nos últimos dias quando tentavam chegar à Europa.

Terá sido a maior tragédia dos últimos anos no Mediterrâneo a envolver imigrantes ilegais e está envolta em contornos macabros. Quem viveu para contar diz que foi literalmente empurrado para a morte por traficantes sem escrúpulos.
Pelo menos 500 pessoas terão perdido a vida só num dos incidente dos vários ocorridos na última semana passada, a meio caminho entre o Norte de África e a Europa. Os testemunhos recolhidos e divulgados  pela Organização Internacional para as Migrações (OIM) denunciam premeditação.
A viagem começou no Egipto e deveria acabar no Velho Continente, mas a meio os traficantes exigiram que os imigrantes trocassem de barco e prosseguissem a jornada em embarcações mais pequenas e frágeis.
Quando as pessoas recusaram a mudança de barco, por temerem pela sua segurança, os contrabandistas passaram à violência.
“Depois de abalroarem o nosso barco esperaram para garantir que a embarcação naufragava completamente antes de deixarem o local. E riam-se”, contou um dos sobreviventes aos elementos da Organização Internacional para as Migrações (OIM).
“Quando o barco foi atingido pela primeira vez, um dos passageiros suicidou-se em desespero”, disse a mesma testemunha, que foi resgatada das águas do Mediterrâneo ao fim de vários dias e levada para a ilha grega de Creta.
Dois sobreviventes palestinianos contaram às equipas da OIM que trataram dos procedimentos para a viagem num “escritório” da Faixa de Gaza. Pagaram cerca de dois mil dólares e o destino seria Itália.
Foram levados de autocarro para o porto de Damietta, no Egipto, e embarcaram num navio onde estariam cerca de 500 pessoas, cerca de uma centena seriam crianças.

“Se os relatos dos sobreviventes se confirmarem, este será o pior naufrágio de imigrantes em anos, não uma tragédia acidental, mas o afogamento deliberado de imigrantes por grupos criminosos que extorquem dinheiro”, afirmou o porta-voz da OIM, Leonard Doyle.

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), entre 650 e 850 imigrantes terão morrido nos últimos dias em vários incidentes com embarcações no Mediterrâneo, tornando a última semana uma das mais fatais para quem tenta chegar ilegalmente à Europa.
# rr.sapo.pt




GUINÉ-BISSAU: O NOVO CEMGFA

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Acesse o LINK e assista - só depende da velocidade da sua internet.


#RTP ÁFRICA

Zimbabué: Rússia despeja elogios sobre a "lenda" Mugabe.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O chanceler russo, Sergei Lavrov (à esquerda) cumprimenta o Presidente Robert Mugabe após uma reunião na propriedade rural do líder zimbabweano em Zvimba à frente da comissão de um projeto de mineração de platina. 16 de setembro de 2014 PHOTO / AFP

A visita do chanceler russo, Sergei Lavrov a Zimbabué coincede com eleogios ao presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, com louvor, descrevendo-o como "uma lenda, uma figura histórica 'após os dois países selaram um projeto de mineração de platina em $ 3 bilhões (três bilhões de dólares). 

Lavrov está liderando uma delegação russa de alta potência para o Zimbabwe para testemunhar o arranque de uma mina de platina nos arredores de Harare. 

O projeto tem sido descrito como o maior investimento estrangeiro único no Zimbábue desde a independência. 

Lavrov disse que o lançamento do projeto de joint venture entre o Zimbabwe e a Rússia era a prova do compromisso do seu país para as suas relações com Harare. 

"Não há como voltar a um mundo unipolar, ou mundo bipolar", disse ele em uma alusão a relações tensas atuais da Rússia com o Ocidente, que reflectem as próprias relações frias de longa data do Zimbábue com os países ocidentais. 

"O futuro do mundo só pode ser multi-polar de outra forma o sistema mundial não seria sustentável, e a África é um dos pilares do sistema mundial em evolução. 

"A Rússia estará sempre com a África e hoje temos uma confirmação do presidente Mugabe, uma lenda, uma figura histórica, que o Zimbabué e África estará sempre com a Rússia", entusiasmou o ministro das Relações Exteriores russo. 

Reservas inexploradas 

A delegação russa encontrou-se com o presidente Mugabe em sua casa rural fora de Harare onde também se reuniram em defesa de Moscou na luta contra as sanções ocidentais. 

"Aqueles que impõem sanções ao [presidente russo Vladimir Putin] fizeram-nos bem", disse Mugabe. 

"Estes são os homens maus do nosso mundo que vão e agem em violação ao direito internacional, a imposição de sanções nunca aprovadas pelas Nações Unidas." 

O governo diz que os níveis de investimento no projeto platina chegariam a US $ 4,2 bilhões no próximos 10 anos. 

Zimbabwe tem as segundas maiores reservas de platina conhecidas no mundo depois da África do Sul, mas são em grande parte inexploradas. 

O acordo com a Rússia vem bem nos calcanhares da visita que o presidente fez à China no mês passado, onde assinou vários acordos lucrativos com investidores chineses para projetos de infraestrutura. 

A economia do Zimbabwe foi  considerda uma pirueta e os zimbabuanos aguardam para ver se os acordos de investimento a longo prazo que irão ajudar a resolver a crise econômica e doméstica.


# africareview.com

Total de visualizações de página