Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 19 de setembro de 2015

SENEGAL - ÚLTIMOS MINUTOS: O GENERAL GILBERT DIENDÉRÉ ACEITA DEVOLVER O PODER AO PRESIDENTE DERRUBADO, Michel Kafando.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Estamos caminhando para um acordo na crise no Burkina Faso. O General Gilbert Diendéré, autor do golpe que depôs o presidente da transição Burkinabé, Michel Kafando, finalmente concordou em devolver o poder a este último, depois de intensas negociações iniciadas pelo Presidente Macky Sall, o Presidente em exercício da CEDEAO, e o seu homólogo Yayi Boni, o Presidente de Benin. Ele também decidiu pela participação eleitoral de todos os partidos que tinham inicialmente apresentado candidatos, alguns dos quais, próximos ao ex-presidente Blaise Compaoré, que teriam sido descartados. Ele fez saber que após 72 horas de detenção, Michel Kafando, o presidente interino do Burkina e dois de seus ministros foram libertados por seus homens. O golpe foi fortemente denunciado por organismos internacionais, a França e a União Africana. Gilbert Diendéré vai fazer uma declaração importante nas próximas horas.

# Seneweb News - Seneweb.com

Os líderes africanos em novas conversações de mediação em Burkina Faso.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Thomas Yayi Boni do Benin (4º, à direita) e presidente senegalês, Macky Sall (5º, à direita), reúnem-se em um hotel com líderes da oposição do Burkina Faso e membros da sociedade civil neste sábado, 19 de setembro de 2015 em Ouagadougou. FOTO | AFP

Dois líderes africanos retomaram as conversas de mediação na capital do Burkina Faso, neste sábado, portanto, três dias depois do golpe de Estado que reacendeu a violência no estado conturbado do Sahel.

As tensões permaneceram elevadas na capital Ouagadougou, onde a maioria das lojas permaneceu fechada depois de um confronto na sexta-feira entre as tropas de elite e os manifestantes.

O presidente senegalês, Macky Sall, o atual Presidente da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), e o Presidente Thomas Yayi Boni do Benin, reuniram-se em um hotel com líderes da oposição e membros de grupos da sociedade civil.

Eles também foram para se reunir com o presidente interino do país, Michel Kafando, que foi sequestrado na quinta-feira e depois detido pelos líderes do golpe.

O Presidente Sall, falando após encontro com o líder do golpe, o General Gilbert Diendere, o ex-chefe de gabinete do presidente deposto Blaise Compaoré, que foi apelado na sexta-feira para a unidade.

"Temos de criar uma dinâmica de reconciliação nacional ... para permitir que o país se reposicione no seu caminho e em sua marcha para a democracia", disse o líder senegalês.

A ex-colônia francesa anteriormente denominado Alto Volta, e atualmente de Burkina Faso tem tido uma longa história de instabilidade desde que ganhou a independência em 1960.

O país estava se preparando para realizar eleições presidenciais e legislativas em 11 de outubro antes de ocorrer o golpe de quarta-feira.

Supõe-se que a eleição é para marcar o fim do governo de transição instalado após Compaoré - no poder desde 1987 - foi derrubado por um levante popular em outubro de 2014.

Suspensão da UA

O último golpe foi orquestrado por uma unidade de elite do exército leal a Compaoré, que afirma que Kafando estava excluindo os partidários de Compaoré de tomar parte na votação.

Durante a noite de sexta-feira, o General Diendere reiterou que ele estava agindo no interesse do país.

"Nós simplesmente queremos as propostas para as que as eleições decorram com serenidade e paz, e para os resultados não sejam incontestáveis", disse ele ao canal de televisão francês TV5 Monde.

A União Africana composta por 54 membros suspendeu o Burkina Faso e impôs uma proibição de viajar e o congelamento dos bens da junta.

"Todas as medidas tomadas por aqueles que tomaram o poder pela força em Burkina Faso são nulas e sem efeito", disse na sexta-feira embaixador da UA, o Ugandês Mull Katende.

Líderes do golpe sequestraram Kafando e dois ministros na sexta-feira, descrevendo a decisão como "um sinal de alívio de tensões", mas o primeiro-ministro Isaac Zida permanece sob prisão domiciliar.

Os militares também levantaram o toque de recolher e reabriram as fronteiras terrestres e aéreas que haviam sido fechadas depois da tomada do poder.

Seis pessoas foram mortas e pelo menos houve 13 feridos em confrontos, disse um médico no principal hospital de Ougadougou à AFP, nesta sexta-feira.

Como os dois mediadores africanos chegaram na sexta-feira, os membros do Regimento da elite da Segurança Presidencial (RSP), que lideraram o golpe disparando para o ar para dispersar manifestantes que tentavam marchar pela Praça da Revolução, o epicentro da revolta do ano passado contra Compaoré.

As casas de dois antigos aliados de Compaoré - o ex-prefeito de Ouagadougou Simon Compaoré, e Salif Diallo, que se juntaram a oposição em 2014 - foram saqueadas durante a noite de sexta-feira, um repórter da AFP viu.

Outros protestos foram realizados em várias outras cidades e vilas, incluindo Bobo-Dioulasso, a capital econômica do país e que é o local do levante contra Compaoré.

#africareview.com

Analistas pedem medidas firmes para pôr fim à tensão em Moçambique.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

É preciso obrigar o Governo e a RENAMO a encontrar "caminhos acertados" para pôr termo à tensão política, defendem especialistas, depois dos vários apelos para uma investigação sobre o ataque à comitiva de Dhlakama.

O líder da RENAMO, Afonso Dhlakama (esq.), encontrou-se com o Presidente Filipe Nyusi em fevereiro, em Maputo.

Missões diplomáticas acreditadas em Moçambique apelaram à realização de uma "investigação célere" do ataque contra uma coluna em que seguia o líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), Afonso Dhlakama. O epsiódio teve lugar no sábado (12.09) em Chibata, quando a comitiva regressava de um comício em Macossa e se encaminhava para Chimoio, capital de Manica.
A RENAMO atribuiu a emboscada a elementos da Unidade de Intervenção Rápida (UIR) das forças de defesa e segurança moçambicanas. A polícia negou o envolvimento no ataque. A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), partido no poder, classificou a emboscada como uma "simulação" do maior partido da oposição.
Os apelos das missões diplomáticas acreditadas em Moçambique são fundamentais para a solução rápida da tensão política que o país vive, defendem analistas, que, no entanto, divergem quanto aos resultados destas exigências.
Por um lado, receia-se que, devido à complexidade do problema e a escassez de fontes que permitam o apuramento da veracidade do ocorrido o assunto termine em meras trocas de acusações.
Apelos não chegam
As acções da comunidade internacional perante a tensão política que Moçambique vive são "demasiado suaves", considera Domingos do Rosário, do Departamento de Ciências Políticas da Universidade Eduardo Mondlane. "Se a situação chegou onde está hoje, eles também são responsáveis. Porque tinham muitas formas de travar a maneira como este país foi governado durante muito tempo. Eles bateram palmas porque também beneficiavam desse clientelismo", critica.
O académico defende que, mais do que simples apelos, a comunidade internacional deve encontrar caminhos para influenciar os atores políticos, com vista a ultrapassar o principal problema: a exclusão social e económica que ainda prevalece no país.
"Essa solução passa por a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) e a RENAMO sentarem-se e falarem seriamente", sugere. "Como disse o porta-voz da FRELIMO, como é que dentro da própria FRELIMO há dois movimentos contraditórios? Não há reconciliação nacional porque a reconciliação nacional não é um discurso, é uma prática".
O analista Egídio Vaz acredita que o Governo, liderado pela FRELIMO, dará ouvidos à chamada de atenção dos diplomatas e de todas as vozes que se levantam contra a intolerância política e a guerra no país. "É um apelo direto ao Governo, mas também um apelo indireto à RENAMO para que, dentro das suas possibilidades e a todo o custo, continue a preservar a paz e que cinjam o jogo democrático dentro do quadro legal".
Encontro entre Nyusi e Dhlakama
Dércio Alfazema, do Instituto para a Promoção da Democracia, acredita também que o Governo irá ceder à pressão das missões diplomáticas acreditadas em Moçambique, mas sugere uma intervenção mais firme de toda a sociedade para pôr termo a esta instabilidade.
Joaquim Chissano (esq.) e Afonso Dhlakama assinaram o Acordo Geral de Paz a 4 de outubro de 1992
"Perante a situação que estamos a viver, não precisamos de culpados. Precisamos é de soluções, de encontrar saídas. E ninguém melhor do que os dois que estão diretamente envolvidos nisso para trazer esta solução e buscar algum tipo de consenso", sublinha o especialista.
O encontro entre o Presidente da República, Filipe Nyusi, e o líder da RENAMO, Afonso Dhlakama, continua a ser a porta para a solução desta instabilidade, sublinham os analistas.
O ex-chefe de Estado moçambicano Joaquim Chissano já se mostrou disponível para mediar um encontro entre os dirigentes políticos, a quem apela para que aprendam a gerir conflitos. Em 1992, em Roma, Chissano assinou com Dhlakama o Acordo Geral de Paz que pôs termo a 16 anos de guerra civil em Moçambique.
#dw.de

Chegará a Cuba o papa Francisco.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O papa Francisco, Sumo Pontífice da Igreja Católica e chefe de Estado da Cidade do Vaticano, chegará a Cuba, no sábado, 19 de setembro, para iniciar uma visita apostólica ao nosso país, a qual se estenderá até 22 de setembro.



O papa Francisco, Sumo Pontífice da Igreja Católica e chefe de Estado da Cidade do Vaticano, chegará a Cuba, no sábado, 19 de setembro, para iniciar uma visita apostólica ao nosso país, a qual se estenderá até 22 de setembro.
Sua Santidade realizará uma visita de cortesia ao presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Raúl Castro Ruz e cumprirá um programa de atividades pastorais em Havana, Holguín e Santiago de Cuba.

Videomensagem de Sua Santidade Francisco ao povo de Cuba.

Photo: Internet

"Vou visitá-los para compartilhar a fé e a esperança, para que nos fortaleçamos mutuamente no acompanhamento de Jesus", expressou o Sumo Pontífice em sua mensagem ao povo.
Queridos irmãos:
Faltam já poucos dias para minha viagem a Cuba.
Com este motivo desejo enviar-lhes uma saudação fraternal antes de encontrarmo-nos pessoalmente.
Vou visitá-los para compartilhar a fé e a esperança, para que nos fortaleçamos mutuamente no acompanhamento de Jesus. Faz-me muito bem e me ajuda muito pensar em sua fidelidade ao Senhor, no ânimo com que enfrentam as dificuldades de cada dia, no amor com que se ajudam e sustentam no caminho da vida. Obrigado por esse testemunho tão valioso.
Da minha parte, quero transmitir-lhes uma mensagem muito simples, mas penso que é importante e necessária. Jesus quer muito vocês a sério. Ele leva vocês sempre no coração. Ele sabe melhor que ninguém o que cada pessoa necessita, o que anseia, qual é seu desejo mais profundo, como é nosso coração e Ele nunca nos abandona, e quando não nos comportamos como Ele espera, sempre fica ao nosso lado, disposto a acolher-nos, a confortar-nos, a dar-nos uma nova esperança, uma nova oportunidade, uma nova vida. Ele nunca parte, Ele está sempre aí.
Sei que vocês se estão prontificando para esta visita com uma oração, agradeço isso infinitamente. Necessitamos orar, necessitamos a oração, esse contato com Jesus e com Maria, e sinto uma alegria imensa que seguindo o conselho dos meus irmãos bispos de Cuba estejam repetindo muitas vezes ao dia essa oração que aprendemos quando crianças: “Sagrado Coração de Jesus, fazei meu coração semelhante ao teu”. É bonito ter um coração como o de Jesus, para saber amar como Ele, perdoar, dar esperança, acompanhar.
Quero estar entre vocês como missionário da misericórdia, da ternura de Deus. Mas permitam-me que os anime também a que vocês sejam missionários desse amor infinito de Deus, que não falte a ninguém o testemunho de nossa fé, de nosso amor; que todo mundo saiba que Deus sempre perdoa, que Deus sempre está de nosso lado, que Deus nos quer.
Vou ir também ao Santuário da Virgem do Cobre como mais um peregrino, como um filho que está desejando chegar à casa da mãe. A Ela confio esta viagem e também a confio a todos os cubanos.
E por favor, lhes peço para orarem por mim, que Jesus os abençoe e a Virgem Santa os cuide.
#granma.cu

Burkina Faso: A UA suspende o Burkina Faso, dando uma tapa com sanções à junta golpista.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O General Gilbert Diendere (à direita) fala com Ibn Chambas Mohamed no (centro), o representante especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para a África Ocidental, e Kadre Desire Ouedraogo, presidente da Comissão da CEDEAO, em Ouagadougou em 18 de Setembro de 2015. FOTO | AFP

A União Africana suspende o Burkina Faso e impôs sanções aos líderes do golpe militar, os soldados que tentaram parar os manifestantes que estavam a marchar na Praça da Revolução, na capital.

O bloco composto de 54 países membros também impôs a proibição de viajar e o congelamento de bens dos líderes da junta, o representante do Uganda denunciou o seqüestro de líderes interinos do Burkina nesta quarta-feira como um ato "terrorista".

O último golpe foi orquestrado por uma unidade de elite do exército leais ao presidente deposto Blaise Compaoré que afirmou que o presidente interino Michel Kafando estava excluindo os partidários de Compaoré às próximas eleições de 11 de outubro.

"Todas as medidas tomadas por aqueles que tomaram o poder pela força em Burkina Faso são nulas e sem efeito", disse o Ugandês Mull Katende embaixador da União Africana.

A forte reação União Africana veio dos presidentes: senegalês, Macky Sall, Presidente da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (Ecowas), do Benin, o Presidente Thomas Yayi Boni  que reuniram com o líder do golpe, o General Gilbert Diendere - o ex-chefe de pessoal de Compaoré - em Ouagadougou.

"Temos de criar uma dinâmica de reconciliação nacional ... para permitir que o país se reposicione no seu caminho e em sua marcha para a democracia", disse Sall nesta sexta à noite.

General Dienderé, entretanto, disse mais tarde que, por enquanto as conversações são "frutíferas", mas nada ainda tinha sido acordado.

"Eu prefiro não ficar à frente da linguana na água, porque nada foi decidido até o momento", disse ele, usando uma expressão local.

Com um par de líderes que chegaram a liderar os membros da elite de Segurança Presidencial  do Regimento de Compaoré (RSP) no golpe com disparos para o ar para dispersar manifestantes que tentavam marchar na Praça da Revolução, o epicentro da revolta popular que derrubou Compaoré em outubro 2014 .

Campaoré foi forçado a fugir do país depois de tentar estender seu governo de 27 anos sobre a nação da África Ocidental empobrecido.

Espátulas e vassouras

Os líderes do golpe disseram que o afastamento do Presidente Kafando e de dois ministros na Sexta-feira -  era "um sinal de aliviar as tensões" - mas o primeiro-ministro Isaac Zida, um ex-oficial da RSP, permanece sob prisão domiciliar.

Protestos anti-golpe se espalharam para várias cidades e vilas. Na capital econômica do país Bobo-Dioulasso, as mulheres se reuniram na sexta-feira segurando espátulas e vassouras - símbolos da Balai Citoyen, o movimento na vanguarda dos protestos anti-Compaoré do ano passado - que mostrou que eles queriam limpar o jogo político no país .

O Burkina Faso estava se preparando para realizar sua primeira eleição em décadas de independência antes do último golpe que jogou a democracia nascente em turbulência.

A comunidade internacional condenou unanimemente o golpe, com a ONU, a UA, União Europeia, Ecowas, os Estados Unidos, e a ex-potência colonial a França denunciando a junta.

Grupos que se opõem à Compaoré na sexta-feira exigiram a restauração das autoridades de transição e pediram que as eleições tenham lugar em Outubro como planejado.

As partes, lideradas pelo ex-favorito Roch Marc Christian Kaboré as presidenciais, apelou a uma campanha de desobediência civil e um fim imediato à "opressão brutal e assassina" dos líderes do golpe.

Em Ouagadougou havia menos carros na estrada nesta sexta-feira do que é habitual, com algumas lojas fechadas. Confrontos entre forças golpistas e manifestantes desde quarta-feira deixaram pelo menos seis mortos, segundo fontes hospitalares, com três pessoas mortas na sexta-feira.

Os militares tinham anunciado anteriormente um toque de recolher e fecharam as fronteiras terrestres e aéreas, reabrindo-as na sexta-feira à tarde.

Orquestração

Muitos dos cidadãos do país têm desafiado as regras, no entanto, os residentes de Bobo-Dioulasso ainda está fazendo o seu caminho lotando as tabernas locais para discutir as últimas notícias, e para beber.

"Nós já não estamos mais trabalhando, então não temos mais dinheiro", disse Abbas Traoré, um eletricista.

"O pouco que tenho é para Tchapalo", acrescentou, referindo-se a um tipo de cerveja local.

O Chefe do Golpe, o General Dienderé negou que o golpe foi orquestrado por Compaoré, cujo paradeiro é desconhecido.

Mas os analistas têm dúvidas sobre sugestões de que Compaoré poderia estar completamente inconsciente dos planos para assumir o poder por parte do seu antigo assessor.

"É uma pergunta que não posso responder - porque, por definição, Blaise Compaoré nunca fala", disse Rinaldo Depagne, analista do International Crisis Group com sede em Dakar.

"Mas é difícil imaginar que Blaise Compaoré fosse inconsciente de um projeto que foi tão meticulosamente preparado."

O General Dienderé tem insistido de que ele está comprometido com a realização de eleições, dizendo na quinta-feira à noite que : "Nós não temos a intenção de arrastar isso, nós não pretendemos ficar."

As eleições presidenciais e legislativas previstas para outubro como foi suposto era para marcar o fim do governo de transição instalado após Compaoré ter sido derrubado.

"Considerações a Blaise" - ele havia governado o país desde que assumiu o poder em um golpe em 1987, que terminou com a morte misteriosa do presidente Thomas Sankara, ainda visto por muitos na África Ocidental como um herói revolucionário.

(AFP)

Total de visualizações de página