Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Angola avisa que não vai ceder a "ingerências" estrangeiras.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Coube ao vice-presidente substituir o Presidente José Eduardo dos Santos na leitura do discurso à nação. A prisão dos ativistas não mereceu destaque, mas ficaram as críticas a quem procura "atalhos para chegar ao poder".

Manuel Domingos Vicente, vice-presidente de Angola

Ao discursar perante o Parlamento, em nome de José Eduardo dos Santos, o vice-presidente da República, Manuel Domingos Vicente começou por fazer uma incursão da luta de libertação nacional e do conflito armado terminado em 2002.
Por outro lado, numa referência indireta ao caso dos jovens ativistas detidos sob a alegação de tentativa de golpe de Estado, afirmou que será combatida energicamente qualquer tentativa de resolver os problemas políticos pela via da violência e das armas. "Não vale a pena procurarmos atalhos para chegar ao poder político, violando a Constituição e a lei, e provocando a desordem, como está a ocorrer em alguns países africanos", disse Manuel Vicente.
Presidente José Eduardo dos Santos
O número dois do Governo disse que politicamente o país observa um momento estável e que as autoridades governamentais têm respeitado e fazem respeitar as leis. "As entidades competentes estão vigilantes e tem tomado as previdências necessárias para se evitarem ou repararem todos os atos que significam abusos do poder e violação dos direitos humanos", frisou.
Angola "não permite" interferências
No discurso que marca o arranque do novo ano parlamentar, a comunidade internacional volta a ser alertada que Angola não irá permitir qualquer ingerência externa nos assuntos do país. O chefe de Estado aponta para a existência de "entidades estrangeiras interessadas em instalar o caos e a desordem em alguns países do continente, para provocar a queda de partidos políticos ou de dirigentes com os quais não se simpatiza".
Angola enfrenta uma crise financeira devido à forte quebra da cotação do petróleo no mercado internacional
"Os angolanos nunca vão ceder diante de quem quer que seja, sempre que se tratar da defesa dos seus interesses essenciais e vitais. Assim, é fundamental que o nosso povo se mantenha unido e coeso", disse Manuel Vicente, ao ler o discurso de José Eduardo dos Santos, no poder desde 1979.
Relativamente à atual crise financeira que o país enfrenta devido à forte quebra da cotação do petróleo no mercado internacional, o que provocou também uma crise cambial devido à redução da entrada de divisas no país, Manuel Vicente recomendou contenção de custos. "Todas as economias têm ciclos altos e baixos. A boa notícia é que não haverá recessão mas apenas uma ligeira desaceleração do crescimento da economia sendo essa uma boa base de trabalho para o próximo ano".
Na atual conjuntura, acrescentou o vice-presidente, temos de fazer mais e melhor e com menos. Isso significa que temos de alterar modelos e práticas de mobilização e utilização de recursos. Na verdade, o Estado, as empresas, as famílias e a sociedade civil, todos temos de eliminar o desperdício e o supérfluo. Todos temos de trabalhar mais e melhor".
UNITA critica discurso "vazio"
Lider parlamentar da UNITA, Raúl Danda
Reagundo ao discurso sobre o estado da nação, Raúl Danda, o presidente da bancada parlamentar da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o maior partido da oposição angolana, considerou o discurso "vazio" e aquém das expectativas. E acrescentou que o Presidente da República fez muito bem em não ter comparecido no Parlamento.
"Ir ao Parlamento pessoalmente para fazer uma mensagem daquelas era complicado. Há situações graves de violação dos direitos humanos que fazem com que a imagem do nosso país seja gravemente afetada tanto internamente como exteriormente", disse Danda à DW África.
O líder da bancada parlamentar da UNITA disse ainda ser um paradoxo afirmar que o país vive em estabilidade política, quando recorrentemente são violados os direitos humanos e o país vive constantemente sob o fantasma de um golpe de Estado. É preciso deixar de "utilizar o argumento de bode expiatório", defende Danda. "Há sempre alguém culpado dos problemas que não se resolvem no nosso país. Agora até apontam o dedo acusador para a comunidade internacional".
Quanto à contenção dos gastos públicos para contornar a atual situação económica e financeira, Raúl Danda afirma que José Eduardo dos Santos devia começar pelo "emagrecimento do Governo" e acabar com gastos supérfluos como, por exemplo, a compra de uma aeronave no valor de mais de 62 milhões de dólares.
"Nós podemos ter dois ministros, um da Economia e outro das Finanças? Um só ministro pode ocupar-se dessas duas pastas. Podíamos ter um ministro que se ocupasse do comércio; da hotelaria e do turismo para emagrecer o governo e poupar nas despesas", sugere.
#dw.de

Comentarista que dizia ser ex-agente da CIA é preso por fraude nos EUA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O americano Wayne Simmons, que colaborava com a Fox News, mentia sobre ter trabalhado na agência por 27 anos.
Wayne Simmons
Wayne Simmons(Fox News/Reprodução) 

Comentarista do canal Fox News, Wayne Simmons costumava se apresentar como ex-agente da CIA, a mais célebre agência de inteligência dos Estados Unidos. Dizia ter liderado operações secretas contra alguns dos mais perigosos cartéis de drogas e contrabandistas do mundo durante seus 27 anos de serviço. A informação consta em seu site pessoal e foi usada, inclusive, em documentos oficiais que ele enviou ao governo americano. Por suas realizações, Simmons era um dos especialistas em terrorismo consultados pelo canal de notícias da rede Fox desde 2002 e chegou a ser contratado pelo governo americano para prestar consultoria militar. De acordo com o Ministério Público dos EUA, porém, Wayne Simmons é uma fraude. 
O homem de 62 anos que alegava ter trabalhado na CIA de 1973 a 2000 como "paramilitar de grupos de operações especiais no exterior" foi preso nesta quinta-feira. Ele usou suas supostas qualificações como especialista em terrorismo para tentar obter autorizações de segurança do governo americano e trabalhar como consultor de defesa militar no exterior. Simmons deu palestras sobre o assunto e publicou ainda um livro de ficção sobre espionagem em 2012 que, dizia ele, havia sido inspirado em suas experiências profissionais. 
A investigação que desmascarou o 'especialista' é baseada, principalmente, nas mentiras de Simmons em documentos oficias do governo, que ele preencheu quando buscava empregos e licenças de segurança especiais. O processo também alega que Simmons fraudou uma vítima em cerca de 125.000 dólares, ou mais de 475.000 reais, com um investimento imobiliário falso, mas não foram divulgados detalhes sobre o caso. A CIA informou que está trabalhando com o Departamento de Justiça americano para esclarecer o caso. 
Detido, Simmons vai responder acusações pelas falsas declarações ao governo, fraude contra os Estados Unidos e fraude eletrônica, informou a agência Reuters.
#veja.com.br

Eleições em Burkina Faso confirmadas para 29 de novembro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente interino do Burkina Faso Michel Kafando fez uma declaração à imprensa no Ministério dos Negócios Estrangeiros em Uagadugu em 23 de setembro de 2015. Eleições presidenciais e parlamentares serão realizadas em 29 de novembro. FOTO AFP | SIA KAMBOU

Governo interino do Burkina Faso confirmou nesta quarta-feira que as eleições presidenciais e legislativas, inicialmente marcadas para outubro, mas que foram adiadas por um golpe fracassado, mas que irá adiante em 29 de novembro.

O governo confirmou a data acordada na terça-feira com as principais facções políticas para as eleições, que foram marcadas para 11 de Outubro, mas que em seguida voltou à tona após um breve golpe de Estado no mês passado.

As pesquisas apontam a iniciativa como um passo fundamental no percurso do país da África Ocidental para a democracia, um ano após a expulsão de seu líder de longa data Blaise Compaoré em um levante popular.

Aos eleitores serão apresentadas duas cédulas - uma para escolher os membros do parlamento, a outra para escolher entre 14 candidatos que concorrem no primeiro turno a eleição presidencial.

Membros da guarda presidencial leais ao Sr. Compaoré anunciaram o golpe de Estado em 17 de setembro, levando o país à beira do caos durante seis dias antes do golpe desmoronar com seus líderes a admitir que faltava apoio popular.

Uma de suas exigências era que a proibição de legalistas Compaoré correndo para o escritório ser levantada.

A guarda presidencial já foi desarmado e formalmente dissolvido.

Sr. Compaoré foi deposto por uma campanha de protestos de rua no ano passado, após a tentativa de estender seus 27 anos no poder.

Um número de seus assessores próximos e simpatizantes foram presos sobre a tentativa de golpe, que deixou 14 mortos e dezenas de pessoas que ficaram feridas.

logo cedo na quarta-feira, a Anistia Internacional disse que não poderia haver impunidade para os oficiais da guarda presidencial que "expuseram o desprezo a sangue-frio para a vida humana" e dispararam contra civis desarmados e mortos, incluindo crianças, na sequência do golpe de Estado.

Citando testemunhas oculares, o grupo de direitos humanos disse que em várias ocasiões soldados abriram fogo sem aviso aos manifestantes que mantinham suas mãos no ar.

Ele disse que duas crianças estavam entre os 14 mortos, seis dos quais levaram tiros nas costas.

Entre as 271 pessoas feridas na violência de pós-golpe citou-se uma mulher grávida que foi baleada no estômago e teve que ter um parto de cesariana, disse o grupo.

A parteira disse à Amnistia que o filho da mulher "nasceu com uma ferida de bala na nádega esquerda".

#africareview.com

Benin lamenta a morte do seu ex-presidente Mathieu Kerekou.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Mathieu Kerekou chegou ao poder pela segunda vez, depois de vencer a eleição de 1996. FOTO | BBC.

O ex-presidente do Benin Mathieu Kerekou morreu em Cotonou aos 82 anos após uma longa doença.
Nascido em 2 de setembro de 1933, ele se tornou o general militar comunista que tomou o poder e governou o país na África Ocidental, de 26 de outubro de 1972 a 04 de abril de 1991.
Na sequência de protestos populares relacionados com a queda do Muro de Berlim, o Sr. Kerekou renunciou a ideologia marxista-leninista em 1989.
O líder que morreu no dia 14 de outubro de 2015 tornou-se o primeiro presidente Africano a permitir a política multipartidária sob pressão da população civil.
Em 1990, ele organizou a primeira conferência de unidade nacional para dar ao país uma constituição e decretar eleições livres.
Quando o Sr. Kerekou perdeu a eleição presidencial para Nicephore Soglo em 1991, ele entregou o poder a ele. Essa foi a primeira verificada na época.
O Cameleão, como ele preferia ser chamado, mais tarde, venceu as eleições democráticas em 4 de Abril de 1996, e governou até março de 2001, quando ele deixou a política devido à idade avançada.
Seu sucessor e atual presidente Yayi Boni declarou um luto de uma semana para o final do estadista.

#africareview.com

Total de visualizações de página