Postagem em destaque

A tensão está aumentando perigosamente entre a RDC e Ruanda.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo da República Democrática do Congo (RDC) declarou que o tir...

terça-feira, 25 de agosto de 2015

África Review: Amilcar Cabral, o fator ausente na turbulência da Guiné-Bissau.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Amilcar Cabral, o pai e fundador da Guiné-Bissau.

Legisladores na Guiné-Bissau votaram esta semana para derrubar recém-nomeado primeiro-ministro Baciro Djá, o que pode ser considerado como a criação do impasse potencial com o Presidente José Mário Vaz.

Os dois homens pertencem ao Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), mas os deputados se uniram atrás de Domingos Simões Pereira, o homem demitido  recentemente como PM pelo Presidente José Mário Vaz.

Este é apenas o mais recente desenvolvimento em uma novela política de longa data neste pequeno país da África Ocidental, com uma população de menos de dois milhões de pessoas. A instabilidade política, a corrupção e o nepotismo têm permitido o país ser classificado como primeiro narco-estado da África, sob a influência considerável de gangues que deslocavam drogas da América Latina para a Europa e América.

A crise atual tem seguido um padrão de tudo muito familiar na Guiné-Bissau, muitas vezes culminando em um golpe de Estado e contra-golpes. Cerca de uma dúzia de tais cenários ocorreram na Guiné-Bissau desde a independência de Portugal em 10 de Setembro de 1974. Na verdade, nenhum líder eleito conseguiu exercer o mandato completo de cinco anos no cargo.

Essa instabilidade pode ser rastreada até o assassinato de Amílcar Lopes Cabral, o fundador da nacionalidade, por agentes portugueses em 20 de Janeiro de 1973, em Conakry, a capital da vizinha Guiné. O incidente provocou tensões entre Conakry e Lisboa, culminando em uma invasão liderada pelos Portugueses a Guiné e cujas tropas foram reduzidas a cinzas pelo falecido Ahmed Sékou Touré.

O Engenheiro agrônomo pela Universidade de Lisboa, Cabral, como muitos fundadores  de países africanos, era um intelectual, um homem de convicção, carismático e patriótico. É possível que Cabral teria guiado o país à Independência e governo civil a maneira como seus contemporâneos fizeram, como Nkrumah no Gana, Senghor no Senegal ou Kenyatta no Quênia.

No entanto, o papel dos militares em derrubar o governo colonial Português conduzindo-o a um pedestal na política pós-independência que tem sido relutante no que tange o desenvolvimento.

O novo país também herdou uma cultura política de golpe seguindo do Português; que foi o regime revolucionário de esquerda no golpe militar de Lisboa em abril de 1974 que proporcionou formalmente a independência da Guiné-Bissau que tinha sido declarada unilateralmente no ano anterior.

Luis Cabral, o meio-irmão de Amílcar, e cujos pais vieram de Cabo Verde, tornou-se o primeiro presidente do país em 10 de setembro de 1974. Seis anos mais tarde, seu chefe do Exército, o general João Bernardo Vieira de cognome 'Nino' ​​realizou o primeiro de muitos golpes militares que se seguiram pelo país.

Luís Cabral foi detido por 13 meses antes de fugir para o exílio em Portugal, onde viveu até sua morte em 2009.

Nino acusava Luis Cabral e outros membros do PAIGC de serem de origem cabo-verdiana e de dominar o partido e, posteriormente, acabou com o plano nacionalista de Amílcar Cabral da unificação de Guiné com Cabo Verde.

Ele exerceu o poder até 1990, quando o Parlamento instituiu um sistema multi-partidário, e ganhou a primeira eleição presidencial no país em 1994, mas foi logo derrubado por um golpe em 1999, um ano depois de demitir o chefe do Exército, o general Anssumane Mané por supostamente apoiar os rebeldes separatistas de Casamance no sul do Senegal.

Tráfico de drogas

Nino solicitou ajuda militar ao Senegal para apoiá-lo contra as tropas leais ao general Mané, mas o exército da Guiné-Bissau se levantou contra as tropas estrangeiras, que foram forçadas a sair através de uma guerra civil que se seguiu. Estima-se que 2.000 pessoas foram mortas nos combates, o pior conflito armado que o país tinha conhecido desde a independência.

O General Mané foi assassinado em 2001 após ser acusado de uma tentativa de golpe contra o primeiro presidente civil, Dr. Kumba Yala, mas o líder eleito durou apenas mais dois anos, antes que ele fosse deposto em 14 de setembro de 2003 pelo General Veríssimo Correia Seabra, faltando dois anos para o fim de seu mandato de cinco anos.

Pouco antes dele ser derrubado, o presidente Yala demitiu quatro juízes do Supremo Tribunal que provocou um protesto no âmbito nacional e de longa duração. Ele também estava em desacordo com seu primeiro-ministro e com o exército que não tinha sido pago durante vários meses. Sem surpresa, sua queda ou expulsão gerou pouco clamor localmente ou no exterior.

Um relatório encomendado pela CIA disse que "os partidos da oposição alegaram que o presidente Yala foi a montagem de um golpe de Estado institucional através de sua dissolução no parlamento, o controlo do poder judicial e as detenções arbitrárias e assédio da mídia".

Pouco antes do golpe, a Comissão Nacional de Eleições tinha adiado as eleições parlamentares - pela quinta vez - citando irregularidades no registo eleitoral.

Nino retornou ao país e em 2005 ganhou na segunda rodada de votação presidencial como candidato independente. Ele começou a aquecer a adulação de seus colegas do exército que usaram o seu retorno ao poder para lucrar em cima de tráfico de drogas.

Do dia para noite, veículos 4x4 de luxo e mansões começaram a aparecer neste país muito pobre, com um PIB per capita de $ 598 dólares. Nino tentou jogar contra a comunidade internacional por não permitir que o comércio de drogas florescesse. Em outubro de 2006, por exemplo, enquanto ele apelou para a ajuda internacional para parar os traficantes de usarem pessoas  na remota travessia da costa da Guiné-Bissau, a ONU e o FMI advertiram o regime de Vieira que os doadores dariam ao país "uma última oportunidade" para salvar o país do caos e dos cartéis da droga latino-americanos.

Era tarde demais. Nino foi posteriormente assassinado em sua residência em Março de 2009, juntamente com um outro alto escalão militar, incluindo Chefe do Exército do Estado-Maior, o general Tagme Na Waie, sobre o que se acredita ter sido uma briga sobre a partilha dos despojos de tráfico de drogas.

#africareview.com

Total de visualizações de página