Postagem em destaque

Veículo robótico russo pode destruir facilmente tanques de Leopard e Abrams.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... A versão de combate do veículo robótico russo Marker será capaz de d...

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

FMI disponível para apoiar novo governo guineense.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O Fundo Monetário Internacional (FMI) «está disponível para apoiar o novo governo da Guiné-Bissau», disse, em Bissau, o representante do FMI no país, Oscar Edgardo Melhado Orellana.

No final de uma audiência com Cipriano Cassamá, presidente da Assembleia Nacional (Parlamento), o representante do FMI realçou o papel importante que o Parlamento pode desempenhar no desenvolvimento económico, «através da criação de mecanismos que garantam que as receitas públicas, nomeadamente as provenientes das pescas e da exportação de caju, sejam encaminhadas para o Tesouro».

Por fim, Oscar Edgardo Melhado Orellana afirmou «ser este o momento exato para reencaminhar a Guiné-Bissau no trilho do desenvolvimento económico».

#abola.pt

ONU disponível para retomar programas de cooperação com Guiné-Bissau.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O representante das Nações Unidas na Guiné-Bissau, Miguel Trovoada, anunciou hoje ao novo primeiro-ministro do país, a disponibilidade da sua organização em retomar "todos os programas" de cooperação com Bissau.
null
O responsável transmitiu esta indicação ao primeiro-ministro guineense, Carlos Correia, com quem manteve hoje uma audiência para lhe cumprimentar pela sua indigitação ao cargo mas também para reafirmar a disponibilidade da ONU para retomar os programas de cooperação.
O governo de Carlos Correia foi empossado no passado dia 13, após mais de dois meses de impasse político que deixou a Guiné-Bissau sem executivo.
A saída da audiência e em declarações aos jornalistas, o antigo Presidente de São Tomé e Príncipe disse ter aproveitado o encontro com Carlos Correia para lhe "manifestar toda a disponibilidade" para retomar os programas e projetos que as Nações Unidas vêm desenvolvendo com o Governo da Guiné-Bissau.
O representante especial do secretário-geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau lembrou que a sua instituição tem estado a apoiar, a nível político, as autoridades guineenses em ações de reformas dos setores da Defesa e Segurança, da Justiça, bem como em todo o aparelho do Estado, e também ao nível de programas específicos de desenvolvimento através das agências da ONU.
"Estamos a aguardar que o Governo nos diga em que domínio e em que momento é que nós devemos atuar", observou Miguel Trovoada.
MB // EL
Lusa/Fim

JUSTIÇA? ONDE? EM ANGOLA, NÃO!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

luaty-beirão-angola

O advogado de Luaty Beirão, sob detenção e em greve de fome há 33 dias em Luanda, admitiu hoje que a Justiça do regime terá responsabilidade no que acontecer ao activista angolano, pela morosidade com que o processo está a ser tratado.

está a ser tratado.

Em entrevista à Lusa, em Luanda, Luís Nascimento apontou em concreto o facto de o Tribunal Supremo estar para decidir, há 22 dias, um pedido de ‘habeas corpus’ para libertação dos 15 jovens activistas acusados de preparação de uma rebelião e de um atentado contra o Presidente angolano – incluindo Luaty Beirão -, alegando excesso de prisão preventiva.
O advogado, que juntamente com o colega Walter Tondela defende 13 dos 17 arguidos neste processo – duas jovens estão em liberdade provisória -, recorda tratar-se do segundo ‘habeas corpus’ (o primeiro foi indeferido) interposto, recurso que, contrariamente a prazos de oito dias noutros países, não tem tempo limite de decisão em Angola.
“O processo ['habeas corpus'] é célere, mas não tem prazos. Preocupa-nos sobretudo pelo estado do Luaty, e a sua greve de fome, porque contámos muito que uma decisão do Tribunal Supremo possa beneficiar a sua situação, paralisar a sua greve de fome. Os médicos dizem que ele está estável, mas que de um momento para o outro pode acontecer uma desgraça”, apontou Luís Nascimento.
Luaty Beirão, de 33 anos e que também tem nacionalidade portuguesa, está em greve de fome, internado sob detenção (os guardas prisionais estão dentro do próprio quarto) numa clínica privada de Luanda, para onde foi transferido pelos Serviços Prisionais por precaução. Exige aguardar julgamento em liberdade ou que a prisão preventiva seja devidamente fundamentada.
Além da ausência de decisão sobre o segundo ‘habeas corpus’, que deu entrada a 30 de Setembro e que foi esta quinta-feira alvo de nova exposição dos advogados ao presidente do Supremo – alegam o excesso de prisão preventiva e que o crime de que estão acusados permite a liberdade provisória, eventualmente com o pagamento de caução -, Luís Nascimento aponta a morosidade do Tribunal Constitucional (TC) do regime.
Em causa, explicou, está o recurso do indeferimento (pelo Supremo) do primeiro ‘habeas corpus’ para o TC, em que o juiz despachou com data de 8 de Outubro no sentido de a defesa apresentar, em dez dias, as alegações, mas a decisão só foi comunicada aos advogados ao fim de 11 dias.
“Nesta situação, que é conhecida de todos, de greve de fome, infelizmente tenho de dizer que a Justiça tem responsabilidades [no que acontecer a Luaty Beirão]. Não se justifica tanto tempo, na mesma cidade, o escritório fica a passos, há meios de comunicação. Não podemos dizer que não há responsabilidades”, afirmou Luís Nascimento, assumindo a “pressão legítima” que tentam fazer para que “se decida alguma coisa” nos dois tribunais de recurso.
Essas alegações foram feitas somente esta quinta-feira, por escrito, pela defesa.
Os restantes 14 activistas em prisão preventiva estão concentrados, desde domingo, no hospital-prisão de São Paulo.
Em causa está uma operação policial desencadeada a 20 de Junho de 2015, quando 13 activistas angolanos foram detidos em Luanda, em flagrante delito, durante a sexta reunião semanal de um curso de formação de activistas, para promover posteriormente a destituição do actual regime, diz a acusação.
Outros dois jovens foram detidos dias depois e permanecem também em prisão preventiva.
Foram todos acusados – entre outros crimes menores – da co-autoria material de um crime de actos preparatórios para uma rebelião e para um atentado contra o Presidente de Angola, no âmbito desse curso de formação, que decorria desde Maio.
Segundo a acusação, reuniam-se aos sábados para discutir as estratégias e ensinamentos da obra “Ferramentas para destruir o ditador e evitar uma nova ditadura, filosofia da libertação para Angola”, do professor universitário Domingos da Cruz – um dos arguidos detidos -, adaptado do livro “From Dictatorship to Democracy”, do norte-americano Gene Sharp.
#http://jornalf8.net/


55 mortos em ataques do Boko Haram na Nigéria.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...





















Duas explosões destruíram duas mesquitas no nordeste da Nigéria, matando pelo menos 55
pessoas e deixando mais de 100 feridos, além de ter ocorrido outro ataque numa cidade dos Camarões, todos atribuídos ao grupo Boko Haram. Os ataques em Maiduguri, Yola (Nigéria) e Kerawa (Camarões) demonstram a ameaça nacional e regional que representam os radicais islâmicos do Boko Haram, apesar das vitórias reivindicadas pelos militares sobre o grupo rebelde. O primeiro ataque aconteceu em Maiduguri, pouco depois das 05h00 locais (mesma hora em Lisboa), na região de Jidari, no estado de Borno, onde nasceu o Boko Haram em 2002. Vinte e oito pessoas morreram, além dos dois bombistas, e outras 20 pessoas ficaram feridas, segundo um civil que estava no local. A agência nacional de gestão de emergências (NEMA) reportou seis mortos e 17 feridos, enquanto fontes hospitalares falam em 19 mortos. Pelo menos 27 morreram esta sexta-feira na explosão de uma bomba numa mesquita recém-inaugurada em Yola, no nordeste da Nigéria, informou a agência de gestão de emergência nacional (NEMA). A explosão aconteceu por volta das 14h00 locais (mesma hora em Lisboa), na mesquita de Jambutu Jumaat, na cidade de Jimeta, logo após o imã ter terminado o seu sermão inaugural.

Ocorreu outro ataque numa cidade dos Camarões.


#correiodamanha.pt

Total de visualizações de página