Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Senegal: Redistribuição de forças francesas na África - "Senegal irá desempenhar um papel estratégico no novo sistema", segundo Jean-Yves Le Drian.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Le Drian et Macky Sall

De passagem, ontem, no Senegal como parte de uma turnê da África Ocidental, o ministro da Defesa francês, Jean -Yves Le Drian, anunciou que a França adoptou um novo organograma de suas forças na África, o que dará um importante papel estratégico aos elementos franceses presentes no Senegal.

No novo esquema de organização das forças francesas na África, o Senegal vai ocupar um lugar central. Isto foi sugerido ontem, pelo ministro da Defesa francês, Jean -Yves Le Drian, depois de um tête-à-tête com o seu homólogo senegalês Augustin Tine. "Minha visita ao Senegal, para além do presente apoio ao Presidente Macky Sall e a amizade do presidente François Hollande é uma oportunidade para afirmar a nossa boa cooperação na área da defesa, tanto através da nossa presença histórica, a nossa presença contínua e qualitativamente reforçada no novo esquema de organização de nossas forças na África e decidimos dar um papel estratégico e importante para os Elementos franceses no Senegal. Eu vim para falar com as autoridades senegalesas e agradecer-lhes por seu apoio na operação no Mali ", disse o ministro francês no final desta entrevista. Lembrando que quando a operação Serval foi lançada, demorou muito uma ação de Dakar e, naquele tempo, atenção e colaboração das autoridades senegalesas foi permanente.

Esse novo esquema consistirá notadamente no estabelecimento de duas bases de operações avançadas em Abidjan e em Djibouti e duas divisões operacionais de cooperação em Dakar e Libreville. Estes dois últimos pólos são para ajudar a fortalecer as ações de consultoria, treinamento, equipamentos e informações para o benefício dos exércitos africanos. Isso, de acordo com as conclusões da Cimeira da Cúpula França -África no Elysee em dezembro passado, que visa formar 20 mil soldados africanos por ano e ajudar a construir a capacidade dos Africanos darem resposta imediata a crises ( Carić ). "A presença francesa é garantida, mantida e reforçada qualitativamente, porque nós queremos que seja a partir de Dakar e Libreville, cada um polarizando um perímetro regional, que constitui a forte cooperação que existe hoje e o comando da atecipação e estratégia para esta parte da África ", disse o Sr. Le Drian. Ele diz que com o papel da cooperação cluster e centro estratégico que vai ocupar este novo esquema organizacional, isso significa que é a partir de Dakar que vai se preparar intervenções em toda a região e que é a partir da capital senegalesa, que também vai realizar operações quando há riscos. Assim, a sustentabilidade da nossa presença aqui em Dakar.

Retorno da escravidão assumido
O ministro da Defesa francês comparou o sequestro de mais de 200 estudantes do ensino médio pela seita islâmica Boko Haram à escravidão e ressaltou que há urgência para agir. " O que está acontecendo na Nigéria, com Boko Haram é horrível, é o retorno da escravidão assumido. Esta situação reencontrou a indignação da comunidade internacional.

Há, portanto, uma necessidade de agir ", observou. Para este fim, a França, como os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, já enviaram especialistas em inteligência humana e técnica para a Nigéria para participar na busca de 223 estudantes sequestrados.

Por Ibrahima Thiam Elhadji

# lesoleil.sn

Observadores eleitorais da União Africana já estão na Guiné-Bissau.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Uma Missão de Observação Eleitoral da União Africana (MOEUA) já está na Guiné-Bissau para supervisionar as eleições presidencial e legislativa previstas para domingo.


Bissau - Uma Missão de Observação Eleitoral da União Africana (MOEUA) já está na Guiné-Bissau para supervisionar as eleições presidencial e legislativa previstas para domingo, segundo a Comissão da organização pan-africana.
A Missão, liderada pelo ex-Presidente moçambicano Joaquim Chissano, que está desde quinta-feira em Bissau, integra 56 observadores provenientes do Parlamento Pan-africano, embaixadores africanos junto da União Africana em Addis Abeba, representantes de órgãos de gestão das eleições e de organizações da sociedade civil de diferentes países.
A MOEUA, que é assistida por um grupo de peritos da Comissão da União Africana, do Parlamento Pan-africano e do Instituto Eleitoral para a Democracia Sustentável em África (EISA), enviou observadores às nove províncias da Guiné-Bissau.
A UA enviou a 9 de fevereiro último uma equipa de Observadores de Longo Prazo (OLP) no quadro da sua MOEUA até às eleições de 13 de abril corrente.
Desde o seu desdobramento, a equipa de OLP encontrou-se com interlocutores a níveis nacional, regional e setorial, dos quais altos responsáveis governamentais, órgãos de gestão das eleições, o Supremo Tribunal, altas autoridades das Forças Armadas e da Polícia, representantes dos partidos políticos, representantes das organizações da sociedade civil e da imprensa.
Um total de 775 mil 508 eleitores, mais de 95 porcento do objetivo fixado, foram registados para as eleições adiadas várias vezes e que deverão restabelecer o Estado de direito neste país oeste-africano após o golpe de Estado de 2012 que provocou a destituição do Presidente Raimundo Pereira.
A MOEUA fornecerá a sua primeira avaliação provisória do processo eleitoral, bem como as suas primeiras recomendações 48 horas após o encerramento do escrutínio. 
# Panapress.

Nigéria: Oficial nigeriano "tem informações" sobre meninas raptadas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O Governador Kashim Shettima do Estado de Borno na Nigéria. Ele diz que tem informações sobre o paradeiro de cerca de 200 estudantes sequestrados por grupo islâmico Boko Haram. FOTO | BBC


O governador do estado de Borno na Nigéria diz que tem informações sobre o paradeiro de cerca de 200 estudantes sequestrados por grupo islâmico Boko Haram.

Governador Kashim Shettima disse que tinha passado relatos de avistamentos das meninas para os militares para verificação.

Sr. Shettima acrescentou que ele não achava que as meninas tinham sido levadas através da fronteira para o Chade ou Camarões.

Recentemente, o presidente da França, ofereceu-se para sediar uma cúpula sobre Boko Haram.

" Eu sugeri, ao presidente nigeriano Goodluck Jonathan, um encontro com países vizinhos da Nigéria ", disse François Hollande.

"Se os países concordarem, esse encontro deve realizar-se no próximo sábado ", acrescentou.

Países vizinhos da Nigéria, como Camarões, Níger e Chade, seriam convidados para a cúpula de segurança.

Assessores disseram que os EUA, Reino Unido e UE também seria prováveis participantes.

Os EUA, Reino Unido e França já se comprometeram a dar assistência técnica ao Governo nigeriano.

Enquanto isso, o presidente Jonathan disse que uma equipe israelense de combate ao terrorismo chegaria na Nigéria para ajudar na busca dos estudantes, que foram sequestrados no mês passado.

Escravos

Tropas francesas entraram no Mali no ano passado para expulsar o Al-Qaeda e militantes filiados.

Tanto os EUA como o Reino Unido se distanciaram das sugestões de que eles iriam enviar soldados para participar da operação militar no norte da Nigéria.

"Não há nenhuma intenção neste momento para estar colocando quaisquer botas americanas no terreno", disse o secretário de Defesa dos EUA Chuck Hagel, no domingo.

Primeiro-ministro britânico David Cameron disse que era improvável que a Nigéria pediria para as tropas britânicas para ajudar, mas ele acrescentou: "Eu disse ao presidente Jonathan onde podemos ajudar, por favor, perguntem, e vamos ver o que podemos fazer. "

" Liguei para o presidente da Nigéria, para oferecer qualquer coisa que possa ser útil e nós concordamos em enviar uma equipe que inclui alguns especialistas antiterroristas e de inteligência para trabalhar junto com a maior equipe norte-americana que está fora do país. "

Camarões através do twitter o seu apoio que visa a sensibilização dos sequestradores.

Inconsolável

A primeira-dama dos EUA Michelle Obama  descreveu a si mesma, e o presidente Barack Obama ficou " indignado e com o coração partido " sobre rapto das meninas.

Falando no lugar do seu marido no discurso presidencial semanal, ela disse : "O que aconteceu na Nigéria não foi um incidente isolado. É uma história que vemos todos os dias como meninas ao redor do mundo que arriscam suas vidas para perseguir os seus objectivos. ".

Boko Haram admitiu capturar as meninas, dizendo que nunca deveriam estar na escola e devem se casar em vez de estar nesse lugar. O grupo também ameaçou vender as meninas como "escravos".

Boko Haram tem se empenhado em uma campanha violenta contra o governo da Nigéria desde 2009.

Acredita-se que a maioria das meninas são cristãos, embora um número de muçulmanos está entre os que foram levadas.

Em Chibok, de onde elas foram sequestradas, é uma pequena comunidade onde as famílias são compostas por membros de ambas as religiões.

# africareview.com

Jovem raptada por grupo islâmico conta detalhes da fuga na Nigéria.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

População exige a libertação das meninas sequestradas - Joe Penney/Reuters

BAUCHI, NIGERIA - Sarah Lawan, de 19 anos, uma das poucas estudantes nigerianas que conseguiu escapar do grupo islâmico Boko Haram, falou neste domingo pela primeira vez sobre os momentos de horror que viveu e disse que tem medo de voltar à escola. Em entrevista à agência Associated Press, ela contou sobre a coragem de desafiar seus sequestradores.

"Não posso expressar com palavras o quanto foi aterrador. Dói saber que minhas amigas não se atreveram a escapar comigo", disse Sarah, em entrevista por telefone. "Choro cada vez que cruzo com seus pais e vejo que eles também choram quando me veem."
Sarah contou que várias de suas colegas não quiseram se arriscar na fuga, ocorrida no momento em que elas eram transportadas em caminhões, porque seus sequestradores ameaçaram atirar contra elas.
Segundo a AP, ela falou por telefone da cidade de Chibok, no norte da Nigéria, local onde fica a escola que foi alvo da ação do Boko Haram, em abril - outras 52 meninas conseguira fugir, de acordo com a polícia nigeriana.
A estudante afirmou ainda que teme voltar para a escola. "Tenho medo de voltar, mas não tenho opção, caso me peçam. Preciso terminar meus exame finais", disse a menina.
A rede CNN também exibiu uma entrevista com uma garota que conseguiu fugir no dia do sequestro. A estudante não foi identificada nem mostrou o rosto. Ela contou que preferia "morrer a ser levada" pelos terroristas. "Nós corremos e corremos", disse. Segundo ela, os terroristas usaram sete caminhões para transportar as vítimas.
Neste domingo, cresceu a pressão para que o governo da Nigéria se esforce para libertar as meninas que continuam sob poder do Boko Haram. Diversos grupos anunciaram protestos diários em Abuja, capital do país, para acelerar as ações do governo, acusado de indiferença e de inoperância em relação ao sequestro.
PARA LEMBRAR
Líder planeja vender garotas
O grupo radical islâmico Boko Haram assumiu a autoria do sequestro de 276 alunas de uma escola no vilarejo de Cibok, na Nigéria, realizado no dia 14 de abril. O líder do grupo, Abubakar Shekau, disse que venderia as meninas para casamentos com líderes tribais no exterior. 

Rapto de meninas ganha triste fama

Caso das estudantes sequestradas na Nigéria não é isolado e demorou a chamar a atenção da comunidade internacional para problema.

Lauren Wolfe, Foreigh Policy - O Estado de S.Paulo
NOVA YORK - Na semana passada, vários artigos questionavam por que razão a mídia ignorava o sequestro de mais de 200 meninas pelo grupo extremista islâmico Boko Haram, da Nigéria. Demorou uma ou duas semanas (mais do que o aceitável, na verdade, considerando o horror do crime), mas o caso acabou chamando mais a atenção do que qualquer outro episódio de jovens sequestradas em um conflito armado recente.
Mas a pergunta indignada exprime um desespero mais profundo: "Por que não demos atenção, já no passado, quando milhares de meninas - e meninos - foram sequestrados em conflitos armados? Por que não damos a devida atenção, neste exato momento, às meninas vítimas das redes de tráfico de pessoas, vendidas para casamentos precoces ou mantidas em cativeiro como "esposas" de grupos armados? Por que só agora nos revoltamos?
No dia 14, um grupo extremista, cujo nome pode ser traduzido grosseiramente como "a educação ocidental é proibida", sequestrou as meninas de uma escola da cidade de Chibok, no nordeste do país. O comboio desapareceu rapidamente na floresta e desde então só apareceu uma ou outra informação sobre o seu destino fora do país.
Segundo relatos, elas seriam vendidas para se tornarem escravas sexuais por "apenas" US$ 12 (como se um preço mais elevado melhorasse de algum modo a situação).
O objetivo declarado do Boko Haram é arrancar o controle do norte da Nigéria dos "falsos muçulmanos". O Crisis Group estima que o grupo terrorista, ligado à Al-Qaeda, tenha assassinado mais de 4 mil pessoas na Nigéria desde sua criação, há quatro anos. Segundo a Anistia Internacional, em 2013, realizou sete ataques contra escolas. O Human Rights Watch afirma que os militantes já utilizaram anteriormente crianças como moedas de troca.
No entanto, o sequestro de um número tão grande de jovens de uma só vez é algo impressionante. O Boko Haram escolheu um grupo vulnerável - meninas - que na maioria das sociedades carrega a inestimável conotação de pureza. E com esta designação de personificação da pureza, elas se tornam pouco mais que um símbolo. Na realidade, as moças são seres humanos marginalizados, explorados e ignorados no mundo todo. As meninas são a presa mais fácil da ira dirigida biblicamente contra Eva.
Considerar este fato um simples episódio de tráfico (ou de escravidão dos dias atuais, como frequentemente é definido), equivale a desconsiderar um ponto mais importante: os crimes contra as mulheres e as moças não só são a coisa mais comum, como costumam ser ignorados, não são levados perante os tribunais e nem sequer são noticiados pela imprensa internacional, particularmente quando ocorrem no Hemisfério Sul.
Além da dificuldade de se tentar enquadrar este caso numa categoria, existe um limite cultural quanto ao nível de profundidade em que estamos dispostos a discutir uma coisa tão dolorosa, afirma a ativista e escritora Soraya Chemaly.
"A impressão é que a violência sexual contra mulheres e meninas acabou se tornando um assunto com a qual nos acostumamos e já não chama tanto a atenção", afirma. "É uma coisa que está aí, que não notamos, mas sabem que está aí, e à qual nos referimos com uma série de eufemismos nas nossas conversas e na mídia".
O noticiário refere-se ao destino das meninas nigerianas sequestradas como "casamento de crianças", diz Chemaly, uma expressão que "abranda enormemente o que ocorre neste momento e o torna mais aceitável para as pessoas, quando na realidade é revoltante".
Mas compreender o que está acontecendo é crucial para pôr um fim a isso, diz Akila Radhakrishnan, diretora de assuntos jurídicos do Global Justice Center: "O fato de não se expor a experiência específica das meninas impede a responsabilização do crime, as reparações e os esforços de reabilitação".
O caso do líder da milícia congolesa Thomas Lubanga, no Tribunal Penal Internacional, por exemplo, que se concentrou em sua responsabilização pelo uso de crianças-soldados, não trata de nenhuma forma de violência sexual nas acusações ou nas sentenças.
"Das 129 vítimas representadas no processo, 30 falaram que foram obrigadas a assistir a violências sexuais. Para essas meninas, a violência sexual fez parte de sua experiência do conflito", diz Radhakrishnan. Mas a decisão de não considerar este crime no veredicto final, observa, "torna a justiça sem sentido para estas sobreviventes".
"Será que é isso que as pessoas discutem quando analisam o problema de tráfico internacional? Não exatamente", diz Cristina Finch, diretora do programa sobre direitos humanos da mulher da Anistia Internacional nos EUA. O que aconteceu ali, explica, tem mais a ver com o fato de as mulheres terem sido usadas historicamente como instrumento de guerra.
O Boko Haram debocha de um mundo que tem demonstrado que as meninas são algo descartável e podem ser utilizadas como armas. O grupo tem como alvo os seres mais indefesos da sociedade, aos quais passa a ser atribuído um valor de mercado.
Essencialmente, não é diferente do que pratica o governo sírio, que usa as mulheres como alvos de punição na guerra, supostamente estuprando-as na frente dos maridos ou enviando os vídeos para as famílias a fim de humilhá-las. Em ambos os casos, a ideia é demonstrar poder de tomar o que "pertence" a outros homens e usá-lo à vontade.
Compreender o que aconteceu com as meninas nigerianas e como resgatá-las implica em começar a entender o destino das centenas de milhares - quando não dos milhões - de moças nos vários anos de conflitos globais armados.
# estadao.com.br

Total de visualizações de página