Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

segunda-feira, 12 de abril de 2021

França-Ruanda: Emmanuel Macron irá para Kigali no início de maio?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O presidente francês espera poder fazer uma viagem oficial a Kigali no início de maio, antes da cúpula sobre o financiamento das economias africanas, marcada para o dia 18 em Paris e da qual Paul Kagame participará.

Esta viagem do presidente francês, muito simbólica, deve encarnar a reaproximação em curso entre os dois países. Isso aconteceria poucas semanas após a publicação do relatório da comissão Duclert, nomeada por Macron em 2019 para examinar a política da França em Ruanda entre 1990 e 1994. Resultado de dois anos de trabalho de historiadores, este documento de mais de 1.000 páginas apontam para a responsabilidade “política, moral e institucional” de Paris no genocídio dos tutsis em Ruanda em 1994, ao mesmo tempo em que rejeita a acusação de cumplicidade no genocídio contra a França.

Embora o desejo de organizar esta visita no início de maio seja compartilhado por Emmanuel Macron e Paul Kagame, ele depende de vários parâmetros.

Questão de tempo

Em primeiro lugar, sem surpresa, esta viagem deve levar em conta a evolução da situação da saúde na França, onde um novo confinamento nacional foi decretado para conter uma terceira onda de Covid-19. Depois, depende também da publicação iminente de um novo relatório sobre o papel da França no Ruanda produzido, desta vez, a pedido das autoridades ruandesas.

De acordo com uma fonte do Elyos, este documento ruandês será "vigiado de perto", mas a viagem do presidente Macron não está diretamente ligada a ele. “Há necessariamente uma questão de tempo: devemos organizar esta viagem na esteira da publicação desses dois relatórios ou devemos atrasar um pouco, para termos mais perspectiva? “Uma maravilha na comitiva do presidente francês.

No caso de sua viagem a Kigali se materializar, Emmanuel Macron falaria publicamente sobre o envolvimento francês em Ruanda durante o genocídio tutsi. Mas não seria apenas uma questão de questões memoriais. O chefe de estado francês pôde, assim, inaugurar o novo Centro Cultural Francês em Kigali, que está em fase de conclusão, e chamar a atenção para a retomada das atividades da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) em Ruanda.

fonte: seneweb.com

PSG: Wanda Nara divide o bumbum na web, Icardi se delicia com isso!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Como de costume, Wanda Nara, esposa do atacante do PSG Mauro Icardi, fez um burburinho no Instagram com uma foto bem ousada.

Depois da chuva o bom tempo! Lesionado e ausente dos jogos do PSG, Mauro Icardi pode contar com a esposa, Wanda Nara, para reaquecer sua vida. Generosa, ela até compartilha sua forma corporal perfeita no Instagram. Desta vez, além de um decote ardente, ela avançou as nádegas. Várias dezenas de comentários, incluindo um do atacante argentino que se divertiu.


fonte: seneweb.com

PORTUGAL: A força dos execut(ivo)s rosa

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Bem dizia Eça de Queiroz, provavelmente antecipando a pequenez intelectual dos políticos lusófonos, que “os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão”. Já com os juízes o roseiral é outro…

Por Orlando Castro

Por outro lado, Guerra Junqueiro afirmou: “Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta.

Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não discriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira à falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro.

Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do País.

A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas.

Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar”.

Ontem, em Portugal, ficou a saber-se que dos 189 crimes da Operação Marquês só 17 vão a julgamento e que até ver (porque procurador Rosário Teixeira anunciou vai apresentar recurso da decisão para o tribunal da relação de Lisboa.) José Sócrates será “julgado” apenas e só por branqueamento e falsificação de documentos. Não por corrupção.

Dos 28 arguidos, dos quais 19 pessoas individuais e nove empresas, o juiz de instrução criminal – Ivo Rosa – decidiu mandar para julgamento o ex-primeiro ministro José Sócrates, o seu amigo e empresário Carlos Santos Silva, o ex-ministro Armando Vara, o banqueiro Ricardo Salgado, todos por crimes económicos e financeiros. O ex-motorista de Sócrates, João Perna, ficou pronunciado por detenção de arma proibida.

O juiz determinou ainda que José Sócrates e Carlos Santos Silva sejam julgados em conjunto por um tribunal colectivo e que Salgado e Armando Vara sejam julgados em processos autónomos.

No dia 8 de Setembro de 2008, o então primeiro-ministro das ocidentais praias lusitanas a norte de Marrocos, José Sócrates, afirmou-se “profundamente satisfeito” com a forma “transparente, livre e democrática” como decorreram as eleições legislativas em Angola, e saudou as autoridades de Luanda pela conclusão deste processo em “paz” e “liberdade”.

E, de bajulação em bajulação, lá foi o governo de Portugal combatendo o défice. A ajuda do MPLA (via Sonangol e similares) foi vital para que os portugueses sobrevivessem e José Sócrates vivesse filosoficamente como um abastado parisiense.

“As eleições são da maior importância para o prestígio internacional de Angola, para a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e também para Portugal na sua relação com este país. Por isso, quero felicitar desde logo o povo angolano, já que sei bem o que estas eleições representam enquanto instrumento de institucionalização da vontade popular nas decisões do seu país”, disse na altura o bestial camarada de Eduardo dos Santos.

Ontem, José Sócrates, com a ajuda do juiz Ivo Rosa gozou à grande e à francesa com a chipala dos portugueses, mas não só.

“Estas eleições representam a passagem de Angola para o conjunto dos países democráticos, que resolvem os seus problemas com eleições. Como disseram os observadores europeus, estas eleições foram feitas com transparência, foram um passo no sentido da democracia e da paz e os eleitores votaram com total liberdade”, salientou o então chefe do Governo português.

Sabe-se que José Sócrates levou da última viagem a Luanda um manual do MPLA autografado pelo seu presidente. Sabe-se, por isso, que o então primeiro-ministro de Portugal não ouviu nem leu o que disse na altura o também observador da União Europeia, Richard Howitt.

Não ouviu, nem leu, aquela parte em que Richard Howitt disse: “Após uma tortuosa jornada, encontrámos uma situação estranha, onde havia tendas, macas, camas e comida ao desbarato para cerca de 1500 pessoas. Cinco pessoas que entrevistámos apresentaram provas de que tudo tinha sido financiado pelo governo”.

Também não ouviu, nem leu, Richard Howitt dizer: “Vi representantes do partido do poder não só à frente das assembleias, mas junto às mesas onde as pessoas estavam a votar”.

“Estas eleições foram livres, justas, tiveram problemas organizativos naturalmente, mas que serão corrigidos certamente nos próximos actos eleitorais”, corroborou José Sócrates.

Lamentavelmente, José Sócrates não enviou a Angola alguns dos seus principais assessores para aprenderem com o MPLA a fórmula para se ganhar eleições, obviamente democráticas e livres, com mais de 80% dos votos. Lamentável para ele.

“Quero que o Governo de Angola saiba que temos confiança no povo angolano, que temos confiança em Angola, temos confiança no Governo angolano e no trabalho que tem desenvolvido”, sublinhava assiduamente José Sócrates, só faltando ajoelhar-se e beijar os sapatos de design italiano de Eduardo dos Santos. Só faltava… se é que faltou.

De acordo com o primeiro-ministro que, apesar da esponja de Ivo Rosa, entrou para a história (popular) de Justiça portuguesa como corrupto, esse trabalho tem “permitido que Angola tenha hoje um prestígio internacional, que tenha subido na consciência internacional e que seja hoje um dos países mais falados e mais reputados”.

Alguns destes elogios foram feitos horas depois de duas organizações não-governamentais apresentaram uma queixa ao Ministério Público de Paris, contra vários chefes de Estado africanos, entre os quais o de Angola, acusados de corrupção e desvios de fundos públicos, dos quais uma boa parte “é reciclada” em França.

Considerado, depois desconsiderado e agora voltado a ser considerado pelo MPLA como “líder carismático” (dos socialistas e afins), José Sócrates disse também que “cada vez que Angola progride, evolui e melhora, isso enche de orgulho qualquer português”.

Se tivesse sido com Ivo Rosa…

Em 2009 o Ministério Público de Portugal mandou arquivar a queixa-crime movida por José Sócrates, secretário-geral do PS e primeiro-ministro, contra o jornalista e colunista do Diário de Notícias, João Miguel Tavares.

A queixa foi arquivada pelo Ministério Público, que considerou que “as expressões utilizadas pelo arguido, dirigidas ao primeiro-ministro, ainda que acintosas e indelicadas, devem ser apreciadas no contexto e conjuntura em que foram publicadas, e inserem-se no exercício do direito de crítica, insusceptíveis de causar ofensa penalmente relevante”.

O cronista do Diário de Notícias, recorde-se, foi alvo de uma queixa do primeiro-ministro por um artigo em que fazia referências à “licenciatura manhosa”, aos projectos “duvidosos” da Guarda e ao “apartamento de luxo” comprado “a metade do preço”. No mesmo artigo, João Miguel Tavares fazia uma comparação entre Sócrates e Cicciolina.

Desde que no início desse ano o caso Freeport voltou em força à praça pública que José Sócrates já lançou uma série de queixas crime. Além de João Miguel Tavares, foram processados vários jornalistas da TVI, incluindo o então director geral José Eduardo Moniz e a apresentadora do Jornal Nacional de sexta-feira Manuela Moura Guedes. O director e dois outros jornalistas do Público foram também alvo de queixas-crime.

De facto, José Sócrates, tornara regra de ouro no reino lusitano que a liberdade dos jornalistas tinha de acabar onde começava a sua, mas entendia que a sua não tinha limites.

Por alguma razão, há já bastante, António Barreto disse que José Sócrates “não tolera ser contrariado, nem admite que se pense de modo diferente daquele que organizou com as suas poderosas agências de intoxicação a que chama de comunicação”.

António Barreto acrescentou ainda, de forma lapidar, que “o primeiro-ministro José Sócrates é a mais séria ameaça contra a liberdade, contra autonomia das iniciativas privadas e contra a independência pessoal que Portugal conheceu nas últimas três décadas”.

Habituado a que os trabalhadores das redacções dos órgãos de comunicação social (Jornalistas são outra coisa substancialmente diferente) lhe fossem comer à mão, José Sócrates não conseguia conviver (ainda hoje não consegue) quer com a liberdade de expressão quer com o contraditório.

É por isso que sempre se deu bem com a sua própria sombra, bem como com outras sombras que com ele estão sempre de acordo. É um direito que lhe assiste. O problema está que queria transformar o país num amontoado de acéfalos e invertebrados portadores do cartão de militante do PS.

Numa entrevista à RTP1, transmitida no dia 21 de Abril de 2009, José Sócrates referiu-se ao telejornal das 20 horas de sexta-feira da TVI, apresentado por Manuela Moura Guedes, como sendo “travestido” e feito “de ódio e perseguição”.

“Aquilo não é um telejornal, é uma caça ao homem”, afirmou José Sócrates.

O azedume do primeiro-ministro reflectia igualmente a frustração que devia sentir por não ter conseguido, embora tenha tentado com todas as suas força, transformar muitos jornalistas nos tais acéfalos e invertebrados ao serviço (bem pago) da sua causa.

Recorde-se que o Governo de José Sócrates conseguiu numa só legislatura e sem grande esforço (em muitos casos apenas por um prato de lentilhas), fazer de grande parte da “imprensa o tapete do poder”.

O Governo de José Sócrates conseguiu numa só legislatura e sem grande esforço (em muitos casos apenas por um prato de lentilhas), transformar jornalistas em “criados de luxo do poder vigente”.

O Governo de José Sócrates conseguiu numa só legislatura e sem grande esforço (em muitos casos apenas por um prato de lentilhas), convencer os mais cépticos de que mais valia ser um propagandista da banha da cobra do PS, mas de barriga cheia, do que um ilustre Jornalista com ela vazia.

O Governo de José Sócrates conseguiu numa só legislatura e sem grande esforço (em muitos casos apenas por um prato de lentilhas), convencer os jornalistas que deviam pensar apenas com a cabeça… do chefe (socialista, obviamente).

O Governo de José Sócrates conseguiu numa só legislatura e sem grande esforço (em muitos casos apenas por um prato de lentilhas), mostrar aos Jornalistas que ter um cartão do PS é mais do que meio caminho andado para ser chefe, director ou até administrador.

Provavelmente ainda hoje reflecte sobre o que falhou na sua luta para “invertebrar” alguns jornalistas. Isto, mesmo considerando que o Estatuto do Jornalista (português) aprovado pelo PS de José Sócrates, foi, é e será por muitos anos a página mais negra na história do Jornalismo português do pós-25 de Abril.

fonte: folha8

ANGOLA: Quando ser jovem é (obrigatoriamente) ser do MPLA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




A ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula Neto, já está na província da Lunda Norte, onde, entre vários assuntos, vai orientar o acto central do Dia Nacional da Juventude do MPLA, que o partido assinala quarta-feira, em memória de Hoji Ya Henda, o patrono da JMPLA.

A JMPLA enquanto mero instrumento canino do partido está, e tem razões para isso, preocupada com o comportamento que os jovens angolanos apresentam nos últimos tempos. Isto porque, ao contrário do que era habitual, a juventude começa a pensar pela própria cabeça, recusando a regra de ouro do regime que sempre visou formatá-la e domesticá-la.

Os meninos do regime ainda não atingiram a fase de pensarem livremente. Quando lá chegarem, se chegarem, só não vão zarpar do MPLA porque as balas e os jacarés estão prontos para satisfazer os ávidos apetites sanguinários dos que matam primeiro e perguntam depois. Quer os jovens autómatos do regime queiram ou não, nem todos os jovens concordam que o dia 14 de Abril, que consagra o dia da juventude do MPLA, em memória de Hoji Ya Henda, o patrono da JMPLA, seja igualmente considerado o Dia da Juventude angolana. É claro que o MPLA, tal como faz nos últimos 45 anos, continua a impor a lei de todas as leis e que estabelece que o MPLA é Angola e que Angola é do MPLA.

Será, com certeza, difícil ou até mesmo inexequível encontrar uma data que gere unanimidade. Em democracia o melhor que se consegue, quando se consegue, é um consenso. Encontrar, ou até mesmo criar de raiz, um dia que esteja equidistante das datas assinaladas pelos diferentes partidos seria, cremos, a melhor solução para homenagear todos os jovens angolanos que, de facto, merecem ter um dia que assinale o seu contributo em prol do país. O que é, pensamos, diferente de ser em prol do MPLA.

Desde a independência que Angola tem comemorado – com um enorme abuso de poder e unicidade só aceitável nos países de partido único – o 14 de Abril como o Dia da Juventude Angolana. Com a suposta, vacilante e morta à nascença abertura ao multipartidarismo teórico e académico, urge que se pense e actue com a abertura de espírito necessária para implantar um sistema político que albergue a diversidade de opiniões como uma mais-valia de incalculável valor patriótico.

Não é sério, muito menos legítimo e democrático, que se continue a subjugar toda a juventude, bem como todo o resto da população, às teses do partido reinante. De facto, a comemoração com toda a pompa e mordomias inerentes do 14 de Abril era (e poderá continuar a ser) aceitável como marco interno do MPLA e não como algo que possa representar toda a juventude de um país que, também nesta matéria, diz (não mais do que isso) pretender respeitar e enquadrar-se nas regras de um Estado de Direito, passada que tende a ser (mesmo perante a bélica posição do regime), embora à custa de prisões, torturas e assassinatos, a fase em que Angola é do MPLA e o MPLA é Angola.

Embora nem todos tenham consciência disso, o país é hoje outro, amanhã será ainda um outro, pelo que não pode haver receitas unilaterais feitas à medida, e por medida, de um regime que só conhece a razão da força.

Importa que o regime compreenda, embora a isso seja alérgico, que em democracia quem mais ordena é o Povo. E esse Povo não pode estar sujeito a regras que mais não são do que perpetuar o culto sabujo e bajulador a valores e pessoas que em vez de servirem o Povo se servem dele.

De facto, o Governo não tem tido vontade, embora tenha os meios, para resolver problemas do Povo, sejam eles da fome, da miséria, da água, da luz, do lixo, da saúde ou da educação da população em geral. No que tange à juventude, esta não tem casa, não tem educação (embora seja educada), não tem emprego e não tem futuro.

Por tudo isto, e não só, a juventude quer mais do que nunca ser ouvida e ter, para além de uma voz gritante e activa, possibilidade de dizer de sua justiça, de participar na vida do seu país. O regime ao obrigar os jovens a aceitar como única a lei do mais forte está a atirar a juventude para as margens da sociedade. E, muitas vezes, demasiadas vezes, quando se está na margem escorrega-se para a marginalidade como antecâmara da violência, da criminalidade ou até da guerra.
José Eduardo dos Santos disse a todos, mas sobretudo à juventude, que é preciso “honrar e declarar o nosso amor por Angola”. É verdade. João Lourenço está também de acordo. Mas isso não basta. E se os mais velhos fazem do silêncio a sua melhor arma, os jovens falam cada vez mais e, um pouco por todo o pais, vão dizendo que as crianças que mendigam e morrem à fome nas ruas de Luanda também amam Angola. Amam-na e declararam esse amor.

Rui Mingas dizia que, “nos antigamente”, os angolanos apenas tinham “peixe podre, fuba podre, 30 angolares e porrada se refilares”. E hoje, depois da independência e com 19 anos de paz absoluta, o que dizem os jovens? Esses, que serão os líderes naturais de Angola, continuam a dizer que levam porrada, mesmo sem refilar, e nem peixe ou fuba podre têm.

É, por isso, urgente que o regime olhe a sério para a juventude no seu todo, não apenas para a JMPLA, mesmo para aquela que está fora do país, procurando potenciar os seus conhecimentos e corresponder aos seus anseios.

Ao contrário do que eventualmente podem pensar os dirigentes do regime, a juventude está atenta a tudo isto e é sobretudo isto que a preocupa. Nós temos jovens que, como nos ensinou Nelson Mandela, são heróis não porque não sintam medo, mas porque o vencem.

A propósito do Dia da Juventude Angolana (do MPLA), João Lourenço sustenta que este papel desempenhado pela juventude hoje constitui um “profundo orgulho pelas suas conquistas históricas e inabalável consciência nacional, cívica e patriótica”.

João Lourenço garante aos jovens que uma das bandeiras do Executivo que lidera é a liberdade e garantias fundamentais. “Entendemos, pois, que a liberdade gera oportunidades e, por via desta, são concretizados os sonhos mais sublimes da cada um de nós”, afirma o Presidente da República.

“Não sendo inteligente eventual repetição dos erros do passado, é fundamental resgatar dos jovens de ontem a ideia de que a Pátria está acima de todos os interesses individuais e ANGOLA é centro de todas as nossas lutas”, diz o Presidente.

João Lourenço afirma que “a juventude angolana posiciona-se hoje como a legítima guardiã de todas as conquistas” por ter herdado a glória dos heróis nacionais.

“Por uma Angola exemplar, os nossos heróis internacionalizaram a luta pela liberdade e promoveram a solidariedade africana”, concluindo com um “Estamos juntos!!!.”

fonte: folha8

Angola: Manuel Rabelais condenado a 14 anos e seis meses.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Ex-ministro da Comunicação Social Manuel Rabelais foi condenado pelos crimes de peculato e branqueamento de capitais. Sentença foi proferida esta segunda-feira pelo Tribunal Supremo angolano, no âmbito do "caso GRECIMA".


Em atualização

fonte: DW África

Total de visualizações de página