Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 12 de outubro de 2021

A amizade China-EUA durará enquanto os negócios ditarem as regras.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A China é o país onde a Apple fabrica seus telefones e a Nike fabrica sapatos. Os agricultores americanos vendem soja para a China e os investidores de Wall Street negociam ações chinesas. No entanto, a China, com suas imensas oportunidades de negócios, continua sendo o inimigo número um e a ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos. Além disso, tanto democratas quanto republicanos concordam com isso.

"Uma liderança chinesa hostil e predatória é nosso maior teste geopolítico", disse o diretor da CIA William Burns ao Congresso.

"A China é um desafio para nossa segurança, nossa prosperidade e nossos valores", disse a Diretora de Inteligência Nacional, Avril Haynes.

"Estamos focados em nossos esforços para enfrentar o desafio apresentado pela China", disse o secretário de Defesa Lloyd Austin.

O presidente dos Estados Unidos, Joseph Biden, não esquece de lembrar

poder militar,

influência política

e a corrida por novas tecnologias.

As pesquisas de opinião mostram que cada vez mais americanos veem a China como rival e acreditam que uma postura dura em relação a Pequim se justifica. No entanto, ainda existem relações comerciais estreitas entre os dois países, e você não pode contestar isso.

Empresa chinesa no Alabama

A pequena cidade de Thomasville, Alabama, com uma população de cerca de 4.000 habitantes, há muito tempo depende de uma única indústria - a marcenaria - e freqüentemente sofre de expansões e quedas econômicas.

Para impulsionar a economia e criar empregos, o prefeito de Sheldon Day pediu ajuda aos seus homólogos chineses - a situação foi salva com o investimento da empresa chinesa Golden Dragon Precise Copper Tube Group. A empresa, localizada na província de Henan, fabrica tubos de metal para aparelhos de ar condicionado e outras máquinas. Em 2014, a Golden Dragon construiu uma fábrica de US $ 120 milhões no vizinho Condado de Wilcox.

Day deu o seu melhor para fazer o Golden Dragon se sentir bem-vindo.

“Dissemos, ouça, vamos torná-los cidadãos honorários do Alabama”, disse ele. Segundo ele, a direção da empresa chinesa gostou.

Day reconheceu que havia diferenças culturais. Mas Golden Dragon manteve suas promessas. A empresa continuou investindo na cidade e gerou centenas de empregos.

“Sou daquelas pessoas que entende a importância de aproximar as pessoas para buscar formas de fazer negócios. O mundo seria um lugar melhor se pudéssemos conversar”, diz Day.

Batalha por alta tecnologia

É claro que uma empresa chinesa que fabrica peças de ar condicionado na zona rural do Alabama provavelmente não será alarmante. As preocupações aparecem quando se trata de alta tecnologia, por exemplo:

Comunicação sem fio 5G,

inteligência artificial,

Computação quântica.

Advogado do diabo

Gilman Louie, um chinês americano, dirige uma grande empresa de capital de risco com sede em San Francisco, Gilman Louie Partners. Ele fez fortuna jogando videogame. Ele também doou o icônico jogo Tetris aos americanos na década de 1980. A China é um grande mercado para ele. No entanto, ele também está envolvido em um jogo chamado "segurança nacional". Ele foi o primeiro chefe da In-Q-Tel, um braço inovador da comunidade de inteligência dos Estados Unidos.

Louis é o advogado do diabo. Em Washington, ele disse a especialistas em segurança nacional que eles não podem ver a China como uma ameaça. Louis acredita que os Estados Unidos podem proteger sua tecnologia avançada e ainda fazer negócios com a China. “Não vamos usar uma marreta para resolver todos os nossos problemas”, diz ele.

Até agora, Biden seguiu a linha dura do ex-presidente Donald Trump em relação à China. 

Administração Biden retidas sanções comerciais, continuou a mostrar força militar no Pacífico e critica as violações dos direitos humanos em Pequim.

A porta-voz do comércio, Catherine Tai, disse esta semana que os EUA estão tentando aliviar as tensões comerciais.

“Nosso objetivo não é aumentar as tensões comerciais com a China, mas ainda temos que defender nossos interesses econômicos até o fim”, disse ela.

Analistas chineses dizem que as tensões em curso na frente comercial são claras, embora as duas maiores economias do mundo não tenham escolha a não ser continuar lidando uma com a outra. Quanto às questões de segurança nacional, o curso em direção à rivalidade será obviamente continuado por enquanto.


fonte: pravada.ru

Senegal: No pleno funeral, duas co-esposas grávidas brigam por leite azedo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Uma briga entre duas co-esposas grávidas, Mariama Dioum (23 anos) e Bathily Gadjigo (3ª esposa), por causa de um pote de leite coalhado, abalou o distrito de Plateau em Tambacounda.

Os fatos ocorreram na semana passada, em meio a uma cerimônia fúnebre. Nesse dia, relata o L'Observateur, Bathily Gadjigo que serviu leite coalhado aos assistentes.

É neste momento que chega a senhora Bamby Dioum, mãe de Mariama Dioum, que pede para ser servida brandindo uma imponente panela. Sua filha, que estava assistindo a cena, nota que sua co-esposa não encheu a panela de sua mãe.

Zangada, ela berra tolices contra Bathily Gadjigo. Este último contra-ataca. Seguiu-se uma violenta altercação no meio da cerimônia fúnebre sob o olhar atônito da platéia.

Mariama Dioum, grávida de 8 meses, foge por incapacidade temporária para o trabalho de 2 meses. Idem para suas co-esposas Gadjigo, grávida de 3 meses, tem uma ltt de 10 dias.

Presos, eles foram colocados sob mandado de internação. Julgados em tribunal, onde voltaram a lutar, foram condenados a 3 dias de prisão.

fonte: seneweb.com

Assassinato de Thomas Sankara: desafios e limites de um julgamento histórico.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Esta segunda-feira, 11 de outubro, a justiça militar abre o julgamento pelo assassinato de Thomas Sankara em Ouagadougou, Burkina Faso. O líder da revolução burquinense, que tomou o poder em um golpe de Estado em 1983, foi assassinado com 12 de seus colaboradores em 15 de outubro de 1987. Trinta e quatro anos após os acontecimentos, este julgamento pode finalmente acontecer e o que está em jogo Alto.

De nosso correspondente especial em Ouagadougou,

Em primeiro lugar, este julgamento lançará luz sobre os eventos de 15 de outubro de 1987 e, em particular, determinará a cadeia de responsabilidades. “Queremos saber quem tomou a decisão, quem cometeu o ato, quem o apoiou e por quê”, resume Céline Bamouni, filha de Paulin Bamouni, diretor de imprensa presidencial de Thomas Sankara, morto ao lado dele.

Para Aïda Kiemdé, filha de Frédéric Kiemdé, assessor jurídico de Thomas Sankara, também morto a seu lado, este julgamento é um alívio. “Isso é resultado de uma longa luta judicial. Tendo durado vários anos o reinado do Sr. Compaoré, não tivemos palavra a dizer. Então, isso inevitavelmente despertou desespero. Algumas famílias, principalmente a minha, tiveram que deixar Burkina Faso, o que fez com que eu não conhecesse bem o meu país, infelizmente, por causa desse assassinato. Portanto, hoje, este julgamento é realmente um vislumbre de esperança. E esperamos que seja feita justiça e que tenhamos a verdade após vários anos de espera. "

Dois grandes ausentes

No processo de investigação foram ouvidas mais de sessenta testemunhas. Eles podem ser chamados ao bar. E então os acusados ​​também terão que se explicar, são 14. São 14. Doze estarão presentes. Por outro lado, Blaise Compaoré, o ex-presidente do Burkina, e Hyacinthe Kafando, suspeito de ter comandado o comando fatal em Sankara, serão julgados à revelia. O primeiro, refugiado na Costa do Marfim, recusou-se a comparecer no tribunal, enquanto o segundo está desaparecido desde 2015.

É uma decepção para Aïda Kiemdé. “Esta é uma prova pela qual todos estão esperando. Não apenas nós, famílias, o povo de Burkina Faso, toda a África está esperando por esta verdade. Eles têm uma chance incrível de vir, pelo menos uma vez, assumir e enfrentar suas responsabilidades. Ainda esperamos ter a verdade. "

Tribunal especial

Outro problema: é um tribunal militar que julga este caso, porque na época dos fatos os principais atores eram militares. Para Paul Zaida, coordenador nacional do Marco para a Expressão Democrática, uma organização da sociedade civil, a verdade não pode emanar de uma jurisdição de exceção.

“Um tribunal especial segue ordens e hierarquia. Sabemos que existe o comando, mas também existe o Presidente de Faso, que é o comandante supremo dos exércitos. É verdade que ele não vai estar presente durante o julgamento, mas acho que terá algumas orientações a dar. Portanto, parece-me muito difícil que exista a verdade sobre esse arquivo de Thomas Sankara. "

Este julgamento também não levantará a questão da conspiração internacional. Apesar de muitos indícios sugerindo possível envolvimento da Costa do Marfim ou da França, o juiz de investigação não conseguiu reunir provas suficientes. A França, em particular, não forneceu todos os arquivos desclassificados que haviam sido prometidos.

Um teste "necessário"

Embora este julgamento seja imperfeito, continua a ser necessário para o Burkina, de acordo com Ablassé Ouédraogo, ex-ministro das Relações Exteriores e presidente do outro partido Le Faso. “Vejo que este julgamento tem três méritos: o primeiro é permitir pelo menos parte da verdade. O segundo mérito do julgamento será permitir que os governantes atuais avancem na questão da reconciliação nacional. E o que é muito importante é virar definitivamente esta página triste do Burkina Faso. O dossiê Thomas Sankara contribuiu para tornar o ambiente sócio-político deletério por mais de trinta anos. Tornou-se insuportável. "

Um grande diálogo para a reconciliação em Burkina deve começar em 17 de janeiro.

fonte: seneweb.com

Julgamento de homicídio de Thomas Sankara adiado para 25 de outubro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Advogados de defesa pediram adiamento, argumentando que tinham tido pouco tempo para estudar os documentos do processo. O principal dos 14 arguidos, o ex-Presidente Blaise Compaoré, não esteve presente no tribunal.  O julgamento do assassinato do "pai da revolução" do Burkina Faso, Thomas Sankara, em 1987, que deveria ter começado esta segunda-feira (11.10), foi adiado para 25 de outubro para permitir que os advogados de defesa possam consultar o processo.

Dois advogados de defesa pediram um adiamento do julgamento em um mês "em nome da verdade", argumentando que tinham tido pouco tempo para estudar "os 20.000 documentos do processo", noticia a agência France-Presse (AFP). O pedido foi aceite pelo presidente do tribunal militar de Ouagadougou, Urbain Méda, que, no entanto, suspendeu o julgamento por apenas duas semanas.

"É um dia de verdade para mim, para a minha família e para todos os cidadãos do Burkina Faso", disse a viúva de Thomas Sankara, Mariam, presente na abertura do julgamento muito esperado pelas famílias das vítimas do golpe de 1987.

O principal arguido, o antigo Presidente do país Blaise Compaoré, não esteve presente no tribunal. Compaoré, que sucedeu a Sankara no poder, é acusado de cumplicidade, atentado contra a segurança do Estado e ocultação de cadáveres, e está a ser julgado à revelia, por ter recusado comparecer em tribunal. 

Compaoré, hoje com 70 anos, vive na Costa do Marfim, onde está exilado desde que foi derrubado, em 2014, e goza de nacionalidade costa-marfinense, que o protege da extradição e de um mandado de captura internacional emitido pelo Burkina Faso há seis anos. Os advogados de Compaoré justificaram na semana passada a ausência do antigo Presidente, denunciando o que consideraram "um julgamento político" perante "um tribunal de exceção".

Bildkombo Blaise Compaore und Thomas Sankara

Blaise Compaoré e Thomas Sankara

"Desprezo pela justiça"

O advogado da família de Thomas Sankara, Stanislas Benewendé Sankara [que não tem laços familiares com o antigo chefe de Estado], afirmou que a ausência de Compaoré é "um desprezo pela justiça do seu país de origem" e "denota, em certa parte, também a sua possível culpa".

Doze dos 14 arguidos estiveram presentes na abertura do julgamento, tendo estado sob alta vigilância pelas forças de defesa e segurança.

O antigo braço direito do Compaoré, general Gilbert Diendere, chefe da sua segurança pessoal e a cumprir uma pena de prisão de 20 anos por tentativa fracassada de golpe de Estado em 2015, também se encontra entre os acusados. 

O julgamento, que deverá durar vários meses, e há muito esperado pelas famílias das vítimas do golpe de 1987 que levou Blaise Compaoré ao poder, será mantido sob forte vigilância pelas forças de defesa e segurança num país atormentado pela violência 'jihadista' desde 2015.

Thomas Sankara, que chegou ao poder num golpe de Estado em 1983, foi morto com doze dos seus companheiros por um comando durante uma reunião na sede do Conselho Nacional da Revolução (CNR) em Ouagadougou. Tinha 37 anos de idade.

Braço direito de Sankara, Blaise Compaoré sempre negou ter ordenado o assassínio do seu "irmão em armas" e "amigo íntimo", apesar de o golpe de 1987 o ter levado ao poder.

Soldados da antiga guarda presidencial de Compaoré, incluindo um antigo oficial, Hyacinthe Kafando, suspeito de ter sido o líder do comando e atualmente em fuga, estão também entre os acusados.
fonte: DW África
 

Oposição angolana desmente general que alertou para plano de "terror"

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O chefe da Casa de Segurança do PR, Francisco Furtado, acusa os partidos da oposição de criar insegurança e terror em Angola para forçar o adiamento das eleições gerais. Oposição devolve acusações ao general e ao MPLA.



O general Francisco Furtado, chefe da Casa de Segurança do Presidente da República de Angola, pediu esta semana "prontidão" às Forças Armadas Angolanas (FAA) face à "estratégia errada e irresponsável" dos partidos políticos da oposição, que acusa de intimidação e terror.

"Levantar suspeição de fraude, visando instauração de um clima de intimidação e terror no seio das populações, antes da convocação das eleições previstas e legisladas para o próximo ano 2022, não faz parte de nenhum jogo democrático, mas sim de uma estratégia errada e irresponsável de quem apregoa ventos de pseudo-democratas, mas que não sabem e nem estão preparadas para coabitar em ambiente de paz, concórdia e estabilidade", alertou, numa cerimónia que marcou a celebração dos 30 anos da criação das FAA.

As declarações do ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República surgem num momento de tensão política em Angola devido ao polémico acórdão do Tribunal Constitucional (TC) que impugnou o congresso que elegeu Adalberto Costa Júnior como presidente da UNITA. Na semana passada, as organizações juvenis de partidos políticos e da sociedade civil anunciaram a realização, a nível nacional, de manifestações de repúdio ao acordão do TC a partir do próximo sábado (16.10).

Angola Justizpalast in Luanda

Palácio da Justiça, em Luanda.

Em jeito de resposta a este anúncio, o chefe da Casa de Segurança do Presidente da República garantiu que a sociedade civil angolana "não se deixará levar pelas influências dos falsos ativistas políticos que a todo o custo querem chegar ao poder por via da desordem, desobediência civil e atos de intolerância política". O general pediu ainda às forças de defesa que estejam vigilantes na proteção da estabilidade do país. 

"Sentimento de culpa" do ministro?

Ouvidos pela DW África, alguns dirigentes partidários em Angola desmentem o general, defendendo que a oposição é quem mais luta pela democratização do país. Por outro lado, os partidos políticos angolanos desafiam o general Francisco Furtado a apresentar provas das suas acusações.

Para o secretário-geral do Bloco Democrático, Muata Sebastião, "é falso que os partidos políticos estejam interessados em criar instabilidade".

"Talvez haja por parte do ministro algum sentimento de culpa não assumida, por conta da situação que o Governo está criar, mormente a instrumentalização das instituições do Estado", acrescenta o dirigente, lembrando que a situação se "agudizou ainda mais com a última informação do Tribunal Constitucional".

"Todos estes elementos e passivos que temos relativamente a estas situações têm estado na origem de algum clima de tensão social", considera Sebastião.

Antecedentes eleitorais

Angola Luanda | Persönlichkeiten diskutieren Turma do Apito

Nelito Ekuikui

Já o secretário nacional para informação e Marketing da CASA-CE, João Nazaré, diz que os pronunciamentos do general Furtado têm antecedentes: "Sempre que estamos em véspera de eleições gerais, algumas vozes próximas ao partido no poder fazem discursos que põem em causa a estabilidade do país com o propósito de lançar toda e qualquer responsabilidade à oposição".

João Nazaré assegura que a sua coligação [a Frente Patriótica Unida] é a favor das eleições no próximo ano e lança o apelo aos cidadãos para atualizarem o registo eleitoral. 

A UNITA, através do deputado e secretário provincial em Luanda Nelito Ekuikui, responsabiliza o MPLA pelo suposto plano de clima de terror no país, com a finalidade de incriminar a oposição e justificar o insucesso na governação.

"Tem sido vontade do partido onde o general milita [o MPLA], levar os angolanos efetivamente à instabilidade. Os partidos políticos na oposição rejeitam esta agenda com bastante sabedoria. Temos conhecimento de determinadas medidas que têm sido tomadas no sentido de levar o povo a revoltar-se e depois tentar-se justificar o que não se fez com uma suposta agenda dos partidos políticos na oposição, que, na verdade, é uma agenda do partido onde o general faz efetivamente parte", acusa Ekuikui.

fonte: DW África

Morte de Nhongo: "Um avanço" rumo à segurança no centro de Moçambique.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Analista aponta "avanço importante" mas diz que "ainda é cedo para cantar vitória" quanto ao regresso à tranquilidade, após a morte do líder da Junta Militar dissidente da RENAMO em combate com as forças governamentais.


Polícia em Sofala (Foto de arquivo)

A Polícia moçambicana anunciou esta segunda-feira (11.10) a morte do líder da autoproclamada Junta Militar da Resistância Nacional Moçambicana (RENAMO), nas matas do distrito de Cheringoma, na província de Sofala, centro de Moçambique. De acordo com as autoridades policiais moçambicanas, Mariano Nhongo foi alvejado mortalmente depois de uma troca de tiros com as forcas governamentais.

A morte de Nhongo seguiu-se a uma série de apelos do Governo moçambicano, do maior partido da oposição e do representante do secretário geral das Nações Unidas em Moçambique para que o líder dos dissidentes abandonasse as matas e se integrasse no processo de Desarmamento, Desmilitarização e Reintegração (DDR) dos ex-combatentes da RENAMO em curso no país.

Findas todas as tentativas de reaproximação, o estadista moçambicano, Filipe Nyusi, deu na semana passada ordens às forcas de defesa para que colocassem fim ao dossiê da Junta Militar que tem contestado a liderança da RENAMO e os termos do DDR decorrentes do acordo de paz de agosto de 2019. "Sobre a Junta Militar da RENAMO,não vou continuar a falar sempre deste assunto, mas concluam esse dossiê", pediu o Presidente.

A RENAMO, através do seu secretário-geral, André Magibire, ouvido pela STV, parceira da DW, lamentou a morte de Mariano Nhongo, mas lembrou que "foram feitos muitos apelos para o persuadir a aderir ao DDR, tanto que cerca de 60 ou mais combatentes" que com ele alinhavam "foram desmobilizados" e outros deverão entrar no processo".

 RENAMO Guerillakämpfer in Gorongosa, Mosambik

Mariano Nhongo

O fim dos ataques no centro de Moçambique?

Que impactos terá a morte de Mariano Nhongo no seio do grupo de dirigia? Será este o fim dos ataques armados na região centro do país? Estas são as grandes questões que continuam por responder.

Hermenegildo Mudlovo, diretor executivo do Instituto para Democracia Multipartidária, está ainda cético quanto ao regresso da tranquilidade à zona centro: "Eu prefiro olhar para isso como um avanço importante para trazer a segurança à região centro do país. É ainda cedo para cantarmos vitórias em relação aos elementos que nos conduzem à violência armada", alertou, num debate transmitido pela STV.

Para o antigo presidente moçambicano, Joaquim Chissano, "os apelos devem continuar" para evitar que outros guerrilheiros sigam o caminho de Mariano Nhongo. "Se soubermos que há alguém que quer tomar as redes de Nhongo e continuar a fazer o que eles faziam, estes apelos devem ser dirigidos a estas pessoas" e "os esforços para evitar [o mesmo problema] devem continuar", afirmou.

O académico Egídio Guambe considera que a questão de violência do país é ainda um problema que deve ser resolvido a partir da base, pelo que a morte de Mariano Nhongo deve servir uma oportunidade para o Estado se reinventar. "Tendo o fim de Nhongo como uma oportunidade para o Estado se reconstruir naquela zona [centro do país], de forma a defender as populações para que não surjam indivíduos que recorram à violência para impor as suas pretensões", explicou, em entrevista à STV.

Para André Magibire, uma das saídas para o fim da violência é a construção da reconciliação nacional: "A nossa expectativa é de que os moçambicanos tenham a capacidade de preservar esta paz e de construir a verdadeira reconciliação nacional".

fonte: DW África

Total de visualizações de página