Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Guiné-Conacry: ORÇAMENTO 2016 - Assembleia Nacional aprova o orçamento.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A Assembleia Nacional adoptou na terça-feira, 5 de janeiro de 2016 em Conakry, aprovação das receitas do orçamento do Estado de 2016. A aprovação foi projetada com base em indicadores, como a inclusão de crescimento do PIB, o nível de reservas cambiais, ou o nível de despesas em capital.

http://www.guineeconakry.info/typo3temp/_processed_/

O custo estimado é de 13 trilhões 784 bilhões 741 milhões e 936 mil (13 784 741 936 000) GNF (Franco Nacional Guineense). De acordo com Aliou Bah da comissão de finanças, o objetivo é "realizar uma taxa de crescimento do PIB de 4% contra o crescimento nulo dentro das projecções revisadas em 2015 inicialmente projectadas para 4,9%, mantendo o nível das reservas de câmbio nos 3 meses de importações, manutenção do nível de despesas correntes em 16% do PIB e nível de despesas de capital em 9,6% ... ", disse o relator da Comissão de Finanças na Assembleia, ele se baseou nos pressupostos acima listados.

Os objectivos da política orçamentária se apoiam sobre "zero de dívida vis-à-vis do tesouro da BCRG; a manutenção do déficit orçamentário, incluindo subsídios a um nível razoável com percentagem do PIB, buscando ativamente financiamento por meio de doações e empréstimos concessionais .... "Anunciou ele.
Sem nenhuma surpresa, a aliança republicana do Sr. Sydia Touré e do grupo parlamentar do RPG Arc-en-ciel, votaram a favor da aprovação do texto sobre as receitas do orçamento. Enquanto o grupo Liberal Democrático de El Hadj Diallo absteve-se.

De Pivi BILIVOGUI para GCI - Guié Conakry Info

Costa do Marfim: Governo demitido, Primeiro Ministro reconduzido.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Daniel Kablan Duncan não terá ele as noites negras a pensar sobre a renuncia de cargo de primeiro-ministro. O Presidente Alassane Ouattara renovou sua confiança nele, enquanto sua carta demissionária ainda estava quente em suas mãos. É verdade que as realizações econômicas que ele tem conduzido sob a magistratura de Ouattara penderam largamente em seu favor. No entanto, se ele foi reconduzido, a equação não será a mesma para outros colaboradores do governo ...

http://www.guineeconakry.info/typo3temp/_processed_/

Na Costa do Marfim, país que quer ser emergente no limiar da década de 2020, certamente precisa de novas habilidades para lidar com a globalização cada vez mais intrusiva e um escaneamento e digitalização cada vez mais evidente dos produtos  e mesmo dos serviços.

Embora tenha reconhecido o trabalho feito por seus ministros no governo cessante, ele que já manifestou mais de uma vez a sua vontade de ir mais longe, para rejuvenescer e feminilizar a próxima equipe de governo. Para fazer isso, ele vai, sem dúvida, precisar de seus aliados no RHDP e no PDCI de Konan Bedie em particular, cujo apoio na sua governação permitiu passar por muitas tempestades neste país que ainda enfrenta os demônios da divisão política e étnica.

Neste quadro, Alassane Ouattara estará bem inspirado para ver, dentro de algumas medidas, até que ponto ele deveria aproximar da oposição e, eventualmente, integrá-la. A questão é tão delicada que é difícil de imaginar, por exemplo, como apelar para os fiéis de seu adversário político, os inquilinos de Hague, Laurent Gbagbo, sem criar as controvérsias para interromper o "Landernau" da política marfinense?
Duncan terá a latitude para apertar o governo em torno de metas econômicas ambiciosas, com uma equipe reduzida? O anterior estava inchado com 32 ministros, agora que ele foi reconduzido, a ele cabe saber como formar um governo que irá conduzir a Costa do Marfim para a EMERGÊNCIA.

De Maria BABIA para GCI
2016-GuineeConakry.Info


Guiné-Bissau: Advogado de Hélder Proença e Baciro Dabó espera que seja feita justiça.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

As circunstâncias da morte dos guineenses Hélder Proença e Baciro Dabó, em 2009, estão por apurar e os familiares das vítimas querem esclarecimentos e justiça. O advogado, Armando Procel, afirma que "ainda há esperança".
Procuradoria-Geral da República da Guiné-Bissau
Volvidos seis anos desde os assassinatos, Armando Procel, o advogado de Hélder Proença e Baciro Dabó, rompe o silêncio. Após se ter encontrado esta terça-feira (05.01) com António Sedja Mam, Procurador-Geral da República, afirmou que "a informação cedida pelo Procurador deixa um manto de esperança de que a justiça seja feita", isto numa altura em que os familiares dos ex-altos dirigentes do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) voltaram a pedir esclarecimentos sobre o andamento da investigação. Ainda assim, nem os familiares, nem o Procurador-Geral da República prestaram declarações aos jornalistas.
Armando Procel, Advogado
Os motivos e circunstâncias do assassinatos são ainda desconhecidos e sabe-se apenas que Proença foi abatido a tiro por um grupo de homens armados a 35 quilómetros de Bissau. Segundo informações a que a DW África teve acesso, o deputado do PAIGC regressaria de Ziguinchor, na República do Senegal, tendo o seu veículo sido intercetado por homens armados, supostamente numa emboscada.
Na madrugada do dia seguinte, o deputado Baciro Dabó, também foi assassinado, na sua residência, em Bissau, por homens fardados e na presença de familiares.
Os atos ocorrerem numa altura em que o país se preparava para as eleições presidenciais. Entre os candidatos estavam os ex-presidentes Malam Bacai Sanhá, Kumba Yalá e Henrique Pereira Rosa, que já faleceram.
Assassinato dos políticos Proença e Dabó não são casos isolados
Na Guiné-Bissau continuam por esclarecer outros assassinatos, como o do ex-Presidente da República, João Bernardo "Nino" Vieira, ou do ex-Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, Batista Tagmé Na Wai e de Roberto Ferreira Cacheu, deputado e dirigente do PAIGC, uma das vozes críticas que clamava justiça para fazer luz a estes casos. Mais tarde e ainda em 2009, Roberto Ferreira Cacheu, acusado de envolvimento numa suposta tentativa de golpe de Estado, desapareceu sem deixar rasto na consequência de uma fuga da sua residência em Bissau que entretanto estava a ser bombardeada por homens armados em plena luz do dia.
#dw.de

África do Sul: ANC para pressionar por lei mais dura de anti-racismo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

http://www.africareview.com/image/view/-/3022768/highRes/1221236/-/6iiw94/-/

Ao governo da África do Sul o Congresso Nacional Africano (ANC) diz que vai pressionar por uma legislação mais dura para mandar para cadeia qualquer culpado por "intolerância racial", ou por "glorificar" o apartheid.

Os negros não podem mais ser tratados como "sub-humanos", disse.

A nação foi abalada por uma fileira de racistas depois de Penny Sparrow, membro da oposição que é a Aliança Democrática (DA), postar no Facebook chamando os negros de "macacos".

Ela negou que fosse racista. O partido DA suspendeu seus membros referidos.

O sistema racial discriminatória de apartheid terminou na África do Sul em 1994. Ele tinha sido introduzido em 1948 pelo governo de minoria branca, em seguida, e mais tarde, foi declarado pelas Nações Unidas como um crime contra a humanidade.

Um porta-voz do gabinete e líder de ANC, Moloto Mothapo, disse à BBC que a legislação em vigor é insuficiente para combater o racismo.

"Nós não tivemos uma única pessoa presa por racismo, apesar de muitos casos de racismo. Nós não acreditamos que alguém é abordado por crime de racismo", disse ele.

Um comunicado emitido pelo gabinete do líder do ANC no parlamento diz que a intolerância racial e o apartheid devem ser considerados uma violação grave de direitos humanos que é punível com prisão por causa de "passado doloroso" da África do Sul.

"Em outros lugares a glorificação do nazismo e pregação do Holocausto é um crime e seus autores devem ser julgados e condenados a uma pena de prisão", acrescentou.

O ANC também disse que tinha arquivado acusações criminais contra vários membros da AD - incluindo a da Sra Sparrow e Dianne Kohler Barnard.

Sra Kohler Barnard foi expulsa da DA em outubro, após ela compartilhar um post no Facebook, que sugeriu que os serviços públicos na África do Sul foram melhores durante o apartheid e pediu o retorno do ex-presidente PW Botha.

Ela ganhou uma apelação contra sua expulsão do partido, e além disso ela foi condenada a pagar 20 mil rands ($ 1.320; £ 888) para uma instituição de caridade que trabalha com comunidades desfavorecidas por apartheid.

Na segunda-feira, o promotor disse que apresentou acusações contra a Sra Sparrow "por infringir a dignidade de todos os sul-africanos e por desumanizar negros sul-africanos", dizendo ele que não tolerará o racismo.

No Facebook, a Sra Sparrow usou a palavra macacos para descrever os foliões de Ano Novo na praia na cidade oriental de Durban por causa da bagunça que ela disse que eles fizeram.

Mais tarde, ela se desculpou, mas foi condenada por muitos na mídia social e o hashtag #RacismMustFall que é tendência no Twitter.

A Comissão de Direitos Humanos Sul-Africano, um órgão estatutário, também está investigando seus comentários.

#africareview.com

Total de visualizações de página