Postagem em destaque

Veículo robótico russo pode destruir facilmente tanques de Leopard e Abrams.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... A versão de combate do veículo robótico russo Marker será capaz de d...

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Gâmbia: JAMMEH EXORTA O NOVO PRESIDENTE DA GUINÉ-BISSAU / A PROSSEGUIR COM A RECONCILIAÇÃO.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Jammeh

O presidente da República, pediu ao novo presidente eleito da Guiné-Bissau a prosseguir uma política de reconciliação nacional e esquecer as diferenças do passado, a fim de garantir o desenvolvimento e a paz duradoura no país de língua Portuguesa. Ele disse que a reconciliação deve ser a primeira prioridade do novo presidente, dadas as experiências amargas que o povo daquela nação tinha atravessado.

Sua Excelência Sheikh Professor Dr. Yahya Jammeh Alhaji falava nesta terça-feira à noite no Palácio Presidencial em Banjul durante uma reunião crucial com o presidente eleito da Guiné-Bissau, Sua Excelência José Mario Vaz.

O Presidente da Guiné-Bissau, que ganhou a eleição presidencial com 61,9 por cento dos votos em maio, foi na Gâmbia para uma visita diplomática de dois dias, destinada a fortalecer os laços com a Gâmbia e solicitar o conselho de Jammeh, mesmo antes de seu impossamento oficial.

"Eles [ os guineenses ] sofreram muito e uma coisa chave para o sucesso é a sua crença em Deus Todo-Poderoso, porque o cristianismo e o islamismo adoram apenas um Deus e, a segunda coisa é unificar o seu povo. Deixe o passado no passado; se você quer paz entre duas partes em conflito, você não pergunta quem está errado e quem está certo. Faça ambos os lados esquecerem o passado. Você precisa de todas as mãos unidas para o desenvolvimento da Guiné-Bissau. Mesmo daqueles pessoas que não votaram em você; ter boa vontade para com eles. Seu objetivo é a Guiné-Bissau e não importa quem gostar de você, não acho que todo mundo vai gostar de você ", ele aconselhou o novo presidente.

O apoio da Gâmbia

O Presidente Jammeh garantiu seu homólogo da Guiné-Bissau o apoio continuado da Gâmbia para o indispensável desenvolvimento de seu país, dizendo que Banjul tem laços de longa data com este país da África Ocidental. Ele disse que a Gâmbia vai apoiar a Guiné-Bissau e ajudá-la a resolver seus problemas.

"Nós vamos ficar do seu lado, ajudá-lo, aconselhá-lo, mas não vamos ditar-lhe ou dar-lhe ordens. Meu objetivo para com a Guiné-Bissau não é para governar a Guiné-Bissau ou controlá-la, mas para ver a Guiné-Bissau desenvolver como qualquer outro país, porque a Gâmbia e a Guiné-Bissau têm as mesmas pessoas e não temos de continuar a depender dos outros ", ele disse ao novo presidente.

O líder gambiano aproveitou a oportunidade para parabenizar Vaz por sua vitória nas eleições que acaba de concluir, que segundo ele, foi realizada sob uma condição muito difícil.

 " Na vida de um ser humano, seja presidente ou não, a sua primeira lição é o seu coração, ter um coração puro para o seu povo, acreditar no Deus Todo-Poderoso, o que é certo e não ter medo de ninguém . Nós desenvolvemos o nosso país com base em nossos recursos e da boa vontade de nossos bons amigos. Estive em seu país e tive a oportunidade de visitar três regiões e eu lhe digo que, se eu tivesse apenas 25% do que você tem, eu viraria a Gâmbia em Cingapura. Você tem tudo na Guiné-Bissau. O seu país tem enormes campos que você pode usar para transformar a Guiné-Bissau num país exportador de arroz ", observou.

Ele continuou: " Vocês podem se tornar um grande produtor de castanha de caju, e também tornarem-se o maior produtor de arroz na África Ocidental. Mas para alcançar seu objetivo e atender a expectativa do seu povo, você vai precisar de uma equipe de pessoas dedicadas. Uma coisa que nenhum país Africano ou país do Terceiro Mundo vai achar muito fácil é evitar a corrupção e para nós aqui fomos capazes de conseguir o que conseguimos até agora porque estou combatendo à corrupção.

É um inimigo que é difícil de combater porque é muito " indescritível ". Na minha luta contra ela, não tenho nenhum parente; Eu não tenho nenhum tio, irmão, primo e, porque, como presidente, o país inteiro é a sua família. Não é só aqueles que você tem laços de sangue, mas você é o pai da nação e no que diz respeito à propriedade pública, todos devem ser iguais. Então, sendo presidente ou não sendo presidente, Allah vai julgá-lo. "

O presidente eleito, José Mario Vaz, por sua vez, expressou sua determinação em enfrentar a maioria dos problemas que têm atormentado o seu país, acrescentando que seu governo vai garantir que a paz e a estabilidade serão alcançados em sua nação. Ele elogiou o presidente Jammeh por seus esforços contínuos no sentido de assegurar a paz eterna e a estabilidade na Guiné-Bissau, enquanto exaltou suas qualidades de liderança que se traduz na história de sucesso da Gâmbia em termos de desenvolvimento, a paz e a estabilidade.

"Eu vim aqui para receber algumas lições e conselhos, porque às vezes até mesmo seu próprio pai não iria dizer-lhe o que seus amigos lhe podem dizer. Tudo o que você me aconselhou aqui vai me ajudar e estamos a considerar você como um irmão e como um guia. É por isso que sentimos que é muito importante que cheguemos a Gâmbia e conhecê-lo. Você é um amigo e um irmão ", disse o presidente a Jammeh, apreciando seus conhecimentos sobre atividades agrícolas.

Ele acrescentou: " Por favor, não permita que ninguém afaste a sua atenção, para nos ajudar a ter paz e estabilidade para a nossa economia crescer, para que possamos criar empregos para os nossos filhos. "

O secretário-geral, chefe do Serviço Civil e ministro de Assuntos Presidenciais, Momodou Sabally, que presidiu a reunião, opinou que as relações internacionais devem basear-se no benefício e no interesse das pessoas, além de exaltar as qualidades de liderança do líder gambiano.

O ministro das Relações Exteriores  Dr. Abubacarr Senghore, também falou na reunião com a presença do vice-presidente e ministro de Assuntos Femininos, Sua Excelência Dr. Aja Isatou Njie - Saidy e alguns ministros.

Autor: Musa Ndow

# www.observer.gm

Botsuana: Profissionais de sexo em Gabarone.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Em uma das ruas da capital Botswana, Gaborone. PHOTO | MTOKOSIZI DUBE.


Durante o dia, ela vai dar ao seu cabelo a aparência mais refinada, embora seja em um salão improvisado, mas quando a noite cai sobre a capital de Botswana, Gaborone, Debra Ncube (não é seu nome verdadeiro! ) troca sexo por dinheiro.

Rotineiramente, todas as noites, Ncube, que está em seus 30 anos adiantados, na estrada sashays up Notwane  da extensão 12, um subúrbio de alta densidade em Gaborone, ela está em uma saia curta, apertada, em busca de clientes.

Ela está geralmente acompanhada por algumas outras jovens, que também se acredita serem  suas compatriotas.

Elas se posicionam estrategicamente a alguns 100m da Notwane bar, mas Ncube escolhe seu lugar predileto, uma árvore em frente ao parque de estacionamento iluminado por faróis.

Ela diz que é uma profissional do sexo há cinco anos e já fez sexo com vários homens, ganhando uma média de US $ 52 por noite.

Todas as noites, depois de bater fora de seu emprego "outro emprego" , ela se junta a suas amigas em seu lugar de sempre para atrair os clientes que geralmente freqüentam os três bares no bairro.

Ela faz parte de muitas mulheres de Zimbábue em Gaborone que viajaram para o sul para assumir a profissão mais antiga - a prostituição - quando a economia do Zimbabwe ficou difícel há alguns anos.

" Isto é o que a maioria das mulheres do meu país faz. Na verdade, posso dizer com segurança que é a maioria de nós que trabalha como cabeleireiros nos salões de beira de estrada. Durante o dia, enquanto no nosso tempo fazemos cabelos das pessoas, o que realmente não rende muito. O verdadeiro trabalho começa à noite, por volta 1900hrs ", diz ela.

Ela acrescenta que há algumas que trabalhavam como empregadas domésticas durante o dia e, em seguida, adicionam aos seus magros salários com a venda de seus corpos.

Um relatório recente divulgado pelo Ministério da Saúde de Botsuana indica que existem mais de 1.500 profissionais do sexo do Zimbábue no país da África Austral.

A pesquisa foi realizada entre 2012 e 2013 e focada em três centros - Gaborone, Francistown e Kasane.

A capital Gaborone tem mais de 1.200 profissionais do sexo de Zimbábue, enquanto 300 operaram em Francistown perto do posto fronteiriço Plumtree. A cidade resort, Kasane, têm 100 trabalhadores de sexo do Zimbabué e outras estão espalhadas em várias áreas urbanas em Botswana.

Há quase 4.153 profissionais do sexo nas três cidades. Mais de 70 por cento das mulheres citam o ganho financeiro e a falta de emprego como razões para se envolverem neste tipo de comércio.

Aqueles que trabalham no salão improvisado ganham uma média de P800 ( 93 dólares ) por mês. O salário  mais baixo, no Bontleng, onde permanece Ncube, provavelmente o salário ronda em torno de P400 ( US $ 46).

Ela diz que não havia absolutamente nenhuma maneira que ela pudesse sobreviver com as transas que ela faz no salão.

" Para a maioria das pessoas, o salão é apenas para encobrir o nosso modo de agir, no caso de as pessoas começarem a suspeitar, especialmente aqueles que nos conhecem. Em uma boa noite, eu posso fazer mais do que a metade do dinheiro que eu ganho em um mês no salão ", diz ela.

Os clientes potenciais

Através disso, ela conseguiu adquirir alguns pertences para seus alojamentos em Botswana e ainda é capaz de enviar dinheiro para casa ao final de cada mês.

Ela fica com uma amiga, identificada apenas como Thoko ( não o nome real) em Bontleng, que fica ao lado de extensão 12 da Central Business e a pouca distância do Districto de Gaborone.

Sua casa está estrategicamente localizada perto de um posto de gasolina no Anel Shopping Sul, onde, ocasionalmente, se verifica a existência de potenciais clientes quando os bares fecham.

Ncube está mal em casa e não está preocupada em não ter fornecimento de energia elétrica.

"E eu precisaria de eletricidade para quê? A casa é apenas para me manter e os meus pertences. A única vez que me encontro em casa, é para dormir. "

Durante o dia, ela está no trabalho.

A partir daí, ela só chega em casa para tomar banho e ir ao seu lugar.

" Às vezes, eu só volto para casa nas primeiras horas do dia seguinte, e às vezes eu recebo clientes que gostariam de ficar comigo por alguns dias. Se eu não fizer isso, não vou sobreviver ", explica ela.

Embora ela não queria discutir seus preços, há indicações de que seus clientes pagam P70 ( US $ 8) por um curto período de tempo, e P350 ( 40 dólares ) para a noite inteira.

De tarde, a polícia tem sido duro com Ncube e suas amigas, que não têm os documentos necessários para viver e trabalhar no Botswana. Mas ela tem dominado uma maneira de vencer seus ataques.

"Sabemos agora que eles ( os policiais ), a maioria deles agora são nossos amigos. Quando eles vêm, pagamos um suborno ou apenas fazemos um curto período de tempo com eles de graça ", diz ela.

Mas essa estratégia só funciona quando elas estão lidando com policiais homens, como ela revela que as mulheres (policiais) são sempre mais intransigente.

Há alguns anos, o governo anunciou novas regras que obrigaram as cervejarias a fechar mais cedo.

O Presidente Ian Khama culpou o alcoolismo, o HIV / Aids e outras doenças, como doenças que atormentam o Botswana.

E foi que Botswana seguiu com uma campanha de que as prostitutas seriam detidas se fossem habitantes locais, ou deportadas se fossem estrangeiras pelo seu comportamento " desordenado e indecente".

E isso representou um duro golpe nos negócios da Ncube.

Por volta da meia-noite

" Muitas pessoas preferem comprar cerveja e levá-la para casa, de que tomar uma bebida no bar. Nós conseguíamos atrair a maioria dos nossos clientes em torno de meia-noite, mas agora somos obrigadas a buscá-los mais cedo, pois não haverá ninguém nos bares em torno desse tempo. "

Mas Ncube encontrou o seu caminho em torno da situação.

Ela mantém contatos com cada homem que que vai com ela para cama, e a longo dos dias, ela vai chamando-os perguntando se eles precisam de seus serviços.

" Em um determinado dia, há sempre pelo menos um deles que vai querer que eu vá passar a noite com ele", ela revela.

Botsuana é o segundo país depois da Suazilândia, em termos de taxa de prevalência do HIV / Aids na África.

Em 2012, estimou-se, pelo menos, que 400 mil pessoas com idade entre 15 e 49 anos no Botswana estavam vivendo com o HIV / Aids.

Botswana tem uma população de 2 milhões de habitantes.

E Ncube está ciente dessas estatísticas e do perigo que seu emprego da noite traz. Uma das maneiras é a sua insistência em usar a proteção o tempo todo.

Ela acrescenta : " Eu sei que há questões sobre o HIV e a Aids, mas o desafio agora é ter certeza de que devo usar proteção sempre. Cada negócio tem os seus riscos, e até mesmo a nossa. Mas temos que encontrar maneiras de lidar com os riscos, sem pôr em perigo a vida ou fazer a minha família saber que isso é o que eu tenho feito. "

o mercado

De volta para casa em Bulawayo, seus parentes pensam que ela é secretária em uma empresa de construção. Ela possui um certificado de secretariado, mas afirma que é difícil conseguir um bom trabalho na área, porque ela é uma estrangeira.

"A maioria das empresas preferem as nacionais para tais cargos, porque quando eles empregam estrangeiros, eles precisam começar a elaborar as autorizações ", diz ela.

Mas Ncube também garante que ela não recebe pessoas que conhecem os seus parentes no pais e que a visitam.

" Meus pais e todos em torno de nossa família acham que eu trabalho para uma empresa de construção como secretária. É o que eu também disse ao meu namorado. O que mais eu poderia fazer, esta é a única maneira que eu posso sobreviver aqui em Gaborone. Esta não é uma boa vida, mas não há nada que eu possa fazer, senão eu morreria como uma mendiga. "

Thoko faz repescagens da situação de muitas mulheres do Zimbábue, dizendo: ". Voltando para casa, muitas pessoas acreditam que temos altos cargos em grandes empresas, mas que não é o caso ".

A maioria das mulheres de Botswana são mais qualificadas e dominam o mercado, deixando apenas alguns poucos bons empregos para estrangeiras.

"A maioria das histórias que você ouve sobre pessoas que trabalham em bancos, empresas de diamantes é tudo mentira. Sabemos que algumas mulheres do Zimbábue que compraram propriedades  foi através deste serviço ( a prostituição ) . "

Com a situação política e económica no Zimbabué continua instável, Ncube e suas amigas fazem o jogo para permanecer um pouco mais em Botsuana para fazer uma vida-não-tão- decente.

# africareview.com 

Rússia e China: Aliança estratégica, eficaz, discreta, sem alarido...

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Rússia e China: Aliança estratégica, eficaz, discreta, sem alarido.... 20410.jpeg


"E isso significará que Moscou e Pequim juntam forças para lançar poderosa contraofensiva no Ocidente? Não, de modo algum. Nem Rússia nem China precisam disso. Esses países precisam, isso sim, de concorrência leal, sem manipulação, sem duplifalar e hipocrisia e sem atividades clandestinas de subversão e terrorismo."


A visita do presidente Vladimir Putin da Rússia a Xangai nos dias 20-21 de maio, atraiu a atenção do mundo inteiro, mas, por várias razões, a significação dessa visita ainda não foi plenamente declarada. É como se o ocidente não conseguisse abrir mão da ilusão de uma sua supremacia, e preferisse não ver a alternativa que se vai configurando e emergindo, no formato de uma aliança russo-chinesa. Além disso, diferente de práticas passadas, Moscou e Pequim não querem alertar o oponente com declarações grandiloquente mas nem sempre claras ou específicas, e têm preferido trabalhar metodicamente e em silêncio, construindo suas relações bilaterais com conteúdo abrangente e exequível.

A maioria dos relatos jornalísticos sobre a visita de Putin, por isso, se centraram nos acordos de gás -, e os componentes militares, políticos e estratégicos de seus encontros em Xangai estão passando praticamente sem registro sequer pelos especialistas. Os críticos reduziram tudo ao fornecimento de matérias primas russas e à "penetração chinesa" no mercado russo... Mas o verdadeiro sentido dessa visita é muito mais profundo, e talvez só possa ser devidamente apreciado, em toda sua significação, por historiadores, no futuro.

Se se examina de perto a "Declaração Conjunta da Federação Russa e da República Popular da China sobre um novo estágio de parceria em ampla escala e relações estratégicas" [orig. ing. Joint Statement of the Russian Federation and the People's Republic of China on a new stage in full-scale partnership and strategic relations[1]] assinado pelos chefes de estado, não é difícil ver que o documento contém vários elementos similares a acordo que crie uma aliança militar e política, mas sem implementação final por lei.

Afinal, se o procedimento de implementação que talvez venha a ser necessário algum dia pode ser feito em bem pouco tempo, o mais difícil e mais demorado é definir os princípios em torno dos quais os signatários estão de acordo. Mas, sim, há há, pronto, uma espécie de acordo 'de reserva', pronto a ser desenvolvido, se preciso.

Rússia e China chamaram a coisa de "um novo tipo" de relações entre estados, enfatizando que

"o resultado de uma parceria ampla e igualitária, de confiança e cooperação estratégica em nível muitomais alto será fator chave para preservar e garantir os interesses vitais dos dois países no século 21, e para criar uma ordem mundial justa, harmoniosa e segura."

Trata-se disso. Isso, precisamente, terá de ser levado em conta por todos, em todo o planeta.

A Declaração Conjunta delineia a filosofia geral da atitude dos dois países em relação aos problemas globais do nosso tempo, chamando sempre a atenção para a natureza fundamentalmente firme, profunda e orgânica - nunca oportunista - da nova parceria. A Declaração Conjunta declara, por exemplo, que

"os dois países continuarão a garantir um ao outro firme apoio em questões relacionadas a interesses-núcleo, como soberania, integridade territorial e segurança. Os dois países opor-se-ão a qualquer tentativa por quaisquer métodos de intervenção em assuntos internos, e apoiarão total adesão às provisões fundamentais da lei internacional consolidada na Carta das Nações Unidas; respeito incondicional aos direitos dos parceiros a escolher independentemente a própria via de desenvolvimento; e respeito incondicional ao direito de defender os próprios valores culturais, históricos, éticos e morais."

Nada além de um modelo liberal tristemente mediano. Mas muito distante do 'modelo' que tem sido universalmente imposto pelo Ocidente. Os dois países destacam a necessidade de

"rejeitar a linguagem das sanções unilaterais, ou a organização, ajuda, apoio, financiamento ou encorajamento de atividades que visem a mudar o sistema constitucional de qualquer outro país, ou de arrastar ou empurrar qualquer outro país para qualquer tipo de bloco unilateral ou união."

Em outras palavras, é a rejeição categórica de incontáveis 'revoluções coloridas' orquestradas por todo o planeta pelo Ocidente; e da expansão de tradicionais blocos de estilo militar e político, como a OTAN. As relações desse "novo tipo" escolhido por Moscou e Pequim são também convenientes, porque não deixam aos EUA nenhum espaço ou terreno para justificar qualquer tentativa para expandir o bloco.

Mas, no processo, China e Rússia admitem a expansão de sua própria 'proto-união', mediante a inclusão de mais uma das grandes potências da política mundial - a Índia. Consideram a interação dessas três potências como

"importante fator para garantir segurança e estabilidade tanto na região como no mundo. Rússia e China continuarão seus esforços para fortalecer o diálogo estratégico trilateral para aumentar a confiança mútua, desenvolver posições comuns sobre questões regionais e globais importantes, e promover cooperação prática mutuamente benéfica."

Deve-se lembrar que o recém empossado novo primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, a julgar por suas declarações, está pronto para trabalhar desse modo.

"Permanece a necessidade de reformar a arquitetura financeira e econômica internacional, de realinhá-la às necessidades da economia real, e de aumentar a representação e o direito de voto de mercados emergentes e países em desenvolvimento no sistema da governança econômica global, para restaurar a confiança no sistema."

Deve-se observar que Rússia e China consideram o G-20 como o principal fórum de cooperação econômica internacional, não o notório 'G7', e empenharão esforços ativos para fortalecer a união e aumentar a efetividade das atividades do G-20. Celebrações pelo 'ocidente' depois de a Rússia ter sido expulsa do  'G8' foram pois precipitadas.

Rússia e China visam a transformar também outro grupo, o dos países BRICS,

"num mecanismo para cooperação e coordenação com ação em ampla gama de questões financeiras, econômicas e políticas globais, incluindo o estabelecimento de parceria econômica mais próxima, a necessidade de criar-se brevemente um Banco de Desenvolvimento dos BRICS, e a constituição de uma cesta de moedas de reserva para os negócios internacionais."

Foram firmados importantes acordos também para a criação de um corredor de transporte para a Rota da Seda, cuja criação o ocidente também muito desejava, por acreditar que seria uma alternativa à rota de trânsito eurasiana pela Rússia, e uma espécie de coluna de contenção nas relações russo-chinesas. Esse projeto, que preocupou a Rússia durante muito tempo, revela-se hoje como item importante e benéfico na cooperação russo-chinesa. Moscou já declarou que

"considera importante a iniciativa da China, para o desenvolvimento do "Cinturão Econômico Rota da Seda"; e aprecia a disposição da China para tomar em consideração os interesses da Rússia, no curso do desenvolvimento e da realização desse projeto. Os dois paíese continuarão a procurar meios possíveis para unir o projeto do "Cinturão Econômico Rota da Seda" e a União Econômica Eurasiana que está sendo criada."

Implica que a nova Rota da Seda não servirá aos interesses geopolíticos do ocidente. Em vez disso, responderá às demandas urgentes de China e Rússia, inclusive em termos da presença estratégica de ambos os países em regiões adjacentes à própria Rota da Seda. Mediante esforços conjuntos, Moscou e Pequim são perfeitamente competentes para tirar a área das mãos do ocidente - o que configura mais uma gigantesca derrota para Washington.

A participação de Putin ao lado do líder chinês Xi Jinping na abertura dos exercícios navais conjuntos na Base Naval Woosung acrescentou mais um tom simbólico à visita de Putin a Xangai. Vale recordar que reunião semelhante aconteceu no início do que viria a ser a Entente Franco-Russa, que foi marcada pela chegada do esquadrão francês a Kronstadt.

Os países também decidiram realizar exercícios conjuntos para comemorar o 70º aniversário da vitória contra o fascismo alemão e o militarismo japonês nos teatros europeus e asiáticos da 2ª Guerra Mundial, além de continuar em sua "oposição decidida contra tentativas de falsear a história e minar a ordem do mundo do pós-guerra". Essa é questão considerada de alto significado estratégico, além do alto significado histórico.

De fato, Moscou e Pequim, em 2014, estão reconhecendo reciprocamente o papel decisivo de ambas as nações na vitória contra a Alemanha, pelo lado russo; e na vitória contra o Japão, pelo lado chinês. Afinal o ocidente sempre se empenha em reduzir, ou até apagar o papel que Rússia e China desempenharam naquela guerra mundial. Os EUA impuseram à força, a todo o planeta, a ideia de a contribuição dos EUA na vitória na 2ª Guerra Mundial teria sido decisiva, se não na Europa, pelo menos na Ásia.

Mas hoje se sabe que as forças terrestres do Japão foram dizimadas principalmente na China, e que aWehrmacht foi dizimada no Front Oriental. O que os norte-americanos fizeram foi, quase exclusivamente, dizimar populações civis nas Ilhas do Japão, em violentas campanhas de bombardeios aéreos, quando usaram inclusive bombas atômicas. Não é mistério o motivo pelo qual o exército Kwantung japonês, de um milhão de soldados, não marchou na direção da Sibéria; não marchou contra a Sibéria porque não conseguiu sair da China, onde foi detido pelos chineses.

Naquela guerra, morreram meio milhão de norte-americanos. Mas morreram 35 milhões de chineses. Toda a glória a todos que morrem em luta por causa justa, mas esses números mostram com clareza qual o país que carregou nos ombros o verdadeiro peso da vitória na 2ª Guerra Mundial. Assim afinal se corrige, não só o conteúdo de uma lembrança histórica, mas, também, a verdade histórica sobre o papel especial que duas potências - Rússia e China - desempenharam para determinar a ordem mundial do pós-guerra.

Dos acordos econômicos práticos firmados pelos dois países, além dos planos de energia, o acordo sobre desenvolvimento conjunto de aviões de grande porte é particularmente interessante. Prevê-se que, no verão de 2014, a Russian United Aircraft Corporation (UAC) e a Commercial Aircraft Corporation COMAC, da China, apresentarão um estudo de viabilidade do projeto aos respectivos governos. O investimento dos países na empresa conjunta ainda não foi especificado, mas a russa UAC informou que será comparável ao projeto do Boeing 787 (cerca de 32 bilhões de dólares norte-americanos) e ao projeto do Airbus 350. Dado que a Rússia já domina o processo de produção dos Sukhoi Superjet 100 de curto alcance e em breve iniciará a produção dos MS-21 de médio alcance, Rússia e China, e adiante talvez Rússia e Índia, poderão entrar na produção de itens para toda a linha de aviões de transporte civil, com motores especiais e alta proporção de itens de tecnologia avançada. Além disso, terão uma vantagem competitiva sobre as empresas Boeing e Airbus, porque estarão orientadas para o mercado doméstico - cerca de 2,5 bilhões de pessoas. Há planos também para o desenvolvimento de um helicóptero de grande porte, sucessor do ainda insubstituível Mi-26. E não é só o esperado sucesso comercial desses projetos que importa. A maior importância deles está em que, com eles, cria-se um novo centro global, independente do ocidente, para produção de tecnologias críticas.

O analista norte-americano Robert Parry escreveu que a aproximação entre Rússia e China é "histórica", entendendo que a crise ucraniana deu à China, país cujo poder econômico está em franco crescimento, e à Rússia, com sua abundância de recursos naturais, ímpeto novo e muito significativo. "China e Rússia uniram-se recentemente num bloco no Conselho de Segurança da ONU, para bloquear iniciativas do ocidente. Significa que, em vez de ter isolado a Rússia na ONU, a abordagem linha-duríssima do Departamento de Estado dos EUA na ONU no caso da Ucrânia teve efeito exatamente oposto: a Rússia tem hoje um novo e poderoso aliado".

E isso significará que Moscou e Pequim juntam forças para lançar poderosa contraofensiva no Ocidente? Não, de modo algum. Nem Rússia nem China precisam disso. Esses países precisam, isso sim, de concorrência leal, sem manipulação, sem duplifalar e hipocrisia e sem atividades clandestinas de subversão e terrorismo a serviço dos 'negócios' dos EUA e da União Europeia.

Tudo isso considerado, em breve será possível comparar e aferir, para determinar qual o melhor modelo. A cada ano que passar, mais e mais difícil será, para o ocidente, continuar a ignorar as justas demandas propostas, cada dia mais claramente, pelos novos polos da política global.
# pravda.ru

Total de visualizações de página