Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Burkina Faso: O que se sabe sobre Roch Marc Christian Kaboré - o presidente eleito.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Roch Marc Christian Kaboré - Presidente eleito

Roch Marc Christian Kaboré, de 58 anos, foi eleito presidente do Burkina Faso, de acordo com os resultados das eleições presidenciais anunciados na noite de 30 de novembro a 1º de dezembro. O ponto culminante de uma longa jornada para este animal político, que estava do lado direito Compaoré antes de ir para a oposição. Aqui está o que sabemos sobre o novo chefe de Estado burkinabé.

Filho de Ministro

Roch Marc Christian Kaboré é filho de  Charles Kaboré Bila. Professor de formação, este último foi nomeado assessor técnico do Ministro do Interior e de Segurança, em 1961, antes de se tornar tesoureiro geral do Alto Volta e membro do Conselho Económico e Social. A partir de outubro 1963 a 9 de Dezembro de 1965, ele serviu como ministro das Finanças antes de tomar o Ministério da Saúde até a queda da Primeira República em janeiro de 1966.

Consultor Financeiro e Secretário-Geral da Presidência da República até 1975, Charles Kaboré Bila foi então nomeado vice-governador do BCEAO (Banco Central dos Estados Oeste Africano) até 1982, antes de se retomar como consultor técnico e, em seguida, secretário-geral da presidência burkinabé até sua aposentadoria em 1985. Roch Marc Christian Kaboré é o próprio Roch casado e com três filhos.

Formação Economista

Filho de uma boa família católica, titular da BA em 1975, Roch Marc Christian Kaboré inicia estudos em Economia na Universidade de Dijon (França) a partir do ano lectivo de 1975-1976. Ele obteve em 1979 um mestrado em Economia e Estudos Especializados (DESS). Graduação em gestão que lhe dá o certificado de aptidão em administração e gestão de empresas pela Universidade de Dijon.

Voltou para casa para colocar suas habilidades à nação, ele se juntou ao Banco Internacional de Alto Volta (BIV), agora Banco Internacional do Burkina (BIB),onde ocupava o cargo do Diretor Geral de 1984 a setembro de 1989, antes de se juntar ao governo.

Esportista

Roch Marc Christian Kaboré é um esportista realizado. O ex-escoteiro, ele praticou basquete durante a sua escolaridade, inclusive na faculdade São João Batista de La Salle, em Ouagadougou. Ele vestiu mesmo a camisa da equipe nacional nesta disciplina.

Hoje ele é o padrinho da equipe Rail Club du Kadiogo primeira divisão do campeonato nacional de futebol no Burkina Faso, ele ganhou em 2005.

Jovem ativista da esquerda

Isto não é só porque Roch Marc Christian Kaboré fez carreira no banco que ele não tem um passado de militante. Em Dijon, são por efeito as associações da esquerda que ele frequentou no final do ano de 1970 antes de voltar ao Burkina, ele integra a União de Luta Comunista Reconstruitiva (ULC-R), um movimento ressuscitou a favor do golpe de Estado contra Thomas Sankara para Blaise Compaoré em 1983.

É, no entanto, um membro anônimo do Politburo, sem envolvimento real na estrutura, embora sua nomeação, em 1984, aos 27 anos, para o cargo de Director-Geral do Banco Internacional do Burkina (BIB) começa a dar-lhe uma certa reputação.

Mudança ideológica de Blaise Compaoré

Quando Thomas Sankara foi assassinado e Blaise Compaoré tomou o poder, Roch Marc Christian Kaboré opera, de acordo com seus críticos, uma primeira revira-volta. De fato, enquanto dezenas de quadros revolucionários são caçados, incluindo os da ULC-R do qual Kaboré faz parte, ele mesmo assinou, com três outros membros do bureau político do movimento, uma carta de lealdade ao novo líder do Estado, elogiando sua " rectificação da revolução".

Blaise Compaoré, que procura se cercar de executivos menos dogmáticos, capazes de aceitar a abertura da direita, vai se apoiar sobre esses "segundos violinistas". Portanto, o destino de Compaoré e Kaboré se misturam.

O Dolphin "Blaise"?

Roch Marc Christian Kaboré se instala progressivamente na comitiva de Blaise Compaoré. Um ano após a sua adesão, ele foi nomeado para o Ministério dos Transportes e herda, em 1991, o Ministério para a Coordenação da ação do governo, uma espécie de primeiro-ministro bis.

Ele tornou-se oficialmente o primeiro-ministro em 1994, após um desvio nas Finanças e será depois eleito presidente da Assembleia Nacional, de 2002 a 2012. Em paralelo, ele ocupa o cargo de Secretário Executivo do Congresso para a Democracia e Progresso (CDP do partido de Compaoré) de 1999-2003 antes de ser eleito presidente de 2003 a 2012. Todas estas funções teriam-no longo tempo designado como o "dolphin Blaise", embora suas relações não foram sempre mar de rosas.

Sincero divórcio

A relação entre Compaoré e Roch Marc Christian nem sempre foi fácil. No CDP como no exército, Kaboré não tem apenas amigos. Os militares consideram-no muito relaxado, muito mole. Economista, é sim o homem dos patrões. Salif Diallo, que também ambicionava suceder Blaise Compaoré, ele é hostil a ele debaixo da mesa, assim como ao irmão do presidente, François Compaoré, responsável pelo sector privado.

No início dos anos 2010, Roch Marc Christian Kaboré é progressivamente afastado do CDP e é removido em torno Blaise em torno dos homens de confiança de Compaoré, notadamente Assimi Kouanda, fiel entre os mais fieis, que assume a presidência do partido em 2012. Em seguida, ocorre a questão do artigo 37 da Constituição, que proíbe o Presidente de concorrer em 2015 e o que levará Roch Marc Christian Kaboré a mudar permanentemente para oposição.

O inimigo número um dos pro-Compaoré

Parentes de "Blaise" não escondem-no: eles consideram Roch Marc Christian Kaboré como um traidor responsável por sua queda. O motivo: a sua decisão de mudar para a oposição em Janeiro de 2014, ao mesmo tempo que se opõe à vontade do Chefe de Estado de alterar a Constituição.

Na Linha de Fogo pró-Compaoré também estão Salif Diallo e Simon Compaoré, os outros dois fundadores do Movimento Popular para o Progresso (MPP), muito antigos pilares do regime.

Homem de Consenso e de redes

Desde seus primeiros passos no CDP, onde ele usava o seu relacionamento com os grandes patrões para evoluir, Roch Marc Christian Kaboré é considerado como um homem da rede, hábil na construção de consenso. Ele pode gabar-se de possuir tão boas conexões na sub-região, que ele teceu para seus deveres ministeriais.

Ele tem o dom de "os cantos cortados" confidenciou um de seus parentes para Jeune Afrique. Depois de sua passagem para a oposição, ele notadamente já trabalhou no seio de um trio de experiência como chefe do MPP. Presidente do partido e candidato à presidência, ele foi capaz de compartilhar os papéis dos estrategistas com Simon Compaoré, ex-prefeito de Ouagadougou com a saúde debilitada, e Salif Diallo, que há muito sonhavam ser sucessor de Blaise Compaoré, mas também doente.

#jeuneafrique.com

COP 21 : Presença lusófona em Paris.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Lígia ANJOS
Parque de Exposições de Le Bourget, em Paris
Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe fazem parte da aliança dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento. Representam 28% dos países em desenvolvimento e são altamente vulneráveis às alterações do clima, como todo o continente africano. Arrancou hoje em Paris a 21ª Conferência do Clima da ONU (COP21), com os líderes mundiais à procura de fazer história e assinar um novo acordo para combater o aquecimento global.
A Guiné-Bissau está representada pelo seu Presidente José Mário Vaz e Angola pelo seu Vice-Presidente, Manuel Vicente. As delegações de Cabo Verde; Moçambique e São Tomé e Príncipe são chefiadas pelos respectivos primeiros-ministros; José Maria Neves, Carlos Agostinho do Rosário e Patrice Trovoada.

primeiro-ministro português, António Costa
Chegou ao início da manhã a Paris, mas ao contrário dos outros chefes de Estado e de governo, não poderá falar porque o anterior governo não inscreveu Portugal na COP 21. Primeiro ministro português foi recebido pela edil de Paris Anne Hidalgo e afirmou que Portugal é o pais europeu com a maior média de produção de energias renováveis.

novo ministro português do ambiente, Joao Pedro Fernandes
Sublinhou que o arranque dos trabalhos se acompanha de um forte optimismo relativamente à obtençãoo de um acordo vinculativo e alega que o seu país e a União Europeia se têm fortemente empenhado nesta meta.

Vice-Presidente de Angola, Manuel Vicente

Representa o Presidente José Eduardo dos Santos. Angola que preside o grupo de Países Menos Avançados - LDCs - que defendem que o Acordo de Paris deve incluir o objectivo de limitar o aumento da temperatura abaixo dos 1.5°C.

Presidente guineense José Mário Vaz
Esteve ontem reunido com a comunidade guineense radicada na capital francesa. Hoje(ontem) o chefe de Estado guineense discursou na COP 21, onde louvou a França por ter mantido a realização a conferência apesar dos atentados de 13 de Novembro e recordou a enorme vulnerabilidade do seu pais face às alterações climáticas.

Entrevistado pelo nosso enviado especial ao Parque de Exposições de Le Bourget, Miguel Martins, o secretário de Estado guineense do ambiente, Viriato Cassamá
Afirma-se optimista quanto ao desfecho da cop21 que hoje arrancou no Bourget, perto de Paris, acerca da possibilidade de um acordo vinculativo colocando o aquecimento do planeta num limite de dois graus centigrados.

Também presente em Paris está o primeiro-ministro cabo-verdiano José Maria Neves que discursará esta tarde.
Vai levar propostas concretas à cimeira, nomeadamente, a necessidade de se evitar que o aumento da temperatura média do planeta venha a ultrapassar os 1,5 graus celsius. Cabo Verde dará, desta forma, o seu contributo nas discussões para que o país possa cumprir os objectivos de desenvolvimento sustentável no horizonte de 2030.

São Tomé está representado pelo seu primeiro-ministro, Patrice Trovoada.

O projecto “Bioenergia em São Tomé – Aproveitamento energético de biogás” foi um dos 150 selecionados, entre 800 candidaturas, para integrar a agenda da COP 21 em Paris. O projecto do arquipélago que pretende testar a aplicabilidade da tecnologia de digestão anaeróbia ao tratamento dos resíduos orgânicos dos agregados familiares de zonas rurais de São Tomé e Príncipe.

#rfi.fr






Total de visualizações de página