Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Directo de Cuba - As ridículas declarações de Yánez-Barnuevo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

 Com tantos problemas econômicos e sociais que tem a Espanha, com a repressão policial a seus cidadãos, este secretário de Estado dos Assuntos Exteriores e Iberoamericanos, expressou que a situação dos direitos humanos em Cuba continua sendo "preocupante".

OSCAR SÁNCHEZ SERRA

• UMA informação da agência de notícias espanhola Efe, enviada de Madri, em 15 de junho, indica que o secretário de Estado dos Assuntos Exteriores e Iberoamericanos, Juan Antonio Yánez-Barnuevo, expressou que a situação de falta de respeito dos direitos humanos em Cuba continua sendo "preocupante".
É surpreendente e, ao mesmo tempo, ridículo que um representante da chancelaria de um país em meio de uma severa crise econômica e social, faça declarações ingerencistas desse tipo para granjear as boas graças do império, para se congraçar com a direita (para ficar em boa posição com o diabo e com o diabrete), e ferir a sensibilidade de um povo heróico como o cubano que, há mais de meio século, enfrenta ataques e campanhas que tentam desacreditar seu processo revolucionário.
As declarações — segundo noticia a mesma agência — foram enunciadas durante um comparecimento na Comissão dos Assuntos Exteriores do Congresso dos Deputados.
Mais uma vez, se pode verificar que não há diferenças ostensivas na forma de pensar dalguns que, sob a pele "socialista", expressam total conivência com essa retórica anticubana promovida pelo ‘aznarista’ Partido Popular.
Tamanha verborragia a do senhor Yánez-Barnuevo! Será que vive numa outra galáxia? Chegou ontem a Madri?
Este "socialista" deveria professar mais respeito para o povo espanhol. Deveria falar no Congresso com preocupação pelo que está acontecendo em seu próprio país, onde muitos cidadãos estão muito longe de conseguirem o pleno reconhecimento e desfrute dos direitos humanos e liberdades fundamentais.
Ou que é isso que está acontecendo agora com as brutais cargas da polícia espanhola contra manifestantes "indignados" que saíram em multidões às ruas, em cidades como Madri e Barcelona, para protestarem pacificamente pela falta de futuro, justiça e segurança, ademais de nenhuma resposta aos inúmeros problemas que enfrenta hoje essa sociedade, que entre outras mazelas, sofre significativos cortes na despesa pública em saúde, ensino e outros?
Como consequência da repressão, houve centenas de feridos.
Por que não fica alarmado pelo desemprego em seu país, que hoje ultrapassa 20% da população economicamente ativa, a qual representa o incrível número de mais de 4,5 milhões de seus concidadãos que estão sem trabalho, segundo a própria imprensa espanhola?
Yánez-Barnuevo deveria ficar inquieto e se ocupar da quantidade de jovens desempregados, que duplica a média existente nos países da União Europeia, chegando a afetar a mais de 43% da população juvenil em idade trabalhista; ou que oito milhões de seus concidadãos vivam abaixo do nível de pobreza; ou que em 1,3 milhão de lares não haja, sequer, um membro da família que tenha um emprego estável.
Nem sequer chama a atenção deste homem, considerado o número dois da chancelaria espanhola, que uma em cada quatro crianças espanholas enfrente hoje o risco de viver na pobreza?
Organizações internacionais expressaram sua preocupação por causa da situação grave que se apresenta na Espanha com a trata de menores e mulheres procedentes da Europa do Leste e África Subsaariana fundamentalmente, vítimas de redes internacionais de prostituição.
O senhor Yánez-Barnuevo não pode aparecer como uma virgem vestal na política para dar receitas a Cuba com tantos e sérios problemas que enfrenta a Espanha. Qualquer pessoa sensata e honesta concorda em que o governo espanhol está muito longe de ser exemplo no referido ao respeito dos direitos humanos e às liberdades fundamentais.
 
Fonte: granma.cu

Já que a fraude eleitoral para(2012) está desenhada...

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

...Só resta aos angolanos se prepararem para o pior, para que a desilusão seja menor. 
Já dizia um grande historiador Francês( Alexis de Tocqueville): O momento mais perigoso para um mau governo, começa quando este tenta fazer reformas. Mas é ainda mais perigoso, quando este regime se recusa a fazer reformas.
O MPLA sabe que a única garantia, para a continuidade do seu projecto de roubalheira, é jogar no seguro recorrendo á mais uma fraude eleitoral.
Para um regime despótico, que detém cada fracção de poder firme em suas mãos, a tarefa de fraudar eleição, seja quantas forem necessárias, não é nada muito difícil. E principalmente, quando este regime tem consciência de que nada lhe acontece, mesmo havendo provas mais do que suficientes.
O regime sente - se tão avontade, que nem precisa fazer concessões ou reformas, para credibilizar o processo eleitoral que se avizinha. Apenas implementou uma série de mecanismos prévios, que lhe assegure, ainda maior campo de manobra no jogo sujo da batota habitual.
E é curioso que, eles até já estão preparados, e sabem que motivos procurarem para atrasar ou anular os resultados, caso os rumores de fraude aumentem de intensidade.
Eles vão continuar a fraudar enquanto tiverem sob seu controle , a pulsação de um povo, com falta de líderes dinâmicos e pujantes para lhe mostrar o caminho certo.
Sem fraude o regime não sobreviverá á próxima primavera, mesmo apesar de ter nas suas fileiras os melhores demagogos e populistas do momento, que África tem.
Quando se fala sobre a mais do que provável fraude eleitoral para o próximo ano, tornou-se comum as pessoas limitarem o debate, á apenas uma / duas ou três formas de fraude, que conhecem e dominam.
É preciso não esquecer, que os tipos de fraudes possíveis são inúmeros, e se os conhecermos teremos uma visão mais ampla de todo o processo eleitoral.
E nos facilitará a identificar todos os pontos do processo que serão possíveis, de virem a ser atacados por pessoas bem instruídas pelo MPLA, para manobrar as eleições, caso as mesmas se concretizem.
A oposição precisa ir ás ruas não só para aplaudir quem tomou a iniciativa, mais ela própria como organizadora exigindo mais transparencia. Mesmo apesar, de haver pouco a fazer, num país onde os partidos nunca partem em pé de igualdade, para o processo eleitoral.
A oposição tem que se movimentar mais, fazendo sentir a sua presença em todos os cantos do país, para conquistar a simpatia do povo. Se cada povo tem a oposição que merece , para ser sincero, e sem querer beliscar o grande esforço que se tem feito para se mudar o cenário, no nosso país a oposição é quase inexistente.
Enquanto a nossa oposição pensar que só poderá sobreviver, se o regime permitir vai ser muito difícil mudar as coisas em Angola.
A nossa oposição não pode parar, deve ir ás universidades, promover debates, trabalhar com os sindicatos, visitar fábricas, lar dos velhos e hospitais, etc .
Assim como dar uma palavra de conforto, aos miúdos que vivem sem qualquer perspectiva debaixo de pontes ( perdidos no álcool / droga e prostituição). Assim como fazer discursos constantes / organizar comícios por iniciativa própria / porque isto não é, e nem pode ser proibido seja lá por quem for.
Porque afinal se pretendemos uma democracia forte, é preciso haver uma oposição combativa, que defende os seus projectos, e que seja aguerrida, de forma a sustentar essa mesma democracia. Uma oposição que caminhe de braços dados com a juventude, sem medo de ser acusada disto ou daquilo, porque é ela o garante do futuro deste enorme país.
Porque o importante é estar consciente do trabalho construtivo que se faz, em torno desses tantos jovens, que ainda bem, já começam á sair da casca. Uma oposição que faça pesquisas, que aprende cada vez mais com a experiência dos nossos velhos, e com grande arcabouço de propostas nacionais e locais.
Oposição que não pare de denunciar os podres deste regime, que nem por isso, são poucos, e que ao mesmo tempo apresente as suas alternativas. Uma oposição que não feche seus olhos, e nem sua boca, quando sabe que morrem angolanos noutros países em defesa de ditaduras.
Exemplo Costa do Marfim, onde muita coisa ainda não foi revelada, e a mentira foi contada em sintonia, por um regime que fez dela a sua melhor arma.
Este caso acreditem, ainda vai deitar muita tinta, há dados de militares franceses que contrariam completamente a versão oficial, do governo angolano. Inclusive fotos de angolanos que estiveram presos, e seus responsáveis que os conhecemos tão bem, apesar de alguns nomes aldrabados.
Na devida altura os portais online terão acesso, para divulgação da vergonha de um regime. Que até se dá ao luxo, de esconder mortes e prisões de angolanos na Costa do Marfim, se é que não morreram noutros países ?
Angola precisa de uma oposição que trabalhe em parceria com os outros partidos nacionais, estrangeiros e especialmente com a Diáspora.
A fraude está praticamente preparada, e curiosamente alguns dos seus estrategas continuam gozando do mesmo respeito e admiração . Pouca coisa fazer, num país onde alguns partidos já partem para as eleições meio condenados, e sentenciados sem saberem, como aconteceu em 1992 / 2008.
MPLA sabe onde começa a " estupidez " dos outros, e começa á sua habilidade ou seja , matreirice criminosa, para manobrar eleições.
Desde o cadastramento de eleitores, votação, apuração e a totalização dos votos entre outras tantas batotas de costume. Cada um desses documentos será um ponto de ataque, onde o regime irá introduzir fraudes mais ou menos abrangentes.
E disto, eu e outros que trabalham comigo, não temos a mínima duvida, porque conhecemos muito bem o regime por dentro e fora.
Importa dizer que, quer o cadastro, a votação como a apuração e a totalização podem ser burlados, assim como os documentos do eleitor, os votos, os boletins de urnas podem ser falsificados.
E até mesmo os registos consolares de cidadãos, da Diáspora que já estão sendo avisados, que mais uma vez estarão afastados do direito em escolherem os seus legítimos representante. Tremenda desilusão para muitos, que ambicionam usufruir esse seu legitimo direito?
Para mim , não é caso de não aquecer ou arrefecer, mais mesmo que pudesse, não sou de alinhar em farsas. Isto vai acontecer como tudo indica, e infelizmente já não será nada de novo na nossa pobre história, de eleições.
Quem é quem em Angola ?
Para controlar um regime que já mediu forças, ao ponto de limitar aos seus próprios opositores ás possibilidades de o controlar?
Será que algum cidadão sensato deste país, acredita que a famigerada ( CNE ) tenha sido criada para ser transparente e justa?
Será que algum cidadão que conhece tão bem este regime, acredita que a ( CNE ) recebeu instruções para educar o eleitorado como evitar as fraudes / burlas / comercio do voto / e outras trapaças de sempre?
E se o fizer, nada mais será do que numa jogada habitual para iludir os menos atentos, ou se seja, como se diz popularmente, para o inglês ver.
Temos que ser realistas, e não viver na ilusão de que os nossos apelos no sentido de haver mais transparencia, são ouvidos e levados em consideração por este regime?
Alguns nem sei em que planeta vivem, ainda continuam a acreditar nas ditas boas intenções, como se em alguma ocasião o regime já o tivesse provado. Eles têm os seus projectos muito bem definidos na óptica deles, e vão seguir a sua linha, nem que para isto tenham que atropelar, esmagando quem estiver no caminho.
Se as condições e garantias para fraude até lá, não estiverem consolidadas 100 %, o regime ainda pode dar uma cambalhota / pregando um grande susto, e adiar tudo.
Disto podem estar certos, deste MPLA tudo se espera, e nada é impossível.
Fernando Vumby
Fórum Livre Opinião & Justiça
 
Fonte: angola24horas


Nigéria - Atentado visa polícias em Abuja.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Uma forte explosão foi ouvida no quartel geral da polícia nigeriana em, Abuja, a capital federal.
Segundo testemunha terá sido uma deflagração muito forte, uma bomba colocada no parque de estacionamento do edifício, nesta altura não se sabe se a explosão terá causado vítimas.
Os acessos nas imediações encontram-se vedados e toda a zona foi evacuada.

Veja o vídeo:


Fonte: euronews

Ayman al-Zawahiri, apontado como líder da al-Qaeda.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Zawahiri, advertiu na semana passada que Bin Laden vai continuar a "aterrorizar" os EUA no além-túmulo.
Al-Qaeda nomeou Ayman al-Zawahiri como líder após a morte de Osama Bin Laden, o comandante geral da organização, diz em comunicado.
Bin Laden foi morto por forças dos EUA no Paquistão no começo de maio.
No comunicado, a Al-Qaeda ", anuncia que o xeque Ayman al-Zawahiri, que Deus possa guiá-lo, assumiu a responsabilidade como [líder] do grupo amir".
Ele avisou que vai continuar a lutar contra uma jihad ou guerra santa contra os EUA e Israel, sob sua direção.
O comunicado divulgado em um site militante foi atribuído ao general do comando da Al-Qaeda e foi divulgado pela al-Fajr Media Center, o braço midiático da Al-Qaeda Central.
Zawahiri, nascido no Egito foi deputado de Bin Laden e havia sido amplamente antecipado para substituí-lo no comando.
 
' Renascimento jihadista '
Zawahiri, cujo aniversário de 60 anos acredita-se ser neste domingo, é reivindicada por alguns especialistas de ter sido o "cérebro operacional" por trás do dia  9 / 11 que foi feito ataques contra os EUA.

Ayman al-Zawahiri

  • Nascido no Cairo, Egito, em 1951
  • Treinado como um cirurgião de olho
  • Ajudou a fundar o grupo egípcio e militante Jihad Islâmica
  • Conhecido como o homem de Osama Bin Laden do lado direito e o principal ideólogo da Al-Qaeda
  • "Cérebro operacional" por trás do ataque de 9 / 11.
  • recompensa de US $ 25 milhões (£ 15 milhões) por sua cabeça
"Hoje, e graças a Deus, a América não está voltado para um indivíduo ou grupo de indivíduos, mas uma nação se rebelando, o que despertou de seu sono em um renascimento da jihad".
O correspondente da BBC Jon Leyne diz que as prioridades para o novo líder da Al-Qaeda podem incluir a tentativa de montar um grande ataque para mostrar que a organização ainda está no negócio.
Além disso, diz ele, Zawahiri vai querer transformar a onda de instabilidade no Oriente Médio para a vantagem da Al-Qaeda - talvez a construção de mais de uma base de poder no Iêmen e de trabalho para intensificar a instabilidade lá.
Zawahiri advertiu há pouco mais de uma semana atrás que Bin Laden vai continuar a "aterrorizar" os EUA no além-túmulo.
Numa mensagem de vídeo postada na internet em 08 de junho, Zawahiri disse que a Al-Qaeda continuará a lutar.
"O xeque partiu do princípio, que Deus tenha misericórdia dele, e anunciou ele como um mártir e de que têm de continuar em seu caminho da jihad para expulsar os invasores da terra dos muçulmanos e para purificá-lo de injustiça", disse Zawahiri.

Divisões?
Em sua mensagem na semana passada, Zawahiri aplaudiu as revoltas árabes contra os "líderes corruptos e tiranos" e exortou as partes envolvidas a prosseguirem a sua "luta até a queda de todos os regimes corruptos que o Ocidente tem forçado em nossos países".
Mas o correspondente acrescenta que a demora em anunciar Zawahiri como chefe da Al-Qaeda - já vem de mais de seis semanas após a morte de Bin Laden, apesar de ser a escolha óbvia - podem apontar para divisões no seio da liderança. 

Análise

 Ayman al-Zawahiri foi sempre e vai ser a opção padrão para o sucesso de Osama Bin Laden.

Um extremista egípcio altamente inteligente, ele era o homem que Bin Laden tinha para "pensamento global" na década de 1990, ampliando a sua mensagem a partir de reclamações sobre tropas dos EUA em solo saudita para uma série de queixas muçulmanos da Caxemira para  Palestina.
Mas especialistas dizem que a Al-Zawahiri não tem o carisma de seu antecessor. Há também dúvidas sobre se, tal como um egípcio, ele vai comandar a autoridade total sobre agentes da Al-Qaeda da Arábia Saudita e outros países do Golfo.
No entanto, Bin Laden e outros líderes e militantes que se acreditava estarem escondidos por lá, mas pelo contrário foram descobertos em cidades paquistanesas e outras cidades.
Matar Bin Laden por forças especiais dos EUA em uma operação secreta na cidade e na guarnição de Abbottabad em 02 de maio provocou tensas relações entre Washington e Islamabad.
O Presidente dos EUA Barack Obama disse que "alguém" estava protegendo Bin Laden, mas o Paquistão negou qualquer conhecimento sobre o paradeiro de Bin Laden e prendeu informantes da CIA.

Fonte: BBC 

 
 

Total de visualizações de página