Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 6 de junho de 2015

Secretário de Estado solto sem despacho judicial na Guiné-Bissau.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Idelfrides Manuel Gomes Fernandes é acusado de venda ilegal de passaportes diplomáticos e de serviço.

Bissau

O secretário de Estado das Comunidades da Guiné-Bissau Idelfrides Manuel Gomes Fernandes, detido na passada sexta-feira, 4, foi solto neste sábado, 6, sem qualquer decisão judicial.
Como a VOA noticiou, Gomes Fernandes foi detido por agentes da Polícia Judiciária no dia 4 por volta das 16 horas e levado para a sede daquela corporação.
Neste sábado, o secretário de Estado foi libertado, mas fontes em Bissau garantem que não houve qualquer autorização da justiça. Nem o Governo nem o Ministério Público ou a Polícia Judiciária comentaram o caso que é tema de conversa nas ruas da capital guineense.
Em determinados círculos, nomeadamente observadores e fontes do poder judicial, estranham a soltura do governo e temem que a impunidade continue a marcar pontos no país, depois de restabelecida a ordem constitucional há mais de um ano
Idelfrides Manuel Gomes Fernandes é acusado pelas autoridades policiais e judiciais de alegada venda ilegal de passaportes diplomáticos e de serviços.
Recorde-se que meses atrás, muitos cidadãos estrangeiros foram apanhados com passaportes diplomáticos e de serviço, os quais tinham a assinatura do Secretário de Estado das Comunidades, em vez da do ministro titular dos Negócios Estrangeiros, como impõe a lei.
Idelfrides Manuel Gomes Fernandes é secretário de Estado das Comunidades desde o Governo de Transição, saído do golpe de Estado de 12 de Abril de 2012. Entretanto, ele tinha ocupado o mesmo cargo no Governo de Carlos Gomes Júnior.
#VOA

Gâmbia: bandjul deu 72 horas para uma diplomata europeia abandonar o país.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Le président gambien, Yahya Jammeh.
O Presidente Gambiano Yahya Jammeh. © AFP

O governo gambiano deu 72 horas para a encarregada de negócios da Delegação da União Europeia (UE) em Banjul, Agnès Guillaud, deixar a Gâmbia, segundo um comunicado oficial que não forneceu nenhum motivo.
"O governo gambiano informou ao público que decidiu pedir a Senhora Agnès Guillaud, encarregado de negócios da Delegação da União Europeia na Gâmbia, para sair do território gambiano no prazo de 72 horas", disse o comunicado lido nesta sexta à noite, na televisão estatal.

O texto explica que é por um período de tempo curto "a partir desta sexta-feira, 5 de junho de 2015", mas não fornece nenhuma explicação sobre as razões da expulsão neste sábado que criou surpresa nos círculos diplomáticos.

Fontes ocidentais em Banjul e da região delimitada pela AFP disse que o governo simplesmente optou pela "expulsão" da Sra. Guillaud, assegurando e ignorando os motivos e declinando  todos os comentários.
Segundo uma das fontes, Agnès Guillaud, de nacionalidade francesa, está na Gâmbia desde 2011, que a UE é um dos principais parceiros económicos, fornecendo subsídios no período 2008-2013, num total de 65 milhões de euros.

O ex-enclave da colônia britânica no Senegal, com excepção do seu litoral, a Gâmbia é gerido por quase 21 anos por mão de ferro o Sr. Yahya Jammeh. Jammeh chegou ao poder em Julho de 1994 através de um golpe de Estado, em seguida foi eleito em 1996 e reeleito três vezes de (2001, 2006 e 2011). Seu REGIME é regularmente acusad de violações dos direitos humanos e  da boa governança.

Em 2010, a UE tinha cancelado a concessão de 22.000.000 € em ajuda orçamental para Gâmbia em razão de preocupações sobre direitos humanos e da boa governação.
Yahya Jammeh por seu lado ataca freqüentemente os países ocidentais que, segundo ele, condicionam sua ajuda a Gâmbia concernente aos direitos dos homossexuais. "Se vocês quiserem nos dar a ajuda porque nós casamos homens com homens e mulheres com mulheres, desistam. Nós não precisamos da vossa ajuda como TAMBÉM enquanto eu permanecer presidente da Gâmbia, vocês nunca verão isso acontecer neste país ", disse ele em uma declaração ao Parlamento em 21 de Abril de 2012.

Jammeh também esteve apreensivos quando, em dezembro de 2012, a UE exortou a Gâmbia para abolir a pena de morte, e para reabrir a mídia --geralmente fechada por criticar o poder-- e não permitir o acesso de diplomatas estrangeiros a prisões.

Ele sentiu que essas recomendações da UE eram "um insulto" e que seu país "como um país soberano (...) não mudará suas leis porque a UE quer que seja feita."
Então, em janeiro de 2013, ele acusou a UE de tentar "criar uma situação de instabilidade" na Gâmbia ou para "instalar um governo fantoche." Milhares de pessoas tinham então organizado passeatas em Banjul, gritando palavras de ordem contra a UE.

Bruxelas por sua parte assegurou não querer "impor" suas visões na Gambia, mas sim dialogar. Em outubro de 2013, a Gâmbia anunciou a sua retirada "com efeito imediato" da organização da Commonwealth anglófonos, sem explicação, mas para castigar "uma instituição que representa uma continuação do colonialismo".

#jeuneafrique.com

Total de visualizações de página