Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Senegal: Lei das Finanças de 2015 - O orçamento do palácio aumenta em 19 milhões dólares.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Macky Sall

Para o ano de 2015, o orçamento da Presidência aumentou em 19.606 milhões de francos CFA. Ele vai de 43,400 milhões para 63,014 milhões. O orçamento operacional do palácio passou assim de 27 para 36 milhões. "The Observer", diz que as mudanças no orçamento da Presidência é devido à natureza social que o presidente Macky Sall queria dar ao exercício de 2015.

As principais ações desenvolvidas na área social são geridas por estruturas ligadas à Presidência da República. Este é o caso do Programa Nacional de Bolsas de Estudo da segurança da família que irá beneficiar de uma doação de US $ 20 milhões para ser usado para alcançar 100 mil novas famílias. O que fará com que, em 2015, 200.000 famílias sejam beneficiadas.

No orçamento de 2015, também é reservado 166 milhões de dólares para infra-estrutura. A chamada reserva cautelar de 52 milhões de dólares americanos também estão previstas para o bonde e o trem rápido entre Dakar e o Aeroporto Internacional Blaise Diagne (AIBD).

Os custos com pessoal, que eram de 491,6 milhões passarão para 510 milhões de dólares, um aumento de 18,5 milhões. O aumento justifica-se pelo recrutamento de novos funcionários para o setor de saúde pública, forças de segurança e novos contratados para Educação. O recrutamento de 4.902 agentes é, de fato, previsto para 2015, incluindo 1.000 para o setor de saúde e 3000 para as forças de defesa e segurança.

# seneweb.com

ONU: Comitê sobre ebola reunido para discutir possíveis restrições a viagens.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Foto: PMA/Martin Penner

Agência internacional é responsável por aconselhar a Organização Mundial da Saúde sobre recomendações de viagens e de comércio; resultado da reunião deve sair nesta quinta-feira; PMA começa a construir bases logísticas em áreas remotas da África Ocidental.


Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.
O Comitê de Emergência para Regulamentação Internacional de Saúde Sobre Ebola está reunido pela terceira vez, nesta quarta-feira em Genebra, para discutir a resposta à doença.
O objetivo é avaliar os últimos desenvolvimentos sobre o vírus e aconselhar a Organização Mundial da Saúde, OMS, sobre a necessidade, ou não, de mudar as atuais restrições de comércio e de viagens.
Resultados
Segundo o porta-voz do secretário-geral da ONU Farhan Haq, as conclusões da reunião serão divulgadas nesta quinta-feira.
Até o momento, a OMS não fez nenhuma recomendação do tipo. O ebola matou 4877 pessoas, dentre 9936 infectados. Os países mais atingidos são Guiné, Libéria e Serra Leoa.
Esta semana, o Programa Mundial de Alimentos, PMA, está enviando por via aérea equipamentos para zonas remotas dos três países. O material será utilizado para a construção de bases logísticas direcionadas à resposta ao surto da doença.
Ajuda
O PMA anunciou ainda que um navio com 7 mil toneladas de arroz chegou a Freetown, em Serra Leoa.
Sobre doações financeiras para a resposta global, o Fundo da ONU já recebeu US$ 50 milhões, mas muito mais é necessário, segundo o secretário-geral.
O dinheiro é utilizado para laboratórios móveis, formação de profissionais de saúde, veículos, helicópteros e equipamentos médicos. Ban Ki-moon agradeceu os governos da Austrália, Colômbia, Venezuela e Coreia do Sul, os últimos países a fazer contribuições para o fundo.
O chefe da Missão da ONU para Resposta de Emergência ao Ebola, Anthony Banbury, já visitou a Guiné e ainda está em viagem aos três países mais afetados.

# Rádio ONU Online

DENIS MUKWEGE, UMA VOZ AFRICANA CONTRA O ESTUPRO É HOMENAGEADO PELA EUROPA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Denis Mukwege em Estocolmo no ano passado. Credit Hugues Honore / Agence France-Presse - Getty Images

O Parlamento Europeu atribuiu o seu maior prémio de direitos humanos, o Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento, ao Dr. Denis Mukwege, um cirurgião ginecologista congolês que tratou milhares de mulheres e arriscou sua vida em uma campanha para acabar com o uso de estupros em massa como uma arma de guerra. 

O prêmio de $ 65.000 foi criado em 1988 em homenagem a dissidente soviético Andrei D. Sakharov. Entre os vencedores anteriores incluem Nelson Mandela; Kofi Annan, ex-secretário geral das Nações Unidas; Malala Yousafzai e, um dos destinatários do Prêmio Nobel da Paz deste ano, para os quais o Dr. Mukwege era um dos favoritos. 

Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, disse em um comunicado na terça-feira que o Dr. Mukwege, de 59 anos, tinha sido escolhido "por sua luta pela proteção, especialmente das mulheres." Ele será convidado a Estrasburgo, França, para receber o prêmio em 26 de novembro, disse o comunicado. 

"Em muitos conflitos armados em todo o mundo, o estupro é usado como arma de guerra", disse o comunicado. O Dr. Mukwege ajudou vítimas em seu país, a República Democrática do Congo, por fundar o Hospital de Panzi em Bukavu, em 1998, e ele ainda trata as vítimas de violência sexual.

Enquanto a guerra no Congo pode ser formalmente citada, ele disse que, "o conflito armado continua na parte oriental do país, e assim fazem os ataques contra civis, incluindo violações em grupo." 

A declaração reconhece outros concorrentes para o prêmio, mencionando ativistas ucranianos que tomaram as ruas de Kiev, capital da Ucrânia, no ano passado, em uma revolta exigindo laços mais estreitos com a União Europeia, e Leyla Yunus, uma defensora dos direitos humanos no Azerbaijão. 

Dr. Mukwege é conhecido por seu trabalho em um dos lugares mais traumatizados do mundo. Nas colinas acima de Bukavu, onde durante anos houve pouca eletricidade ou anestésicos, o Dr. Mukwege tem realizado cirurgia em inúmeras mulheres, algumas poucas escaparam da morte por chegarem ao seu hospital. 

Conforme o diretor do Hospital de Panzi, o Dr. Mukwege tem sido uma presença estabilizadora em meio ao tumulto. Em casaco branco  de cirurgião, ele concentra-se em curar o dano físico e o trauma psicológico após a agressão sexual, ajudando a apoiar programas de criação de emprego e treinamento de liderança para vítimas de estupro. Ele é conhecido por seu carisma discreto e seu reservatório aparentemente sem fundo de empatia. 

Ele fez campanha incansavelmente para chamar a atenção para a situação das mulheres congolesas, mesmo depois de passar por uma tentativa de assassinato há dois anos. 

"Não é uma questão das mulheres; é uma questão da humanidade, e os homens têm de assumir a responsabilidade de acabar com o estupro ", disse o Dr. Mukwege em uma entrevista no ano passado. "Não é um problema de África. Na Bósnia, a Síria, a Libéria, Colômbia, você tem a mesma coisa."

Em 2012, o Dr. Mukwege fez um discurso ardente nas Nações Unidas, censurando o governo congolês e de outras nações por não fazerem o suficiente para parar o que ele chamou de "uma guerra injusta, que tem usado a violência contra as mulheres e estupro como estratégia de guerra." 

Logo após o discurso, ele voltou ao Congo, e quatro homens armados penetraram em seu complexo em Bukavu. Eles levaram sua crianças reféns e esperaram que ele voltasse do trabalho. Na chuva de balas que se seguiram, o guarda foi morto, mas o Dr. Mukwege se jogou no chão e sobreviveu.

Ele passou mais de dois meses no exílio em recuperação, mas depois decidiu que, apesar dos riscos, ele teve que voltar. 

"Para tratar as mulheres, pela primeira vez, pela segunda vez, e agora eu estou tratando as crianças nascidas após o estupro", disse o Dr. Mukwege na entrevista. "Isso não é aceitável." 

Congo tem sido constantemente saqueado por grupos armados e seus próprios líderes, deixando um vórtice de instabilidade no leste do país. O Dr. Mukwege emergiu como um campeão do povo do Congo, até mesmo vem estimulando a esperança de que um dia ele poderá concorrer à presidência. 

Susannah Sirkin, a diretora de política internacional de Médicos pelos Direitos Humanos, que tem trabalhado em estreita colaboração com o Dr. Mukwege, o chamou de "um feroz defensor da paz e da igualdade para as mulheres em seu país." 

Ela disse que ele estava profundamente perturbado e encorajado por "tratar uma mulher após a outra, enviá-las de volta para a zona de guerra apenas para serem estuprada novamente ou condenadas ao ostracismo por suas comunidades. "


# nytimes.com

Total de visualizações de página