Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Presidente Buhari da Nigéria: ...Mais visita a Camarões do que ameaça do Boko Haram.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Da esquerda: Presidentes Mahamadou Issoufou do Níger, Boni Yayi do Benin, Idriss Deby do Chade e Muhammadu Buhari da Nigéria após uma reunião em Abuja, em 11 de junho de 2015 que incidiu sobre as questões de segurança relacionadas com o Boko Haram. O Presidente Buhari chegou em Camarões em 29 de julho de 2015 para uma visita oficial de dois dias. ARQUIVO | GRUPO Nation Media

O Presidente da Nigéria Muhammadu Buhari chegou nesta quarta-feira em Camarões para uma visita oficial de dois dias a convite do Presidente Paul Biya.

É a primeira visita do presidente Buhari a Camarões desde o seu empossamento em 29 de maio.

As preocupações de segurança são esperadas para o topo da agenda, quando a visita ocorre em meio à crescente violência transfronteiriça na Nigéria e Camarões, perpetrado pelo grupo jihadista, Boko Haram.

O grupo, que tem se empenhado em uma insurgência de seis anos na Nigéria, começou incursões transfronteiriças em Camarões em 2013.

A excursão do presidente Buhari também vem na esteira de uma onda de atentados suicidas em Camarões. Embora os nigerianos sofreram atentados suicidas por cerca de cinco anos, foi a primeira vez que Camarões estava sendo submetido a tal ataque pelo Boko Haram.

Cerca de 100 camaroneses perderam a vida nos ataques.

O Presidente Buhari já se reuniu com os líderes do Níger e do Chade sobre os ataques terroristas. Junto com os Camarões, os três países deram as mãos na luta contra a Boko Haram.

A Força-Tarefa Conjunta multinacional, estabelecida pelos quatro países e com sede no Chade, deverá estar operacional em 30 de julho.

O encontro entre os líderes da República dos Camarões e da Nigéria decorre alguns dias antes de uma cimeira conjunta CEDEAO-CEEAC na capital da Guiné Equatorial, Malabo, em 3 de agosto.

As relações bilaterais

Além do foco na violência Boko Haram, a cúpula Biya-Buhari também terá a oportunidade para discutir as relações bilaterais entre Camarões e Nigéria.

Camarões e Nigéria partilham uma fronteira marítima e terrestre de cerca de 1.700 km, que se estende desde o Oceano Atlântico para a bacia do Lago Chade. Anteriormente, os dois países se confrontaram em uma disputa sobre a posse da península de Bakassi, rica em petróleo no Golfo da Guiné.

Atualmente, Bakassi é regido pelos Camarões, após a transferência da soberania da Nigéria como resultado de um acórdão do Tribunal Internacional de Justiça em 2002.

Mas em 22 de novembro de 2007, o Senado nigeriano rejeitou a transferência, dizendo que ceder o território era contrária à constituição de 1999.

No entanto, o território foi devidamente transferidos para Camarões em 14 de agosto de 2008. Aos nigerianos estabelecidos na área foi dada a opção de permanecer na República dos Camarões ou voltar para a Nigéria.

Analista acredita que o Presidente Buhari irá rever a questão.

As estatísticas oficiais mostram que cerca de três a quatro milhões cidadãos nigerianos vivem em Camarões, enquanto um bom número de camaroneses também vive na Nigéria.

Nigéria, o gigante económico e maior população da África, é um dos principais parceiros comerciais de Camarões. Comércio trans-fronteiriço entre os dois países tem crescido significativamente nos últimos anos.

A estimativa é de 170 milhões de nigerianos e 21 milhões de camaroneses é um grande mercado para os investidores de ambos os países para explorar, mas grande parte do comércio entre eles é informal através da fronteira permeável.

As estatísticas mostram que entre 2011 e 2014, as exportações da Nigéria compreendiam: cosméticos, têxteis, automóveis e peças sobressalentes para equipamento para uso doméstico, enquanto que os Camarões exportam principalmente o algodão, borracha e alimentos.

Novos mercados

Chefes de Estado desses países certamente irão discutir formas de expandir o comércio entre eles, que, de acordo com o Banco Mundial, poderia desempenhar um papel menos crítico na aceleração do desenvolvimento económico e da integração regional através da abertura de novos mercados para os produtores, e permitindo-lhes beneficiar de economias de escala.

Além disso, existe a possibilidade de reforçar a cooperação através da criação de uma zona de livre comércio.

As estatísticas do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) mostram que Camarões é o lar de cerca de 350.000 não-cidadãos de mais de 20 países diferentes. A maioria deles se encontra nas regiões orientais e Adamawa.

Desse número, 243 mil são da República Centro-Africano, enquanto 74.000 são do nordeste da Nigéria; estes últimos principalmente se instalaram na região Norte dos Camarões.

O Presidente Buhari, ao contrário de seus antecessores, quebrou a tradição de visitar Yaoundé antes de oficialmente assumir a posse.

O presidente eleito Olusegun Obasanjo fez uma escala no palácio em Yaoundé em 16 de março de 1999 e manteve conversações com o Presidente Biya já a frente da presidência.

O falecido Umaru Musa Yar'Adua e Goodluck Jonathan também foram recebidos já a frente da presidência no Palácio em 2007 e 2011, respectivamente.

A maioria dos camaroneses esperava que o Sr. Buhari faria o mesmo. Ele não só ignoraria esta lei não escrita, mas também esnobou visitar um dos presidentes do mundo que mais tempo permaneceu no poder, o Presidente Biya, em sua turnê inaugural no exterior.

Acredita-se ainda que a visita a Camarões do Presidente nigeriano foi influenciado pelo líder francês, François Hollande, que esteve em Yaoundé recentemente.

O Presidente Buhari tinha assistido à reunião do G7 na Alemanha no mês passado, onde foi discutido o terrorismo. Ele também se encontrou com o presidente dos EUA, Barack Obama, em Washington DC antes da turnê deste último à África Oriental.

#africareview.com

Malik Barack ao seu irmão Obama: "Se nosso pai fizesse parte do povo Lot, você não teria nascido."

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

obama-malick

Convidado pela rádio FM Milele, Malik Obama não hesitou em falar do seu irmão mais novo Barack Obama. Em uma entrevista em Swahili, Malik livre para dar respostas inéditas para questões colocadas pelo jornalista.

Aqui está uma tradução parcial da entrevista.

Malik Obama: Meu irmão mudou tudo, ele se tornou outra pessoa. O Barack Hussein que eu conheço não é o mesmo que preside os EUA. O Barack Obama era alguém mais inteligente. Ele gostava muito de sua raça e do continente Africano. Ele não cessa por dizer que vai lutar pela liberdade dos negros e do continente africano. Mas eis que hoje ele é capaz de conduzir a sua luta, ele não pensa em pequeno interesse pelo qual deveria,no entanto, esquecer o bem da comunidade negra.

Milele FM: Mas o que faz você pensar que o presidente Obama não pensa nos negros e no continente Africano? Você por acaso não tem um problema pessoal com ele?

Malik: Um problema com ele? De modo algum. Eu estou somente um pouco decepcionado com seu carácter atual. Quanto a dizer que ele não pensa em sua comunidade, as provas são abundantes.

Todos os dias, os negros são injustamente mortos pela polícia nos EUA. E ele não levanta um dedo para condenar esta injustiça. Na África, ele arma os grupos terroristas contra seus irmãos e irmãs africanos. Ele participou da queda do presidente Gaddafi [...]. E quando se trata de África, ele está nos pedindo para fazer parte do povo de Lot. * Parece que ele é tão ignorante a ponto dele não sacar que, se o nosso pai fizesse parte do povo Lot, ele mesmo (Barack Obama) não teria nascido.

Milele FM: Você diz que você não tem um problema com seu irmão Barack Obama. Então, o que fez você decidir vender suas cartas escritas à mão?

Malik: Eu nunca vendi cartas a ninguém. Eu apenas dei aos jornais para atrair a atenção de meu irmão e lembrá-lo do homem que ele era antes. Mas, aparentemente, ele é tão surdo como eu tinha imaginado. [...].

* O povo de Lot era um povo de homossexuais.

#http://senego.com/

Total de visualizações de página