Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Tribuna: soluções para o emprego dos jovens na África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

África é uma das regiões do mundo mais dinâmico. No entanto, o emprego dos jovens não consegue decolar. Explicações:

 
 REUTERS/Thomas Mukoya 

Com uma taxa de crescimento estimada em 4,5% em 2012, a África é um dos lugares do mundo mais dinâmico.
No entanto, este crescimento tem um impacto muito limitado sobre o emprego e o emprego dos jovens em particular.
Conferência da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre o emprego dos jovens que se realizou em Paris (17  a 19 de
setembro de 2012) foi uma oportunidade para buscar soluções práticas para que as economias africanas sejam mais vantajosos na criação de emprego.Por que as economias africanas não criam emprego suficiente?
A observação das dificuldades estruturais das economias africanas para gerar emprego e permitir a integração de jovens no mercado de trabalho é bem conhecido e compartilhado globalmente.
A primeira deficiência de emprego  e principal em África está ligada à falta de competitividade, em particular contra a concorrência asiática industrial.
No processo de fabricação, os preços de produção são geralmente duas a três vezes mais caros em África do que na Ásia. Impossível, neste contexto imaginar que, unidades de produção com forte demanda necessitem de intervensões externas para se instalar fortemente no continente africano.
As causas desta falta de competitividade são muitas como CEO do grupo marfinense SIFCA, Jean-Louis Billon:
    
"Em competitividade, ele é descartado em qualquer lugar, a tributação, o fator custo e infra-estrutura."
Uma declaração intransigente tem o mérito de fraquezas claramente estruturais das economias africanas.


Mas, infelizmente, a competitividade não é o único obstáculo ao emprego de jovens na África, que também sofre de uma "baixa diversificação da produção", de acordo com o governador do Banco Central dos Estados da África Oeste (BCEAO) Tiemoko Meliet Kone, que lamenta que, na maior parte, a produção africana está limitada à agricultura e mineração.
Muitas fraquezas que são pelo menos parcialmente relacionada com problemas de acesso a financiamento para os empresários.
Tiemoko Meliet Kone também salientou em seu discurso de duas fraquezas endêmicas de economias africanas: a falta de investimento produtivo e de uma taxa bancária muito limitada (12% na África Ocidental).


Concretos planos de ação para o emprego dos jovens

Como neste contexto como avançar o emprego dos jovens na África e dar confiança para as futuras gerações?
Além da intenção e discursos nem sempre postos em prática, a busca de soluções práticas está registrado no DNA do New York Institute Fórum começando a repensar a economia global.
Soluções inovadoras já estão em vigor em todo o continente e devemos inventar novas maneiras de oferecer aos jovens oportunidades de emprego em seus países. Fornecidas soluções realistas e contar com um verdadeiro compromisso político.
Dada a urgência da demanda social, a economia africana precisa reinventar seu modelo de negócios e reposicionar-se de forma concertada em favor do emprego dos jovens. É essencial que a África unida avance sobre estas questões com o objetivo de construir uma África ligada à economia mundial.
Para Mario Pezzini, diretor de desenvolvimento da OCDE, os líderes políticos devem ter a coragem e a visão para implementar reais "políticas industriais" enquanto se concentra no tecido das PME.
Estas são também as conclusões de um recente relatório da McKinsey (África no Trabalho: criação de emprego e crescimento inclusivo), que afirma que a competitividade africana só é possível se os países são capazes de encontrar "nichos de competitividade ".
Uma estratégia que compensa, de acordo com a McKinsey, citando o exemplo de Marrocos e recente entrada do país no mercado para pequenas fabricação de autopeças.
Ainda é necessário que os empresários africanos sejam capazes de encontrar o financiamento necessário para passar de informal para formal.
Nesta área, o enorme desenvolvimento nos últimos anos, as soluções de micro-crédito são um dos credíveis e inovadores psoluções para apoiar os pequenos empreendedores, cujo financiamento e necessidades não são importantes, e que o sistema bancário tradicional não os ajuda.


Crescimento em África, deveria criar emprego
Em 2035, a África terá mais força de trabalho do que a China e a Índia. Este valor deve servir como uma bússola para entender as vantagens inegáveis ​​da economia africana para enfrentar a concorrência internacional.
Mas para que essa vantagem demográfica não se torne um fardo impossível de arrastar, a África deve se livrar da situação paradoxal que agora é dela: a de uma região que gera um forte crescimento, mas
também cria (muitos) empregos.
Deve ser dada prioridade à promoção do crescimento inclusivo valorizando a valor justo do emprego local.
É, nomeadamente, uma das prioridades do novo presidente senegalês Macky Sall, como explicou o seu ministro da Economia e Finanças, Amadou Kane: "O Senegal decidiu promover (em concursos públicos ) projetos e componente importante do trabalho. "
Uma nova situação no continente.
Se o Sr. Kane lamentou que o setor agrícola senegalês não está suficientemente envolvido no processo de transformação (que gera uma grande parte do valor), especialmente ao nível da exploração, recordou o contexto da política do governo  e Trabalho:

    
"As finanças públicas sólidas e um quadro macroeconómico estável é a primeira base para o emprego e, particularmente, para o emprego dos jovens."
De acordo com a McKinsey, duas estratégias devem ser combinadas para aumentar significativamente o emprego dos jovens em África: o crescimento, fortalecimento é claro, mas o mais importante para garantir que as exportações de recursos gerem empregos locais e pelo menos uma porção do processamento é realizado no local.
E se depara com a difícil questão de formação e de educação, outro calcanhar de Aquiles do continente. Como apontado por Jean-Louis Billon, "é difícil recrutar a um nível superior, porque muitos foram para o exterior."
Educação, a competitividade, a especialização, a transformação. Todos os fatores que desempenham no futuro a profundidade do emprego dos jovens na África.
Como afirmado pelo presidente dos EUA, Bill Clinton, "não há nada de errado em África que não pode ser corrigido o que é bom na África."
Richard Attias, o presidente Richard Attias & Associates, fundador de Nova York e
Fórum de África em Nova York. 

fonte: SlateAfrique 



Total de visualizações de página