Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 8 de junho de 2021

O FMI concede 350 bilhões ao Senegal.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O Senegal acaba de obter 350 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI) por um período de 18 meses, graças aos Direitos Especiais de Saque (Dts). O anúncio feito ontem ocorre poucas semanas depois da cúpula de Paris sobre o financiamento das economias africanas.

“O Conselho Executivo do FMI aprova um Standby Agreement e Standby Credit Facility Agreement no valor de DES 453 milhões (aproximadamente $ 650 milhões ou CFAF 350 bilhões) a favor do Senegal e conclui a terceira revisão do programa apoiado pelo instrumento de coordenação da política econômica ”, anunciou um comunicado à imprensa.

Com este acordo, o FMI vai desembolsar imediatamente 187 milhões de dólares, ou pouco mais de 100 bilhões.

Este envelope de 350 bilhões, que acompanha o instrumento de coordenação da política econômica, permitirá ao Senegal reanimar sua economia após os efeitos da pandemia Covid-19. O FMI especifica que as perspectivas macroeconômicas do Senegal para 2021 permanecem bastante frágeis, apesar de um horizonte promissor.

Com um crescimento projetado de 6,8% no início de 2020, o Senegal encerrou com 1,5%, devido à pandemia de Covid-19. Em 2021, o crescimento esperado é de 3,7%. O país com déficit orçamentário de 6% prometeu ao FMI voltar, até 2023, à alíquota de 3% fixada pela Uemoa.

fonte: seneweb.com

SENEGAL: Ampliam-se as mulheres de emigrantes - a distância, os sogros e as adversidades.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Ser uma mulher imigrante, especialmente nesta época da pandemia de Covid-19, pode ser uma verdadeira provação. Perda de recursos financeiros, peso de distância e sogros; o sonho quase se transformou em pesadelo. Seneweb oferece testemunhos comoventes apoiados pela opinião de um psicólogo e um islamólogo.

Diouma Ndiaye, na casa dos cinquenta, é casada com uma imigrante que mora na Itália há anos. Vestida com roupa de Cera, a jovem, que dirige uma oficina de costura em Zac Mbao, conversa com algumas de suas clientes que ali se encontram. Após alguns minutos de discussão, ela concorda em compartilhar sua dor neste período de epidemia.

A mãe diz que está preocupada com o marido, que vive em um dos países mais afetados pela Covid-19. "Meu marido emigrou durante vinte anos. Ele usou os papéis de um amigo para viajar. Desde então, ele não voltou ao Senegal. Tenho três filhos que agora são adultos."

Diouma Ndiaye está longe de ser um caso isolado. No Senegal, muitos desses jovens vão para o exterior, deixando suas esposas por anos. Às vezes em situação irregular, passam cinco, dez ou até vinte anos no país de acolhimento sem regressar ao país.

Durante esse tempo, a mulher que permaneceu no redil passou por todos os tipos de dificuldades. A maioria delas deseja se juntar aos maridos no exterior. Desejo que permanece impossível por enquanto, porque o cônjuge não tem os papéis regularizados. Somado a isso está a pandemia Covid-19, que apareceu em todo o mundo há mais de um ano.

No início, era principalmente medo pelo marido diante da devastação da Covid-19 no Ocidente. “Fiquei muito preocupada com o meu marido. No início, para me tranquilizar, ele me ligava quase todos os dias. Alhamdulillah! Ele nunca foi infectado, mas isso não me impede de me preocupar com ele”, lembra.

Mas, com o tempo, o medo deu lugar à redução dos recursos financeiros. Para Diouma, a situação continua aceitável, pois apesar de vários períodos de confinamento, o marido continua trabalhando em meio período.

Este não é o caso de todos os emigrantes. Residente no Sicap-Foire, Kiné Ngom, uma recém-casada de 25 anos, é estudante em uma universidade local. Ela já está preocupada com os estudos, pois as mensalidades e outras despesas são custeadas pelo marido. Porém, com a epidemia, tudo mudou. Ele ficou meses sem trabalhar.

"Você tem que saber que esta epidemia é apenas um teste. Certamente, todo fim de mês, meu marido me mandava dinheiro para meus estudos e minhas despesas; mas eu não vou culpá-lo se ele ficou meses sem me mandar nenhum dinheiro . Felizmente, as atividades estão sendo retomadas gradualmente na Europa. E peço ao bom Deus que nos ajude a superar esta provação para que tudo volte ao normal. "

Por enquanto, o mais importante para ela é saber que o marido está seguro onde está.

 "Eu tive um aborto espontâneo por causa da pressão familiar"

Morando no Liberty 4 com seus sogros, Codou Fall, com quase trinta anos, é casado com um emigrante que partiu por três anos. Esta jovem sem filhos parece ser uma mulher corajosa. Mas por trás dessa aparência jovial, esconde-se uma tristeza.

"Durante três anos de casamento, vivemos apenas alguns meses. Tínhamos acabado de nos casar, quando ele me disse que iria para a Itália para que pudesse me dar uma vida melhor. 'Foi muito difícil para mim, mas não tive escolha, porque não podia fazer nada contra isso ", disse Codou.

Apesar do amor que existe entre o marido e ela, do lado dos sogros, Codou vive um inferno. Depois que seu marido foi para a Itália, Codou Fall não teve a oportunidade de continuar seus estudos, pois os sogros não a incentivaram. Mas a provação que esta jovem jamais esquecerá é a perda de seu bebê, grávida de alguns meses.

“Algumas semanas depois que meu marido foi embora, descobri que estava grávida. Fiquei feliz de novo, porque disse a mim mesma que a partir de agora não estarei sozinha. Mas o problema era minha linda mãe; ela me obrigava a fazer todas as tarefas domésticas, embora ela soubesse muito bem que eu estava grávida. Por cansaço, acabei fazendo um aborto. Ao mesmo tempo, eu tinha os estudos para cuidar, além disso, foi assim que parei os estudos para atender às necessidades de meus sogros ”, diz ela.

Uma situação que vai de mal a pior. Segundo Codou, o projeto de constituir família é um de seus princípios. Mas com a distância que a separa do marido, esse desejo permanece irrealizável no momento. Enquanto espera a volta do marido, Codou tenta abafar esse sofrimento nos telefonemas.

 "2 anos de casamento sem ver meu marido, mas ainda tenho esperança!"

Casada desde 2018 com o primo.

fonte: seneweb.com

SENEGAL: Descongel-se o vento no topo - Macky e Mimi se encontram em Mermoz.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Apenas as montanhas não se encontram. Macky Sall e Aminata Touré fizeram as pazes após vários meses de briga.

De qualquer forma, informa Le Quotidien, o Presidente da República recebeu, ontem, em audiência, em sua casa em Mermoz, o ex-Primeiro-Ministro e ex-Presidente do Conselho Económico, Social e Ambiental (CESE).
O tête-à-tête durou duas voltas do relógio. A audiência decorreu em clima de cordialidade e bom humor. Segundo fontes do jornal, a disputa foi resolvida e a unidade fechada.

fonte: seneweb.com

ANGOLA: Tráfico humano está por aí, está por cá.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Mais de 100 casos de tráfico de seres humanos, cujas vítimas foram maioritariamente crianças, estão sob investigação das autoridades angolanas. A informação foi prestada no Dundo, Lunda-Norte, pelo chefe de departamento para os direitos económicos, sociais, ambientais e culturais da Direcção Nacional, do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos, Felismino Lisboa.

O responsável que falava durante um Workshop sobre “tráfico de seres humanos e direitos de asilo”, esclareceu que além dos processos em investigação, 21 casos de tráfico de seres humanos já foram julgados.

Felismino Lisboa garantiu que a situação está controlada, mas entende que o órgão de tutela deve continuar a manter as medidas para combater o fenómeno, principalmente nas províncias fronteiriças.

“À semelhança de outras províncias, a Lunda-Norte constitui preocupação, por partilhar uma vasta fronteira de 770 quilómetros com a vizinha República Democrática do Congo (RDC)”, alertou.

Segundo Felismino Lisboa, Angola é tido como um dos países de origem, destino e trânsito de tráfico de seres humanos, o que leva as autoridades a estarem cada vez mais atentas.

No dia 1 de Junho de 2020 o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz, disse que Angola e Portugal “colaboram permanentemente” no combate ao tráfico de pessoas, sobretudo crianças, com o controlo regular da circulação de pessoas e bens nas rotas aéreas.

Segundo Francisco Queiroz, a cooperação entre Angola e Portugal nesse domínio é igualmente extensiva a outros países, porque normalmente são as rotas comerciais da aviação civil que são aproveitadas pelos traficantes para fazerem o fluxo da sua actividade.

“Portugal é o país com o qual Angola tem mais tráfego de pessoas e bens, mas há outros destinos com os quais Angola tem essa relação de controlo de circulação de pessoas e bens. Os traficantes olham para essas vias e aproveitam as debilidades que possam existir em ambos os lados”, afirmou o governante.

O responsável angolano falava à margem de uma palestra sobre o Tráfico de Seres Humanos em Angola, promovida pelo Ministério da Justiça e Direitos Humanos em parceria com o Serviço Jesuíta para os Refugiados.

De acordo com Francisco Queiroz, pessoas vulneráveis à exploração sexual, exploração do trabalho infantil e a exploração para comercialização de órgãos humanos constituem o perfil da vítima do tráfico de seres humanos no país.

Os “criminosos preferem sobretudo a parte do tráfico sexual, tráfico de seres humanos como mulheres e homens para a exploração sexual, há também o tráfico de crianças para fins de exploração do trabalho infantil”.

Mas, observou, “há um fenómeno muito preocupante a nível internacional que é a extracção de órgãos humanos, com filas grandes no mercado internacional para poderem fazer o transplante, e então os traficantes aproveitam-se dessas necessidades para poderem traficar também”.

Na palestra dirigida a conservadores e técnicos dos serviços de registos e notariado foram abordados temas como a prevenção sobre tráfico de seres humanos nos serviços de Registos e Notariado e a Apátrida/falta de registo de nascimento como risco para o tráfico.

Em 25 de Junho de 2019 a Procuradoria-Geral da República (PGR) angolana anunciou que cerca de vinte casos de tráfico de seres humanos em Angola já tinham transitado em julgado e que este tipo de crime exige novos mecanismos de actuação. Por sua vez, a Polícia defendeu a aprovação de uma “lei específica” para criminalizar estes casos.

“Hoje o quadro do tráfico no país não podemos dizer que não é preocupante, registamos números de queixas e participações baixas, mas isso não quer dizer que a actividade não exista, portanto temos um registo baixo de casos”, disse Astergidio Pedro Culolo, sub-PGR junto do Serviço de Migração e Estrangeiros (SME) angolano.

Em declarações aos jornalistas à margem de uma palestra sobre Tráfico de Seres Humanos em Angola, dirigida aos efectivos da Polícia Nacional, o magistrado deu conta de que as províncias de Luanda, Lunda Norte e Zaire lideram as ocorrências.

Segundo Artergidio Pedro Culolo, orador da palestra promovida pelo Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos, em parceria com o Comando Geral da Polícia, aquelas províncias “têm registado actividades mais relevantes” de tráfico humano, sobretudo “devido às fronteiras”.

“Em termos de casos, posso apenas falar dos que já foram tratados judicialmente, que são perto de 20 nessas províncias. Há províncias em que não há registo nenhum, mas o facto de não haver registo não quer dizer que ali não exista o tráfico”, apontou. “Poderá existir, mas ainda não detectamos e se isso acontece, é porque os nossos sistemas de alerta não têm estado a funcionar devidamente”, realçou.

Em Janeiro de 2019, o padre católico Félix Gaudêncio disse que a população da província do Cunene “estava assustada” com os “crescentes relatos” de traficantes de seres humanos, sobretudo crianças.

“O quadro é de medo, a população está mesmo com medo, em pânico, porque se trata de uma população que, anteriormente, acolhia muitas pessoas, orientava quem estivesse perdido, mas hoje em dia há esse receio de orientar ou acolher estranhos”, disse o padre na altura.

O também presidente da Associação Ame Naame Omuno, de defesa e promoção dos direitos humanos na província, defendeu ainda o “reforço do policiamento” no seio das comunidades, afirmando que o tráfico de seres humanos na província “é uma prática antiga”.

“Porém, agora ganha maior visibilidade por causa dos meios de comunicação e por causa do mediatismo, então, isso é uma realidade porque chama muito a atenção o facto de aparecerem pessoas assim mortas, de vez em quando”, bem como “aparecerem pessoas a dizerem que estavam a ser aliciadas para serem levadas para a Namíbia”, afirmou.

Em Dezembro de 2018, um vídeo publicado nas redes sociais apresentava um suposto autor confesso desses crimes, relatando como terá matado uma mulher, a quem terá retirado os órgãos, que foram levados para a Namíbia.

Polícia quer lei específica

A Polícia defendeu na altura a aprovação de uma “lei específica” para criminalizar o tráfico de seres humanos, com registo crescente de casos nas províncias de Luanda, Cunene, Lunda Norte e Zaire.

Segundo o então director nacional adjunto do gabinete jurídico do Comando Geral da Polícia, Osvaldo Moco, a legislação vigente no país, nesse domínio, “deve ser aprimorada e aperfeiçoada por se enquadrar no conjunto de normas que prevêem outros ilícitos criminais”.

“Tendo em conta a sua pertinência e a preocupação que esse fenómeno apresenta, entendo que deveria ser concebida uma legislação específica que tratasse, especialmente, desse tipo legal de crime”, disse. E a Polícia Nacional, adiantou, “terá o seu papel a desempenhar contribuindo com ideias para uma lei específica que trate a questão do tráfico de seres humanos no país”.

Falando aos jornalistas à margem da referida palestra, sublinhou que as províncias fronteiriças “apresentam maiores preocupações”.

“A nível do país, a maior preocupação apresenta-se com a fronteira norte, sobretudo na região do Luvo, província do Zaire, assim como alguns casos registados na zona leste e sul e ainda temos registos de tráficos humanos para o exterior do país”, afirmou.

Para Osvaldo Moco, as pessoas vítimas de tráfico de seres humanos sofrem “situações desastrosas, como a escravidão e exploração sexual”, daí que, observou, “temos que envidar todos os esforços operativos e legislativos para contrapor a situação”.

O que se afirmava em 2014

O combate ao tráfico de seres humanos em Angola vai ser coordenado por uma comissão interministerial criada pelo Presidente da República, integrando ainda a Polícia Nacional e a Procuradoria-Geral da República, foi anunciado em Luanda no dia 26 de Novembro de 2014.

De acordo com informação enviada então pela Casa Civil do então Presidente da República, José Eduardo dos Santos, esta comissão, criada por despacho, visava “garantir a protecção, a assistência, a recuperação, a reabilitação e a reinserção no seio da sociedade de vítimas de tráfico”.

Seria coordenada pelo então ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Rui Mangueira – envolvendo mais oito ministérios -, e deveria, entre outras funções, “formular um programa abrangente e integrado para prevenir e reprimir o tráfico dos seres humanos”.

A comissão iria ainda “elaborar normas e regulamentos” necessários à “implementação efectiva” do combate a este tipo de crime, além de “monitorar e supervisionar” a sua aplicação, sendo apoiada por um grupo técnico integrando representantes da Procuradoria-Geral da República, da Polícia Nacional, do Instituto Nacional da Criança e do Instituto Nacional da Juventude.

Em Julho de 2013, o então comandante geral da Polícia Nacional de Angola, Ambrósio de Lemos, afirmou que aquela força estava “atenta” e a trocar informações nomeadamente com as autoridades policiais portuguesas sobre situações suspeitas de tráfico de seres humanos envolvendo os dois países, neste caso de menores.

Na altura, o último caso conhecido acontecera 8 de Maio, quando o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) de Portugal procedeu à detenção de um suspeito de tráfico de três menores, com idades compreendidas entre os 4 e os 13 anos, no aeroporto Sá Carneiro, no Porto, provenientes de Luanda.

“É mais uma tipicidade criminal que se juntou às outras que nós temos. Como se está internacionalizar, é necessário que Angola esteja atenta porque não está isenta desta criminalidade”, reconheceu o comandante da polícia angolana.

A troca de informação com a Polícia portuguesa, e outras forças estrangeiras, foi classificada por Ambrósio de Lemos como uma “necessidade muito premente”, de forma a combater alegadas redes de tráfico de seres humanos que passam ou operam no país.

As autoridades policiais suspeitavam sobretudo de grupos que operavam entre a República Democrática do Congo e o centro da Europa, via Angola e Portugal. O tráfico de mulheres, para prostituição, era outra das preocupações das autoridades angolanas.

E, como o Folha 8 revelou no dia 24 de Novembro de 2014, o relatório 2014 do departamento das Nações Unidas contra a Droga e o Crime (UNODC) salientava que o tráfico de crianças continuava a crescer e já representava um terço dos casos de tráfico de pessoas no mundo.

Em África e no Médio Oriente, as crianças representam a maioria das vítimas de tráfico de pessoas e em países como Índia, Egipto, Angola ou Peru podem alcançar 60% do total de casos, indicava o UNODC.

O UNODC lembrava que entre 2003 e 2006 as crianças e os adolescentes só representavam 20% dos casos de tráfico conhecidos. No mundo, 70% das vítimas de tráfico de pessoas são mulheres, contra 84% dez anos antes.

O relatório também expressava a sua preocupação por alguns tipos de tráfico de pessoas, como o que obriga as crianças a combater, ou a participar em pequenos crimes ou na mendicidade forçada. No entanto o documento, baseado em dados fornecidos por 128 países, só permitia ver a “parte visível do iceberg”, indicava a ONU, que lamenta que em muitas regiões do mundo o tráfico de seres humanos continue a ser “uma actividade pouco arriscada e muito lucrativa para os criminosos”.

fonte: folha8

UA exalta luta contra a corrupção em Angola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A Comissão do Direito Internacional da União Africana (AUCIL) felicitou os esforços que o Governo angolano empreende na luta contra a corrupção e pela consolidação da democracia constitucional no país. Terão levado em conta apenas a opinião do general Pedro Sebastião, que liderava a Casa de Segurança do Presidente João Lourenço?

Reunido na 19ª sessão ordinária, a Comissão do Direito Internacional da União Africana adoptou a Convenção Contra a Escravatura Contemporânea (para melhor entendimento ver o que se passa da re(i)pública do MPLA), da autoria do professor angolano e embaixador Sebastião Isata, actual presidente do órgão, à semelhança da Convenção sobre a Cooperação Judiciária, da tunisina Hajer Gueldich.

Participaram no evento o presidente do Comité Jurídico Inter-Americano, Luís Garcia Cochorrano, os professores Duncan Hollis, da Universidade da Filadélfia, e Akande, da Universidade de Oxford, que dissertaram sobre a relação entre os crimes cibernéticos e o Direito Internacional.

A reunião decidiu, igualmente, elaborar um estudo sobre o Direito Internacional e a Responsabilidade dos Estados na Luta contra as Pandemias, dentre as quais a Covid-19.

O combate à corrupção está consagrado na Carta Africana sobre Democracia, Governo e Eleições, de 31 de Janeiro de 2007, na Convenção Africana Contra a Corrupção, de 9 de Outubro de 2003 e é parte da Agenda 2063 da União Africana. “Vencer a luta contra a corrupção: uma via sustentável para a transformação de África” foi o tema da União Africana (UA) em 2018.

Durante a abertura do ano judicial 2021, o Presidente João Lourenço afirmou que, no concernente ao combate à corrupção e à impunidade, o país vem dando passos corajosos, desde finais de 2017, investigando, julgando e condenando servidores ou ex-servidores públicos, de todos os escalões, desde os níveis do município, província e do próprio Executivo central, da Assembleia Nacional e de empresas públicas de grande dimensão, com a imparcialidade necessária, para o sucesso desta causa.

Por alguma razão João Lourenço é um dos políticos angolanos que mais sabe da poda (esclarecimento à ERCA. Saber da poda significa “ter conhecimento especial sobre determinado assunto”). Desde logo porque “viu roubar, participou no roubo, beneficiou do roubo mas… não é ladrão”.

A 4 de Fevereiro do ano em curso, o jurista angolano Pascoal António Joaquim foi eleito para o Conselho Consultivo da União Africana sobre a Corrupção, pela região austral, durante o 38º Conselho Executivo da UA.

A AUCIL funciona desde 2010 e debruça-se sobre o desenvolvimento progressivo do Direito Internacional, codificação do Direito, contribuição para os Objectivos e Princípios da União, revisão dos Tratados e incentivo ao Ensino, Estudo, Divulgação e Apreciação mais ampla do Direito Internacional.

Sebastião Isata – elogiar quem manda

Angola tem ocupado um lugar cimeiro em África no combate à corrupção, graças à política levada a cabo pelo Presidente da República, João Lourenço. Quem disse? Claro. O presidente da Comissão do Direito Internacional da União Africana, o angolano Sebastião Isata. As anedotas, quando bem contadas, até ajudam a animar a malta…

Esta declaração foi feita em 2 de Dezembro de 2019 pelo presidente da Comissão do Direito Internacional da União Africana, Sebastião Isata, durante a abertura, em Addis-Abeba, do VIII Fórum sobre Direito Internacional, que decorreu sob o lema “Democracia Constitucional, Estados de Direito e a Luta Contra a Corrupção”.

Como exemplo, e como não poderia deixar de ser no cumprimento de “ordens superiores” que, oficialmente, já não existem, citou os vários casos de peculato já julgados pelo direito angolano e outros cujos processos estão curso. Casos, acrescente-se, que envolvem apenas personalidades ligadas umbilicalmente ao partido que está no Poder há 45 anos, o MPLA.

Sebastião Isata, recordou (como é obrigatório e patriótico segundo as regras basilares do MPLA) que o governo do Presidente João Lourenço (que também é Presidente do MPLA, que antes foi vice-presidente e ministro da Defesa de José Eduardo dos Santos) assumiu como uma das actividades centrais da sua acção a luta contra a corrupção.

Em relação à democracia (que não existe de facto embora exista formalmente), Sebastião Isata definiu os fundamentos jurídicos da Democracia Constitucional, que, em sua opinião, não é mais do que um governo que brota do consentimento livre do povo. Brilhante. Tem, aliás, razão. Se até os mortos votam no MPLA, se até há mesas de voto onde aparecem mais votos do que eleitores inscritos… é mesmo o povo a votar!

No seu entender, durante séculos, a democracia foi considerada como uma conquista da civilização ocidental, mas hoje converteu-se numa conquista universal. Filosofia histriónica que, contudo, ainda precisa de mais umas dezenas de anos para chegar a Angola, já que nos últimos 45 anos passou ao lado do país.

Sebastião Isata lembrou, com raro sentido de oportunidade e não menos enfático toque anedótico, que quando as colónias africanas conquistaram a independência, cada uma tratou de adoptar, “mutatis mutandis”, modelos constitucionais inspirados nas constituições das antigas potências colonizadoras. No caso, Angola adoptou, manteve a blindou uma Constituição feita por medida e à medida do MPLA.

Mas, decorridos mais de 50 anos, constataram – divagou Sebastião Isata – que tais constituições não haviam sido uma “panaceia” para os problemas socioeconómicos de África e, paulatinamente, foram-nas substituindo por outros modelos constitucionais mais conformes com os postulados da democracia constitucional hodierna, observou.

O orador falou também do sistema do poder na África pré-colonial, em que a figura mais influente era o rei ou o chefe tribal, que não governava sozinho, apoiando-se no conselho dos anciãos.

“O fundamento da sua governação era o bem-estar e o progresso dos seus súbditos, contrariamente às aspirações que se verificam hoje, que têm mais como fundamento o Utilitas Veritas ou o Utilitarismo”, afirmou.

Por isso, Sebastião Isata apelou para a necessidade dos Estadistas africanos tomarem em conta na sua acção governativa o princípio da equidade inter-geracional.

Participaram nesse evento, a comissária para os Assuntos Políticos da União Africana, Minata Samate Cassoma, membros do Corpo Diplomático acreditado junto da União Africana e académicos da África, Europa, América e Ásia.

Importa, contudo, reconhecer que como excelente quadro do MPLA (eles só existem neste partido, é claro), Sebastião Isata é perito em tudo. Recorde-se, por exemplo, quem em 2014 (na era de Eduardo dos Santos) no âmbito das comemorações do Dia da Paz e Reconciliação Nacional de Angola, 4 de Abril, a Embaixada da República de Angola na Turquia realizou actividades patrióticas com o objectivo de divulgar vários aspectos da história, sociedade e cultura, para além da política e informação económica.

Neste contexto, o professor Sebastião Isata proferiu uma palestra no Centro Cultural do Japão, em Ankara, dedicada ao “Crescimento Angolano no Pós-Guerra”, ilustrada com uma exposição fotográfica que retratava o desenvolvimento de Angola, na altura sob o comando do bestial (hoje besta) presidente José Eduardo dos Santos.

Para uma plateia de mais 70 pessoas, Sebastião Isata realçou vários aspectos do crescimento angolano, dizendo que “tal deve-se às novas descobertas petrolíferas e de gás, que tornaram Angola no primeiro produtor de petróleo da África subsahariana, com uma produção diária de dois milhões de barris/dia”.

O palestrante realçou igualmente a estabilidade do país, garantida por uma condução política que assumiu o desígnio do desenvolvimento e a integração e cooperação com os vários países do mundo. Repararam? Foi em 2014 e Sebastião Isata realçou uma condução política que assumiu o desígnio do desenvolvimento…

No plano interno, Sebastião Isata destacou, “as políticas promovidas pelo Governo (de Eduardo dos Santos) no sector da hotelaria e turismo que têm estado a orientar-se para a construção de infra-estruturas em áreas urbanas, a definição e promoção de rotas turísticas nacionais, com entrosamento no desenvolvimento provincial e rural, bem como o fomento de emprego e a criação de micro-empresas de serviços turísticos”.

Sebastião Isata terminou a sua apresentação realçando a construção de novas áreas habitacionais, em todo o país, e a Lei do Investimento Estrangeiro, que propõe a atracção de parcerias, particularmente estrangeiras.

fonte: folha8

Total de visualizações de página