Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

domingo, 5 de maio de 2013

Portugal: Centenas de imigrantes, sobretudo brasileiros, acusam a instituição de pagamento Fox Transfers de ter ficado indevidamente com o dinheiro deles.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




Nigéria: Baga - conto de dores, lágrimas e tristezas de uma comunidade.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Residentes de Baga narraram suas dores e sofrimentos e culpam soldados nigerianos por seus males.


Yagana Ali, 29 anos, estava grávida de quatro meses quando soldados da Força-Tarefa Conjunta Multinacional (MNJTF) travaram confrontos com homens armados de Boko Haram em confronto sangrento que custou cerca de 200 vidas em Baga, uma comunidade de pescadores tranquila no estado de Borno.
Ela porém sofreu um aborto espontâneo depois de correr 20 quilômetros descalços, na calada da noite para escapar de balas e inferno que poupou apenas os sortudos.
Yagana e sua família viveram na cidade de Baga por cerca de 10 anos. O marido dela, Ali, disse que eles tiveram sorte e suas duas filhas estavam ausentes no Cross-Kawa, uma vila a 20 km de Baga, para passar o tempo com os avós, os soldados supostamente a noite foram de casa em casa colocando fogo nas casas dos moradores.
"Tivemos que correr por entre os arbustos para pouparmos as nossas queridas vidas", disse Ali.
Percorrendo o Sore a pés, o Sr. Ali e sua esposa ainda tiveram que quebrar espinhos em sua pele, quase duas semanas após o incidente de 17 de abril.
"Nós estamos melhor assim - com espinho quebrado em nossas peles do que sermos mortos por balas ou assados no fogo", disse Ali, um funcionário do governo local.

Um em entre muitos
O casal é um entre muitas famílias traumatizadas que foram forçadas a encarrar de peito aberto os perigos noturnos do deserto e riachos para evitar o caos que anunciava um confronto militar com os insurgentes de Boko Haram.
Os refugiados que chegaram Maiduguri, capital do Estado de Borno, disseram que muitas mulheres e crianças morreram por sangramento de ferimentos ocasionados por balas, outros se afogaram em riachos ", e alguns por mordidas de cobra."
Um motorista de caminhão, um pai de 70 anos de idade disse que, o seu amigo só foi identificado por outro lado de seu rosto no chão, com cada parte de seu corpo, exceto o seu pé direito completamente queimado.
Soldados têm continuamente negado a alegação dos habitantes locais que 228 pessoas foram mortas e enterradas depois de soldados da Força-Tarefa Conjunta Multi-nacional (MNJTF) reagiram à morte de um entre as suas tropas por Boko Haram insurgentes.
Eles também alegaram que apenas seis civis, cujo cadáveres que mais tarde foram encontrados no Lago Chade, e que foram mortos durante o ataque.
O Comandante da MNJTF, brigadeiro-general Austin Edokpaye, disse à visita do Governador do Estado de Borno, Kashim Shettima, e outros funcionários superiores do governo em Baga que suas tropas ficaram sob poder pesado dos Boko Haram que, segundo ele, estavam usando armas letais como granadas lançadas por foguetes, uso geral de metralhadoras, e seu cache de AK-47 fuzis de assalto.


"Os terroristas vieram em sua incomum imprudência, matando pessoas, extorquindo dinheiro do povo. Um dos meus oficiais, o tenente-Zira foi morto - eles mataram ele no parque como um animal ", disse ele. "Não tínhamos opção quando os perseguimos, porque eles usaram civis como escudo. Eles ainda mataram um soldado e se os soldados que são implantados para manter a paz se tornaram alvos, a última vaga de esperança do homem comum está desaparecida. "
Apesar das repetidas declarações dos militares nigerianos que o fogo nas casas foi iniciada por armas dos insurgentes, o Sr. Edokpaye deu a entender que seus homens poderiam ter também involuntariamente começado com o fogo.
"Quem disse que o que aconteceu aqui em Baga foi deliberado, só está sendo maldoso, e tentando fazer com que este lugar seja ingovernável. Foi no meio da noite e levou quatro horas para desviarem de fogos sobre as suas cabeças antes de os terroristas serem forçados a resistir fogos e tiros ", disse ele.
"Todos nós sabemos quão seco e ventoso este lugar é. As casas estão perto umas das outras e um pouco de tiroteio poderia inflamar incêndio que facilmente se espalha.
"Não havia nada que alguém pudesse fazer para detê-los, se alguém morre no processo, eles podem, infelizmente dizer, que foi pego no fogo cruzado, mas não os soldados indo de casa em casa matando as pessoas como alegado."

Disputando número de vítimas
O senador representando Baga e outras partes do norte de Borno, Maina Lawan, disse que contou 228 sepulturas frescas em três cemitérios diferentes em Baga após soldados que lutam contra os insurgentes "voltaram suas armas contra civis inocentes".
O militar nigeriano, que inicialmente alegou que 25 insurgentes foram mortos na batalha, mais tarde afirmou que um total de 37 pessoas foram mortas em Baga incluindo 30 insurgentes, um soldado, e seis civis.
Senador Lawan também lamentou os males de Baga, os sobreviventes que disse que actualmente carecem de ajuda humanitária adequada.
"Eu vi mulheres e crianças nos dois campos sentados sob o sol escaldante, com pouco ou nenhum cuidado qualquer. O governo federal deve mandar mais trabalhadores humanitários para ajudar os desabrigados, cujo número continua aumentando, a fim de que eles sofram com epidemias, disse "Mr. Lawan na semana passada.


A Agência Nacional de Gestão de Emergência também lamentou a situação em Baga quando ela afirmou na semana passada que muitas das vítimas ainda estavam se escondendo no mato, a Agência, no entanto, disse que está prestando assistência a todas as vítimas da cidade.
Um refugiado de Baga chegou a Maiduguri, disse que ele foi forçado pela situação difícil em campo para chamar a atenção do melhor médico da cidade.
"A situação é ainda pior no acampamento, porque o número de refugiados é muito grande. Eu decidi sair, mas muitos que também queria não podiam porque não têm meios para os transportar para Maiduguri ", o homem, que não quis que seu nome fosse mencionado por razões de segurança, disse.

Mais enterros
Embora os líderes políticos e militares da região não têm encontrado um ponto de vista comum sobre o número de vítimas, os moradores de Baga que compartilharam a visão de que mais de 200 pessoas morreram desde o ataque, disseram a TIMES PREMIUM que foram enterrar as vítimas quase diariamente.
Abdullahi malami, um pescador que viveu em Baga mais de 45 anos, disse na semana passada após o incidente que "a luta e tiro se acalmaram um pouco por alguns dias agora, mas ainda estamos a enterrar os mortos quase todos os dias."
"Foi uma coisa cotidiana. Nós enterramos um homem que morreu na segunda-feira (29 de abril), depois que ele foi encontrado no mato quase morto há dois dias, nós enterramos um outro que sofreu ferimentos graves sem medicação até hoje (30 de abril).
"Perdi minha casa de mais de 45 anos, eu não vejo o meu filho de 24 anos de idade, Idrissa, desde o ataque na semana passada. Não tenho mais nada. O pano estou usando foi-me dado por um amigo. Precisamos de ajuda, e medicação, eu sofri durante seis dias no mato antes de voltar ", disse ele.
Ibrahim Modu, um velho de 70 anos, disse a jornalistas em uma visita guiada por militares de Baga em 30 de abril que ele participou pessoalmente no enterro de seis de seus vizinhos, um dia após a luta.
"Eu perdi tudo na minha casa depois que os soldados vieram e atearam chamas em minha casa. Eu estava do lado de fora confuso e eles vieram e me reconheceram, eles não disseram nada, mas entraram na minha casa e colocaram o fogo, depois que me disseram para me deixarem com a minha família para que eu não fosse queimado pelo fogo ", disse ele.
Na enfermaria Fulatari, onde os guias militares levaram os jornalistas, um homem que se descreveu como Modu Usman, disse que o incêndio que consumiu a casa dele o deixou sem nada, exceto as roupas que ele vestia e seu rosário de oração.
"O pano que estou usando, este rosário que eu estou segurando são os únicos pertences que agora possuo depois que os soldados me perseguiram, minha esposa e cinco filhos para fora antes de minha casa estar em chamas. Não há como eles (os soldados) podem negar isso.


"Ninguém diz que eles não devem fazer o seu trabalho, mas se houver problema ou crime sendo cometido, a segurança deve tentar investigar em vez de tratar a todos como criminosos. Olhe para minha casa incendiada por crime eu não sei de nada sobre... ",  lamentou Usman.

Retorna da calma, procedendo investigação
Um pescador ocupados com frituras de pequenos peixes sob o sol escaldante no portão do mercado de Baga agradeceu a Deus pela "calma relativa que aos poucos está voltando a Baga".
"Nesta cidade, nos últimos 40 anos que eu conheço, que não conhecia a violência exceto negócio, empresarial e outros negócios", disse Adamu, um vendedor de peixe frito, lembrou que ele amontoou deliciosamente peixes fritos na panela de óleo quente com a tabela de vendas na frente dele.
"Olhe ao seu redor, Baga é um município acomodante, todas as religiões, todas as tribos, todas as idades não conhciam nada de violência, mas de negócio.
"Se os criminosos estão entre nós, a polícia e os soldados devem simplesmente olhar para eles e não para todos. Mas o que aconteceu na semana passada, foi ruim, foram muitas mortes, as pessoas ficaram desabrigadas, há fome em todos os lugares, os empresários foram chegando à falência ", lamentou.
A maioria dos moradores, incluindo o Sr. Ali, que falava aos jornalistas exigiu investigação completa sobre a destruição de Baga.
"Queremos uma verdadeira investigação e queremos justiça", disse Ali.
Comissão de direitos humanos da Nigéria prometeu realizar uma investigação independente e minuciosa da crise em Baga. A comissão disse que seu relatório estaria pronto antes da primeira semana de julho.


Total de visualizações de página