Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

sábado, 5 de janeiro de 2013

Abidjan e Dakar, os eternos rivais da África Ocidental.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Durante décadas, as duas maiores cidades da África Ocidental francófona estão engajadas em uma competição feroz pela supremacia regional. Quem vai ganhar?

Uma via da rua Princesa,durante os trabalhos, Abidjan, 2011. © REUTERS/Thierry Gouegnon


"Dakar não se pode comparar a você, mesmo em seus sonhos", exclamou uma jovem do Togo, quando ela cumprimenta Ebrié Abidjan uma lagoa (lagoa através de Abidjan, desde o Golfo da Guiné).

Plateau, centro de Abidjan, a capital econômica da Costa do Marfim, impressiona com seus edifícios altos que se erguem sobre as águas tranquilas da lagoa.

Estes grandes avenidas sombrias extravagantes, essas grandes pontes sobre a lagoa, esses trocadores e estas rodovias.

Em Abidjan, concretos funcionam bem, começando com a Bouygues, que era um negócio muito bom na época do desenvolvimento acelerado da Costa do Marfim, na década de 80.

Dakar não se pode comparar a Abidjan? O jovem togolês pensa bajular seus anfitriões, mas esta observação atrai sorrisos educados.

Agora, Abidjan sabe que sua cidade é desafiada por Dakar.

Uma década atrás, quase toda a cidade na África francófona ousou competir com Abidjan, a cidade descrita pelo marfinenses como 'pequena Paris', mas os tempos mudaram.

Abidjan, o ex-Eldorado

Na década de oitenta quase 100.000 franceses viviam em Abidjan. Costa do Marfim foi, então, descoberta como potência económica da África Ocidental. Félix Houphouët-Boigny, o presidente desde 1960 a 1993, foi o iniciador de um milagre econômico: graças ao café e cacau, o país tem experimentado um crescimento sustentado durante quase trinta anos.

Abidjan se tornou uma cidade particularmente moderna com amplas avenidas na imagem de alguém que leva o nome do ex-presidente francês Valéry Giscard d'Estaing.

No momento da década de oitenta o seu esplendor, o hotel ainda tinha uma pista de Marfim, onde estava fantasiando África Ocidental. Mas esta bela imagem está rachada com uma década de guerra.

Por quase dez anos, a Costa do Marfim foi dividida em dois, da tentativa de golpe de 2002. A maioria das multinacionais têm a sua sede na África Ocidental em Abidjan, mudou-se para Dakar. Havia até mesmo um grande número de ONGs e organizações internacionais.

Essas instituições se mudaram para Dakar no início da década anterior. Esta é uma explicação de rendas crescentes em Dakar o apartamento Plateau (centro da cidade) pode ser alugado por 2000 € por mês, os preços não têm quase nada a invejar aos praticados em Paris, em seguida, bem como algumas ruas são particularmente degradadas no Planalto.

As calçadas quebradas, paredes leprosas, entulho nas ruas de não constituem surpresas em Dakar no Plateau para os recém-chegados ao Senegal, que esperam descobrir uma área em melhor condição.


Dakar, a nova queridinha

Apesar do mau estado de Plateau, muitas vezes abandonado pela burguesia em favor da Corniche senegalesa embeleza Dakar.

Até mesmo o escritor marfinense Venance Konan reconhece que Dakar deu um passo à frente de Abidjan:

"O que fizeram os senegaleses  em torno do seu mar? O Corno de Dakar é simplesmente uma delícia. Bem decorado, limpo, com casas lindas, belos edifícios e grandes hotéis, é um local de lazer e oxigenação de Dakar de centro mais populares. Isto é simplesmente uma alegria para andar na estrada na encosta, de carro ou a pé. O que temos feito com os nossos praia, nós os marfinenses? Esgotos, banheiros públicos abertos, corte-gargantas. "

É verdade que o regime de Abdoulaye Wade no poder de 2000-2012 fez investimentos maciços (dezenas de milhões) no desenvolvimento de margens do mar de Dakar.

Por si só, a estátua do Renascimento, a maior do que a Estátua da Liberdade, custou dezenas de milhões de euros. Trocadores surgiram em torno de Dakar. Do Senegal, capital agora tem uma estrada de pedágio.

Presidente Leopold Sedar Senghor (no poder de 1960-1980) havia prometido, em 2000, que Dakar seria como Paris. Presidente poeta provavelmente havia demonstrado um excesso de otimismo, mas certamente contou com a modernização de Dakar.

Os hotéis de luxo têm se expandido dramaticamente ao longo da última década. Dakar é uma das cidades do continente e que hospeda os congressos mais internacionais. Hotéis, como o Radisson a Corniche, recentemente visto no dia com a sua arquitetura elegante e inovador que atrai uma clientela rica.

Outra vantagem da capital senegalesa, tem bons hospitais e escolas de qualidade.

"Eu trabalho na Nigéria, mas eu preferia viver em Dakar e minha família vive com segurança, com bons hospitais", diz um expatriado americano que vive em Dakar durante vários anos e saúda a escolha mesmo que se ele tenha de voltar para Lagos (capital económica da Nigéria) quase toda semana.

A crise marfinense passou para a lagoa

Abidjan, entretanto também tem bons hotéis e qualidade da escola. A verdadeira diferença é que Dakar aparece como um pólo de estabilidade. O país de Teranga (tradicional casa) nunca teve um golpe de Estado.

Senegal teve duas vibrações pacíficas. Este país sempre foi considerado como um modelo de democracia, poucos países em África francófona podem dizer isso.

"Em Dacar, você pode andar à noite sem medo de violência, mesmo que haja mais agressividade do que há dez anos", disse Alassane, um professor do Senegal, que perdeu parentes na Costa do Marfim, em abril de 2012, com a queda de Laurent Gbagbo.

Em Abidjan, a situação de segurança está longe de ser resolvida. À noite, as barragens são freqüentes. Se você é um estrangeiro, a polícia e os militares estão começando a pedir seu passaporte e sua vacinação. ...

Mesmo se você está em boa posição e você tem todos esses documentos, isso não impede, em muitos casos, para eles pedirem dinheiro.

"Nós gostamos das festas em Abidjan, mas o destino infelizmente é ficar no nosso bairro, estamos cansado de ser extorquidos", exclama Alain, um jovem oficial marfinense que cruzou uma moita de Yopougon , distrito de Abidjan, e que permaneceu por muito tempo fiel a Laurent Gbagbo.

Sinal dos tempos, esfregue a famosa "Rue Princesse", onde a Abidjan celebrava as festa em Yopougon, foram arrasadas pelo novo regime.

"A atmosfera ainda não faz parte de Abidjan. Enquanto todo mundo finge amá-la agora. Na cabeça de alguns, ainda estamos em guerra ", diz Christopher, um residente de Yopougon, continua convencido de que Laurent Gbagbo foi o vencedor da eleição presidencial de 2011.

Estelle, outro residente de Yopougon fica irritado contra nortistas.

"No mercado, eles querem nos obrigar a falar a sua língua, o Dioula. Considerando que falam francês. Não impomos a nossa língua, por que eles nos forçam a falar com eles? "

Os conflitos políticos e étnicos são adicionados pela insegurança.

"Muitos soldados desmobilizados se tornaram criminosos, roubos que terminam em mortes não são incomuns", diz Stéphane, um comerciante de Yopougon.

Como psicose não reina em Dakar. As tensões étnicas nunca ter tomado esta dimensão e crime continua limitado. Nos últimos anos, organizou um Dakar marfinense forte e maliense diáspora.

As crises que se multiplicam na África Ocidental, provavelmente, tornar mais importante do que nunca o seu papel como um porto seguro.

Outra vantagem do Dakar, o clima.

"Menos quente e úmido em Abidjan, o clima é do Sahel. Portanto, não há malária menos virulenta em Abidjan ", diz Marie-Claire, uma francesa com sede em Dakar, depois de ter vivido por muito tempo na Costa do Marfim.


Dakar ainda está buscando os benefícios econômicos de seu vizinho

Mas Dakar está longe de ter o mesmo potencial econômico de Abidjan. Senegal não tem nem o petróleo, café ou cacau.

O Senegal é menos populosa do que a Costa do Marfim: 13 milhões contra 18 milhões. Costa do Marfim responde sozinho por 40% do PIB da UEMOA (União Económica e Monetária da África Ocidental).

Apesar de uma década de desenvolvimento rápido, tem menos infra-estrutura em Dakar do que Abidjan. Assim que a situação política se estabilize em Abidjan, muitos comerciantes que se estabeleceram em Dakar provavelmente farão as malas e voltarão para a lagoa Ebrié.

Será que Abidjan reverterá  para a "Lagoa Pearl"? O brilho do Dakar é menor? O prefeito de Dakar apenas organizou, em 31 de dezembro, "os maiores fogos de artifício" que a cidade "já conheceu", para marcar a passagem do ano novo.

Abidjan também queria aproveitar os fogos de artifício do Ano Novo para um novo começo, mas a cerimônia terminou em tragédia, mais de 60 espectadores foram mortos em stampedes. Uma e outra vez, as duas pérolas da África Ocidental francófona são comparados.

Mas por que as duas principais cidades da África Ocidental francófona são eternos rivais? Basicamente, elas podem muito bem tornar-se complementares. Depois de toda a problemática da África Ocidental não há número suficiente de abrigos seguros.

"Em vez de dizer que quando as coisas dão errado para Abidjan, Dakar é bom. Para uns deve-se pensar o contrário, analisa Assane, um professor senegalês. Se a Costa do Marfim de novo decola isso é uma coisa boa para toda a África Ocidental, particularmente para o Senegal. Goste ou não, nossos destinos estão ligados, para melhor ou para pior. "

Por: Pierre Cherruau

fonte: slateafrique





Organização acusa polícia angolana de execuções extra judiciais.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Angola-policia

Angola - VOA - Corpos de sete jovens algemados foram encontrados no Cacuaco.

A organização Mãos Livres acusou a  polícia de ser responsável pela execução extra judicial de sete jovens no mês passado.
Os  corpos dos jovens algemados foram encontrados no Cacuaco e terão sido executados no passado dia 19 de Dezembro.
O Comandante da Polícia Nacional da Divisão do Cacuaco, Tony Ribeiro, e o Chefe da Investigação Criminal daquele município, mostraram-se indisponíveis para dar qualquer explicação sobre o assunto.
Salvador Freire dos Santos, presidente da Associação Cívica Mãos Livres, disse à Voz da América que o caso foi apresentando a diversas comissões governamentais, legislativas e judiciais.
A Mãos Livres tomou conhecimento do caso por denúncia que lhe foi feita, tendo recebido "algumas fotografias dos sete jovens".
"Nós pegamos esses dados e encaminhamos isso para entidade competentes como Procuradoria-Geral da República, Ministério do Interior, Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos, Provedoria de Justiça e Comando Geral da Polícia Nacional e o Parlamento angolano," disse.
Salvador Freire entende que casos de cidadãos encontrados mortos algemados raramente acontecem.
Para Freire os responsáveis só podem ser elementos da polícia: "Elementos algemados naturalmente só podem ser executados pela polícia e depois aparecem executados," frisou. "É caso raro aparecerem pessoas algemadas que foram executadas".
Foto: AP

fonte: diarioliberdade.org

Apesar da crise portugueses estão mais solidários.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Os tempos, já se sabe, são complicados. São cada vez mais aqueles que precisam de ajuda para continuar a “sobreviver”. Neste final de ano, foram muitas as ações de solidariedade e, mais uma vez, os portugueses mostraram que não esquecem quem precisa. Esta semana, destacamos algumas iniciativas que, de norte a sul e ilhas, merecem o aplauso de todos... 

Num ano marcado pela palavra crise - o aumento do desemprego, da pobreza e da exclusão social são cada vez mais habituais no dia a dia de todos - a solidariedade “crescente” dos portugueses é, sem dúvida, o lado positivo de uma época que todos desejam que termine rapidamente.
Exemplo desta crescente solidariedade foi a campanha dos Bancos Alimentares Contra a Fome efetuada no fim-de-semana de 1 e 2 de Dezembro, onde foi recolhido 2.914 toneladas de géneros alimentares nas ações realizadas em 1.668 superfícies comerciais das zonas de Abrantes, Algarve, Aveiro, Beja, Braga, Coimbra, Cova da Beira, Évora, Leiria-Fátima, Lisboa, Oeste, Portalegre, Porto, Santarém, Setúbal, S. Miguel, Viana do Castelo, Viseu e na Terceira.
Os resultados ultrapassaram as expectativas, quase igualando os alcançados na campanha do ano passado, apesar da significativa deterioração das condições económicas e, em particular, da contração do rendimento disponível das famílias portuguesas.
“Os portugueses são extraordinários! As quantidades recolhidas e o número recorde de voluntários envolvidos mostram quanto são solidários e sabem distinguir o essencial do acessório, dando, apesar da crise que afeta muitas famílias, uma resposta clara de inconformismo e de disponibilidade para ajudar a minorar as dificuldades daqueles que mais precisam” referiu Isabel Jonet, Presidente da Federação dos Bancos Alimentares Contra a Fome, em declarações disponibilizadas no site do Banco Alimentar. “Quando acreditam e confiam nos projetos, os portugueses dizem “presente”, conforme tem sucedido sucessivamente com os Bancos Alimentares contra a Fome desde há mais de 20 anos” acrescentou.
O número daqueles que ajudaram constituiu um recorde absoluto: 38,5 mil voluntários disponibilizaram algum do seu tempo para participar na campanha de recolha. Refira-se que tarefas como a recolha nos estabelecimentos comerciais, o transporte, pesagem e separação dos produtos, foram integralmente asseguradas por voluntários.
De realçar que os géneros alimentares recolhidos são depois entregues a 2.373 Instituições de Solidariedade Social, que, por sua vez, os distribuem a cerca de 373 mil pessoas com carências alimentares comprovadas, sob a forma de cabazes ou de refeições confeccionadas.
Refira-se também que a atividade dos Bancos Alimentares Contra a Fome se prolonga ao longo de todo o ano. De facto, para além das campanhas de recolha em supermercados, organizadas duas vezes por ano, os Bancos Alimentares Contra a Fome recebem, diariamente, excedentes alimentares doados pela indústria agro-alimentar, pelos agricultores, pelas cadeias de distribuição e pelos operadores dos mercados abastecedores.
Em 1991, foi aberto em Portugal o primeiro Banco Alimentar Contra a Fome e estão, atualmente, em atividade no território nacional 20 Bancos Alimentares, congregados na Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares, com o objetivo comum de ajudar as pessoas carenciadas, pela doação e partilha.
Existem 247 Bancos Alimentares operacionais na Europa, que, em 2011, distribuíram 429.600 toneladas de produtos a 5,2 milhões de pessoas, através de 31.096 associações (www.eurofoodbank.org).

fonte: mundoportugues.org

República Centro Africana: Bozizé faz mudanças na cúpula militar.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Líder centro-africano assume a pasta da Defesa depois de criticar a falta de disciplina e o fracasso do Exército no combate à rebelião
Fotografia: AFP


O Presidente da República Centro Africana assumiu a pasta da Defesa e vai nomear o filho e antigo ministro do sector Chefe de Estado-Maior do Exército, anunciaram fontes oficiais.
Um comunicado da Presidência da República revela que François Bozizé “demitiu o ministro da Defesa, Jean-François Bozizé, e o chefe de Estado-Maior, Guillaume Lapo, e assumiu a pasta da Defesa”. 
Fontes oficiais disseram que o Presidente da República retirou o filho do Ministério da Defesa para o pôr a dirigir o Exército, incapaz de resistir ao avanço dos rebeldes que exigem a sua demissão. 
No discurso de Ano Novo, o Presidente da República lamentou “a falta de disciplina e o fracasso das Forças Armadas perante a progressão relâmpago da rebelião”. 
Jean-Francis Bozizé, que é coronel, deve ser promovido em breve. Discreto, mas presente na política, é visto como sucessor do pai.
A remodelação na hierarquia militar ocorre depois da rebelião anunciar a suspensão da ofensiva sobre Bangui e o envio de uma delegação a Libreville para participar nas conversações de paz  com o governo centro-africano. 
A rebelião anunciou que exige que François Bozizé deixe o poder e que não quer tomar a capital Bangui. O anúncio da rebelião Seléka acontece depois do comandante da Força Multinacional da África Central na RCA, general Jean-Félix Aaga, advertir que “qualquer tentativa de tomar a cidade de Damara é considerada uma declaração de guerra”.

fonte: jornaldeangola

Avião da TAP foi penhorado.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Penhora da aeronave serve de garantia de pagamento de dívidas a trabalhadores
Fotografia: Afp


A Justiça do Brasil decretou a penhora de um avião da TAP como garantia do pagamento de dívidas a trabalhadores, num processo movido contra o Estado português por uma funcionária da representação diplomática de Lisboa em Brasília, noticiou ontem a agência Lusa.
A transportadora diz desconhecer esta decisão e mostra-se convencida de que a medida não se vai concretizar.
A ordem partiu no dia 19 de Dezembro do juiz Luiz Fausto Marinho de Medeiros, do Tribunal Regional do Trabalho de Brasília e determina a penhora de um Airbus 330-200 da companhia aérea portuguesa, “cuja totalidade do poder accionário detém o Governo português”. 
Aberto em 2010, o processo culminou com ganho de causa para uma funcionária brasileira da embaixada portuguesa em Brasília, que deve agora receber o equivalente a 280 mil euros em avenças e benefícios atrasados. No requerimento, os advogados tinham solicitado o arresto e a penhora do avião. O processo foi desencadeado em 2004, com a entrada mais de 110 queixas contra a embaixada portuguesa em Brasília e os consulados em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Belo Horizonte. 
As acções requeriam a assinatura da carteira de trabalho, documento obrigatório no Brasil que garante direitos laborais, e o cumprimento de normas como a contribuição para a Segurança Social. 
Cada um dos processos envolve, em média, o pagamento do equivalente a 186 mil euros, numa dívida total de 3,8 milhões de euros. 
A ordem de penhora do aparelho da TAP é efectivada na próxima segunda-feira num aeroporto brasileiro. No acto da penhora será nomeado um responsável pela aeronave e estipulado um prazo para que a dívida seja paga, provavelmente de cinco dias. Caso contrário, o aparelho pode ser leiloado e o respectivo montante depositado numa conta judicial.

fonte: jornaldeangola

Total de visualizações de página