Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Windows phone lançado na África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



huawei 2

Gigante Chinês de telecomunicações Huawei lançou um smartphone Windows executado sob medida e disponível exclusivamente para África.


O dispositivo personalizado está sendo lançado nesta terça-feira em parceria com a Microsoft, como parte de sua nova iniciativa 4Afrika.

Isso inclui planos para desenvolver banda larga sem fio barato no Vale do Rift, no Quênia e ajudar as pessoas locais na África do Sul e desenvolver no Egito aplicativos do Windows.

Os preços para o novo dispositivo ainda não foram anunciados.

"Nosso objetivo é torná-lo o mais acessível Windows telefone na África", Gustavo Fuchs, diretor da divisão Windows Phone da Microsoft no Oriente Médio e África, disse à BBC.

Ele será inicialmente implementado em sete países: Egipto, Nigéria, Quênia, Costa do Marfim, Angola, Marrocos e África do Sul.

O telefone será comercializado, dependendo do clima de varejo dessas nações individuais, explicou o Sr. Fuchs.

"No começo vamos tornar o produto disponível em todo o mercado do sul.

"Nós estamos olhando para o maior canal para cada país. Na África do Sul, é a operadora que levou vantagem, em outros mercados, como da Nigéria e Angola há um ambiente misto e na Costa do Marfim que eles só sejam vendidos no varejo."

Acessibilidade

O telefone será conectado a uma loja de aplicativos personalizados, incluindo aplicativos projetados e construídos pelos africanos.

"A acessibilidade é importante, mas sem o conteúdo direito local acreditamos que um grande número de usuários não vai ver os benefícios da mudança de um telefone com característica básica de um smartphone", disse Fuchs.

Ele disse que o objectivo do regime foi a de aumentar a penetração de smartphones em todo o continente.

"Se você olhar para a penetração atual em comparação com os EUA ou a Europa, que é cerca de 50%, na África a média é muito próxima de 10%, menos que em algumas partes."

O aparelho é uma versão personalizada da Ascend Huawei W1, que foi apresentado no Show de Consumidores de Electronicos, em Las Vegas, no mês passado.

Ele tem uma tela sensível ao toque de 4 polegadas (10cm) e câmera de 5 megapixels. O telefone pode permanecer em stand-by até 420 horas entre as cargas.

"A Iniciativa 4Afrika deve fazer dezenas de milhões de dispositivos inteligentes e disponíveis em todo o continente no próximo par de anos", disse o Sr. Fuchs.

fonte: AfricaNews

Nigéria: Pode o Eagles ganhar Afcon? Não se assuste!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Pode o Eagles suportar os atributos físicos de seus colegas de Burkina Faso e vencer a Copa das Nações da África do Sul no domingo?

Esse é o meu desejo.

Na semana passada, nesta coluna, eu queria tantas coisas como Eagles eram para enfrentar a Costa do Marfim, favorecida por tudo para vencer a Copa das Nações em curso.

Eu queria que o Eagles jogasse mais compacto do que em posicionamento solto que vimos em suas partidas anteriores contra Burkina Faso, Zâmbia e de forma pouco contra a Etiópia nas partidas do grupo. Eu queria que eles jogassem mais para a frente do que seus muitos passes de volta à sua área, quando não é necessário.

Eu desejei que Ahmed Musa e Ike Uche ficassem de fora do empate no trimestre final contra Costa do Marfim. E senti que a desqualificação de Fengor Ogude a partir do jogo devido a infracções e aplicações de cartões foi uma ação divina e disse que não iria sentir falta dele. Eu também quis saber como ele mesmo fez para formar a equipe.

Ele era lento, marcado e passou mal e nunca criou qualquer coisa no meio-campo, mas ele continuou a jogar. Mas, para ser justo com Stephen Keshi, o treinador Eagles, ele concordou em muitos dos pontos que levantei com ele, enquanto o torneio de jogos durou.

Ele disse que iria trabalhar nessas falhas. Ele fez e meus desejos foram atendidos no jogo contra a Costa do Marfim. E para ser sincero, não demorou para que Anibeze Onochie discutisse com ele para ele agir. Ele já sabia e só concordou comigo na saída.

E na manhã do dia do jogo eu mandei-lhe um texto, dizendo-lhe que ele iria ganhar o jogo. Enviei o mesmo SMS para Christopher Green, presidente do Comitê Técnico da Federação de Futebol e ele respondeu com uma palavra: AMEN.

Recomendo Keshi para sua visão. Recomendo os jogadores por serem bons revelações no jogo. Eles cantaram uma música com a bola contra a Costa do Marfim. Nunca tinha visto o Eagles jogar com tanta paixão como fizeram nessa partida para um longo, longo tempo.

fonte: Allafrica

Guineenses lançam Movimento Pró-Cidadania.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




Impulsionada pela ex-ministra Odete Semedo, a mais recente organização guineense vai focar as atividades no registo civil de milhares de pessoas, na alfabetização e no reconhecimento oficial dos casamentos tradicionais.
A atravessar um período de forte instabilidade política, desde o golpe de Estado de 12 de abril do ano passado, a sociedade da Guiné-Bissau conta com uma nova organização. O Movimento Pró-cidadania visa despertar os cidadãos para questões práticas de cidadania e facilitar vários processos na vida de milhares de pessoas.
Odete Semedo, presidente da assembleia do novo movimento, reconhece os solavancos políticos que vão travando o avanço do país, mas considera que a sociedade não pode parar por causa desses acontecimentos.
"Entendemos que devemos fazer alguma coisa, acordar as pessoas. Porque falar de cidadania, de alfabetização, é acordar as pessoas para uma participação ativa e positiva dos cidadãos e cidadãs. É como se nós tivéssemos a bater à porta da Guiné-Bissau e a dizer às pessoas que há outras coisas que são prioritárias, que não esses conflitos, querelas de lugares", destacou Semedo na entrevista que concedeu à DW África.
60% dos guineenses não têm registo civil
Movimento Pró-Cidadania é composto na sua maioria por jovensMovimento Pró-Cidadania é composto na sua maioria por jovens
Entre essas prioridades, a antiga ministra da Educação guineense, destaca a necessidade de registar milhares de guineenses, de crianças a adultos, que sem qualquer documento de identificação, não existem perante a lei. "Ainda continuamos com crianças que não são registadas e como consequência, muitas delas também não beneficiam de vacinas e de outros cuidados primários de saúde", afirma Odete Semedo.
O seu movimento pretende ser intermediário, facilitador desse processo, e "trabalhar nos bairros periféricos de Bissau, numa primeira fase, para um levantamento de crianças que ainda não estão registadas, de crianças, jovens e adultos que não estão registadas e não têm o Bilhete de Identidade (BI) e por isso falta-lhes uma participação ativa na sociedade guineense", acrescenta.
De acordo com o Ministério da Justiça do país, cerca de 60% da população não tem registo civil, entre um milhão e 700 mil guineenses.
A organização vai também centrar a sua atenção da educação, como forma de tentar diminuir o elevado grau de analfabetismo no país. Odete Semedo destaca a introdução de um novo método. "Nós pretendemos pegar numa experiencia que já foi feita noutras partes do mundo, sobretudo no Brasil, que é a alfabetização da família: ver dentro de uma família quem é que sabe ler e escrever e que possa disponibilizar algum tempo para ensinar os membros da família que não sabem ler nem escrever. Então nós seríamos os facilitadores, organizaríamos com os nossos parceiros, a questão dos manuais de alfabetização, os cadernos, todos os materiais".
Autoridades guineenses afirmam que cerca de 60% da população não tem registo civilAutoridades guineenses afirmam que cerca de 60% da população não tem registo civil
Membros do Movimento Pró-Cidadania são na sua maioria jovens
Ainda em fase de legalização e de estruturação, o Movimento Pró-Cidadania é maioritariamente constituído por jovens. A presidir a mesa da assembleia, Odete Semedo, ex-ministra da Educação e da Saúde, é uma personalidade experiente. Antes do golpe de Estado, era chefe do gabinete do Presidente interino Raimundo Pereira, deposto em abril do ano passado.
Odete Semedo avança que a nova organização não governamental guineense pretende ainda olhar para as tradições, em particular para os casamentos que não são reconhecidos legalmente. "A lei diz que se a pessoa estiver a viver em comunhão de fato com o seu (sua) parceiro(a), podem dirigir-se à conservatória e ali serão reconhecidos pela lei como casais. Mas há o ato da cabaça, da cola, que nós realizamos e os gastos com essas festas são os mesmos que se fazem quando o casamento é por civil ou pela igreja. Então nos entendemos que não é justo que essas mulheres e esses homens tenham nos seus BI solteiro quando são casados com filhos", refere.
Em articulação com outras organizações guineenses, o Movimento Pró-cidadania quer generalizar e facilitar o acesso a direitos fundamentais, promovendo a educação para uma cidadania ativa.
Autora: Glória Sousa
Edição: António Rocha/Madalena Sampaio
fonte: DW

Total de visualizações de página