Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Eleições na Guiné-Bissau podem ser adiadas, admite Ramos-Horta.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Dificuldades logísticas e de financiamento podem motivar o adiamento das eleições, justificou o representante especial da ONU no país. O atraso pode agravar a instabilidade polítia e social na Guiné-Bissau.
A informação foi dada por José Ramos-Horta quando falava, na quinta-feira (05.09), num encontro com jornalistas, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, onde participou numa reunião com os 15 membros do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

De acordo com o centro de informação da ONU, Ramos-Horta referiu: "é preferível que as eleições se realizem a 24 de novembro, mas se forem adiadas é para uma data muito próxima". O representante da ONU na Guiné-Bissau deixou o alerta: um atraso mais significativo pode "desestabilizar a situação política e colocar em risco tudo o que já se conquistou".
Amnistia para autores do golpe de 2012
Entretanto, o governo de transição da Guiné-Bissau anunciou pretender que os militares que protagonizaram o golpe de Esatdo, em abril de 2012, sejam amnistiados antes da realização das eleições gerais. A lei vai ser discutida na Assembleia Nacional Popular até à próxima terça-feira (10.09).
Presidente de transição guineense, Serifo Nhamadjo, na cerimónia de entrega de novas insígnias aos militares
De lembrar que, um mês após o golpe que depôs o governo eleito, a maioria dos partidos políticos da Guiné-Bissau rubricou um Pacto de Transição para gerir o país até as novas eleições gerais. Nesse acordo ficou assente que seriam amnistiados os autores do golpe de Estado militar.
Para já, o governo defende a lei da amnistia como garante da estabilidade antes do pleito eleitoral. "Entendemos que os guineenses devem reconciliar-se, pôr de lado todo o tipo de divergências e essa política de costas viradas, por forma a procurarmos uma paz duradoura e a estabilidade para o país", destacou Fernando Vaz, porta-voz do governo de transição.
Questionado sobre que tipo de amnistia será concedida aos autores do golpe militar, Fernando Vaz disse que tal compete aos deputados decidirem.

Recorde-se que, em 2007, a Assembleia Nacional Popular guineense aprovou uma lei geral de amnistia para todos os crimes de natureza subversiva ou militar cometidos no país desde a independência até 2004. Na altura, a lei foi bastante criticada.
"Cadogo" pode regressar ao país para viver como qualquer cidadão guineense
Também o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Antonio Indjai, defende que é preciso que os guineenses se unam para a estabilização do país.
Antonio Indjai (esq.) foi promovido a general de quatro estrelas e Mamadu Ture (dir.) a gerenal de três estrelas
Nesse sentido, Indjai terá dito que não tem nada contra o regresso de Carlos Gomes Júnior, antigo primeiro-ministro, deposto por ele no golpe de Estado.

A garantia foi deixada pelo recém-promovido brigadeiro-general Daba Na Walna, porta-voz do exército: "'Cadogo' pode voltar a qualquer momento ao seu país porque é um cidadão nacional, mas com a condição de vir para aqui viver como qualquer outro cidadão e com a segurança que é dispensada a qualquer guineense", disse.
Entretanto, após receber a patente de general de quatro estrelas, António Indjai garantiu que doravante os militares vão submeter-se ao poder político para a estabilização do país.
"Vou empenhar-me mais, vou redobrar as minhas forças para mudar a situação das Forças Armadas, porque temos que nos subordinar ao poder político neste país. Não podemos ser sempre motivos de problemas", prometeu o Chefe do Estado-Maior do exército guineense.
Os militares dizem estar fartos de ver seus nomes na imprensa como traficantes de droga na Guiné-Bissau. Assim solicitaram a criação de uma comissão de inquérito internacional para se saber quem é que realmente vende drogas no país, avançou Daba Na Walna.

"Que se crie o quanto antes uma comissão com a tarefa de investigar e descobrir se, de facto, o Chefe do Estado-Maior está envolvido ou se existem outras pessoas envolvidas no tráfico de droga para que as pessoas sejam responsabilizadas", afirmou o porta-voz do exército.
Novas patentes para vários oficiais das FA guineenses
Na quarta-feira (04.09), foram entregues novas insígnias a 18 oficiais dos diferentes ramos das Forças Armadas.
Daba Na Walna, porta-voz do exército
Tratou-se de conformar as patentes militares com as funções que os oficiais já desempenham, há alguns anos, e com o vencimento que já estavam a receber - esclareceu o Chefe de Estado Guineense, Serifo Nhamadjo.
"Não há nenhuma pretensão de agradar as Forças Armadas ou promover simplesmente por promover pessoas. Simplesmente quisemos aplicar as normas instituídas desde 2000", justificou Nhamadjo.
Sobre as novas insígnias, o general Indjai disse que em condições normais não seria ele a ser graduado com a patente mais alta das Forças Armadas da Guiné-Bissau.

fonte: DW.DE

Grandes Lagos: uma reunião de cúpula para nada?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Foi talvez colocado muita esperança na reunião entre Kabila e Kagamé.

Les leaders de la région des Grands Lacs, Kampala, août 2012 / Reuters
Os Líderes da Região dos Grandes Lagos, em Kampala, em agosto de 2012/ Reuters

Os Presidentes da República Democrática do Congo (RDC) e Ruanda reuniram-se nesta quinta-feira, 5 de setembro em Kampala, Uganda, à margem de uma reunião de cúpula de chefes de Estado da região dos Grandes Lagos dedicados sobre à contínua crise no leste de DRC em Kigali, que é acusado de estar envolvido.

Não foi possível saber se Joseph Kabila (RDC) e a sua congénere do Ruanda, Paul Kagame, se encontraram face a face ou na presença de um mediador e / ou de delegações. Este é o primeiro encontro direto desde o pico do quinquagésimo aniversário da Unidade Africana, em Addis Abeba, em maio.

Uma série de conversações bilaterais continuaram na parte da tarde para permitir que " uma cúpula bem-sucedida de Kampala ", segundo o ministro das Relações Exteriores de Uganda Sam Kutesa, atrasou a abertura da cimeira da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos ( ICGLR ), prevista para o final da tarde.

Presidente Yoweri Museveni , anfitrião da cimeira no complexo hoteleiro de Munyonyo nos arredores de Kampala no Lago Victoria, também se reuniu com vários presidentes separadamente.

Relações frias
A RDC e a ONU acusam Ruanda, que nega veementemente, de apoiar militarmente o Movimento de 23 de Março ( M23 ), que enfrenta a rebelião desde maio de 2012, o exército congolês na província mineira de Kivu do Norte, na fronteira com Ruanda. O envolvimento ao lado do M23 de Uganda, que também foi negado, também foi apontada pela ONU no passado.

De acordo com o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Uganda, Elly Kamahungye, o presidente de Ruanda manteve conversações paralelas com seu homólogo tanzaniano Jakaya Kikwete, cujo país assumiu o controle da nova brigada de intervenção da ONU, recentemente implantado no leste da RDC para erradicar os grupos armados que abundam .

Esta brigada teve apoio do exército congolês em sua ofensiva no final de agosto para remover os M23 nos arredores de Goma, empurrando os rebeldes para cerca de 30 km da capital de Kivu do Norte, que tinham tomado por 10 dias no final de novembro 2012.

Ameaças veladas
Sr. Kagame e Kikwete trocaram recentemente algumas ameaças muito agressivas e veladas, depois que o presidente da Tanzânia aconselhou o Rwanda para negociar com os rebeldes ruandeses das Forças Democráticas para a Libertação do Ruanda (FDLR ). Uma afronta à Kigali que exclui qualquer diálogo com o FDLR, considerado ex- milícias responsáveis ​​pelo genocídio de 1994 em Ruanda.

Os Chefes de Estado devem considerar o texto de quinta-feira, assinado na quarta-feira pelos 11 ministros da Defesa e dos Negócios Estrangeiros da ICGLR, o que requer a recuperação " dentro de três dias " de negociações entre Kinshasa e o M23, iniciado em Kampala e que estavam suspensas desde dezembro até maio, e não devem ultrapassar " o máximo de 14 dias", de acordo com uma cópia cedida pela AFP .

"A M23 vai cessar toda a actividade militar e acabar com a guerra e as ameaças de derrubar o governo legal da RDC ", diz o texto, que também pediu que a brigada "excerça pressão implacável da ONU sobre o M23 e todos outras" forças negativas". 

CIRGL , organização sub -regional que compreende 11 países (Angola, Burundi, República Centro Africana, Congo, República Democrática do Congo, Quénia, Ruanda, Sudão, Tanzânia, Uganda, Zâmbia), fazem mediação entre Kinshasa e os rebeldes do M23 .

O presidente sul-sudanês, Salva Kiir também está presente, e os outros chefes de Estado que está sendo representado. Participaram como os enviados especiais da ONU para os Grandes Lagos, Mary Robinson, e o Presidente da Comissão da União Africana (UA) Nkosazana Dlamini -Zuma disse Kamahungye. Sem agenda específica o encontro não poderia ter acontecido.

Eterno recomeço
Esta é a sétima vez desde julho de 2012, que os Chefes de Estado da ICGLR estão reunidos para tentar encontrar uma solução para a crise no Leste da RDC, sem sucesso notável até agora.

Quarta-feira em Kinshasa, a Sra. Robinson afirmou continuar a acreditar no possível sucesso das negociações. Ela foi para Goma segunda-feira e deverá visitar Kigali na sexta-feira.

Sra. Robinson é responsável por apoiar a implementação do quadro de acordo, em Adis Abeba, assinado no final de fevereiro por 11 países africanos, incluindo Ruanda e Uganda. Os signatários comprometem-se a não apoiar os grupos armados no leste da República Democrática do Congo, uma região rica em recursos naturais que gera inveja .

fonte: AFP


Mali: O Presidente IBK começa mal.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Este é o momento de subir ao degrau mais alto do pódio como vencedor da corrida para o Palácio Koulouba e comete o delito. Por enquanto peca pela omissão da palavra. Primeiro, o pecado de omissão . Em seu juramento, Ibrahim Boubacar Keita, como era esperado, manteve as principais prioridades que irão marcar seus cinco anos. Reconciliação nacional, preservando a integridade territorial e os valores republicanos que estarão no coração do programa do governo que está por começar. A escolha ditada pelo estado está atualmente no país, incluindo os experientes últimos 18 meses pela erosão da unidade nacional e da guerra contra os movimentos separatistas no Norte.

Mas se há um tema que merece ser registrado ao raio de luz neste discurso de juramento, mas que o presidente eleito não fez caso, é do secularismo. Em vez disso, IBK rachou um discurso que tinha esfolado ouvido e enfurecido o princípio da separação entre religião e Estado

Na verdade, o ex- candidato do alto Conselho Islâmico sem rodeios apontou na doxologia islâmica, multiplicando inshallah e outros bissimillah Rahmani Rahim (o nome de Deus, o todo Misericordioso ) .

Em um estado secular, há que admitir que há mistura de gêneros.

Eleito para a cabeça de um país que acabou de sair da ameaça islâmica, se é verdade que a ameaça está completamente descartada, IBK sabe melhor do que ninguém que os valores republicanos, que ele quer patrocinar prosperará somente sob terra do secularismo . Assim, caso não faça nenhum ponto desses em seus pontos, ele comete uma falha por omissão .

A pedido do por voz, então. Ele procede o discurso extático realizado em honra do ex-presidente Moussa Traore, que participou da cerimônia. Muitas pessoas, especialmente os pais das vítimas da sangrenta repressão da revolta de 22 de Março de 1991, que caíram das nuvens, ouvindo IBK cantar um hino ao seu antecessor distante. O novo presidente queria trazer o ex-ditador no panteão do Mali que não seria tomado de outro modo.

Pior ainda, a presença irritante de Moussa Traoré na cerimônia foi muito perceptível pela ausência do pai do Mali Konare da renovação democrática .

Como um homem tão consciente da política, como ele pode ter cometido tantos fora da pista na hora de trazer a maior carta do Estado ?

O mínimo que podemos dizer é que IBK teve um mau começo. Mas esperamos que ele corrija isso para perseguir seus projetos, que se anunciam titânicas.


Por: Alain Saint Robespierre

fonte: lobservateur

Total de visualizações de página